Paes Loureiro, patrono da Feira literária do Pará | Relivaldo Pinho

busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FAAP discute Semana de Arte Moderna de 22
>>> Toda Quinta retoma 1ª edição no Teatro Vivo com menção a Dominguinhos
>>> ENSINAR A FAZER - MARCENARIA
>>> O Peso do Pássaro Morto faz duas sessões online dias 30 e 31/10
>>> Exposição recupera a memória da ditadura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 40 belas atrizes
>>> Meu primeiro computador pessoal
>>> Um homem de Oz
>>> 12 de Junho #digestivo10anos
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Sobre futebol e hinos nacionais
>>> Zeitgeist
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Silêncio e grito
Mais Recentes
>>> Psicologia Institucional - Temas Básicos de Psicologia Vol. 15 de Marlene Guirado pela E.p.u. (1987)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Manual de Fotografia 35MM de Julian Calder e John Garrett pela Circulo do Livro (1986)
>>> O Mestre da Sensibilidade de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> O Método Fair Play de Eve Rodsky pela Best seller (2020)
>>> Assim dizia o Mestre... de Huberto Rohden pela Freitas Bastos (1960)
>>> Assim dizia o Mestre... de Huberto Rohden pela Freitas Bastos (1960)
>>> Assim dizia o Mestre... de Huberto Rohden pela Freitas Bastos (1960)
>>> Jubiabá de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Mar Morto de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Condomínio Espiritual de Hermínio C. Miranda pela Fe (1994)
>>> Abc de Castro Alves de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Madre Teresa, Ceo de Ruma Bose e Lou Faust pela Lua de Papel (2012)
>>> O Aprendizado do Real Poder de Virgínia Cavalcanti pela Rgb (2000)
>>> Pastores da Noite de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Guia de aprovação em provas e concursos e 10 dicas para o sucesso de William Douglas pela Campus (2008)
>>> Os Subterrâneos da Liberdade III - a Luz no Túnel de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Candomblé e Umbanda de Vagner Gonçalves da Silva pela Ática (1994)
>>> Anoitece no iraque de Patrick ericson pela Geração (2012)
>>> O coração inteligente de David mcarthur pela Pensamento
>>> Mais Perto de Deus de Siegfried J. Schwantes pela Casa Publicadora Brasileira (1991)
>>> Os Subterrâneos da Liberdade I - os Ásperos Tempos de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Transcender de Plínio Oliveira pela Gaivotas arte e cultura
>>> Os Subterrâneos da Liberdade II - a Agonia da Noite de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Manual Prático De Numerologia de Carlos Felipe Da Costa pela Traço (1989)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 24/10/2018
Paes Loureiro, patrono da Feira literária do Pará
Relivaldo Pinho

+ de 1600 Acessos


Imagem: divulgação


João de Jesus Paes Loureiro é o patrono da Feira Literária do Pará deste ano, que começa no sábado, 20 de outubro. É uma homenagem muito merecida para um dos maiores expoentes da literatura da Amazônia e do país.

Influenciado pela leitura em casa, na cidade de Abaetetuba, cedo o escritor se encantaria com o gênero literário pelo qual seria mais reconhecido, a poesia. Encantado com as palavras e com os livros, ele manteria uma relação inseparável entre o ato de ler e escrever que o seguiria durante toda sua maturidade.

Maturidade que começaria a se revelar em sua escrita na década de 1960 com “Tarefa”, seu primeiro livro, fortemente influenciado pelas condições históricas daquele período. Mas a história nunca deixaria de ser uma temática recorrente que marcaria sua extensa produção.

É a história a figurar em sua Trilogia Amazônica em conjunto com o imaginário regional. Nessa obra, está representado não apenas o mito como modo edificante da cultura da região, mas ele está em permanente conflito com a modernização que se anunciava e se fez presente no campo e na cidade.

“Altar em chamas” (1983) é a representação urbana desse entrecruzamento ameaçador que recoloca a aurática Belém do Pará de seus tempos imemoriais, míticos, diante de um presente que não a reconhece, pelo seu abandono e esquecimento.

A incursão mais “metafísica” de Loureiro com “Pentacantos” (1984) e com “O ser aberto” (1990), é composta pelos elementos que fundamentam essa poesia. O ser e o não ser, a aparência que se torna essência, o reencantamento do mundo desencantado.

Eis o fundamento de sua poética que se reflete de modo inseparável em seu trabalho teatral, como em “Ilha da ira” (1976) e teórico, como em “Cultura amazônica: uma poética do imaginário” (1991).

A metáfora recorrente do Ser, mimetizado em seus conceitos de mundamazôniavivência e nas encantarias, são as sínteses conceituais de seu proceder. Desde a infância esse sentimento poético se instauraria, indelevelmente, como uma representação que dialoga com a realidade, não sendo nem “apenas” realidade, nem “totalmente” poesia, mas que a conjuga na mimetização poética como formas de significação de uma, como ele mesmo diz, forma de compressão do mundo pelas palavras, mas também de abertura para o mundo pela leitura.

Suas lembranças, em “Memórias de um leitor amoroso” (1999), já indiciavam prematuramente essa escritura. Sua visão de um objeto tão “simples” como uma folha, ganhara o elemento do “espanto” sublime da realidade e da palavra, que se revelam para a poesia, revelando sempre mais do que eles são.

Escreve o poeta: “Rabiscando a esmo letras, sílabas, com surpresa, eu percebi que na palavra folha, cortando-se o ‘f’, ela se convertia em ‘olha’. Percebi que as palavras escondem palavras, como os frutos escondem os sabores e as sementes. Descascá-las é como saborear novas camadas de significados. Pensei: as folhas são olhos das árvores”.

Nesse pequeno fragmento, que relembra seu encontro na infância com o poético, já se prenunciava o modo pelo qual sua escrita sempre vislumbraria nas coisas, das mais comuns às mais insondáveis, esse jogo de “sfumato”, no qual real e imaginário não possuem distinções rígidas, não são versos inseparáveis.

Esse gradiente de cores culturais e temáticas, de interpretações e leituras, que não define plenamente os aspectos imaginativos e a realidade, mas que os pensa de modo poético-crítico, é a força de sua escrita, de sua interpretação.

É essa concepção poética que atravessará também seu trabalho teórico, buscando identificar nas manifestações culturais a “dominante” que os fundamenta. O imaginário é a dominante, mas também é, fundamentalmente, seu motivo, seu tema.

Por isso, a lenda e a cidade são também deslenda, mito caído, decrepitude e ruínas, redenção e crítica. É nas profundezas dos rios, da cidade, dos céus, do amor, da perda, da dança da bailarina, do ser, que se pode perscrutar seus significados.


Foto: Relivaldo Pinho

Há 15 anos, quando escrevi meu primeiro livro, “Mito e modernidade na Trilogia Amazônica, de João de Jesus Paes Loureiro”, que venceria o Prêmio de melhor Dissertação do Núcleo de altos Estudos amazônicos (NAEA), Paes Loureiro já era um poeta reconhecido e já havia publicado sua tese, seu principal trabalho teórico. Mas ainda carecia de um livro que o analisasse. Fiquei e fico lisonjeado em poder tê-lo feito.

Hoje, essa honra é ainda maior. Especialmente por ver que sua obra é, cada vez mais, merecidamente, reconhecida em vários âmbitos e pelo poeta ainda continuar em plena atividade teórica e literária, sempre com o rigor que cabe aos altivos escritores.


Texto publicado em O liberal, 19 de outubro de 2018 e em Relivaldo Pinho

Relivaldo Pinho é professor e pesquisador.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 24/10/2018 às 02h25


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bíblia Sagrada
Não Informado
Não Informado
(2006)



Na Alegria e na Tristeza
Carole Matthews
Novo Século
(2004)



Aprendendo a Ler Com o Jornal
Nicole Herr
Dimensao
(1997)



Império do Café: a Grande Lavoura no Brasil 1850 a 1890
Ana Luizmartins
Atual
(1990)



De Surpresa Em Surpresa
Fanny Abramovich
Atual
(2008)



A Instrumentalidade do Processo
Cândido Rangel Dinamarco
Malheiros
(1994)



Crie um Framework para Sistemas Web Com Php 5 e Ajax
Walace Soares
érica
(2009)



As Irmãs e o Mar
Lucy Clarke
Rocco
(2014)



Brinque-book Conta Fábulas - o Papagaio Bondoso E
Bob Hartman; Susie Poole
Brinque Book
(2006)



Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
Martin Claret
(1999)





busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês