A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I | Ricardo Gessner

busca | avançada
54475 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
>>> “Sempre mais que um” tem apresentações no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez a 7 capitais
>>> '1798 - Revolta dos Búzios' chega ao cinemas
>>> IV Cinefestival International de Ecoperformance divulga sua programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Preconceitos
>>> 22 de Dezembro #digestivo10anos
>>> O incompreensível mercado dos e-books
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
>>> Missão
>>> Um contrabaixo na contramão
>>> Noite branca no cinema
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
>>> Matinas sobre a Serrote
>>> Sobre jabutis, o amor, a entrega
Mais Recentes
>>> Superbaba de Jo Frost pela Seoman (2006)
>>> A História é Amarela de Vários Autores pela Abril (2017)
>>> Fazer o Bem Faz Bem de Maria Helena Gouveia pela Gente (2001)
>>> Marco Polo de Paulo Silveira pela Ediouro (1998)
>>> Como Eu era Antes de Você de Jojo Moyes; Beatriz Horta pela Intrinseca (2013)
>>> O Cavaleiro e o Samurai de Orlando Paes Filho pela Prestigio (2006)
>>> O Caminho de Cada um - o Budismo da Terra Pura de Murillo Nunes de Azevedo pela Bertrand Brasil (1996)
>>> Só Deus Sabe de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2001)
>>> O último Adeus de Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle; Marcos Santarrita; Alda Porto pela L&pm Editores (2003)
>>> O Desafio da Colaboração de Rosa Maria Fischer pela Gente (2002)
>>> A Revolução dos Campeões de Roberto Shinyashiki pela Gente (2009)
>>> Historia das Questão Religiosas no Brasil de Antônio Carlos Villaça pela Francisco Alves (1974)
>>> Concepções de Mundo no Ensino da História de Silma do Carmo Nunes pela Papirus (1996)
>>> Hats on Top Students Book and Discovery Cd-3 de Caroline Linse; E. Schottman pela Macmillan Education (2013)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Memoria Estudantis de Maria Paula Araujo pela Relume (2007)
>>> Fascismo a Brasileira de Pedro Doria pela Planeta (2021)
>>> Curso de Iniciaçao Logosofica de Carlos Bernardo Gpnzales Pecotche pela Ed Logosofica (2009)
>>> Pequeno Médico de Graziela pela Clio (2006)
>>> Enigma do Quatro de Ian Caldwell; Dustin Thomason pela Planeta do Brasil (2005)
>>> Química 2. Físico Química. Ensino Médio -vol 2 de João Usberco pela Saraiva (2009)
>>> Você Nasceu para Isso de Michelle Sacks pela Intrinseca (2019)
>>> Diva de José de Alencar pela Atica (1998)
>>> Ultra-sonografia. Revisão e Preparação para Concursos e Provas de Titu de Carol A. Krebs Charles Goodwin pela Revinter (2007)
>>> Os Anos 20 de Edmund Wilson pela Companhia das Letras (1987)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 25/11/2018
A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
Ricardo Gessner
+ de 2100 Acessos

Durante madrugadas ébrias, chuvosas e frias, passo a noite em claro e um livro aberto. Entre o clarão de um raio e estrondo de um trovão, não sei se o que aparece no vidro da janela é a silhueta de Edgar Allan Poe, com dentes assustadoramente alvos, rindo-se enquanto sobrepõe tijolos para fechar qualquer saída, ou se o livro que tenho nas mãos é de uma ave de rapina cuja assinatura é “Nunca mais”. Desperto. Era um pesadelo? Olho ao redor e vejo-me num quarto fechado, sem portas nem janelas...

Edgar Allan Poe é um dos meus autores de cabeceira. Chama-me a atenção em seus contos uma fixação pelos espaços interiores e pequenos. Por exemplo, em “O gato preto” o personagem principal, depois de assassinar sua esposa, para livrar-se do cadáver, empareda-o no porão de sua casa; em “O coração delator”, depois de assassinar o velho companheiro, esconde o corpo debaixo do assoalho. Em ambos os contos, diga-se de passagem, a estrutura é bastante parecida, sendo vários os elementos em comum: a fixação do personagem pelo olhar (do gato no primeiro, do velho no segundo); um estado de clara perturbação mental do narrador-personagem; sons perturbadores, ora provindos da mente perturbada do narrador (o bater do coração do velho), ora das próprias condições situacionais (o miado do gato, que o narrador emparedou sem perceber junto com o cadáver).

Tenho comigo uma hipótese: acredito que esse “espaço fechado” é uma espécie de personagem que circunda, ou melhor, assombra inúmeros dos contos de Poe, mas que não tem nome e muitas vezes é o responsável pelo tom – para utilizar conceito do próprio Poe – do texto, ou até mesmo por gerar sua unidade de efeito. De tão evidente, passa despercebido. Este personagem é o “claustro”. Digo aqui “claustro” por falta de termo melhor; na verdade, penso nas quatro paredes fechadas que, mais do que seu sentido literal, funciona como uma espécie de arquétipo.

Em “O barril de Amontillado”, Montresor – o narrador-personagem –, amargurado e rancoroso por certas injúrias cometidas por Fortunato, tece uma armadilha para abandoná-lo numa câmara subterrânea, supostamente um depósito de vinhos onde haveria um “barril de Amontillado”. Provavelmente o conto é a principal fonte – ou barril? – que Sir Arthur Conan Doyle bebeu para escrever “A nova catacumba” ou Lygia Fagundes Telles para escrever “Venha ver o pôr do sol”. Montresor numa emboscada acorrenta Fortunato nessa câmara, fecha-a e segue, satisfeito de sua vingança. Toda a ação de “O poço e o pêndulo”, como sugere o título, se passa numa espécie de poço – um espaço fechado e misterioso. E talvez o conto que chega ao mais extremo nesse sentido seja “O enterro prematuro”, que versa sobre a fobia do narrador em ser enterrado vivo.

Ora, diante desses poucos exemplos ensaio que, mais do que um recurso literário utilizado por Poe, é, como disse no início, uma espécie de personagem. Um fantasma que assombra manifestando-se sob as mais diversas formas. E o “claustro” não se restringe ao espaço em si, também é sua manifestação, ou melhor, sua influência ou ligação sobre os personagens, como em “A queda da casa de Usher” ou em “Ligeia”, uma espécie de Feng-Shui macabro. E mais ainda, o claustro nem mesmo precisa ser um espaço físico: pode se associar à mente perturbada do personagem.

Acredito que o “claustro”, agora transposto para a condição humana, é um arquétipo. Trata-se do horror em ser levado, sem perceber, por uma força misteriosa que oprime e não oferece nenhuma perspectiva de saída. Vivo, consciente e sem saída, num lugar para sempre desconhecido, sem saber como chegou ali. O medo da morte torna-se um afago. Sem portas, sem janelas. Sem passado nem futuro. Isso é o “claustro”. Também pode ser inferno, eterno-retorno, imutabilidade... Pode se dar num espaço literalmente claustrofóbico ou a céu aberto, nas circunstâncias aparentemente mais insignificantes, mas é onde o abismo se abre. Tudo depende das circunstâncias ou da fertilidade mental de quem (não) pensa. Poe, nesse sentido, expõe as entranhas da vida. Seguimos sem saber como ou para onde, sobre uma jangada que acreditamos existir, fixos em miragens que por nós mesmos se transmutam a cada momento. Quando acordamos, estamos ali, num lugar fechado, sem portas nem janelas. O último gesto é gritar para escutar a própria voz.

To be continued...


Postado por Ricardo Gessner
Em 25/11/2018 às 14h29

Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Completa Lei de Murphy
Arthur Bloch
Record
(1996)



Educação Infantil
Cleide Vitor Mussini Batista
CDi
(2005)



Frankenstein - Drácula - o Médico e o Monstro - 3ª Edição
Mary Shelley, Robert Louis Stevenson, Bram S.
Ediouro
(2002)



O Método Silva de Controle Mental para alcançar o sucesso nos esportes
José Silva; Ed Bernd Jr.
Record
(1998)



A Aventura De Miguel Littin Clandestino
Gabriel Garcia Marquez
Record
(1986)



Livro Literatura Estrangeira Jackdaws Agentes Especiais
Ken Follett
Rocco
(2002)



Livro de Bolso Comunicação Autoimperialismo Três ensaios sobre o Brasil
Benjamin Moser
Crítica
(2016)



Simplesmente Ler 325
Edith Chacon Theodoro
Callis
(2019)



Niemeyer em Niterói
Niemeyer em Niterói
Sem
(2024)



Cinquenta Tons na Pratica
Debra Macleod & Don Macleod
Nova Fronteira
(2012)





busca | avançada
54475 visitas/dia
2,4 milhões/mês