A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I | Ricardo Gessner

busca | avançada
38448 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Humor: artigo em extinção
>>> Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão
>>> Por que ler poesia?
>>> O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou
>>> Woody Allen
>>> The Second Coming of Steve Jobs, by Alan Deutschman
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> Crítica à arte contemporânea
Mais Recentes
>>> Postal de Alice Springs - um Romance Entre Mulheres de Diana Simmonds pela Gls (1996)
>>> A Linguagem do Meu Filho de Regina Celi Machado Cupello pela Revinter (1993)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela Record (1987)
>>> Corcovado de Jean-paul Delfino pela Record (2005)
>>> A Ideologia Alemã I Crítica da Filosofia Alemã mais Recente de Karl Marx e Friedrich Engels pela Martins Fontes (1980)
>>> Pássaros de Vôo Curto de Alcione Araújo pela Record (2008)
>>> Metamorfoses do Pássaro - Vol. 3 de Alcione Araújo (autografado) pela Civilização Brasileira (1990)
>>> O Paraíso é uma Questão Pessoal de Richard Bach pela Record (2003)
>>> A Trajetória de um Brabo de Stalin a Giacominho de Evado Diniz pela Record (1984)
>>> O Galo Músico de Fernando Sabino pela Record (1999)
>>> Meio Século de Presença Literária (1919-1969) de Tristão de Athayde pela José Olympio (1969)
>>> O Rei das Estrelas de Edmond Hamilton pela Sabiá (1971)
>>> Um Céu numa Flor Silvestre de Rubem Alves pela Verus (2010)
>>> As Atribulações de uma Caixa de Supermercado de Anna Sam pela Record (2009)
>>> Administração de recursos humanos de Idalberto Chiavenato pela Atlas (1999)
>>> Iracema de José de alencar pela Panda books (2015)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Melhoramentos (2014)
>>> Cultura Brasileira, Temas e situações de Alfredo Bosi pela Ática (2008)
>>> O escravo dos escravos de Rosa freua de carvalho pela Feesp (2012)
>>> Obras completas - volume 7 - O cancioneiro de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 9 - O banquete, Da monarquia de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 10 - Da monarquia, Da linguagem vulgar, Epístolas, A questão da água e da terra de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Minha Formação de Joaquim Nabuco pela W.M. Jackson (1948)
>>> Deus um Fracasso Amoroso de E. L. Doctorow pela Record (2003)
>>> Os carneiros de Panúrgio de Bezerra de menezes pela Feesp (2012)
>>> Obras completas - volume 5 - A Divina Comédia - O purgatório de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 4 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Memórias de um Delegado de Polícia de Renato Augusto de Lima pela Do Autor (1972)
>>> Obras completas - volume 3 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Obras completas - volume 2 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> O Pai do Vento - Cordel de Chico Salles pela Graúna
>>> Obras completas - volume 1 - A Divina Comédia - O inferno de Dante Alighieri pela Das Américas
>>> Vie et Règne de l'Amour de Søren Aabye Kierkegaard pela Aubier
>>> Rumo à Cultura de L. Riboulet pela Globo (1960)
>>> No lar e no magistério de Esther Menna Barreto Costa pela Não consta
>>> Amor sem Fim de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2001)
>>> Rei Édipo, antígone, Prometeu Acorrentado (Tragédias gregas) de Sófocles, Ésquilo pela Ediouro
>>> OMC Manual Prático da Rodada Uruguai de Ligia Maura Costa pela Saraiva (1996)
>>> Contos de I. L. Peretz de J. Guinsburg pela Perspectiva (2001)
>>> RS: Modernização & Crise na Agricultura de Elomar Tambara pela Mercado Aberto (1983)
>>> Terra: Planeta Em Perigo de Vinícius Bertoletti pela Chiado (2016)
>>> Sociedade e Estado Volume X - Número 2 de Vicente de Paula Faleiros e Outros pela Unb (1995)
>>> Antimémoires de André Malraux pela Gallimard (1967)
>>> Da Matéria dos Sonhos de Rosana Rios pela Saraiva (1995)
>>> O Último Portal de Eliana Martins e Rosana Rios pela Companhia das Letras (2003)
>>> Hqs Quando a Ficção Invade a Realidade de Rosana Rios pela Scipione (2007)
>>> A Pequena Dorrit de Carlos Dickens pela Bruguera (1969)
>>> Jacare-de-papo-amarelo de Rosana Rios pela Scipione (2003)
>>> La Divina Comedia - 2 volumes de Dante Alighieri pela Sopena (1942)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 25/11/2018
A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
Ricardo Gessner

+ de 300 Acessos

Durante madrugadas ébrias, chuvosas e frias, passo a noite em claro e um livro aberto. Entre o clarão de um raio e estrondo de um trovão, não sei se o que aparece no vidro da janela é a silhueta de Edgar Allan Poe, com dentes assustadoramente alvos, rindo-se enquanto sobrepõe tijolos para fechar qualquer saída, ou se o livro que tenho nas mãos é de uma ave de rapina cuja assinatura é “Nunca mais”. Desperto. Era um pesadelo? Olho ao redor e vejo-me num quarto fechado, sem portas nem janelas...

Edgar Allan Poe é um dos meus autores de cabeceira. Chama-me a atenção em seus contos uma fixação pelos espaços interiores e pequenos. Por exemplo, em “O gato preto” o personagem principal, depois de assassinar sua esposa, para livrar-se do cadáver, empareda-o no porão de sua casa; em “O coração delator”, depois de assassinar o velho companheiro, esconde o corpo debaixo do assoalho. Em ambos os contos, diga-se de passagem, a estrutura é bastante parecida, sendo vários os elementos em comum: a fixação do personagem pelo olhar (do gato no primeiro, do velho no segundo); um estado de clara perturbação mental do narrador-personagem; sons perturbadores, ora provindos da mente perturbada do narrador (o bater do coração do velho), ora das próprias condições situacionais (o miado do gato, que o narrador emparedou sem perceber junto com o cadáver).

Tenho comigo uma hipótese: acredito que esse “espaço fechado” é uma espécie de personagem que circunda, ou melhor, assombra inúmeros dos contos de Poe, mas que não tem nome e muitas vezes é o responsável pelo tom – para utilizar conceito do próprio Poe – do texto, ou até mesmo por gerar sua unidade de efeito. De tão evidente, passa despercebido. Este personagem é o “claustro”. Digo aqui “claustro” por falta de termo melhor; na verdade, penso nas quatro paredes fechadas que, mais do que seu sentido literal, funciona como uma espécie de arquétipo.

Em “O barril de Amontillado”, Montresor – o narrador-personagem –, amargurado e rancoroso por certas injúrias cometidas por Fortunato, tece uma armadilha para abandoná-lo numa câmara subterrânea, supostamente um depósito de vinhos onde haveria um “barril de Amontillado”. Provavelmente o conto é a principal fonte – ou barril? – que Sir Arthur Conan Doyle bebeu para escrever “A nova catacumba” ou Lygia Fagundes Telles para escrever “Venha ver o pôr do sol”. Montresor numa emboscada acorrenta Fortunato nessa câmara, fecha-a e segue, satisfeito de sua vingança. Toda a ação de “O poço e o pêndulo”, como sugere o título, se passa numa espécie de poço – um espaço fechado e misterioso. E talvez o conto que chega ao mais extremo nesse sentido seja “O enterro prematuro”, que versa sobre a fobia do narrador em ser enterrado vivo.

Ora, diante desses poucos exemplos ensaio que, mais do que um recurso literário utilizado por Poe, é, como disse no início, uma espécie de personagem. Um fantasma que assombra manifestando-se sob as mais diversas formas. E o “claustro” não se restringe ao espaço em si, também é sua manifestação, ou melhor, sua influência ou ligação sobre os personagens, como em “A queda da casa de Usher” ou em “Ligeia”, uma espécie de Feng-Shui macabro. E mais ainda, o claustro nem mesmo precisa ser um espaço físico: pode se associar à mente perturbada do personagem.

Acredito que o “claustro”, agora transposto para a condição humana, é um arquétipo. Trata-se do horror em ser levado, sem perceber, por uma força misteriosa que oprime e não oferece nenhuma perspectiva de saída. Vivo, consciente e sem saída, num lugar para sempre desconhecido, sem saber como chegou ali. O medo da morte torna-se um afago. Sem portas, sem janelas. Sem passado nem futuro. Isso é o “claustro”. Também pode ser inferno, eterno-retorno, imutabilidade... Pode se dar num espaço literalmente claustrofóbico ou a céu aberto, nas circunstâncias aparentemente mais insignificantes, mas é onde o abismo se abre. Tudo depende das circunstâncias ou da fertilidade mental de quem (não) pensa. Poe, nesse sentido, expõe as entranhas da vida. Seguimos sem saber como ou para onde, sobre uma jangada que acreditamos existir, fixos em miragens que por nós mesmos se transmutam a cada momento. Quando acordamos, estamos ali, num lugar fechado, sem portas nem janelas. O último gesto é gritar para escutar a própria voz.

To be continued...


Postado por Ricardo Gessner
Em 25/11/2018 às 14h29


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAMBIO: FORMACIÓN Y SOLUCIÓN DE LOS PROBLEMAS HUMANOS (2308)
PAUL WATZLAWICK E OUTROS
HERDER
(2007)
R$ 90,00



A UNIFICAÇÃO DA EUROPA
VAMIREH CHACON
SCIPIONE
(1992)
R$ 6,00



LIVRO NADA A PERDER 1
EDIR MACEDO
PLANETA
(2012)
R$ 12,00



NOVO TESTAMENTO
D. VICENTE M. ZIONI E PE. E. TINTORI
EDIÇÕES PAULINAS
(1969)
R$ 80,00
+ frete grátis



TEOLOGIA DO CATIVEIRO E DA LIBERTAÇÃO
LEONARDO BOFF
CÍRCULO DO LIVRO
(1989)
R$ 24,00



LA PSYCHOLOGIE DIFFERENTIELLE
HENRI PIERÓN
PRESSES UNIVERSITAIRES
(1949)
R$ 26,82



REPRESENTAÇÕES E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS PARA AS ESCOLAS DE FRONTEIRA
GREICI LENIR REGINATTO CAÑETE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



COMO A MÚSICA FICOU GRÁTIS - O FIM DE UMA INDUSTRIA... 1ª EDIÇÃO
STEPHEN WITT
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 18,00



SUPERE-SE SEXUALMENTE
SARAH BREWER
MANOLE
(1998)
R$ 10,00



HOMENS DE NEGÓCIO, COMPANHIAS E COMÉRCIO
CLARA DE A. FARIAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00





busca | avançada
38448 visitas/dia
955 mil/mês