A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I | Ricardo Gessner

busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FAAP discute Semana de Arte Moderna de 22
>>> Toda Quinta retoma 1ª edição no Teatro Vivo com menção a Dominguinhos
>>> ENSINAR A FAZER - MARCENARIA
>>> O Peso do Pássaro Morto faz duas sessões online dias 30 e 31/10
>>> Exposição recupera a memória da ditadura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um homem de Oz
>>> 12 de Junho #digestivo10anos
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Sobre futebol e hinos nacionais
>>> Zeitgeist
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Silêncio e grito
>>> Sejam Bem-Vindos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
Mais Recentes
>>> Le Juste 1 de Paul Ricoeur pela Éditions Espirit (2005)
>>> Introdução à Filosofia: Problemas, Sistemas, Autores, Obras de B. Mondin pela Paulus (2017)
>>> Mitos indígenas para gostar de ler 40 de Betty Mindlin pela Ática (2006)
>>> Em busca do ser: O Quarto Caminho Para Uma Nova Consciência de G. I. Gurdjieff pela Pensamento (2019)
>>> O Jogo Dramático Infantil de Peter Slade pela Summus (1978)
>>> Bertrand Russell and the Origins of Analytical Philosophy de Ray Monk e Anthony Palmer Editores pela Thoemmes (1996)
>>> Linguagem do Corpo - O que seu corpo revela volume 2 de Cristina Cairo pela Cairo (2013)
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record (1979)
>>> A magia divina das Sete Pedras Sagradas de Rubens Saraceni pela Madras (2019)
>>> Remarks on Colour de Ludwig Wittgenstein pela California Universit (1978)
>>> Lógica, Simbolização e Dedução de L. Hegenberg pela E. p. u. (1975)
>>> A ilha do tesouro de Ary Quintella pela Scipione (2012)
>>> How to Win Friends and Influence People de Dale Carnegie pela Harper Business Classics (1999)
>>> Viagens de gulliver de Cláudia Lopes pela Scipione (2002)
>>> Mental acts de Peter Geach pela Key Texts (1971)
>>> O Maestro de Fábio Steinberg pela It Books (2011)
>>> O homem e o planeta terra de Ramatís pela Do Conhecimento (1999)
>>> L'impatience des langues de Gérard Bensussan pela Hermann (2010)
>>> Livros Coleção Terramarear - Tarzan - Antiga - Anos - 1933/34/35/47/48 - 14 Volumes de Edgar Rice Burroughs pela Nacional
>>> Uso prático das energias de Manú pela Berkana (1996)
>>> O Maior Presente do Mundo de Og Mandino & Buddy Kaye pela Record (1978)
>>> On knowing and the known de Kenneth G. Lucey Edited pela Prometheus Books (1996)
>>> Cirurgias do além de Sidney m. greenfield pela Vozes (1999)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1981)
>>> Formação econômica do brasil de Celso Furtado pela Companhia Nacional (1989)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 25/11/2018
A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
Ricardo Gessner

+ de 1400 Acessos

Durante madrugadas ébrias, chuvosas e frias, passo a noite em claro e um livro aberto. Entre o clarão de um raio e estrondo de um trovão, não sei se o que aparece no vidro da janela é a silhueta de Edgar Allan Poe, com dentes assustadoramente alvos, rindo-se enquanto sobrepõe tijolos para fechar qualquer saída, ou se o livro que tenho nas mãos é de uma ave de rapina cuja assinatura é “Nunca mais”. Desperto. Era um pesadelo? Olho ao redor e vejo-me num quarto fechado, sem portas nem janelas...

Edgar Allan Poe é um dos meus autores de cabeceira. Chama-me a atenção em seus contos uma fixação pelos espaços interiores e pequenos. Por exemplo, em “O gato preto” o personagem principal, depois de assassinar sua esposa, para livrar-se do cadáver, empareda-o no porão de sua casa; em “O coração delator”, depois de assassinar o velho companheiro, esconde o corpo debaixo do assoalho. Em ambos os contos, diga-se de passagem, a estrutura é bastante parecida, sendo vários os elementos em comum: a fixação do personagem pelo olhar (do gato no primeiro, do velho no segundo); um estado de clara perturbação mental do narrador-personagem; sons perturbadores, ora provindos da mente perturbada do narrador (o bater do coração do velho), ora das próprias condições situacionais (o miado do gato, que o narrador emparedou sem perceber junto com o cadáver).

Tenho comigo uma hipótese: acredito que esse “espaço fechado” é uma espécie de personagem que circunda, ou melhor, assombra inúmeros dos contos de Poe, mas que não tem nome e muitas vezes é o responsável pelo tom – para utilizar conceito do próprio Poe – do texto, ou até mesmo por gerar sua unidade de efeito. De tão evidente, passa despercebido. Este personagem é o “claustro”. Digo aqui “claustro” por falta de termo melhor; na verdade, penso nas quatro paredes fechadas que, mais do que seu sentido literal, funciona como uma espécie de arquétipo.

Em “O barril de Amontillado”, Montresor – o narrador-personagem –, amargurado e rancoroso por certas injúrias cometidas por Fortunato, tece uma armadilha para abandoná-lo numa câmara subterrânea, supostamente um depósito de vinhos onde haveria um “barril de Amontillado”. Provavelmente o conto é a principal fonte – ou barril? – que Sir Arthur Conan Doyle bebeu para escrever “A nova catacumba” ou Lygia Fagundes Telles para escrever “Venha ver o pôr do sol”. Montresor numa emboscada acorrenta Fortunato nessa câmara, fecha-a e segue, satisfeito de sua vingança. Toda a ação de “O poço e o pêndulo”, como sugere o título, se passa numa espécie de poço – um espaço fechado e misterioso. E talvez o conto que chega ao mais extremo nesse sentido seja “O enterro prematuro”, que versa sobre a fobia do narrador em ser enterrado vivo.

Ora, diante desses poucos exemplos ensaio que, mais do que um recurso literário utilizado por Poe, é, como disse no início, uma espécie de personagem. Um fantasma que assombra manifestando-se sob as mais diversas formas. E o “claustro” não se restringe ao espaço em si, também é sua manifestação, ou melhor, sua influência ou ligação sobre os personagens, como em “A queda da casa de Usher” ou em “Ligeia”, uma espécie de Feng-Shui macabro. E mais ainda, o claustro nem mesmo precisa ser um espaço físico: pode se associar à mente perturbada do personagem.

Acredito que o “claustro”, agora transposto para a condição humana, é um arquétipo. Trata-se do horror em ser levado, sem perceber, por uma força misteriosa que oprime e não oferece nenhuma perspectiva de saída. Vivo, consciente e sem saída, num lugar para sempre desconhecido, sem saber como chegou ali. O medo da morte torna-se um afago. Sem portas, sem janelas. Sem passado nem futuro. Isso é o “claustro”. Também pode ser inferno, eterno-retorno, imutabilidade... Pode se dar num espaço literalmente claustrofóbico ou a céu aberto, nas circunstâncias aparentemente mais insignificantes, mas é onde o abismo se abre. Tudo depende das circunstâncias ou da fertilidade mental de quem (não) pensa. Poe, nesse sentido, expõe as entranhas da vida. Seguimos sem saber como ou para onde, sobre uma jangada que acreditamos existir, fixos em miragens que por nós mesmos se transmutam a cada momento. Quando acordamos, estamos ali, num lugar fechado, sem portas nem janelas. O último gesto é gritar para escutar a própria voz.

To be continued...


Postado por Ricardo Gessner
Em 25/11/2018 às 14h29


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Cruzada das Trevas
Giulio Leoni
Planeta
(2009)



Ética na Política e na Empresa
Mario Ernesto Humberg
Cla
(2002)



Das confusões desse Mundo de águas
Adelson José Fontes Santos
Angellara
(1996)



Meio Século no Limiar do Perigo: Memórias de um Aventureiro Amador
Claudio de Moura Castro
Record
(2005)



Todo Mundo no Escuro
Patrícia Engel Secco
Boa Companhia
(2009)



Acredite Se Quiser!
Lae de Souza
Ecoarte
(2011)



Maluquinho por Futebol
Ziraldo
Globo
(2006)



Portugies
Não Informado
Não Informada



Trotter Brazilië
Marc Vingerhoedt
Lanno
(2010)



Desengenharia
Luis Enrique Sanchez
Edusp
(2001)





busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês