A imaginação educada, de Northrop Frye | Ricardo Gessner

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> The Wanted de Chas Newkey Burden; Mariana Varella pela Prumo (2013)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Brunner e Suddarth - Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica - Vol 1 de Kerry H. Cheever; Janice L. Hinkle pela Gen Guanabara Koogan (2016)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Microbiologia de Gerard J. Tortora; Berdell R. Funke pela Artmed (2005)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Por Que Arte-Educação? de João Francisco Duarte Jr. pela Papirus (1991)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 13/1/2019
A imaginação educada, de Northrop Frye
Ricardo Gessner
+ de 4100 Acessos

A imaginação é, e continuará sendo, a quintessência do humano; cultivá-la é uma forma de manutenção de nossa humanidade.

O crítico literário canadense Northrop Frye apresentou um conjunto de cinco palestras, todas reunidas no volume A imaginação educada, em que se define o que é a imaginação, explana-se como ela se forma e, nas palestras finais, discorre-se sobre como e qual a importância de ela ser educada.

Em primeiro lugar, a imaginação se caracteriza por ser um nível mental exclusivamente humano. Não se define por ser meramente perceptiva nem social – outros animais e insetos são capazes de perceber, de alguma forma, a realidade, assim como são capazes de se organizarem em sociedades. Mais do que isso, a imaginação responde a um esforço de modelar, mentalmente, realidades que não existem, mas que, apesar disso, se gostaria de viver. Ela trata, portanto, do que não existe, mesmo que projete isso na realidade.

“Muitos animais e insetos também têm essa forma social, mas o ser humano é consciente de tê-la: ele é capaz de comparar o que faz com o que imagina poder fazer. Começamos então a perceber o lugar da imaginação no quadro das ocupações humanas. Ela é o poder de construir modelos possíveis da experiência humana. No mundo da imaginação vale tudo que seja imaginável, mas nada acontece de verdade. Se acontecesse, sairia do mundo da imaginação para entrar no mundo da ação.” (FRYE, 2017, p. 18)

Para tanto, a imaginação possui uma linguagem específica, que é a literária. Diferente da linguagem perceptiva – que busca descrever os objetos da realidade – e da linguagem social – que expressa e comunica –, a linguagem literária se caracteriza pela capacidade associativa: torna o ser humano apto para realizar associações entre a sua subjetividade – sentimentos, anseios, angústias, emoções – com a objetividade da realidade. O emblemático verso camoniano “Amor é fogo que arde sem se ver”, por exemplo, estabelece uma relação entre o sentimento amoroso (universo humano), qualificando-o em relação a um objeto do mundo natural – o fogo.

Nesse processo, a associação de um e outro é feita por meio de uma identificação, item fundamental para o exercício imaginativo, pois almeja-se “(...) sugerir alguma identidade entre a mente humana e o mundo exterior a ela – sendo essa identidade aquilo que mais importa à imaginação” (FRYE, 2017, p. 31). Por isso, a linguagem literária é associativa e, por conseguinte, a aplicação de figuras de linguagem – símiles, metáforas, analogias, símbolos – é primordial.

“(...) o poeta não se inibe nem um pouco de usar essas duas primitivas, arcaicas formas de pensamento [analogia e metáfora], pois seu ofício não é descrever a natureza, mas nos mostrar um mundo completamente absorvido e possuído pela mente humana” (FRYE, 2017, p. 32)

Dessa forma, como afirmei no início desta crônica, a imaginação é a quintessência do humano – é uma forma de se identificar e pertencer ao mundo. Sem ela, não há humanidade.

Há várias formas de associação e identificação, mas a mitologia talvez seja a primeira e é a que dá origem a todas as outras, inclusive a literatura. Na mitologia existe uma associação entre um elemento ou fenômeno natural com alguma divindade, “(...) um ser que é humano em sua forma e caráter gerais, mas aparenta possuir alguma ligação especial com o além – um deus solar, um deus da tempestade em um deus-árvore” (FRYE, 2017, p. 32). Destarte, a narrativa dessa divindade explica e, mais do que isso, dá sentido à realidade observada.

A literatura, por sua vez, reverbera as estruturas da mitologia, mas sem a crença. Devido às transformações de ordem social, cultural e histórica, narrativas mitológicas podem se tornar desacreditadas; todavia, os heróis e seus feitos representam arquétipos até hoje plasmados e reconfigurados em obras literárias. Em razão disso, Frye enfatiza e reitera o ensino e o estudo dessas estruturas, pois fundamentam as obras formadoras da cultura Ocidental: “A literatura fala da linguagem da imaginação, e os estudos literários devem treinar e aprimorar a capacidade imaginativa” (FRYE, 2017, p. 116).

Uma imaginação educada, portanto, é aquela que não apenas conhece as narrativas que moldam o humano através de seu olhar para o mundo natural, mas também é capaz de aplicar esse olhar associativo, seja para se identificar e, assim, pertencer ao mundo, seja para se proteger contra as ilusões – diria: contra as ideologias – que alguns setores da sociedade tentam manipular e desumanizar o homem.

“A primeira coisa que a imaginação faz para nós tão logo começamos a ler, escrever e falar, é lutar por nos proteger das ilusões com que a sociedade nos ameaça. A ilusão, claro, é ela mesma produzida pela imaginação social, mas é uma forma invertida de imaginação. O que ela cria é o imaginário, que (...) se distingue do imaginativo” (FRYE, 2017, p. 122)

Por conseguinte, uma forma artística restrita à técnica facilita a formação de ilusões, pois deixa de lado o olhar associativo que humaniza. Retomando a analogia de Ortega y Gasset, em A rebelião das massas, a fruição artística é como um olhar através do vidro de uma janela: a paisagem corresponde ao mundo natural enquanto que a janela equivale à própria arte. Uma concepção restrita à técnica deixa de olhar para a paisagem, isto é, para o mundo natural e, consequentemente, aquela identidade e todo processo humano se restringe à janela, isto é, ao modus operandi.

Com isso, não quero dizer que o trabalho técnico é desimportante; ao contrário, pois seu desenvolvimento – que não é evolutivo – permite expandir as formas de representação e, assim, de identificação com a realidade. Mas, reitero: isso acontece quando o olhar para o mundo não é abolido pelo exclusivo olhar à técnica.

Sendo assim, a imaginação responde ao ímpeto humano de formular ideias e sistemas mentais que representam um mundo em que se gostaria de viver; um mundo em que existe um pertencimento pleno. Para isso, lança-se mão de uma linguagem apropriada, que é a literária.

“O ponto simples é que a literatura pertence ao mundo que o homem constrói, e não ao mundo que ele vê; pertence ao seu lar, não ao seu ambiente” (FRYE, 2017, p. 23)

Portanto, se afirmei que a imaginação é a quintessência do humano, e se através do processo imaginativo o homem se humaniza, constrói o seu mundo a partir de sua capacidade imaginativa, é possível também afirmar que o humano é a quintessência da imaginação.


Postado por Ricardo Gessner
Em 13/1/2019 às 17h43

Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lazarillo de Tormes - Nivel 3 - Inclui CD
Anónimo
Santillana
(2008)



Runas O Oráculo dos Deuses
Maya Garcia Câmara
Icone
(1995)



Confesso que vivi
Pablo Neruda
Círculo do livro
(1983)



O Combate a Corrupcão Nas Prefeituras do Brasil
Antoninho Marmo Trevisan; Antonio Chizzotti
Atêlia
(2003)



Livro Religião Bílbia Sagrada Edição Pastoral
Diversos
Paulus
(2003)



Livro Literatura Estrangeira Diários de Stefan Volume 2 Sede de Sangue
L. J. Smith
Galera
(2012)



Livro Literatura Estrangeira A Princesa Sob os Refletores
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



Literary Essays
Jean Paul Sartre
Citadel



Contratos nominados
Araken De Assis
Revista dos tribunias
(2009)



Livro Literatura Brasileira O Buraco na Parede
Rubem Fonseca
Companhia das Letras
(1995)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês