A Belém <I>pulp</I>, de Edyr Augusto | Relivaldo Pinho

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
Mais Recentes
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1999)
>>> Mais que Amigos de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2002)
>>> T. N. T. Nossa Força Interior de Claude M. Bristol e Harold Sherman pela Ibrasa (1980)
>>> Ana Karênina de Leão Tolstói pela Abril Cultural (1971)
>>> O Senhor do Mundo de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick
>>> Diário de Giovanni Papini pela Nacional (1966)
>>> O Estoicismo Romano - Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio de Reinholdo Aloysio Ullmann pela Edipucrs (1996)
>>> Complexo de Cinderela de Colette Dowling pela Melhoramentos (1995)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Abril Cultural (1981)
BLOGS >>> Posts

Terça-feira, 5/2/2019
A Belém pulp, de Edyr Augusto
Relivaldo Pinho

+ de 100 Acessos



Edyr Augusto é hoje um dos nomes mais proeminentes da literatura contemporânea brasileira. Seus livros, editados a partir da década de 1990, pouco a pouco foram ganhando destaque da crítica e, já se pode dizer, do público leitor. Algumas de suas obras foram traduzidas para o inglês e francês. Desde então, o escritor paraense tornou-se um dos principais artistas que representam a complexa contemporaneidade da urbanidade amazônica, especialmente da capital paraense.

Longe de ser um porta voz de uma única e imutável identidade regional, sua literatura está muito mais ligada às últimas três décadas da realidade urbana da região. Essa realidade está situada principalmente em seus centros urbanos, mais especificamente, em Belém do Pará.

É com Os Éguas, de 1998, primeiro romance do autor, que essa trajetória e essa narrativa da cidade começam a se desenvolver. Nesse romance, já está presente uma caracterização da região que dista radicalmente das imagens consagradas pelos discursos regionalistas e midiáticos. A Belém que surge é povoada pela degeneração de seu ambiente.

A cidade se faz presente pela violência, pela corrupção, pelas drogas, pela simulação, pelo medo. Através do Personagem Gil, um investigador de polícia, a capital do Pará e seus “tipos” salta para fora, agônica e doente, como um instinto represado pela dor, que implode, página por página, a realidade.

Essa caracterização se seguirá nos livros posteriores, como Moscow (2001), Casa de caba (2004), Um sol para cada um (2008), Selva concreta (2013) e Pssica (2015). As imagens da caótica vida urbana que alimenta o noticiário “mundo cão” das capitais, como Belém, é um dos temas dos livros de Edyr, mas neles não está apenas uma imagem aterradora em fragmentos demonstrada, mas sim um projeto de escrita que formaliza a contemporaneidade decrépita que a todo dia cintila e obscurece nossos olhos.

Vejam, por exemplo, a abertura do conto Sujou, do livro Um sol para cada um, que integrou, em 2010, a Antologia Pan-Americana: 48 contos contemporâneos do nosso continente:


“Eu já sacava o cara. A gente fica ali na esquina e vai vendo as figuras da vizinhança. Basta qualquer barulho e eles chegam na janela dos prédios. Fica tudo lá, olhando. Mas parece que tem uma fronteira, sabe? Daqui para lá e de lá pra cá. Lá pra frente os barões. Aqui pra trás a zona. Mas é que às vezes tá roça mesmo. Ele chegou com o carrão e ficou esperando abrir o portão da garagem. Encostei, disse oi, pedi uma ponta, cigarro qualquer coisa. Disse que dava chupada, essas porras. Me deu uma banda. A Maricélia disse que podia dar merda, o cara se queixar, sei lá, segurança do edifício. Não deu. Disse que outro dia, tava de nóia, rolou discussão e mandaram chamar a polícia por causa do barulho” .



Reprodução

Na cidade de Edyr, a Belém é, ao mesmo tempo, dividida e indivisível, vigilante e vigiada, repleta de gente e solitária. A prostituição é, aqui, uma de suas marcas. Presente no centro da cidade, ao lado de suas praças, de suas ruas centenárias, de seus orgulhosos prédios históricos.

O que está em jogo é essa possibilidade de observamos essas outras faces dessa contemporaneidade da cidade, não apenas para atestar esses aspectos desoladores. Mas, fundamentalmente, compreender que não os reconhecer, ignorá-los, é também ignorar essa história, essa configuração social, essa realidade. É desconsiderar uma das mais importantes formalizações estéticas que se encarrega de representá-la.

Não é apenas negar, como reação, uma Belém idealizada veiculada ainda hoje por vários discursos (midiáticos, sociais, institucionais). Mas é – sob pena de virarmos as costas para o contemporâneo e sua decisiva importância que, gostemos ou não, transformaram parte do ethos do ser amazônico, belenense – dar visibilidade a uma representação que dialoga decisivamente com essa experiência.

Mais do que uma outra face da Amazônia, de suas cidades, essa caracterização surge como uma possibilidade de reconhecermos que, se a arte não é, obrigatoriamente, uma reprodução da realidade, ela não é apenas uma manifestação extemporânea.

No caso da literatura de Edyr Augusto isso é ainda mais revelador. Exatamente porque ela pode nos proporcionar uma representação da cidade que está, ao mesmo tempo, próxima demais do leitor e distante demais (o jornalismo a aproxima pelo fragmento, pelo fait divers) de uma representação estética que a formalize, que a reúna em um corpo discursivo que tem nessa experiência urbana seu fundamento.

Esse fundamento é esteticamente construído em estreita relação com o gênero de literatura policial. Mas ao contrário do clássico romance policial que primava por um detetive sóbrio, talentoso, genial e pela decifração lógica do crime, precisa, implacável e por uma representação da cidade onde o criminoso é ainda um elemento que se esconde na multidão, a literatura de Augusto está muito mais próxima do gênero pulp. Desse gênero no qual o crime é parte essencial da grande cidade, que nela habita como um hematoma indissolúvel, como nas cidades norte-americanas povoadas pelo crime das primeiras décadas do século XX.


Os “Éguas”/Belém, publicado em francês. Reprodução


Nesse ambiente, o detetive é alcoólatra, a violência é um de seus recursos, ele não é excepcional e a cidade que passa diante dele lhe parece como um acúmulo de seres e paisagens decaídos.

Assim surge a cidade na literatura do Augusto paraense. Sua narrativa, preenchida por essas características, adota uma série de imagens do lugar, imagens que remetem a espaços físicos, às caracterizações profundamente cênicas de situações e focalizações de seus “tipos” urbanos que, propositalmente, contrastam com um romântico discurso acostumado e atrofiado sobre a região e a “Cidade das mangueiras”.

A capital do Pará surge em sua literatura em um ritmo vertiginoso, sua escrita mimetiza o diálogo coloquial, o caos citadino, a fragmentação noticiosa dos jornais, o choque, a indiferença.

Uma representação que tem por temática o urbano e sua contemporaneidade, uma escrita que é realizada como um roteiro cinematográfico, repleta de imagens que nos levam diretamente para fisionomias imagéticas/fílmicas de Belém do Pará.

Nessa cidade pulp, nem sempre se pode lamentar o reluzente passado. Pode parecer desolador, mas, talvez, não se tenha mais tempo para essa lamentação, diante das cenas que implodem, diariamente, página por página, a realidade.


Texto publicado em Diário online. Em 12 jan. 2019. E em Relivaldo Pinho

Relivaldo Pinho é autor de, dentre outros livros, Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia . ed.ufpa, 2015.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 5/2/2019 às 12h19


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA: O MUNDO EM TRANSIÇÃO - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2014)
R$ 39,91



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO JOVEM
(2012)
R$ 23,28



O VAMPIRO LESTAT
ANNE RICE
ROCCO
(1999)
R$ 17,90



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE/ GMT
(2018)
R$ 32,00
+ frete grátis



A NOITE DA MEMÓRIA
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
ART
(1988)
R$ 30,00



O ENCONTRO DE LAMPIÃO COM SATURNINO NO INFERNO
LUIZ GONZAGA DE LIMA
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 7,00



STRESS - VOCÊ PODE SER O PRÓXIMO - PREVINA-SE
JOÃO VILAS BOAS
PARADIGMA
(2010)
R$ 6,90



ENCONTROS, DESENCONTROS & REENCONTROS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1996)
R$ 25,00



LUZ E SOMBRAS
LUDWING WITTGWNATEIN
MARTINS FONTES - MARTINS
(2018)
R$ 15,00



A SELEÇÃO
KIERA CASS
SEGUINTE
(2014)
R$ 29,13





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês