O Estranho Racismo Preconceituoso do Brasil | Blog de Camila Oliveira Santos

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Superdicas Para Escrever Bem Diferentes Tipos de Texto de Edna M. Barian Perrotti pela Saraiva (2006)
>>> Técnica da Redação Comercial de Helena Montezuma pela Tecno Print (1963)
>>> Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você de Édison de Oliveira pela L&PM Pocket (2012)
>>> Manual de Estilo Editora Abril de Vários Autores pela Nova Fronteira (1990)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Guia Prático de Redação de Massaud Moisés pela Cultrix (1967)
>>> Estudo Sintético e Racional da Arte e da Técnica de Escrever de Dr. Paulo Acioly pela Exame
>>> Comunique-se Melhor e Desenvolva Sua Memória de Jorge Luiz Brand pela Pe. Berthier (1996)
>>> Os Pecados da Língua – Pequeno Repertório de Grandes Erros de Linguagem de Paulo Flávio Ledur & Paulo Sampaio (Sampaulo) pela Age (1993)
>>> Independence Day - O ressurgimento de Alex irvine pela Nemo (2016)
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 8/6/2020
O Estranho Racismo Preconceituoso do Brasil
Camila Oliveira Santos

+ de 600 Acessos


2020 não está pra brincadeiras e só faz escancarar as feridas mundiais, doa a quem doer! Mais uma prova disso são as manifestações que estão ocorrendo em prol das vidas negras, respingando em todas as nações. Mas embora o (Black Lives Matter - Vidas Negras Importam) esteja fazendo uma excelente demonstração de força e conscientização, em comparação com o Brasil, podemos apontar diversos fatores que divergem e mostram uma história de racismo e preconceito um tanto atípica com relação aos outros países.

Pra começar, um dado surpreendente é que nos Estados Unidos a população negra representa apenas 12% da nação, enquanto que no Brasil mais de 55% do povo se declara preto ou pardo. Então, porque a história conhecida depõe tanta disparidade entre os dois países pra essas pessoas?

A resposta é simples, mas o desconhecimento da população é apenas a ponta do iceberg que gerou esse abismo. Trata-se de conhecer a ti e a tua própria história como povo, uma coisa que o brasileiro não está acostumado a saber pela completa falta de incentivo. Dessa forma, a massa do país está habituada a lutar por si, numa batalha de classes onde só se modernizou o sistema de tratamento.

Obviamente, que os negros retintos são os indivíduos mais prejudicados nessa sociedade construída pra ser uma pirâmide. Contudo, o Brasil é formado de miscigenação, em que sua grande maioria - os que completam o grosso dos tais 55% e muitos que se consideram brancos - estão na base, enquanto que apenas alguns poucos formam esse topo imaginário e erroneamente abusivo. Mas se é assim, porque há tanta discórdia entre uma população que se encontra praticamente no mesmo patamar?

Aí vem de novo a simples resposta pra aquela pergunta acima... Porque o povo brasileiro desconhece sua história. Porque estiveram durante séculos expostos ao conformismo e a crença de que as coisas são como são e nada poderá mudar. Portanto, mesmo com o passar dos anos e com a modernização da sociedade, ainda existem certos tabus que colocam pessoas somente em determinadas posições, profissões, situações, causando a guerra urbana que é presenciada diariamente.

Desse modo, quem tem um pouco mais espezinha o que vem logo depois, só pra se sentir melhor com seus méritos de vida. É o tal doutor que não se formou em nada e a madame entojada com R$ 100,00 no banco. Achando que diminuindo o outro se eleva pra um nível superior. E ninguém se livra de fato desse mecanismo, medido pelos volumes dos bolsos, pelos tons das peles e por tudo o que o indivíduo representa ser, como um presente super vistoso ou que foi embrulhado meio xoxo na última hora.

Assim, muitas pessoas tentam mostrar o que não são, preferindo o desconforto a enfrentar as situações que um chinelo no shopping ou uma roupa esportiva podem trazer. Não se tratando de onde mais quando irá acontecer, porque sempre acontece. Então, ouse em ser o diferente e dê-lhe o benefício da dúvida. Com certeza o questionado agradecerá e poderá ter esperança por dias em que essa reação seja normal.

A origem mesmo, somente um DNA poderia provar, no entanto, todo mundo tem um argumento descabido pra agir de maneira descerebrada. Resta a questão de que se a maioria segue um padrão, porque sou obrigado a reagir diferente quando vejo um negro de terno e penso ser um segurança, ou uma mulher de branco sem ser babá ou empregada, um cara vindo em minha direção e não segurar a bolsa mais forte?

E óbvio que há um padrão na população do país, mas isso foi gerado porque desde séculos atrás não foram dados os incentivos corretos pra que a massa brasileira se integrasse de forma a se tornar um país funcional. Onde os negros foram jogados a própria sorte depois da abolição, criando guetos e morros que se estenderam pelos estados.

Em que também já havia uma grande camada de brancos degredados pobres, analfabetos, índios, exilados e imigrantes aventureiros espalhados por todo o Brasil, que mais tarde, com a ajuda da emigração, revoltas, pandemia, a imigração europeia e asiática por motivos de guerra no começo do século XX e tantas outras coisas mais, se transformou no povo brasileiro.

Algo, que se for analisar, está se repetindo nos últimos anos. Curioso, não? Ainda mais levando em consideração que certas coisas, como a política nunca mudam. Voltando a diferença dos países, os negros e outros povos americanos tiveram melhor formação e consciência porque lutaram, porque se protegeram inicialmente em comunidades que depois se organizaram e vem correndo atrás dos seus direitos, pois está longe da perfeição, enquanto que nessa nação a situação desintegra seus habitantes e os transforma em adversários numa guerra pelos melhores recursos, pois nunca há pra todos e quem consegue dita as regras.

O que o brasileiro se esquece é que aos olhos do mundo são um povo só: latino. Onde poucos podem provar sua real descendência x, embora muitos usem desse argumento pra humilhar um rosto e sofrerem igual quando forem ao exterior. E que direito descendente é esse? Qual a finalidade? Só num país que nunca se livrou da síndrome de colônia vira-lata. Sem saber que de repente julgou e menosprezou alguém com muito mais instrução, empatia e sapiência. Um ser que em decorrência de sua aparência foi sentenciado mais um dia em que comemorava uma promoção, a vida saudável, um reencontro, etc.

Por fim, qual seria a solução pra todo esse dilema infindável? E claro que repetitivamente a chave será a educação. Pois só a educação poderá fazer com que as pessoas conheçam sua história de um modo geral, abrindo as mentes pra algo maior, gerando empatia. Só pela instrução será possível a identificação e afabilidade com o outro, além de que indivíduos instruídos não precisam, nem querem roubar, matar, brigar por motivos corriqueiros, quebrando um circulo vicioso que ainda levará muito tempo pra parar de girar.

A meritocracia é de fato um sistema válido, porém pra que possa funcionar, todos precisam ter as mesmas oportunidades, pra que consigam escolher e competir em pé de igualdade. Isso vale pra negros, brancos, pobres, ricos de qualquer gênero e motivação religiosa.

Mas o povo brasileiro, aos trancos e barrancos chegou até aqui e com certeza irá mais longe, até o dia em que textos como esse se tornarão obsoletos, tragados pela história. E pessoas, independentes de sua origem possam ser apenas indivíduos na multidão sem desconfianças nem julgamento prévio. Por isso, pais e mães, lutem pela própria educação e pela dignidade de seus filhos.



Postado por Camila Oliveira Santos
Em 8/6/2020 às 23h36


Mais Blog de Camila Oliveira Santos
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROFESSOR E O DEMENTE
SIMON WINCHESTER
RECORD
(1999)
R$ 14,90



DESVENDANDO O SEGREDO DO SER HUMANO
CLAUS METZGER
LINCE
R$ 15,00



TODA NOITE JOSEPHINE!
JACQUELINE SUSANN
HEMUS
(1970)
R$ 4,58



ENADE: QUESTÕES COMENTADAS PARA GRADUAÇÃO EM DIREITO
ANA CAROLINA ROSSI BARRETO E OUTROS
SARAIVA
(2012)
R$ 8,90



NO CAMINHO DE SWANN.
MARCEL PROUST
GLOBO
(2003)
R$ 10,99



DIÁRIO DA PRINCESA - A PRINCESA APAIXONADA
MEG CABOT
RECORD
(2003)
R$ 10,00



O GRUPO DOS CINCO - DRAMAS ESPIRITUAIS - AUTOGRAFADO 10512
P. MOREIRA DAS NEVES
LIVRARIA BERTRAND
(1945)
R$ 95,00



DESCOBRINDO O BRASIL
LILIA SCARANO HEMSI; JULITA SCARANO
BEI
(2000)
R$ 7,00



COMO SE PREPARAR PARA O EXAME DE ORDEM 1ª FASE 7 TRABALHO
RENATO SARAIVA
ED. MÉTODO
(2008)
R$ 5,00



AS SANDÁLIAS DO PESCADOR
MORRIS WEST
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 10,00





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês