O triunfo da mediocridade | Heitor De Paola | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 27/5/2003
O triunfo da mediocridade
Heitor De Paola

+ de 3100 Acessos

"Muerte a la inteligencia,
Viva la muerte!
"
(Gen Milán-Astray)

A frase em epígrafe foi proferida no dia 12 de outubro de 1936, durante cerimônia na Universidade de Salamanca, cidade recentemente conquistada pelas forças franquistas, após o discurso de seu Reitor, Miguel de Unamuno. Neste, o famoso filósofo, visivelmente constrangido por ser obrigado a receber o chefe das tropas vitoriosas, acabara de dizer: "Há momentos em que ficar em silêncio é mentir. Vocês vencerão porque têm a força bruta. Mas não convencerão, porque para convencer precisam ser capazes de persuadir. E para persuadir, precisam ter o que mais lhes falta: Razão e Direito". Escusado dizer que o genial filósofo saiu preso, com revólver na cabeça, expulso da Universidade. Veio a falecer dias depois, de um ataque cardíaco.

No Brasil não foi necessária nenhuma truculência, nenhuma violência para que a inteligência tivesse morrido em nossas Universidades e no mundinho dos que se autodenominam "intelectuais". O processo aqui foi sub-reptício, dissimulado e dando todas as aparências de evolução do intelecto. Também, diferentemente dos estados fascistas e comunistas, onde se instala a barbárie pela força bruta, aqui a classe de pessoas que se apossou do pseudo-saber dá toda a impressão de bem pensante, pois é superficialmente bem falante. Matou-se a inteligência e exaltou-se a morte intelectual de uma forma tão dissimulada que na aparência nada de mau aconteceu. É como se as pessoas estivessem num velório, comemorando a vida de um defunto que já dá sinais de adiantada putrefação.

O processo se iniciou pela difusão do relativismo cultural, que sucedeu ao relativismo ético e moral. A palavra cultura reteve, até o advento deste relativismo, o significado grego de Paidéia e Areté, isto é, continha um conceito implícito de valor: existiam pessoas ou povos cultos ou incultos. Por outro lado, cultura era algo a ser adquirido com muito esforço. Denomino relativismo cultural ao movimento que modificou o conceito de cultura o qual, de uma alta expectativa de valor, passou a ser um simples conceito antropológico-descritivo (apud W. Jaeger): a totalidade das manifestações e formas de vida de qualquer sociedade, mesmo as mais primitivas.

Paralelamente tomou força o movimento chamado sociologia do conhecimento, que postula que todo conhecimento, inclusive o científico, é social ou culturalmente produzido, que tudo que se afirma como conhecimento é válido, pois só pode ser avaliado quando referido à "cultura" que o produziu. Abandona-se as possibilidades de validação, destrói-se a metodologia, privilegia-se a intuição - ou o chutômetro - como método de validação, substitui-se a lógica e a dedução pela estética (se intuo algo que a mim parece belo, isto é válido por si mesmo). É claro que a verdadeira intuição, produto da introspecção, tem seu valor como fonte de conhecimento mas não como método de validação e prova.

Deste modo, não existe mais nenhuma possibilidade de chegarmos a estabelecer qualquer conceito de verdade, pois se o conhecimento é "culturalmente produzido" os dados obtidos por árduas investigações científicas tem o mesmo valor - ou até nenhum - que qualquer conclusão de uma assembléia de auto denominados "sábios". Este relativismo epistemológico é tão prejudicial quanto o relativismo ético ou moral, que afirma que qualquer princípio é válido, desde que referido à "cultura" que o produziu. Como corolário, estendeu-se o conceito de democracia, de conotação exclusivamente política, a todas as demais áreas da cultura e do conhecimento. Não se examina mais se alguma assertiva corresponde à verdade dos fatos, mas sim se foi decidida pela maioria de algum corpo coletivo, preferentemente "popular".

A meditação solitária, fonte de todo ato de filosofar - e mesmo de todas as grandes descobertas científicas - é encarada com desprezo como arrogância, e aqueles que insistem em pratica-la são escorraçados do amplo debate popularesco, moralmente atacados, quando não ameaçados em sua integridade física. Ser um pensador, que antes era valorizado, passou a ser estigma. Valorizam-se belas formas ocas. O culto ao corpo, até mesmo artificialmente siliconizado, relegou a mente para a lata de lixo. A própria linguagem perdeu a beleza que o rigor gramatical lhe conferia e passou a ser um amontoado repetitivo de chavões e slogans facilmente absorvidos que tornam quem sabe usá-los em gênios do saber, aos olhos dos menos "afortunados". Basta assistir um programa de televisão - qualquer um, com as raríssimas exceções de praxe - para ouvir um linguajar pseudo-erudito que mais parece um balbuciar sem nenhum significado lógico.

* * *

É claro que um povo que não pensa, que passa a vida olhando no espelho e atordoado por headphones e outras fontes de ruído ensurdecedor, é presa fácil de espertalhões que o manipulam com extrema facilidade. Acostumado a votações tacanhas, tipo Big Brother, incapazes de estabelecer nexos causais e a engolir uma sub-cultura especialmente preparada para ele, este povo fará qualquer coisa.

Sem desdenhar esta abordagem, creio que falta salientar os aspectos psicológicos envolvidos no processo. A doutrinação tem sempre dois pólos. Falta o do doutrinado, o do porquê esta doutrinação é tão facilmente absorvível pelos destinatários. É o que pretendo sucintamente fazer a seguir.

A oferta é irrecusável. O sujeito vê sua sub-cultura de botequim subitamente elevada ao nível de "cultura popular", passa a ser lisonjeado por quem ele supõe pertencer à classe letrada que sempre admirou e invejou, de tocador de tamborim é promovido a "produtor cultural". E o mais importante, sem custos, sem nenhum esforço pessoal de adquirir verdadeira Cultura através de árduos estudos e constante aperfeiçoamento. Sente-se inflado sem saber que estes pseudo-intelectuais estão lhe prestando o desserviço de afasta-lo das reais possibilidades que poderiam brotar de sua mente, caso se esforçasse.

Sim, porque apesar de minha explanação poder parecer arrogante, a verdade é o oposto: não creio que o sujeito de quem falo seja naturalmente burro e não pudesse se desenvolver se não aceitasse permanecer naquele estado de mediocridade a que é submetido. A razão é bem outra. O que lhe impede de crescer intelectualmente - salvo grosseiras exceções - é sua própria inveja dos que possuem aquilo que ele não acredita ter. Parece-lhe que quem tem, já nasceu sabendo tudo, não têm a menor idéia do quanto de esforço e sacrifício pessoal esteve envolvido no processo de aquisição de conhecimento genuíno.

Nem lhe passa pela cabeça que seu cortejador é também um medíocre pomposo, cheio de medalhas, títulos e currículos fáceis de obter por quem aprende os slogans do momento. Nem lhe passa pela cabeça que estes falsos intelectuais são, eles mesmos, invejosos dos que possuem conhecimento genuíno em qualquer área, e precisam não apenas atacar estes últimos, como impedir que o tal sujeito possa se desenvolver e ultrapassa-los. Fazem de tudo para impedir que desta população pobre e mulata possa surgir um novo Machado que faça sombra à sua mediocridade. Travestidos de democratas respeitosos fazem o possível para achatar o nível intelectual ao nível de sua mesmice cansativa.


Heitor De Paola
Rio de Janeiro, 27/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
03. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
04. O Bigode de Carina Destempero
05. Noites azuis de Elisa Andrade Buzzo


Mais Heitor De Paola
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês