O triunfo da mediocridade | Heitor De Paola | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trauma a ser evitado
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
Mais Recentes
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
>>> Passo a passos de Ioberto Tatsch Banunas pela Sulina (1997)
>>> A máquina de fazer espanhóis- 2ª ed. de Valter Hugo Mãe pela BIblioteca Azul- Globo (2016)
>>> Memórias 2º volume - A Aliança Liberal e a Revolução de 1930 de João Neves da Fontoura pela Globo (1963)
>>> Sofrimento como lidar? de Adriano Rocha pela Conselho (2014)
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
>>> King's English 3ª série Ginasial de Harold Howard Binns pela Companhia Nacional (1944)
>>> Ele Ela 70 Rosemary de Bloch editora pela Bloch (1975)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2020)
>>> Les Deux Nigauds de La condesse de Segur pela Hachette
>>> Navegação - Curso para pescador profissional especializado de Ministério da Marinha pela Marinha (1985)
>>> Riquinho 32 de Editora Globo pela Globo (1990)
>>> x-9 229 março 1951 O mistério do 5° homem de Roberto Marinho diretos pela Vecchi (1951)
>>> Aulas de artesanato Apostila n° 2 Pintura em Madeira de Lazeres da Família pela L da familia
>>> Almanaque Total sagitário de André De Biasi pela Três
>>> Obra Imatura de Mário de Andrade pela Agir (2009)
>>> Plotinus - ennead ii, v.2 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb (1966)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
>>> Pilares para uma Vida Saudável de Mohamad Barakat pela Vital (2017)
>>> Anticâncer Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais de David Servan-Schreiber pela Fontanar (2008)
>>> A Marca da Vitória de Phil Knight pela Sextante (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 27/5/2003
O triunfo da mediocridade
Heitor De Paola

+ de 3300 Acessos

"Muerte a la inteligencia,
Viva la muerte!
"
(Gen Milán-Astray)

A frase em epígrafe foi proferida no dia 12 de outubro de 1936, durante cerimônia na Universidade de Salamanca, cidade recentemente conquistada pelas forças franquistas, após o discurso de seu Reitor, Miguel de Unamuno. Neste, o famoso filósofo, visivelmente constrangido por ser obrigado a receber o chefe das tropas vitoriosas, acabara de dizer: "Há momentos em que ficar em silêncio é mentir. Vocês vencerão porque têm a força bruta. Mas não convencerão, porque para convencer precisam ser capazes de persuadir. E para persuadir, precisam ter o que mais lhes falta: Razão e Direito". Escusado dizer que o genial filósofo saiu preso, com revólver na cabeça, expulso da Universidade. Veio a falecer dias depois, de um ataque cardíaco.

No Brasil não foi necessária nenhuma truculência, nenhuma violência para que a inteligência tivesse morrido em nossas Universidades e no mundinho dos que se autodenominam "intelectuais". O processo aqui foi sub-reptício, dissimulado e dando todas as aparências de evolução do intelecto. Também, diferentemente dos estados fascistas e comunistas, onde se instala a barbárie pela força bruta, aqui a classe de pessoas que se apossou do pseudo-saber dá toda a impressão de bem pensante, pois é superficialmente bem falante. Matou-se a inteligência e exaltou-se a morte intelectual de uma forma tão dissimulada que na aparência nada de mau aconteceu. É como se as pessoas estivessem num velório, comemorando a vida de um defunto que já dá sinais de adiantada putrefação.

O processo se iniciou pela difusão do relativismo cultural, que sucedeu ao relativismo ético e moral. A palavra cultura reteve, até o advento deste relativismo, o significado grego de Paidéia e Areté, isto é, continha um conceito implícito de valor: existiam pessoas ou povos cultos ou incultos. Por outro lado, cultura era algo a ser adquirido com muito esforço. Denomino relativismo cultural ao movimento que modificou o conceito de cultura o qual, de uma alta expectativa de valor, passou a ser um simples conceito antropológico-descritivo (apud W. Jaeger): a totalidade das manifestações e formas de vida de qualquer sociedade, mesmo as mais primitivas.

Paralelamente tomou força o movimento chamado sociologia do conhecimento, que postula que todo conhecimento, inclusive o científico, é social ou culturalmente produzido, que tudo que se afirma como conhecimento é válido, pois só pode ser avaliado quando referido à "cultura" que o produziu. Abandona-se as possibilidades de validação, destrói-se a metodologia, privilegia-se a intuição - ou o chutômetro - como método de validação, substitui-se a lógica e a dedução pela estética (se intuo algo que a mim parece belo, isto é válido por si mesmo). É claro que a verdadeira intuição, produto da introspecção, tem seu valor como fonte de conhecimento mas não como método de validação e prova.

Deste modo, não existe mais nenhuma possibilidade de chegarmos a estabelecer qualquer conceito de verdade, pois se o conhecimento é "culturalmente produzido" os dados obtidos por árduas investigações científicas tem o mesmo valor - ou até nenhum - que qualquer conclusão de uma assembléia de auto denominados "sábios". Este relativismo epistemológico é tão prejudicial quanto o relativismo ético ou moral, que afirma que qualquer princípio é válido, desde que referido à "cultura" que o produziu. Como corolário, estendeu-se o conceito de democracia, de conotação exclusivamente política, a todas as demais áreas da cultura e do conhecimento. Não se examina mais se alguma assertiva corresponde à verdade dos fatos, mas sim se foi decidida pela maioria de algum corpo coletivo, preferentemente "popular".

A meditação solitária, fonte de todo ato de filosofar - e mesmo de todas as grandes descobertas científicas - é encarada com desprezo como arrogância, e aqueles que insistem em pratica-la são escorraçados do amplo debate popularesco, moralmente atacados, quando não ameaçados em sua integridade física. Ser um pensador, que antes era valorizado, passou a ser estigma. Valorizam-se belas formas ocas. O culto ao corpo, até mesmo artificialmente siliconizado, relegou a mente para a lata de lixo. A própria linguagem perdeu a beleza que o rigor gramatical lhe conferia e passou a ser um amontoado repetitivo de chavões e slogans facilmente absorvidos que tornam quem sabe usá-los em gênios do saber, aos olhos dos menos "afortunados". Basta assistir um programa de televisão - qualquer um, com as raríssimas exceções de praxe - para ouvir um linguajar pseudo-erudito que mais parece um balbuciar sem nenhum significado lógico.

* * *

É claro que um povo que não pensa, que passa a vida olhando no espelho e atordoado por headphones e outras fontes de ruído ensurdecedor, é presa fácil de espertalhões que o manipulam com extrema facilidade. Acostumado a votações tacanhas, tipo Big Brother, incapazes de estabelecer nexos causais e a engolir uma sub-cultura especialmente preparada para ele, este povo fará qualquer coisa.

Sem desdenhar esta abordagem, creio que falta salientar os aspectos psicológicos envolvidos no processo. A doutrinação tem sempre dois pólos. Falta o do doutrinado, o do porquê esta doutrinação é tão facilmente absorvível pelos destinatários. É o que pretendo sucintamente fazer a seguir.

A oferta é irrecusável. O sujeito vê sua sub-cultura de botequim subitamente elevada ao nível de "cultura popular", passa a ser lisonjeado por quem ele supõe pertencer à classe letrada que sempre admirou e invejou, de tocador de tamborim é promovido a "produtor cultural". E o mais importante, sem custos, sem nenhum esforço pessoal de adquirir verdadeira Cultura através de árduos estudos e constante aperfeiçoamento. Sente-se inflado sem saber que estes pseudo-intelectuais estão lhe prestando o desserviço de afasta-lo das reais possibilidades que poderiam brotar de sua mente, caso se esforçasse.

Sim, porque apesar de minha explanação poder parecer arrogante, a verdade é o oposto: não creio que o sujeito de quem falo seja naturalmente burro e não pudesse se desenvolver se não aceitasse permanecer naquele estado de mediocridade a que é submetido. A razão é bem outra. O que lhe impede de crescer intelectualmente - salvo grosseiras exceções - é sua própria inveja dos que possuem aquilo que ele não acredita ter. Parece-lhe que quem tem, já nasceu sabendo tudo, não têm a menor idéia do quanto de esforço e sacrifício pessoal esteve envolvido no processo de aquisição de conhecimento genuíno.

Nem lhe passa pela cabeça que seu cortejador é também um medíocre pomposo, cheio de medalhas, títulos e currículos fáceis de obter por quem aprende os slogans do momento. Nem lhe passa pela cabeça que estes falsos intelectuais são, eles mesmos, invejosos dos que possuem conhecimento genuíno em qualquer área, e precisam não apenas atacar estes últimos, como impedir que o tal sujeito possa se desenvolver e ultrapassa-los. Fazem de tudo para impedir que desta população pobre e mulata possa surgir um novo Machado que faça sombra à sua mediocridade. Travestidos de democratas respeitosos fazem o possível para achatar o nível intelectual ao nível de sua mesmice cansativa.


Heitor De Paola
Rio de Janeiro, 27/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anzol de pescar infernos, de Ana Elisa Ribeiro de Wellington Machado
02. Memória insuficiente de Vicente Escudero
03. Adeus, Belas Artes de Elisa Andrade Buzzo
04. Terminar o ano correndo de Elisa Andrade Buzzo
05. Palmada dói de Marta Barcellos


Mais Heitor De Paola
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TEOREMA KATHERINE - 1ª EDIÇÃO
JOHN GREEN
INTRINSECA
(2013)
R$ 35,95



A TUMBA DO FARAÓ
EDUARDO FAIRBAIRN
GARAMOND
(2000)
R$ 12,00



PROGRAMA DE PORTUGUÊS ANTOLOGIA E GRAMÁTICA PARA A 1ª E 2ª SÉRIES G...
JULIO NOGUEIRA
COMPANHIANACIONAL
(1953)
R$ 49,00



CARAS Y CARETAS 2204 - NOVIEMBRE 2006 - DEL AMOR A LA CANCHA, PASANDO POR LAS URNAS
CRISTINA RICCI
CARAS Y CARETAS
(2006)
R$ 19,90



PARA QUANDO VOCÊ CASAR
EVELYN MILLIS DUVALL E REUBEN HILL
PINCAR LIMITADA
R$ 48,90



HERÓIS DO SALTO NO ABISMO
WALTER MENDONÇA
DO AUTOR
(2004)
R$ 30,00



LETRAS CADENTES
SÔNIA BARROS
ATUAL
R$ 29,00



DEMÔNIOS DA NOITE
M. K. TAKENAKA
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 9,00



ARTES DRAMÁTICAS E CIÊNCIAS NATURAIS
ELZA DE MOURA
ND
(1953)
R$ 94,90



IN TUNE 1 - STUDENT´S BOOK
ANA MARIA CRISTINA CUDER
CNA
(1997)
R$ 7,90





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês