O Botão de Puchkin, de Serena Vitale | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/8/2003
O Botão de Puchkin, de Serena Vitale
Ricardo de Mattos

+ de 5100 Acessos

Não todo morrerei: a arcana lira
Custodiará meu espírito, inimigo
Da corrupção. E eu serei lembrado
Enquanto viva um poeta sob o sol;


Aleksandr Sergueevitch Puckin, o mais famoso dos poetas russos, nasceu em 1.797 n’uma família de antiga nobreza. Foi bisneto do conhecido Ibrahim, o Negro de Pedro, cuja biografia iniciou e legou inconclusa. Nos séculos XVII e XVIII havia o costume de manter-se em casa, com fim meramente ornamental, uma pessoa negra. Ficava bonito o quadro de família adornado ao fundo com a pessoa em trajes exóticos. Pedro I comprou um para si e afeiçoou-se como a um filho, educando-o no exterior e fazendo-o general. Entre Ibrahim e o herdeiro do trono russo, o destino foi melhor para aquele.

Puchkin viveu durante o reinado de três czares: Paulo I (1.796/1.801), Alexandre I (1.801/1.825) e Nicolau I (1.825/1.855). O primeiro era pai dos seguintes e foi assassinado por conspiração da corte. O segundo é descrito por Tolstoi como inseguro e perdido entre os acontecimentos. Qualquer um ficaria desarvorado se aos 24 anos perdesse o pai, assumisse o governo do maior império da época e poucos anos depois, tendo por conselheiros generais de salão, precisasse enfrentar justamente Napoleão. A famosa vitória em 1.812 deu forças aos aliados do absolutismo, pois segundo eles, somente um país com esta forma de governo poderia vencer, sendo assim desnecessária qualquer mudança política. Em dezembro de 1.825 abriu-se a sucessão de Alexandre I sem certeza sobre quem seria o czar seguinte. Os adeptos do liberalismo tentaram valer-se do momento para promover uma revolução e extinguir a servidão, reformar o ensino e a burocracia. Daí os termos “dezembrismo”, “dezembristas” ou ainda “decabristas”.

O poeta teve problemas com ambos os irmãos czares por manifestar, inclusive em quadras satíricas, sua oposição. Ele não teve envolvimento comprovado no dezembrismo mas não deixou de ser exilado em virtude de poemas como A Aldeia e A Liberdade, nem de ser observado pela polícia. Mandado para Odessa em exílio interno, conseguiu ser devolvido pelo governador de lá. Ora criticava os governantes, ora enviava-lhes cartas suplicando favores. Seus últimos anos foram no exercício da função de kamer-iunker de Nicolau I no palácio Anitchkov, algo próximo a pajem. Além do desagrado pelo emprego precisava tolerar algo irritante para seu génio ciumento: na corte sua mulher captava, dia a dia, fama pela beleza.

Há nas livrarias principalmente livros de contos. O mais recente é Contos de Belkin, trazendo um conjunto coeso tal como planejado por Puchkin. Dos cinco contos deste volume, três foram seleccionados e fazem parte de um volume mais antigo: A Dama de Espadas – Prosa e Poemas. Ambos foram traduzidos directo do russo, embora o novo seja mais festejado. Merecidamente festejado, pois a edição é óptima. São prosas ainda de feitio setecentista, aparecendo acentuadamente a influência de Voltaire. N’este ano foi lançado Uma Rosa Para Puchkin em nada relacionado ao poeta. Todavia a obra responsável pela sua consagração é o poema Ievgueni Onieguin um romance intercalado de sátira social. Talvez nem haja edição em português. Seria bem vindo, portanto, um volume trazendo a tradução directa do russo, completa e em verso. Há um péssimo costume entre nós de traduzir excertos de uma obra e de apresentar em prosa o escrito em verso. Se for para fazer assim, nem é preciso alguém dar-se ao trabalho.

Referir-se a Puchkin como “pai do romance russo” desconhecendo os antecedentes da literatura é apenas reiterar um lugar comum de característica imprecisão. Até ele a literatura limitava-se a crónicas, textos religiosos, vidas de santos, sermões, alguma tentativa de história. Com Pedro I, dito O Grande, as portas abriram-se para o Ocidente. Porém parece ter havido mais cópia dos modelos clássicos franceses e não criação original, embora alguns nomes tenham ficado. Puckin foi o primeiro “original” com seu romance A Filha do Capitão. Esta obra é o braço ficcional de suas pesquisas sobre uma rebelião nas localidades de Kazan e Orenburg ocorrida na época de Catarina II. O braço histórico é o livro Rebelião de Pugatchiov. A importância do romance deve-se ao facto de ser o primeiro a conjugar o rigor da investigação histórica com o esmero no tratamento do idioma e só neste aspecto a realização foi enorme. Os interessados têm muito a estudar sobre isso: do alfabeto adaptado do húngaro por São Cirilo ao russo cultivado por Turguieniev a evolução foi longíssima, lenta e complicada. Acresça-se a elaboração de retractos psicológicos e compreender-se-á o valor do romance e o patronato.

Tchaikovsky (1.840/1.893) converteu em música sua admiração pela obra do poeta. Não obstante denominado As Estações do Ano, há um ciclo de doze composições para piano dedicadas aos doze meses e cada uma inspirada n’um poema russo. As dos meses de Janeiro e Setembro foram elaboradas sob influxo, respectivamente, de Junto à Lareira e Caça, de Puchkin. Sobretudo, duas óperas expressam o entusiasmo de Tchaikovsky. A Moscou de 1.879 viu estrear Ievgueni Onieguin, ópera em três actos com libreto de Shilovsky em co-autoria com o músico. Sua impressão com o poema foi muito além do imaginado. Como o compositor detestava Ievgueni pelo seu procedimento em relação a Tatiana, aceitou a declaração de amor de uma ex-aluna do conservatório visando não incorrer no mesmo erro. Contudo era homossexual, e segundo relata Kobbé, o casamento desencadeou uma crise nervosa de suficiente gravidade para seus médicos sugerirem o divórcio. No ano seguinte foi a vez de São Petersburgo assistir à primeira encenação de A Dama de Espadas – Pikovaya Dama. O libreto é de Modest Tchaikovsky, irmão do maestro, e ao contrário da anterior não se teve aqui o mesmo receio de desvirtuar a obra original. Também Modest Mussorgsky foi compositor de versões (sic) operísticas da peça teatral Boris Godunov, complementada pela História do Estado Russo escrita por Karamzin.

Puchkin morreu no dia 29 de janeiro de 1.837, 36 horas após duelar com Georges d’Anthès, por adopção, Barão de Heeckeren. Da chegada de d’Anthès à Rússia até as derradeiras cenas da vida do poeta e as conseqüências de seu assassínio, eis o conteúdo do farto livro de Serena Vitale, O Botão de Puchkin. Farto devido ao volume documental obtido em pesquisas inimagináveis quanto à extensão.

Serena Vitale (1.945) é grande estudiosa da língua e da literatura russa, cuja competência podemos agora testemunhar através deste livro sério e suficiente. As obras daquela literatura chegam ao público italiano por suas mãos, tal como entre nós encarregou-se Boris Schnaiderman de fazê-lo. Realmente o paralelo é preciso. Hoje ela lecciona no Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras Modernas da Faculdade de Ciência Lingüística e Literatura Estrangeira da Universidade Católica do Sagrado Coração, de Milão, actividade conciliada à tradução, ensaística e acompanhamento de edições. O livro desta senhora, escrito em 1.995, é o pico d’uma imensa pirâmide de obras já escritas pelos especialistas sobre o assunto. Entretanto ela teve o talento de sintetizar as pesquisas anteriores e acrescer a sua as revelações advindas da descoberta, no verão de 1.989, de um maço de cartas de d’Anthès ao pai adoptivo. O oficial relativamente mudo pigarreou e passou a falar com voz própria.

Compreende o volume todo o relacionado ao evento fatal, o comportamento do poeta, de sua mulher Natalia Nikolaevna Gontcharova-Puchkina, do referido D’Anthès e da sociedade, cujo ignóbil papel foi decisivo. Vitale cita as fontes emendando-as conforme as novas descobertas: cartas, diários, despachos de embaixadas, documentos oficiais, recibos de casas de penhor. Tudo objecto de uma leitura de primeira mão, pode-se dizer. Apesar disso, é bom ler antes uma biografia de Puchkin, mesmo sucinta, apenas para organizar o sabido sobre ele. O bardo russo sabia não ser amado pela esposa, mas amando-a, preferia fazer vistas grossas para os flertes a perde-la em definitivo. As fontes mostram Natália como uma beleza demasiadamente elogiada. A ciência da própria beleza somada ao excesso de loas não combinaram bem n’um espírito pequeno. Até serem descobertos novos documentos autógrafos, ela permanecerá na história como aquela cuja frivolidade permitiu um fácil acesso ao oficial da guarda real. Além disso, o próprio czar era cotado como um de seus amantes. Após a morte do poeta, recebeu-a na corte com favores, providenciou-lhe outro casamento e ao novo marido foi dado um cargo na capital.

D’Anthés, filho d’uma decadente família de origem franco-germânica foi adoptado pelo embaixador holandês, o Barão Heeckeren. Adopção claramente destinada a tentar encobrir o relacionamento homossexual entre os dois. O oficial poderia declarar-se a qualquer mulher – e o fazia! –, mas deveria manter um lugar reservado para o velho barão. Sempre olhei desconfiado para os “grandes conquistadores”. Já a sociedade conseguiu uma peça teatral com personagens e desenlace reais. Cuidou para os sentimentos não esmorecerem, provocou quando necessário, providenciou cartas anónimas e depois comoveu-se com a tragédia resultante. Justificou, enfim, a conduta dos misantropos.

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 21/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O mundo como ele realmente é de Cris Ambrósio
02. Caricaturas ao vivo de Diogo Salles
03. O Paciente Steve, de Sam Lipsyte de Ricardo de Mattos
04. De outra volta ao Brasil de Eduardo Carvalho
05. As Meditações de Marcus Aurelius de Ricardo de Mattos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEPOIMENTO DE UM TORTURADO
DIMAS PERRIN
GRAFICA
(2004)
R$ 6,90



GUIA DO ESTUDANTE - FUVEST 2017 AUMENTE SUAS CHANCES DE ENTRAR NA USP
GUIA DO ESTUDANTE
ABRIL
(2017)
R$ 14,87



RESUMO DE DIREITO PENAL 11
MAXIMILIANUS CLÁUDIO AMÉRICO E MAXIMILIANO ROBERTO
MALHEIROS
(2004)
R$ 5,00



OPÚSCULOS GEOGRÁFICOS, ESTUDOS REGIONAIS, VOLUME 6
ORLANDO RIBEIRO
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1995)
R$ 39,08



SOBRE A VIDA FELIZ
SANTO AGOSTINHO
VOZES
(2014)
R$ 7,00



JESUS - ENSINAMENTOS ESSENCIAIS
ANTHONY DUNCAN
CULTRIX
(1987)
R$ 6,90



O CÉU NÃO É O LIMITE
JULIO LOBOS
INSTITUTO DE QUALIDADE
(1996)
R$ 9,00



NÃO USE LIVROS SOBRE COMO EDUCAR SEUS FILHOS: UM GUIA PRÁTICO PARA ...
IARA PASTA
MATRIX
(2003)
R$ 19,90
+ frete grátis



MEL GIBSON A HISTÓRIA SECRETA
WENSLEY CLARKSON
BEST SELLER
R$ 5,00



A MULHER ADVOGADA: LUTAS E CONQUISTAS I CONGRESSO ESTADUAL DA
MARIA ANGELA BERLOFFA E NORMA KYRIAKOS ORGS
OAB-SP
(1989)
R$ 26,82





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês