O Botão de Puchkin, de Serena Vitale | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Rumo certo
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
Mais Recentes
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
>>> Um Time Muito Especial de Jane Tutikian pela Atual (2009)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 28 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2017)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 15 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho Especial - Vol. 14 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2015)
>>> Fairy Tail - Vol. 54 de Hiro Mashima pela Jbc (2016)
>>> Fairy Tail Gaiden - Vol. 1 de Kyouta Shibano e Hiro Mashina pela Jbc (2017)
>>> O Corpo Fala - A Linguagem Silenciosa da Comunicação Não-Verbal de Perre Weil; Roland Tompakow pela Vozes (2005)
>>> To Love Ru - Vol. 1 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2015)
>>> Orange - Vol. 6 EAN: 9788545706908 de Ichigo Takano pela Jbc (2018)
>>> Blasfêmia - do Sensorial ao Extra-sensorial de A. Furtado de Melo pela Prellus (2003)
>>> Recados da Lua : Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record (2001)
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/8/2003
O Botão de Puchkin, de Serena Vitale
Ricardo de Mattos

+ de 5300 Acessos

Não todo morrerei: a arcana lira
Custodiará meu espírito, inimigo
Da corrupção. E eu serei lembrado
Enquanto viva um poeta sob o sol;


Aleksandr Sergueevitch Puckin, o mais famoso dos poetas russos, nasceu em 1.797 n’uma família de antiga nobreza. Foi bisneto do conhecido Ibrahim, o Negro de Pedro, cuja biografia iniciou e legou inconclusa. Nos séculos XVII e XVIII havia o costume de manter-se em casa, com fim meramente ornamental, uma pessoa negra. Ficava bonito o quadro de família adornado ao fundo com a pessoa em trajes exóticos. Pedro I comprou um para si e afeiçoou-se como a um filho, educando-o no exterior e fazendo-o general. Entre Ibrahim e o herdeiro do trono russo, o destino foi melhor para aquele.

Puchkin viveu durante o reinado de três czares: Paulo I (1.796/1.801), Alexandre I (1.801/1.825) e Nicolau I (1.825/1.855). O primeiro era pai dos seguintes e foi assassinado por conspiração da corte. O segundo é descrito por Tolstoi como inseguro e perdido entre os acontecimentos. Qualquer um ficaria desarvorado se aos 24 anos perdesse o pai, assumisse o governo do maior império da época e poucos anos depois, tendo por conselheiros generais de salão, precisasse enfrentar justamente Napoleão. A famosa vitória em 1.812 deu forças aos aliados do absolutismo, pois segundo eles, somente um país com esta forma de governo poderia vencer, sendo assim desnecessária qualquer mudança política. Em dezembro de 1.825 abriu-se a sucessão de Alexandre I sem certeza sobre quem seria o czar seguinte. Os adeptos do liberalismo tentaram valer-se do momento para promover uma revolução e extinguir a servidão, reformar o ensino e a burocracia. Daí os termos “dezembrismo”, “dezembristas” ou ainda “decabristas”.

O poeta teve problemas com ambos os irmãos czares por manifestar, inclusive em quadras satíricas, sua oposição. Ele não teve envolvimento comprovado no dezembrismo mas não deixou de ser exilado em virtude de poemas como A Aldeia e A Liberdade, nem de ser observado pela polícia. Mandado para Odessa em exílio interno, conseguiu ser devolvido pelo governador de lá. Ora criticava os governantes, ora enviava-lhes cartas suplicando favores. Seus últimos anos foram no exercício da função de kamer-iunker de Nicolau I no palácio Anitchkov, algo próximo a pajem. Além do desagrado pelo emprego precisava tolerar algo irritante para seu génio ciumento: na corte sua mulher captava, dia a dia, fama pela beleza.

Há nas livrarias principalmente livros de contos. O mais recente é Contos de Belkin, trazendo um conjunto coeso tal como planejado por Puchkin. Dos cinco contos deste volume, três foram seleccionados e fazem parte de um volume mais antigo: A Dama de Espadas – Prosa e Poemas. Ambos foram traduzidos directo do russo, embora o novo seja mais festejado. Merecidamente festejado, pois a edição é óptima. São prosas ainda de feitio setecentista, aparecendo acentuadamente a influência de Voltaire. N’este ano foi lançado Uma Rosa Para Puchkin em nada relacionado ao poeta. Todavia a obra responsável pela sua consagração é o poema Ievgueni Onieguin um romance intercalado de sátira social. Talvez nem haja edição em português. Seria bem vindo, portanto, um volume trazendo a tradução directa do russo, completa e em verso. Há um péssimo costume entre nós de traduzir excertos de uma obra e de apresentar em prosa o escrito em verso. Se for para fazer assim, nem é preciso alguém dar-se ao trabalho.

Referir-se a Puchkin como “pai do romance russo” desconhecendo os antecedentes da literatura é apenas reiterar um lugar comum de característica imprecisão. Até ele a literatura limitava-se a crónicas, textos religiosos, vidas de santos, sermões, alguma tentativa de história. Com Pedro I, dito O Grande, as portas abriram-se para o Ocidente. Porém parece ter havido mais cópia dos modelos clássicos franceses e não criação original, embora alguns nomes tenham ficado. Puckin foi o primeiro “original” com seu romance A Filha do Capitão. Esta obra é o braço ficcional de suas pesquisas sobre uma rebelião nas localidades de Kazan e Orenburg ocorrida na época de Catarina II. O braço histórico é o livro Rebelião de Pugatchiov. A importância do romance deve-se ao facto de ser o primeiro a conjugar o rigor da investigação histórica com o esmero no tratamento do idioma e só neste aspecto a realização foi enorme. Os interessados têm muito a estudar sobre isso: do alfabeto adaptado do húngaro por São Cirilo ao russo cultivado por Turguieniev a evolução foi longíssima, lenta e complicada. Acresça-se a elaboração de retractos psicológicos e compreender-se-á o valor do romance e o patronato.

Tchaikovsky (1.840/1.893) converteu em música sua admiração pela obra do poeta. Não obstante denominado As Estações do Ano, há um ciclo de doze composições para piano dedicadas aos doze meses e cada uma inspirada n’um poema russo. As dos meses de Janeiro e Setembro foram elaboradas sob influxo, respectivamente, de Junto à Lareira e Caça, de Puchkin. Sobretudo, duas óperas expressam o entusiasmo de Tchaikovsky. A Moscou de 1.879 viu estrear Ievgueni Onieguin, ópera em três actos com libreto de Shilovsky em co-autoria com o músico. Sua impressão com o poema foi muito além do imaginado. Como o compositor detestava Ievgueni pelo seu procedimento em relação a Tatiana, aceitou a declaração de amor de uma ex-aluna do conservatório visando não incorrer no mesmo erro. Contudo era homossexual, e segundo relata Kobbé, o casamento desencadeou uma crise nervosa de suficiente gravidade para seus médicos sugerirem o divórcio. No ano seguinte foi a vez de São Petersburgo assistir à primeira encenação de A Dama de Espadas – Pikovaya Dama. O libreto é de Modest Tchaikovsky, irmão do maestro, e ao contrário da anterior não se teve aqui o mesmo receio de desvirtuar a obra original. Também Modest Mussorgsky foi compositor de versões (sic) operísticas da peça teatral Boris Godunov, complementada pela História do Estado Russo escrita por Karamzin.

Puchkin morreu no dia 29 de janeiro de 1.837, 36 horas após duelar com Georges d’Anthès, por adopção, Barão de Heeckeren. Da chegada de d’Anthès à Rússia até as derradeiras cenas da vida do poeta e as conseqüências de seu assassínio, eis o conteúdo do farto livro de Serena Vitale, O Botão de Puchkin. Farto devido ao volume documental obtido em pesquisas inimagináveis quanto à extensão.

Serena Vitale (1.945) é grande estudiosa da língua e da literatura russa, cuja competência podemos agora testemunhar através deste livro sério e suficiente. As obras daquela literatura chegam ao público italiano por suas mãos, tal como entre nós encarregou-se Boris Schnaiderman de fazê-lo. Realmente o paralelo é preciso. Hoje ela lecciona no Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras Modernas da Faculdade de Ciência Lingüística e Literatura Estrangeira da Universidade Católica do Sagrado Coração, de Milão, actividade conciliada à tradução, ensaística e acompanhamento de edições. O livro desta senhora, escrito em 1.995, é o pico d’uma imensa pirâmide de obras já escritas pelos especialistas sobre o assunto. Entretanto ela teve o talento de sintetizar as pesquisas anteriores e acrescer a sua as revelações advindas da descoberta, no verão de 1.989, de um maço de cartas de d’Anthès ao pai adoptivo. O oficial relativamente mudo pigarreou e passou a falar com voz própria.

Compreende o volume todo o relacionado ao evento fatal, o comportamento do poeta, de sua mulher Natalia Nikolaevna Gontcharova-Puchkina, do referido D’Anthès e da sociedade, cujo ignóbil papel foi decisivo. Vitale cita as fontes emendando-as conforme as novas descobertas: cartas, diários, despachos de embaixadas, documentos oficiais, recibos de casas de penhor. Tudo objecto de uma leitura de primeira mão, pode-se dizer. Apesar disso, é bom ler antes uma biografia de Puchkin, mesmo sucinta, apenas para organizar o sabido sobre ele. O bardo russo sabia não ser amado pela esposa, mas amando-a, preferia fazer vistas grossas para os flertes a perde-la em definitivo. As fontes mostram Natália como uma beleza demasiadamente elogiada. A ciência da própria beleza somada ao excesso de loas não combinaram bem n’um espírito pequeno. Até serem descobertos novos documentos autógrafos, ela permanecerá na história como aquela cuja frivolidade permitiu um fácil acesso ao oficial da guarda real. Além disso, o próprio czar era cotado como um de seus amantes. Após a morte do poeta, recebeu-a na corte com favores, providenciou-lhe outro casamento e ao novo marido foi dado um cargo na capital.

D’Anthés, filho d’uma decadente família de origem franco-germânica foi adoptado pelo embaixador holandês, o Barão Heeckeren. Adopção claramente destinada a tentar encobrir o relacionamento homossexual entre os dois. O oficial poderia declarar-se a qualquer mulher – e o fazia! –, mas deveria manter um lugar reservado para o velho barão. Sempre olhei desconfiado para os “grandes conquistadores”. Já a sociedade conseguiu uma peça teatral com personagens e desenlace reais. Cuidou para os sentimentos não esmorecerem, provocou quando necessário, providenciou cartas anónimas e depois comoveu-se com a tragédia resultante. Justificou, enfim, a conduta dos misantropos.

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 21/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tebow é Fé de Daniel Bushatsky
02. Thor de Guilherme Pontes Coelho
03. Do preconceito e do racismo de Ricardo de Mattos
04. Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita de Duanne Ribeiro
05. Desglobalização de Luiz Rebinski Junior


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fundamentos de Informática - Software e Hardware - 2. a Edição Revista
Marcus Garcia de Almeida
Brasport
(2002)
R$ 15,00



Biologia celular e molecular
Luiz C. Junqueira, José Carneiro
Guanabara, Gen
(2005)
R$ 90,00



Distimia - do mau humor ao mal do humor - diagnóstico e tratamento
Táki Athanássios Cordás e outros
Aertes médicas
(1997)
R$ 8,00



A terra é azul
Lucília Junqueira de Almeida Prado
Brasiliense
(1980)
R$ 20,00



Mãos de Vento e Olhos de Dentro
Lô Galasso; Aida Cassiano
Scipione
(2002)
R$ 20,00



Conexões de Sócrates a Sócrates e Outras 114 Ligações Inusitadas
Vários Autores
Abril
(2016)
R$ 20,00



A Doce Canção de Caetana
Nélida Piñon
Record
(1997)
R$ 36,00



Química 1° Volume Curso Colegial
Firmino Bonato
F T D
(1971)
R$ 18,00



Sistemas integrados de gestão ERP
Cícero Caiçara Junior
Ibpex
(2011)
R$ 12,00



Tristão e Isolda
Francisco Alves
Francisco Alves
(1990)
R$ 12,66





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês