A minha casa, sua casa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/5/2004
A minha casa, sua casa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3400 Acessos

Era uma casa muito engraçada, não tinha acabamento, não tinha telhado, não tinha nada. Não podíamos entrar nela porque havia pregos expostos e cheiro forte de pó. Às crianças não era permitido brincar por ali. Era coisa séria quando meu pai ia travar conversas com os operários, uns poucos e tão conhecidos como vizinhos. E então, a cada vez que íamos visitar a obra, olhávamos tudo como se fossem ocas de índios nus.

Meu quarto, ainda no tijolo, fui eu quem escolhi. Assim como os quadrinhos da parede, de que passei a não gostar quando fiquei adolescente. Não me lembro de ter esconderijo, mas me lembro das horas na frente do Atari, campeã de River Raid.

Não dei meus primeiros passos nessa casa. Acho que os dei no corredor de minha avó, o mesmo em que fica a estante dos primeiros clássicos que li. Mas vivo nesta casa há quase três décadas. É um prédio sólido, cheio de vigas, projetado por um arquiteto nos anos 1970, então ela tem as linhas retas dum caixote de azulejos brancos e verdes. A cor do portão de grades já mudou incontáveis vezes, mas ainda me lembro de quando era branco e quase desnecessário. E já me parecia alto e assombroso.

A casa onde moro por toda a vida tem muitos quartos, três ou quatro salas amplas, uma suíte reservada aos donos, cinco ou seis banheiros, uma grande cozinha que tem sido nossa melhor sala de reuniões durante as madrugadas, quando todos os irmãos afluem para bebericar e comer a fome dos gandaieiros.

Se me lembro bem, os dois irmãos caçulas nasceram nesta casa. Deram seus primeiros passos nestes corredores e aprenderam cedo a subir escadas. Sujaram as paredes com mãos de chocolate e ajudaram a escrever palavras aprendizes no branco encardido. Também quebraram os vasos de cerâmica de minha mãe e ajudaram a entupir privadas com objetos.

Vivo nesta casa há muito e sair dela tem um gosto doce de mudança que muito me emociona. Aos poucos, os quartos se remanejam, os habitantes se vão, os fantasmas e as vozes fazem seus cantos e, em alguns anos, dos seis habitantes ficarão apenas dois, até chegar a nenhum. Os barulhos de nossa infância voltam e suspiro pelos dias frios que passamos juntos na sala, sob os mesmos cobertores coletivos. As mesas de tomar lanche e os hábitos de ver tevê. Um som em cada quarto e os quadros na parede do corredor, com teias de aranhas nossas conhecidas [as teias e as aranhas].

Sempre fui de chorar dentro do banheiro. Olhava-me no espelho para me ver escorrer. Jogava água no rosto, e isso era o máximo que eu me permitia arriar. Quando abria a porta, saía de pé, refeita.

Mudar-me desta casa é um evento. E tem sido estranho pensar nela como a casa dos meus pais. Jamais foi a minha, porque sempre soube que não era de meu gosto, não a acho bonita e nem aconchegante, além de não ter meu nome na escritura, mas a hora mesma da saída tem me parecido o atravessar duma ponte. Do outro lado, a minha vida mais extrema, a minha nova família. E eu, bem-vinda.

Conto
nem acho que seja normal. passei a vida na esquina de marieta machado e indianópolis, num bairro de periferia, tentando entender a dinâmica das pessoas da casa da frente. ele me diz, todas as vezes que saímos, que presto atenção demais na vida dos outros. e ele presta toda a atenção que ainda tem em mim. fico incomodada porque meu inferno sempre foi sustentar o olhar dos outros. enquanto a mãe lavava roupas num tanque lateral, as filhas saíam para passear num fiat verde-escuro. o pai ficava horas sentado na varanda, numa cadeira de vime, coisa que eu jamais teria em minha casa. a dinâmica deles era muito parecida com a vida normal, com o cotidiano simples de qualquer casa de esquina de bairro de periferia. exceto porque toda vez que eles olhavam, eu estava na esquina diagonal, observando com olhos melancólicos. nem acho que seja normal, mas é que minha vida passa melhor quando olho a dinâmica dos outros. sempre admirei as pessoas que dormem na rua. ficam tranqüilas, enquanto ignoram os faróis dos carros fazendo a curva. eu mesma fiz a curva da antônio carlos com formiga, ali perto da pedreira prado lopes, de farol alto muitas vezes. e via os cobertores que eles usavam. uns que serviam para forrar a mesa de jogar truco nas festas da minha família. eu nem acho que seja normal, mas é assim que observo a militância doméstica daquela mulher que lava roupas no tanque e sussurra uns palavrões de vez em quando.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 5/5/2004


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVA MAIS - VENÇA E PREVINA A DEPRESSÃO
IZAIAS CLARO
SOLIDUM
(2012)
R$ 8,90



ADVERTÊNCIAS ESPIRITUAIS - O CONSELHO PLANETÁRIO
FRANCISCO EDERALDO KORNALEWSKI
MADRAS
(2000)
R$ 12,89



LINGUAGEM LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
HEITOR MEGALE & MARILENA MATSUOKA
FTD
R$ 10,00



A 600º CELSIUS
STANLEY WILLIAMS / FEN MONTAIGNE
OBJETIVA
(2002)
R$ 11,00



VICENTE FERRER: LA REVOLUCION SILENCIOSA
ALBERTO OLIVERAS
PLANETA
(2000)
R$ 52,28



NEANDERTAL
JOHN DARNTON
PRESENÇA
(1996)
R$ 27,50



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS - OS GRANDES CLÁSSICOS DA LITERATURA
JULIO VERNE
NOVO HORIZONTE
(1983)
R$ 10,00



O TELEJORNAL E O SERVIÇO PÚBLICO
FELIZBELA LOPES
MINERVA
(1999)
R$ 39,08



O GARANHÃO - 11ª EDIÇÃO
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1971)
R$ 7,00



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 5,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês