Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3 | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 10/8/2004
Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
Luis Eduardo Matta

+ de 7400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Embora plenamente ciente de que a discussão em torno da identidade brasileira daria assunto de sobra para muitas dezenas de artigos, podendo render até um livro - como, aliás, já rendeu vários - vou encerrar, com este texto, a minha modesta e um tanto pretensiosa análise do tema, podendo, como bom e atento brasileiro, retornar futuramente a ele, em novas abordagens.

Se, no artigo anterior, o foco foi a nossa produção cultural, neste tomarei como ponto de partida uma célebre frase do saudoso Tom Jobim, que afirmava, com boa dose de razão e lucidez, que no Brasil, fazer sucesso é ofensa pessoal. O maestro referia-se, naturalmente, à reação negativa que boa parte da nossa sociedade tem diante de conquistas, sobretudo profissionais e financeiras, de conterrâneos seus. Alguém que ganhe muito dinheiro, fama ou reconhecimento fatalmente se tornará, em alguma escala, objeto de ressentimento e maledicências, estará sujeito a sofrer boicotes dos formadores de opinião e a ser violentamente bombardeado por críticas ensandecidas e, muitas vezes, irracionais. Um caso emblemático é o de Pelé. O maior desportista de todos os tempos, que com suas jogadas impressionantes, sua garra e seu insuperável talento, arrebatou todo o planeta numa época, é bom frisar, na qual a televisão não tinha o poder e o alcance que tem hoje e as notícias e imagens não costumavam ganhar o mundo com a velocidade e o impacto proporcionado pelas conquistas tecnológicas verificadas nas últimas duas décadas. Pois bem, o fato é que Pelé, a despeito de todos os seus méritos como grande jogador e personalidade que, mais do que qualquer outro brasileiro, já assegurou o seu lugar na galeria dos heróis da História do esporte mundial, nunca recebeu do Brasil o reconhecimento de que é merecedor; em qualquer outro lugar, Pelé seria idolatrado e se converteria em alvo de certo de fãs ensandecidos e fanáticos - assim como acontece com Maradona, na Argentina -, mas o que a realidade nos mostra é algo bem diferente. E a causa disso é o fato de Pelé, o nosso grande Pelé, ter se notabilizado como um homem sério e bem-sucedido, alguém que venceu e deu um rumo consistente à própria vida. Não fosse esta a razão, como explicar o fato de Garrincha, um jogador notável, porém inferior e que sucumbiu, precocemente, à decadência imposta pelo vício do alcoolismo, ser muito mais cultuado?

O caso de Pelé é o mais ilustrativo de como o Brasil trata os seus vitoriosos por ser, a meu juízo, o mais gritante, mas há vários outros. A mágoa diante do sucesso alheio é um traço marcante da condição humana, um lado negativo e obscuro que todos possuímos, mas que, compreensivelmente, nos esforçamos para ocultar. O que ocorre no Brasil, porém, é algo mais complexo e está intrinsecamente ligado à eterna sina do país, preso há décadas num atoleiro do qual não consegue se desvencilhar. Habituamo-nos à estagnação, à condição de país onde tudo parece conspirar para torpedear qualquer pretensão de galgar alguns íngremes degraus da pirâmide social; onde a ambição é invariavelmente interpretada como uma grave falha de caráter; onde ainda prevalece uma mentalidade ibero-católica de redenção plena por meio da abnegação e do sofrimento. Nós, enquanto povo, nos identificamos com a figura do derrotado e nos solidarizamos com ele, pois reconhecemos nas suas desventuras o nosso próprio projeto fracassado de nação (no sentido como foi colocado no artigo que abre esta série). Na mesma medida, o sucesso alheio nos afronta e nos causa indignação. É como se nos assaltasse um inevitável questionamento sobre se aquela pessoa, que soube prosperar tão habilmente é, de fato, merecedora de júbilos. Inadvertidamente podemos nos flagrar perguntando: Fulano é tão bem-sucedido, conseguiu tanta coisa, tanta glória, tanto dinheiro, tornou-se alguém de prestígio, tudo isso numa terra ingrata, desigual, que maltrata sua gente e reserva a poucos o direito de usufruir suas riquezas. Não seria, então, o caso de voltarmos nossa atenção para aqueles que lutaram e lutam tanto e que, por um capricho injusto do destino, nunca alcançaram o êxito que deveriam?

Trata-se de uma inversão perfeita - e igualmente nefasta - da velha e detestável teoria norte-americana do winners (vencedores) e losers (perdedores). Enquanto nos Estados Unidos, os vitoriosos são incensados quase à categoria de semideuses, aqui se dá o mesmo com os derrotados, os marginalizados, os coitados... É quase um compromisso de cunho social, que une corações e opiniões em torno do que seria a verdadeira essência do brasileiro: um povo sofrido, ingênuo e desprovido da malícia perversa imposta pelo modelo ocidental de sociedade.

A percepção de que prosperar no Brasil sempre foi difícil - quando não impossível - é uma das grandes causas dessa entranhada mentalidade, mas é inegável que o nosso histórico complexo de inferioridade como nação, que tanto nos atormenta e nos deforma a visão da realidade tem, também, sua parcela considerável de influência. Basta observar, por exemplo, a reação das pessoas ao descobrir que o profissional tal, que está ganhando milhões e gozando de enorme prestígio em sua carreira, resolveu, por uma razão qualquer, sair do Brasil e fixar residência em Nova York, Londres, Paris, Barcelona ou qualquer recanto do planeta identificado com o mundo desenvolvido e "civilizado", que nós, brasileiros, sempre desejamos reproduzir por aqui. Embora morar no exterior, até onde eu saiba, não constitua um crime previsto no código penal, nada impedirá que o indivíduo que fizer tal opção seja visto, a partir de então, como um Judas, um verdadeiro traidor da pátria que, na primeira oportunidade, abandona a sua terra para aproveitar as delícias e o progresso faustoso do "Primeiro Mundo".

Há ocasiões, contudo, em que essa fórmula se inverte sem, obviamente, alterar a sua lógica. É quando um brasileiro, sobretudo um artista ou intelectual, torna-se uma celebridade no exterior e somente aí é descoberto pelos brasileiros. Nesses casos a boa receptividade da opinião pública estrangeira funciona como um certificado de qualidade, um aval de que aquela pessoa tem, de fato, talento e por isso foi valorizada. É meio patético um país como o nosso, mais de cento e oitenta anos após a sua independência, ainda não se sentir seguro o bastante para saber reconhecer sozinho os méritos de seus cidadãos, mas está longe de ser surpreendente. O exemplo mais recente e dramático deste descalabro foi o de Sergio Vieira de Mello. Foi preciso um atentado em Bagdá mandá-lo tragicamente pelos ares para sempre, para descobrirmos tardiamente que um dos mais conceituados e competentes diplomatas em atividade no mundo era um brasileiro.

Sou muito otimista em relação ao Brasil, apesar de tudo, e acredito que tudo isso, que todo esse complexo de inferioridade que nos leva a uma cegueira parcial diante da realidade e a uma acentuada inversão de valores vá se modificando aos poucos, à medida que o povo for se instruindo e amadurecendo e, com isso, adquirindo seus próprios referenciais; e, também, quando o país der oportunidades concretas às pessoas de progredir, sem os obstáculos da burocracia, da corrupção e de todos os percalços que tanto emperram e atrasam as nossas vidas. Quem sabe, no dia em que o Brasil deixar de sabotar o Brasil, nosso país terá a chance de caminhar por conta própria e dar mostras, espontaneamente, de todo o seu poder e grandiosidade?


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 10/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Enriquecer é Glorioso! de Marilia Mota Silva
02. Retrato do Leitor enquanto Anotação de Duanne Ribeiro
03. Dê uma lidinha de Elisa Andrade Buzzo
04. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza de Ricardo de Mattos
05. Da relevância e do respeito musical de Rodrigo Cavalcanti da Rocha


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
04. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/8/2004
22h52min
Amigo, não vou dizer que concordo com todo o texto (1,2 e 3) mas está bem próximo da realidade e do meu pensamento. E como no seu último parágrafo vc resumiu o que eu iria deixar de comentário. Nada mais a falar. Beijos da amiga, Elaine P@iva
[Leia outros Comentários de Elaine P@iva]
15/8/2004
10h58min
O texto é bem escrito, mas as idéias por vezes se chocam. Agora bom mesmo é o comentário da Elaine P@iva, que diz que o texto está bem próximo da realidade e de seu pensamento. Auto-arvorada realistíca amiga, tens procuração? Evandro
[Leia outros Comentários de Evandro]
9/9/2004
00h45min
Eu tenho morado em diferentes cantos do mundo e, a cada novo lugar que vou, valorizo mais meu pais. Sou uma brasileira que AMA o Brasil. Acho que o maior cancer que temos sao os nossos politicos, eles impedem o nosso crescimento e ensinam ao povo que o crime compensa, a propina vale a pena e que ser honesto nao tem valor algum. Acho o povo brasileiro inteligente e batalhador sem ser neurotico. Para vc entender o neurotico, outro dia estava falando com uns americanos e eles falaram que os brasileiros eram preguicosos e sem ambicao. Eu disse: nao, vcs e' que sao neuroticos com tudo. Nos queremos um pais melhor e queremos ser felizes! O Brasil tem muita coisa que precisa ser melhorada mas eu ainda acredito que e' o melhor lugar do mundo e com as melhores pessoas.
[Leia outros Comentários de Fabiana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O JOGO DO RESGATE VOLUME 78 COL. CAMINHO POLICIAL
HOWARD ENGEL
CAMINHO
(1988)
R$ 28,00



O CHARME DOS BANHEIROS
LILIAN DO AMARAL VIEIRA ORG.
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 39,66
+ frete grátis



A POLAQUINHA E PÃO E SANGUE
DALTON TREVISAN
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



COMO SE TORNAR UM LÍDER SERVIDOR
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2006)
R$ 10,00



EURICO O PRESBÍTERO
HERCULANO
DIFEL
(1965)
R$ 16,07



HOMENS GOSTAM DE MULHERES QUE GOSTAM DE SI MESMAS
STEVEN CARTER - JULIA SOKOL
SEXTANTE
(2008)
R$ 7,80



EM BUSCA DAS COORDENADAS - A DESCOBERTA DAS COORDENADAS
ERNESTO ROSA NETO
ATICA
(2001)
R$ 9,90



PERIGOSO DEMAIS
S. C. STEPHENS
VALENTINA
(2015)
R$ 20,00



MARCAS DO CAMINHO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
ANDRÉ LUIS
(1994)
R$ 5,90



LA SCULPTURE GRECQUE CLASSIQUE
JEAN CHARBONNEAUX
MEDIATIONS
(1964)
R$ 25,28





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês