Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3 | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
Mais Recentes
>>> O terceiro reich no poder de Richard J. Evans pela Planeta (2014)
>>> Supernatural e a Filosofia de William Irwin pela Madras
>>> Na ponta do leque de Jocelyne Godard pela Primavera Editorial (2013)
>>> O pesadelo de Lars Kepler pela Intrínseca (2012)
>>> Sanatorium de Olavo Bilac e Magalhães de Azeredo pela Clube do Livro (1977)
>>> O Lôbo da Estepe de Hermann Hesse pela Civilização Brasileira (1973)
>>> Evangelização Compromisso Com Jesus de Dima Lourenço Marquez pela Eme (2007)
>>> Tortura Branca de Victor Bonini pela Coerência (2020)
>>> O Livro do Inexplicável de Jacques Bergier pela Hemus
>>> Belissima de Nora Roberts pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Akhenaton o Filho do Sol de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (1995)
>>> Primeiros Socorros na Ponta dos Seus Dedos de D & J. Lawson-wood pela Pensamento (1963)
>>> Deixada para trás de Charlie Donlea pela Faro Editorial (2017)
>>> Uma mulher na escuridão de Charlie Donlea pela Faro Editorial (2019)
>>> A vida em poesia de A vida em poesia pela Lura Editorial (2021)
>>> A Garota Que Não Se Calou de Abi Daré pela Verus Tag (2021)
>>> Longo e Claro Rio de Liz Moore pela Trama (2021)
>>> Longo e Claro Rio de Liz Moore pela Trama (2021)
>>> O canto dos contos de Daniel Moares pela Lura (2020)
>>> Flood Uma mulher implacável de Andrew Vachss pela Record (2011)
>>> Menina boa menina má de Ali Land pela Record (2018)
>>> Os segredos que nos cercam de Kathryn Hughes pela Astral Cultural (2020)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Amor Amargo de Jennifer Brown pela Gutenberg (2015)
>>> O misterioso caso da roval street e outras histórias de Marcelo Felix pela Lura (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 10/8/2004
Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
Luis Eduardo Matta

+ de 8100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Embora plenamente ciente de que a discussão em torno da identidade brasileira daria assunto de sobra para muitas dezenas de artigos, podendo render até um livro - como, aliás, já rendeu vários - vou encerrar, com este texto, a minha modesta e um tanto pretensiosa análise do tema, podendo, como bom e atento brasileiro, retornar futuramente a ele, em novas abordagens.

Se, no artigo anterior, o foco foi a nossa produção cultural, neste tomarei como ponto de partida uma célebre frase do saudoso Tom Jobim, que afirmava, com boa dose de razão e lucidez, que no Brasil, fazer sucesso é ofensa pessoal. O maestro referia-se, naturalmente, à reação negativa que boa parte da nossa sociedade tem diante de conquistas, sobretudo profissionais e financeiras, de conterrâneos seus. Alguém que ganhe muito dinheiro, fama ou reconhecimento fatalmente se tornará, em alguma escala, objeto de ressentimento e maledicências, estará sujeito a sofrer boicotes dos formadores de opinião e a ser violentamente bombardeado por críticas ensandecidas e, muitas vezes, irracionais. Um caso emblemático é o de Pelé. O maior desportista de todos os tempos, que com suas jogadas impressionantes, sua garra e seu insuperável talento, arrebatou todo o planeta numa época, é bom frisar, na qual a televisão não tinha o poder e o alcance que tem hoje e as notícias e imagens não costumavam ganhar o mundo com a velocidade e o impacto proporcionado pelas conquistas tecnológicas verificadas nas últimas duas décadas. Pois bem, o fato é que Pelé, a despeito de todos os seus méritos como grande jogador e personalidade que, mais do que qualquer outro brasileiro, já assegurou o seu lugar na galeria dos heróis da História do esporte mundial, nunca recebeu do Brasil o reconhecimento de que é merecedor; em qualquer outro lugar, Pelé seria idolatrado e se converteria em alvo de certo de fãs ensandecidos e fanáticos - assim como acontece com Maradona, na Argentina -, mas o que a realidade nos mostra é algo bem diferente. E a causa disso é o fato de Pelé, o nosso grande Pelé, ter se notabilizado como um homem sério e bem-sucedido, alguém que venceu e deu um rumo consistente à própria vida. Não fosse esta a razão, como explicar o fato de Garrincha, um jogador notável, porém inferior e que sucumbiu, precocemente, à decadência imposta pelo vício do alcoolismo, ser muito mais cultuado?

O caso de Pelé é o mais ilustrativo de como o Brasil trata os seus vitoriosos por ser, a meu juízo, o mais gritante, mas há vários outros. A mágoa diante do sucesso alheio é um traço marcante da condição humana, um lado negativo e obscuro que todos possuímos, mas que, compreensivelmente, nos esforçamos para ocultar. O que ocorre no Brasil, porém, é algo mais complexo e está intrinsecamente ligado à eterna sina do país, preso há décadas num atoleiro do qual não consegue se desvencilhar. Habituamo-nos à estagnação, à condição de país onde tudo parece conspirar para torpedear qualquer pretensão de galgar alguns íngremes degraus da pirâmide social; onde a ambição é invariavelmente interpretada como uma grave falha de caráter; onde ainda prevalece uma mentalidade ibero-católica de redenção plena por meio da abnegação e do sofrimento. Nós, enquanto povo, nos identificamos com a figura do derrotado e nos solidarizamos com ele, pois reconhecemos nas suas desventuras o nosso próprio projeto fracassado de nação (no sentido como foi colocado no artigo que abre esta série). Na mesma medida, o sucesso alheio nos afronta e nos causa indignação. É como se nos assaltasse um inevitável questionamento sobre se aquela pessoa, que soube prosperar tão habilmente é, de fato, merecedora de júbilos. Inadvertidamente podemos nos flagrar perguntando: Fulano é tão bem-sucedido, conseguiu tanta coisa, tanta glória, tanto dinheiro, tornou-se alguém de prestígio, tudo isso numa terra ingrata, desigual, que maltrata sua gente e reserva a poucos o direito de usufruir suas riquezas. Não seria, então, o caso de voltarmos nossa atenção para aqueles que lutaram e lutam tanto e que, por um capricho injusto do destino, nunca alcançaram o êxito que deveriam?

Trata-se de uma inversão perfeita - e igualmente nefasta - da velha e detestável teoria norte-americana do winners (vencedores) e losers (perdedores). Enquanto nos Estados Unidos, os vitoriosos são incensados quase à categoria de semideuses, aqui se dá o mesmo com os derrotados, os marginalizados, os coitados... É quase um compromisso de cunho social, que une corações e opiniões em torno do que seria a verdadeira essência do brasileiro: um povo sofrido, ingênuo e desprovido da malícia perversa imposta pelo modelo ocidental de sociedade.

A percepção de que prosperar no Brasil sempre foi difícil - quando não impossível - é uma das grandes causas dessa entranhada mentalidade, mas é inegável que o nosso histórico complexo de inferioridade como nação, que tanto nos atormenta e nos deforma a visão da realidade tem, também, sua parcela considerável de influência. Basta observar, por exemplo, a reação das pessoas ao descobrir que o profissional tal, que está ganhando milhões e gozando de enorme prestígio em sua carreira, resolveu, por uma razão qualquer, sair do Brasil e fixar residência em Nova York, Londres, Paris, Barcelona ou qualquer recanto do planeta identificado com o mundo desenvolvido e "civilizado", que nós, brasileiros, sempre desejamos reproduzir por aqui. Embora morar no exterior, até onde eu saiba, não constitua um crime previsto no código penal, nada impedirá que o indivíduo que fizer tal opção seja visto, a partir de então, como um Judas, um verdadeiro traidor da pátria que, na primeira oportunidade, abandona a sua terra para aproveitar as delícias e o progresso faustoso do "Primeiro Mundo".

Há ocasiões, contudo, em que essa fórmula se inverte sem, obviamente, alterar a sua lógica. É quando um brasileiro, sobretudo um artista ou intelectual, torna-se uma celebridade no exterior e somente aí é descoberto pelos brasileiros. Nesses casos a boa receptividade da opinião pública estrangeira funciona como um certificado de qualidade, um aval de que aquela pessoa tem, de fato, talento e por isso foi valorizada. É meio patético um país como o nosso, mais de cento e oitenta anos após a sua independência, ainda não se sentir seguro o bastante para saber reconhecer sozinho os méritos de seus cidadãos, mas está longe de ser surpreendente. O exemplo mais recente e dramático deste descalabro foi o de Sergio Vieira de Mello. Foi preciso um atentado em Bagdá mandá-lo tragicamente pelos ares para sempre, para descobrirmos tardiamente que um dos mais conceituados e competentes diplomatas em atividade no mundo era um brasileiro.

Sou muito otimista em relação ao Brasil, apesar de tudo, e acredito que tudo isso, que todo esse complexo de inferioridade que nos leva a uma cegueira parcial diante da realidade e a uma acentuada inversão de valores vá se modificando aos poucos, à medida que o povo for se instruindo e amadurecendo e, com isso, adquirindo seus próprios referenciais; e, também, quando o país der oportunidades concretas às pessoas de progredir, sem os obstáculos da burocracia, da corrupção e de todos os percalços que tanto emperram e atrasam as nossas vidas. Quem sabe, no dia em que o Brasil deixar de sabotar o Brasil, nosso país terá a chance de caminhar por conta própria e dar mostras, espontaneamente, de todo o seu poder e grandiosidade?


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 10/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Philomena de Marta Barcellos
02. O To be or not to be do escritor de Fernando Lago
03. Minha lista possível de Luiz Rebinski Junior
04. A propósito de Chapolin e Chaves de Eduardo Mineo
05. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto de Marcelo Spalding


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/8/2004
22h52min
Amigo, não vou dizer que concordo com todo o texto (1,2 e 3) mas está bem próximo da realidade e do meu pensamento. E como no seu último parágrafo vc resumiu o que eu iria deixar de comentário. Nada mais a falar. Beijos da amiga, Elaine [email protected]
[Leia outros Comentários de Elaine [email protected]]
15/8/2004
10h58min
O texto é bem escrito, mas as idéias por vezes se chocam. Agora bom mesmo é o comentário da Elaine [email protected], que diz que o texto está bem próximo da realidade e de seu pensamento. Auto-arvorada realistíca amiga, tens procuração? Evandro
[Leia outros Comentários de Evandro]
9/9/2004
00h45min
Eu tenho morado em diferentes cantos do mundo e, a cada novo lugar que vou, valorizo mais meu pais. Sou uma brasileira que AMA o Brasil. Acho que o maior cancer que temos sao os nossos politicos, eles impedem o nosso crescimento e ensinam ao povo que o crime compensa, a propina vale a pena e que ser honesto nao tem valor algum. Acho o povo brasileiro inteligente e batalhador sem ser neurotico. Para vc entender o neurotico, outro dia estava falando com uns americanos e eles falaram que os brasileiros eram preguicosos e sem ambicao. Eu disse: nao, vcs e' que sao neuroticos com tudo. Nos queremos um pais melhor e queremos ser felizes! O Brasil tem muita coisa que precisa ser melhorada mas eu ainda acredito que e' o melhor lugar do mundo e com as melhores pessoas.
[Leia outros Comentários de Fabiana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Trabalho - História e Tendências
Aurélio Eduardo do Nascimento / José Paulo Barbosa
Ática
(1996)



Erundina a Mulher Que Veio Com a Chuva
José Neumanne
Espaço e Tempo
(1989)



Viaje Al Espanõl de Fiesta En Primavera (espanhol) (2000)
Josefina F. Garrido; Clara Villanueva
Delprado
(2000)



Dossiê Super Interessante - 364 - Pablo Escobar
Eduardo Szklarz
Abril
(2016)



Revolutionary Road
Richard Yates
Vintage Classics; Film Tie-In
(2009)



Zoroaster Zorotustra Zaratustra
Zoroaster Zorotustra Zaratustra
Ordem do Graal na Terra



Cinquenta Tons de Cinza
El James
Intrínseca
(2012)



Codigo de Aguas Legislação Subsequente e Correlata
José Duarte de Magalhães
Ministerio das Minas e Energia
(1972)



A Reading of Calvins Institutes
Benjamin A. Reist
Westminster John Knox
(1991)



Complexo de Cinderela
Colette Dowling
Circulo do Livro
(1981)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês