Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3 | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
COLUNAS

Terça-feira, 10/8/2004
Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
Luis Eduardo Matta

+ de 7600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Embora plenamente ciente de que a discussão em torno da identidade brasileira daria assunto de sobra para muitas dezenas de artigos, podendo render até um livro - como, aliás, já rendeu vários - vou encerrar, com este texto, a minha modesta e um tanto pretensiosa análise do tema, podendo, como bom e atento brasileiro, retornar futuramente a ele, em novas abordagens.

Se, no artigo anterior, o foco foi a nossa produção cultural, neste tomarei como ponto de partida uma célebre frase do saudoso Tom Jobim, que afirmava, com boa dose de razão e lucidez, que no Brasil, fazer sucesso é ofensa pessoal. O maestro referia-se, naturalmente, à reação negativa que boa parte da nossa sociedade tem diante de conquistas, sobretudo profissionais e financeiras, de conterrâneos seus. Alguém que ganhe muito dinheiro, fama ou reconhecimento fatalmente se tornará, em alguma escala, objeto de ressentimento e maledicências, estará sujeito a sofrer boicotes dos formadores de opinião e a ser violentamente bombardeado por críticas ensandecidas e, muitas vezes, irracionais. Um caso emblemático é o de Pelé. O maior desportista de todos os tempos, que com suas jogadas impressionantes, sua garra e seu insuperável talento, arrebatou todo o planeta numa época, é bom frisar, na qual a televisão não tinha o poder e o alcance que tem hoje e as notícias e imagens não costumavam ganhar o mundo com a velocidade e o impacto proporcionado pelas conquistas tecnológicas verificadas nas últimas duas décadas. Pois bem, o fato é que Pelé, a despeito de todos os seus méritos como grande jogador e personalidade que, mais do que qualquer outro brasileiro, já assegurou o seu lugar na galeria dos heróis da História do esporte mundial, nunca recebeu do Brasil o reconhecimento de que é merecedor; em qualquer outro lugar, Pelé seria idolatrado e se converteria em alvo de certo de fãs ensandecidos e fanáticos - assim como acontece com Maradona, na Argentina -, mas o que a realidade nos mostra é algo bem diferente. E a causa disso é o fato de Pelé, o nosso grande Pelé, ter se notabilizado como um homem sério e bem-sucedido, alguém que venceu e deu um rumo consistente à própria vida. Não fosse esta a razão, como explicar o fato de Garrincha, um jogador notável, porém inferior e que sucumbiu, precocemente, à decadência imposta pelo vício do alcoolismo, ser muito mais cultuado?

O caso de Pelé é o mais ilustrativo de como o Brasil trata os seus vitoriosos por ser, a meu juízo, o mais gritante, mas há vários outros. A mágoa diante do sucesso alheio é um traço marcante da condição humana, um lado negativo e obscuro que todos possuímos, mas que, compreensivelmente, nos esforçamos para ocultar. O que ocorre no Brasil, porém, é algo mais complexo e está intrinsecamente ligado à eterna sina do país, preso há décadas num atoleiro do qual não consegue se desvencilhar. Habituamo-nos à estagnação, à condição de país onde tudo parece conspirar para torpedear qualquer pretensão de galgar alguns íngremes degraus da pirâmide social; onde a ambição é invariavelmente interpretada como uma grave falha de caráter; onde ainda prevalece uma mentalidade ibero-católica de redenção plena por meio da abnegação e do sofrimento. Nós, enquanto povo, nos identificamos com a figura do derrotado e nos solidarizamos com ele, pois reconhecemos nas suas desventuras o nosso próprio projeto fracassado de nação (no sentido como foi colocado no artigo que abre esta série). Na mesma medida, o sucesso alheio nos afronta e nos causa indignação. É como se nos assaltasse um inevitável questionamento sobre se aquela pessoa, que soube prosperar tão habilmente é, de fato, merecedora de júbilos. Inadvertidamente podemos nos flagrar perguntando: Fulano é tão bem-sucedido, conseguiu tanta coisa, tanta glória, tanto dinheiro, tornou-se alguém de prestígio, tudo isso numa terra ingrata, desigual, que maltrata sua gente e reserva a poucos o direito de usufruir suas riquezas. Não seria, então, o caso de voltarmos nossa atenção para aqueles que lutaram e lutam tanto e que, por um capricho injusto do destino, nunca alcançaram o êxito que deveriam?

Trata-se de uma inversão perfeita - e igualmente nefasta - da velha e detestável teoria norte-americana do winners (vencedores) e losers (perdedores). Enquanto nos Estados Unidos, os vitoriosos são incensados quase à categoria de semideuses, aqui se dá o mesmo com os derrotados, os marginalizados, os coitados... É quase um compromisso de cunho social, que une corações e opiniões em torno do que seria a verdadeira essência do brasileiro: um povo sofrido, ingênuo e desprovido da malícia perversa imposta pelo modelo ocidental de sociedade.

A percepção de que prosperar no Brasil sempre foi difícil - quando não impossível - é uma das grandes causas dessa entranhada mentalidade, mas é inegável que o nosso histórico complexo de inferioridade como nação, que tanto nos atormenta e nos deforma a visão da realidade tem, também, sua parcela considerável de influência. Basta observar, por exemplo, a reação das pessoas ao descobrir que o profissional tal, que está ganhando milhões e gozando de enorme prestígio em sua carreira, resolveu, por uma razão qualquer, sair do Brasil e fixar residência em Nova York, Londres, Paris, Barcelona ou qualquer recanto do planeta identificado com o mundo desenvolvido e "civilizado", que nós, brasileiros, sempre desejamos reproduzir por aqui. Embora morar no exterior, até onde eu saiba, não constitua um crime previsto no código penal, nada impedirá que o indivíduo que fizer tal opção seja visto, a partir de então, como um Judas, um verdadeiro traidor da pátria que, na primeira oportunidade, abandona a sua terra para aproveitar as delícias e o progresso faustoso do "Primeiro Mundo".

Há ocasiões, contudo, em que essa fórmula se inverte sem, obviamente, alterar a sua lógica. É quando um brasileiro, sobretudo um artista ou intelectual, torna-se uma celebridade no exterior e somente aí é descoberto pelos brasileiros. Nesses casos a boa receptividade da opinião pública estrangeira funciona como um certificado de qualidade, um aval de que aquela pessoa tem, de fato, talento e por isso foi valorizada. É meio patético um país como o nosso, mais de cento e oitenta anos após a sua independência, ainda não se sentir seguro o bastante para saber reconhecer sozinho os méritos de seus cidadãos, mas está longe de ser surpreendente. O exemplo mais recente e dramático deste descalabro foi o de Sergio Vieira de Mello. Foi preciso um atentado em Bagdá mandá-lo tragicamente pelos ares para sempre, para descobrirmos tardiamente que um dos mais conceituados e competentes diplomatas em atividade no mundo era um brasileiro.

Sou muito otimista em relação ao Brasil, apesar de tudo, e acredito que tudo isso, que todo esse complexo de inferioridade que nos leva a uma cegueira parcial diante da realidade e a uma acentuada inversão de valores vá se modificando aos poucos, à medida que o povo for se instruindo e amadurecendo e, com isso, adquirindo seus próprios referenciais; e, também, quando o país der oportunidades concretas às pessoas de progredir, sem os obstáculos da burocracia, da corrupção e de todos os percalços que tanto emperram e atrasam as nossas vidas. Quem sabe, no dia em que o Brasil deixar de sabotar o Brasil, nosso país terá a chance de caminhar por conta própria e dar mostras, espontaneamente, de todo o seu poder e grandiosidade?


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 10/8/2004


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/8/2004
22h52min
Amigo, não vou dizer que concordo com todo o texto (1,2 e 3) mas está bem próximo da realidade e do meu pensamento. E como no seu último parágrafo vc resumiu o que eu iria deixar de comentário. Nada mais a falar. Beijos da amiga, Elaine [email protected]
[Leia outros Comentários de Elaine [email protected]]
15/8/2004
10h58min
O texto é bem escrito, mas as idéias por vezes se chocam. Agora bom mesmo é o comentário da Elaine [email protected], que diz que o texto está bem próximo da realidade e de seu pensamento. Auto-arvorada realistíca amiga, tens procuração? Evandro
[Leia outros Comentários de Evandro]
9/9/2004
00h45min
Eu tenho morado em diferentes cantos do mundo e, a cada novo lugar que vou, valorizo mais meu pais. Sou uma brasileira que AMA o Brasil. Acho que o maior cancer que temos sao os nossos politicos, eles impedem o nosso crescimento e ensinam ao povo que o crime compensa, a propina vale a pena e que ser honesto nao tem valor algum. Acho o povo brasileiro inteligente e batalhador sem ser neurotico. Para vc entender o neurotico, outro dia estava falando com uns americanos e eles falaram que os brasileiros eram preguicosos e sem ambicao. Eu disse: nao, vcs e' que sao neuroticos com tudo. Nos queremos um pais melhor e queremos ser felizes! O Brasil tem muita coisa que precisa ser melhorada mas eu ainda acredito que e' o melhor lugar do mundo e com as melhores pessoas.
[Leia outros Comentários de Fabiana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA
PETER DRUCKER
PIONEIRA
(1999)
R$ 13,00



HUMOR 100% SEXUAL
NANI
DESIDERATA
(2007)
R$ 12,00



NINTENDO WORLD--6--NOS TEMOS A FORÇA!
CONRAD
CONRAD
R$ 18,00



ENFIM SÓS!...
MÁRCIA LEITE
SCIPIONE
(1991)
R$ 5,00



NEOCONSUMIDOR DIGITAL, MULTICANAL & GLOBAL
MARCOS GOUVEA DE SOUZA
GS & MD
(2009)
R$ 20,00



CHICO XAVIER E NOSSO LAR EM CORDEL F. A. LISBOA
F. A. LISBOA
CLARIM
(1994)
R$ 5,00



A SOLUÇÃO VIAGRA A CURA DA IMPOTÊNCIA
DR. STEVEN LAMM
RECORD
(1998)
R$ 26,91



GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL 18
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 6,90



SENTIDO DINÂMICO DA DEMOCRACIA
ELIAS CHAVES NETO
BRASILIENSE
(1982)
R$ 25,00



O OBSCENO PÁSSARO DA NOITE
JOSÉ DONOSO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 21,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês