Brutalidade Urbana | Carlos Benites | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Matrix, ou o camarada Buda
>>> Honestidade
>>> Action culturelle
>>> Google Blog
>>> A morte do jornal, pela New Yorker
>>> Mucha Mierda
>>> O trabalho camponês na América
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> Um rancho e um violão
>>> Da fatalidade do desejo
Mais Recentes
>>> O Código da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A pergunta a varias mãos de Carlos Rodrigues brandão pela Cortez (2003)
>>> Short Cuts - Cenas da Vida de Raymond Carver pela Rocco (1994)
>>> Da Unidade Transcendente das Religiões de Frithjof Schuon, Fernando Guedes Galvão pela Martins (1953)
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
>>> O Sabor da Qualidade de Subir Chowdhury pela Sextante (2006)
>>> A Aprendiz de Vivianne Aventura pela Landscape (2005)
>>> Auto sugestão Consciente O Que Digo O que Faço de Emile Coué pela Ediouro
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1983)
>>> No Beco do Sabão de Odette de Barros Mott pela Atual (1985)
>>> O Diário de M. H. de Thalles Paraíso pela Talento (2016)
>>> O Principe Fantasma de Ganymédes José pela Atual (1987)
>>> Vidas de Grandes Compositores de Henry Thomaz pela Globo (1952)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Gramática: Teoria e Atividade de Maria Aparecida Paschoalin; Neusa Terezinha Spadot pela Ftd (2008)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Tarde Demais para Chorar Cedo Demais para Morrer de Edith Pendleton pela Circulo do Livro
COLUNAS

Terça-feira, 31/7/2001
Brutalidade Urbana
Carlos Benites

+ de 2600 Acessos

Estou eu reclinado no desconfortável banco daquilo que eu insisto em chamar de automóvel, quando presencio uma das mais grotescas cenas desde a minha chegada à metrópole paulistana. O semáforo fecha, Alfa FM no rádio, quando à minha esquerda um Chevette azul dá uma daquelas "encostadinhas" na traseira de um Gol verde. Até então tudo normal. Nada que não tivesse visto antes. Previsivelmente, a dona do Gol desce do carro pisando duro e vai tirar satisfações com a condutora do Chevette. A moça de trás abre o vidro e parece escutar o que a que está em pé está falando (ou sussurrando, pois mal se podia ouvir o que a moça dizia...). É então que sai um braço de dentro do carro é dá um sonoro tapa no rosto da moça de pé. Esta ajeita os óculos e continua a reclamar, agora com voz um pouco mais audível. A moça do Chevette, não contente, sai também do carro e, não bem fecha a porta, desfere um outro tapa, agora do outro lado do rosto da adversária (além de atrevida, ambidestra!). De semblante totalmente rubro, resultado da inevitável raiva e também da agressão, a dona do Gol recua um passo e ameaça esbravejar numa voz já esganiçada pelo nó na garganta. Nem bem completa a primeira frase e recebe o derradeiro golpe, ainda mais estalado. Atônita, com as lágrimas já saltando incontroláveis, a dona do Gol, a que teve seu veículo abalroado, entra impotente no seu carro. A outra, nem se digna a observar o estrago causado pela colisão e também adentra o seu Chevette.

O semáforo abre. A moça do Gol, certamente se recuperando do choque, hesita. E uma buzina irritante e insistente vem do Chevette. Embasbacado, ainda assim movimento o meu carro. Senão levo um buzinão também.

O Sonho Acabou

Quem viu a Internet nascer para o mundo civil nos idos de 94, certamente se decepciona com o rumo que as coisas estão tomando. O sonho de um universo paralelo, sem distâncias geográficas ou sociais, onde a moeda corrente era o conhecimento, havia se tornado realidade então. Hoje vemos dois fenômenos embrionários, mas que tem uma forte tendência de preponderância. Um econômico que tenta transformar a rede numa zona de livre comercio sem fronteiras (muita gente está tentando aproveitar enquanto a coisa não está bem regulamentada). O outro social, onde as pessoas se unem em comunidades virtuais para trocarem idéias auto-alimentadas, e criam sofisticados instrumentos de segregação ideológica e social.

Claro que a livre informação e o espírito de liberdade ainda fluem pelos gigabits. Afinal a ferramenta não mudou. Porém o instinto humano mais uma vez toma conta, e utiliza a tecnologia de democratização para o espólio e a auto-afirmação.

A Internet vai revolucionar a comunicação interpessoal? Sim, mas não mais que o correio ou o telefone o fizeram em suas eras. O que veremos não será uma globalização, mas sim uma micro-fragmentação cultural independente de barreiras geográficas.

A regulamentação virá. E quem tem o poder para controlar a vida das pessoas ganhará um pouco mais de poder. Talvez existam alguns lugares seguros nesta rede do futuro. Oásis de sabedoria onde cientistas possam divulgar dados experimentais e trocar conhecimento sem medo dos ladrões de patentes.

Tomara que eu esteja errado, afinal não sou nenhum tipo de profeta cibernético. Tomara que iniciativas como este digestivo tenham espaço para crescer num cyber-universo dominado pela mídia do futuro. Tomara que volte o tempo em que uma idéia na cabeça e um servidor web eram o suficiente para se ganhar algum dinheiro. Não pretendo ser elitista (e inevitavelmente sonhador), mas tomara que alguém consiga parar este processo geométrico de banalização da Internet.

Anti-caspa

Relutei um pouco, mas a patroa disse que era uma comédia legal e que valia a pena. Compramos os tickets e fomos ver Evolução (Evolution). Afinal, até poderia ser bacana pois quem faz o papel do protagonista é o David Duchovny (Fox Mulder). Digamos que o filme tem algo de inovador, com um roteiro de comedia sci-fi de piadas esporádicas e exageradas, lembrando o estilo de direção dos irmãos Farrelly (Quem Vai Ficar com Mary). O interessante é que o filme tem um ritmo de piadas absurdas crescente, começando quase sério e terminando com uma sandice extrema. Depois de muitos efeitos especiais CGI e clichês a respeito de militares idiotas, você tem a impressão de que a produção não passou de um comercial, com uma hora em meia de duração, de um shampoo anti-caspa. Que tenta te convencer de que os fungos que causam a caspa são alienígenas e a que a sua única chance de se livrar deles é usando o tal shampoo, que tem um composto ativo com selênio.

Alto e, principalmente, bom som

Quem gosta de underground, é fã do Radiohead e já furou o OK Computer de tanto tocar, tem mais uma opção: Muse. A banda inglesa tem sonoridade peculiar, letras profundas e um vocal que, de cara, lembra muito o Tom Yorke do Radiohead. O segundo album da banda, Showbiz, está longe de ser plano, tendo visíveis influências não só do Radiohead, como também de bandas como Nirvana, Police e Faith no More. No máximo da excentricidade, os caras até engatam um tango! Cheio de seqüências melódicas desconcertantes e batidas às vezes exóticas, o disco está longe de ser pop, mas também não sofre de ataques de estrelismo artístico como o Amnesiac. O som não chega a ser experimental e, ao que parece, eles primam por não utilizar samplers e repetições. O álbum cativa e parece que fica no subconsciente, com composições que fogem das obviedades cotidianas e transportam a um mundo interior obscuro.

Destaque para Sunburn, primeira faixa do disco, de caráter extraordinariamente emocional, criado por contrastes que levam ao clímax do refrão.

Vale a pena conferir. Não é tão fácil de achar no Brasil, mas dá para importar pela Amazon e similares.


Carlos Benites
São Paulo, 31/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Arte em meio à tragédia - Roman Polanski de Maurício Dias
02. Somente para quem quiser (souber?) sonhar de Paulo Polzonoff Jr


Mais Carlos Benites
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eight Famous Elizabethan Plays (capa Dura)
Esther Cloudman Dunn (introduction)
The Modern Library (new York)
(1950)



O Segredo das Ervas
N/d
Europa
(2008)



Heitor Villa Lobos
Loly Amaro de Souza
Moderna
(2001)



Clt Saraiva
Não Sei
Saraiva
(1998)



Como Destruir Seu Casamento
Claudio Paiva
34
(1994)



Rhétorique de Limage; Le Cinéma: Langue Ou Langage ?
Revista Communications, Nº 4 de 1966
Seuil
(1964)



Aproximou-se o Reino de Deus de Mil Anos
Watchtower Bible and Tract Society of Ny
Watchtower Bible and Tract Soc
(1975)



World Class: Thriving Locally in the Global Economy
Rosabeth Moss Kanter
Free Press
(1997)



Introdução a Ciencia do Direito
Roberto Thomas Arruda (capa Dura)
Juriscredi (sp)
(1972)



Sr. Compromisso
Mike Gayle
Tâmisa
(2000)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês