2004 foi um ano ruim, mas nem tanto | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Sexta-feira, 17/12/2004
2004 foi um ano ruim, mas nem tanto
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3000 Acessos

Definitivamente, 2004 foi um ano ruim. Não que tenha sido um ano desprezível, daqueles que a gente pensa em jogar na lata do lixo. Nada disso. Houve muitas coisas boas. Maravilhosas até. Não foi um ano de especiais tragédias nem nada. Só foi um ano ruim. Que está acabando.

Para mim foi um ano em que a esperança foi posta à prova em todos os dias. Não me orgulho em dizer que em várias ocasiões ela perdeu. Ou titubeou, o que dá no mesmo. Não se trata daquela esperança pasteurizada que se vende nas melhores igrejas do ramo. Trato aqui de uma esperança personalíssima, que sempre norteou minha vida. Não nego que sempre fui um homem de sorte. Continuo sendo, claro, mas às vezes a coisa degringola. Ou, por outra, às vezes eu não consigo entender as notas deste fado.

Fazendo uma rápida retrospectiva, constato que meu ano esteve divididinho ao meio: de janeiro a junho e de julho a dezembro. Nos primeiros seis meses, trabalhei como editor de livros. Lancei apenas dois títulos no período. E quase vi ir para o ralo um casamento de mais de quinze anos com a literatura. Tive ganas de ver minha estante virar fogueira. Mas passou, passou, passou.

Acho que depois destes seis primeiros meses, a palavra literatura ganhou outra conotação para mim. A crença nos bons homens que escrevem livros já não existe; menos ainda a crença nos bons homens que publicam livros; menos ainda a crença nos bons homens que vendem livros; e, por fim, menos ainda a crença nos bons homens que lêem livros.

Foi ruim, muito ruim. E difícil. Como se estivesse às portas de Berlim no final da guerra, tive de tomar decisões rápidas. Parei de escrever crítica literária. E, por fim, desisti da edição de livros. Sábias decisões, ainda que insistam em me contradizer. Pior ainda são os que acreditam que estou apenas "dando um tempo", que vou amadurecer e voltar. Sinto se os desaponto, mas não: não volto a escrever sobre livros a não ser informalmente, de amigo para amigo, do jeito que ando fazendo.

Sempre quis ser crítico literário. Fui. Por longos quatro anos, fui. Ou cinco, já nem sei. Li muitos livros. Houve um mês em que li dezoito livros. É coisa demais para qualquer pessoa. Fiz amigos, fiz inimigos. Escrevi laudas e laudas que já hoje não existem senão nos arquivos da biblioteca - mandei tudo para o lixo do computador. Errei muito. Acertei também. Na minha ingenuidade juvenil, propus que a crítica fosse lida como uma opinião pura e simples, isenta de sentimentos pessoais. Falhei e falhamos e é passado.

Amante dos livros, caiu-me do céu a oportunidade de ser editor, isto é, de pôr nas mãos dos bons leitores os livros que me agradavam. Uma ilusão atrás da outra: não há tantos autores bons assim; os autores estão cheios de ambições vis (exceções existem, claro); e, por fim, publicar e vender livros no Brasil é uma atividade estranha, sem qualquer romantismo nem muito menos lógica. Só não digo que é uma atividade mafiosa porque sei que há muita gente boa publicando livros por aí. Mas que é uma atividade mafiosa, lá isso é.

Foram duas grandes decepções em seis meses. Decepções ligadas àquilo que eu achava ser a minha vocação: livros. Quando me dei conta, estava odiando não só escrever, como também ler. Passei meses (dois já é plural) sem pegar num livro. Comecei a ter azia quando percebia as negociatas por trás do negócio. Enfim, nestes seis meses acho que me tornei homem da pior maneira possível: perdi todo o romantismo e fiquei apenas com folhas na mão.

Depois destes seis primeiros meses que eu ouso chamar de trágicos, viriam seis mais trágicos ainda. Mas há nesta minha concepção de tragédia muito drama e nenhuma verdade. Porque 2004 foi um ano ruim, sim, mas não um ano sem propósito. Foi mais como uma palmada de mãe e pai: necessária, mas que a gente sempre pensa que poderia ter sido evitada. Ainda hoje, no finalzinho do ano, sinto as dores da palmada de 2004: um ano que poderia não ter sido como foi. Há lições que a gente não precisa aprender com tanto sofrimento. Ou será quê?

Pois nos últimos seis meses do ano eu me descobri como jornalista. Pela primeira vez em muito tempo. Tive algumas conversas comigo mesmo a respeito do assunto, me lembrei do porquê de ter escolhido esta profissão, me lembrei dos elogios dos professores e, novamente, da fé. E me empenhei em ser jornalista.

Quem conhece os pormenores desta história deve estar se perguntando como eu posso dizer que 2004 foi um ano ruim. De fato, consegui muitas coisas boas. Escrevi matérias interessantes. Entrevistei gente que prezo. Apertei a mão e olhei bem dentro dos olhinhos pequenos de Joel Silveira. Ganhei um dinheirinho. Pensando pragmaticamente, tudo foi muito bom, obrigado. E continua sendo. O problema é que não sou totalmente um homem pragmático.

Foi um ano de expiar culpas, de encontrar no passado motivos para se arrepender e ser punido. Foi um ano de ter muitos sonhos não realizados, numa proporção nunca antes atingida. Houve semanas de choro e de esterilidade. Passei vários dias em frente ao computador, me perguntando como sairia da enrascada em que tinha me metido. Confesso que me arrependi algumas vezes de ter ousado vir para o Rio de Janeiro. E por isso peço perdão.

A verdade é que todas as vezes em que eu abaixava a cabeça, algo de bom acontecia. Algo momentâneo. Uma palavra, um telefonema, uma frase num livro, uma notícia no jornal. Amigos me deram bons conselhos que eu tentei e ainda tento acatar com a sabedoria do curumim que escuta o pajé. Dois mil e quatro foi um ano sofrido, de muitas dúvidas. Mas o bom é que a tendência das dúvidas é de que elas sejam esclarecidas logo.

O ano foi um ano ruim, mas eu aprendi que mesmo assim a vida pode ser boa, ao lado da mulher que eu amo, com meus gatos, uma paisagem deslumbrante, livros para me fazer sonhar, forró na noite de sábado entre peões de obra e caixas das Lojas Americanas, gritos de gol e xingamentos no Maracanã, almoço com os amigos e principalmente aquele brilho nos meus olhos. Aquele, que eu nem sabia que tinha. 2004 foi um ano ruim, mas eu descobri que tenho um brilho nos olhos. Sorte de quem conseguir percebê-lo em todas as suas matizes.

Nota do Editor
Paulo Polzonoff Jr. assina hoje o blog O Polzonoff, onde este texto foi originalmente publicado. (Reprodução gentilmente autorizada pelo autor.)


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 17/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Quem sou eu? - 8/12/1977
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS DE UM ESCRITOR SOLITÁRIO
SAM SAVAGE
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 34,00



FAÇA ACONTECER - MULHERES, TRABALHO E A VONTADE DE LIDERAR
SHERYL SANDBERG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 25,00



A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA ALMA
ALEXIS RIAUD
QUADRANTE
(1998)
R$ 20,00



COMO LIDAR COM PESSOAS DIFÍCEIS/ DE BOLSO
VICTOR CIVITA
NOVA CULTURA
(2005)
R$ 8,57



TRANSFORMANDO GRAMA EM OURO
JULIO CASARES
GENTE
(2014)
R$ 15,00



A ELEIÇÃO DA CRIANÇADA
PEDRO BANDEIRA
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 13,00



EMERGÊNCIAS CLÍNICAS ABORDAGEM PRÁTICA - 9456
HERLON SARAIVA MARTINS E OUTROS
MANOLE
(2006)
R$ 12,00



ESTAÇÃO DAS CLINICAS
IACYR ANDERSON FREITAS
ESCRITURAS
(2016)
R$ 25,04



O AMOR CHEGOU
MARISA DE LOS SANTOS
RECORD
(2008)
R$ 10,00



O MUNDO É PLANO
SERGIO DUARTE; BRUNO CASOTTI; CRISTINA CAVALCANTI
OBJETIVA
(2009)
R$ 6,00





busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês