Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras | Thiago Herzog | Digestivo Cultural

busca | avançada
76196 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
>>> Livro recupera a história de Alfred Dreyfus, oficial judeu injustamente condenado há um século, em m
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Entrevista: Celso Kallarrari
>>> Como elas publicavam?
>>> E o iPad não salvou os jornais e as revistas...
>>> Colocando o preto no branco das câmeras digitais
Mais Recentes
>>> Uns papéis que voam de Flavio José Cardozo pela Ftd (2003)
>>> DC Especial vol1 - Arqueiro Verde de Brad Meltzer, Ande Parks, Phil Hester pela Panini Comics (2004)
>>> DC Especial vol.2 - Gavião Negro de Geoff Johns, James Robinson e Rags Morales pela Panini Comics (2002)
>>> Os Cães de Riga de Henning Mankel pela Companhia das Letras (2003)
>>> X-Men - Edição Histórica vol.3 de John Byrne, Chris Claremont, Terry Austin pela Mythos (2003)
>>> A bruxa da floresta de Maria goretti fernandes pela Bagaço (2009)
>>> DC Especial vol.6 - Arqueiro Verde: Segredos e Mentiras de Judd Winick, Phil Hester & Ande Parks pela Panini Comics (2005)
>>> Los Angeles Nua & Crua de Dell Shannon pela Nova Cultural (1986)
>>> A droga do amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Poesia concreta e visual de Philadelpho Menezes pela Atica (1998)
>>> Kenshin Kaden de Nobuhiro Watsuki pela JBC Mangás (2003)
>>> A Narrativa Ontem e Hoje de Organização de Lígia Vassallo pela Tempo Brasileiro (1984)
>>> Design and Form: The Basic Course at the Bauhaus and Later de Johannes Itten pela Van Nostrand Reinhold Company (1975)
>>> Umbanda: Crença, Saber e Prática de Míriam de Oxalá (Míriam Prestes) pela Pallas (2007)
>>> The Art of Color: The Subjective Experience and Objective Rationale of Color de Johannes Itten pela Van Nostrand Reinhold Company
>>> O Pecado Secreto - Curando as Feridas do Vício Sexual de Mark R. Laaser pela Luz e Vida (1996)
>>> Español Para Brasileños de Jair de Oliveira Souza pela FTd (1997)
>>> Cidade dos Deitados de Heloisa Prieto pela Sesc sp
>>> Vida e Obra de Ana inês pela Expressão Popular
>>> Mensajes de Misericordia - Livro em Espanhol de Varios autores pela Espanhol
>>> Filosofia, linguagem, arte e educação de Jean Lauand pela Coleção Humanidades
>>> Um trabalho da notícia de Perseu Abramo pela Fundação (1997)
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil de Laurentino Gomes pela Globo (2014)
>>> The Color Purple de Alice Walker pela Open University (2003)
>>> Pré-vestibular Conteúdos E Atividades De Revisão 2 de Diversos pela Casa Publicadora Brasileira (2015)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quinta-feira, 30/12/2004
Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
Thiago Herzog

+ de 8900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pro Walter Daguerre,
autor, teórico e diretor que gosta de desconstruir quimeras


Escrever, ler, roçar, apalpar, comer, cozer, trepar, fazer poesia, pesquisar, amar, odiar, se atirar, se retirar, pensar, se pensar, jogar, se jogar... Fazer experiências, jogar no caldeirão e mexer com uma colher de pau e esquentar com ferro quente. Errar e acertar ao mesmo tempo, indo ao âmago, indo à lama, ao fundo d'água. Isso é arte experimental, isso é a essência do teatro experimental ou contemporâneo ou de pesquisa (a nomeclatura que o senhor ou senhora desejar).

O foco neste teatro é a cena. A cena como resultado ou como processo das pesquisas que foram feitas na tentativa de compreensão do texto, da vida, dos valores, da própria cena e das relações feitas entre esses pontos. A cena é o lugar independente e a pedra fundamental da construção e da pesquisa de perguntas e respostas. É nela que se encontra a gênese das discussões colocadas.

Obviamente, isso a torna um caldeirão de imagens pensadas esteticamente, em que os valores de construção estética são propostos pelo próprio artista criador.

A cena preenche, lota, mas não encerra a discussão. Ela brinca, ensaia e desvia de certos pontos que estão presentes dentro dela mesma, tentando alcançar as várias possibilidades de pensamento e de realização.

Isto é teatro de pesquisa, é a cena, é a pesquisa cênica. É a arte que é criada de forma a alterar o texto, o projeto e o espectador em seus sensores e em sua consciência.

Pra tanto mudam-se os valores, não é de certo e errado, mesmo dentro do próprio espetáculo, que uma análise sobre ele deve tratar, mas sim da quantidade e da qualidade de jogo. Do grau de chafurdamento, de desvios, de erros pela busca incessante e insaciável de algo na cena. O erro é parte importante, é parte da experiência.

"Ensaio.Hamlet é uma aproximação. É mais uma série de perguntas e experiências do que uma montagem da peça-quimera, da peça desafio" (Enrique Diaz no texto do programa de Ensaio.Hamlet).

A Cia. dos Atores, dirigida por Enrique Diaz, comemorou este ano 15 anos de chafurdamento em teatro, com o grande acontecimento da temporada teatral (pelo menos carioca, um a priori que me deixa mais à vontade): o espetáculo Ensaio.Hamlet.

Na arena do espaço Sesc-Copacabana o que se viu foi a mais pura tentativa de, a partir de um texto considerado um dos maiores escritos na história da humanidade - uma "peça-quimera" - realizar a experiência da qual estamos tratando. Pensar e discutir vida, morte, religião... e principalmente teatro e as relações teatro-vida, teatro-emoção, teatro-cotidiano eram os objetivos da montagem.

Tendo estreado no dia 7 de abril de 2004, tinha no elenco Bel Garcia, César Augusto, Felipe Rocha, Fernando Eiras, Malu Galli e Marcelo Olinto. O espetáculo também cumpriu temporada em São Paulo.

Em cena víamos experimentações imagéticas de certas questões apontadas por Shakespeare e, a partir dele, apontadas pela própria companhia.

A encenação era composta por uma série de construções estéticas que permitiam a inclusão de discussões em cena: televisões e câmeras se misturavam a um turbilhão de objetos, como ventiladores, que eram levados de lugar pro outro quase o tempo todo, criando assim pequenos jogos, pequenos enredos; cenas projetadas em televisões criavam vários planos; um bife era "passado à ferro quente" etc.

Uma das questões centrais colocadas pela Cia. é o que seria a idéia de herói pra Shakespeare e pra eles mesmos. Assim, a interpretação de Hamlet era alternada por um ou mais atores em diferentes momentos, o que geraria e poria em cena as várias possibilidades do que isso significa. E o mesmo era feito com a idéia de personagem.

Na montagem havia também uma busca pela verdade muito comum à arte contemporânea. Ela não passa pela tentativa de iludir a platéia através da "imitação da vida" naturalista, mas por buscar a vida, assumindo a própria verdade e buscando uma verdade estética. A partir daí, encher a cena de vida, ou seja, de presença cênica.

O maior exemplo disso acontecia em uma das cenas mais importantes do espetáculo e do texto: o suicídio de Ofélia, que, louca e apaixonada por Hamlet, se joga no mar. A moça que faz Ofélia, naquele momento, é banhada de água por um balde de vidro, e a saída da água gerava um ruído que lembrava o som da respiração (ou da falta dela) pela boca cheia de uma pessoa que se afoga. O tradicional "glump, glump, glump" potencializando e poetizando a cena. Chegando a uma verdade cênica, a uma verdade estética.

As pesquisas cênicas o tempo todo tangenciavam uma investigação sobre o ser humano, o seu cotidiano, o seu emocional e a sua alma, trazendo de volta um pilar fundamental presente no teatro grego, a utilização do teatro pra transformação humana. Pros gregos, a tragédia provocava a catarse retirando o excesso de terror e piedade do homem presente e a comédia o excesso de ridículo e de escroto que há no homem.

Isto, em Ensaio.Hamlet, se dava de forma atualizada e muito mais complexa, como é comum e necessário à nossa era. Não sabemos mais quais são os pontos que queremos modificar diretamente e o espetáculo se torna também o momento da busca destes pontos que nos incomodam como humanos, ou dos pontos que inquietam nossa alma.

A montagem, assim, se tornava um ensaio no sentido literário e no sentido teatral, a experimentação anterior à forma final.

* * *

No caso do Rio de Janeiro, cidade em que moro, há outro detalhe em jogo, a quase total carência de espetáculos experimentais nos últimos cinco anos. Assim, a encenação tornou-se uma das poucas possibilidades deste tipo de trabalho ser visto aqui.

Uma exceção citável e bastante importante também é a direção artística de Bia Lessa no Teatro Dulcina. Bia apresentou, neste teatro, dois grandes espetáculos dirigidos por ela, que tinham o mesmo intuito investigativo e talvez a mesma importância de Ensaio.Hamlet: Medéia, de Eurípides, onde a pesquisa cênica da diretora recai sobre uma visão ou uma geração de importância à bruxa Medeia, à Medeia que é senhora dos quatro elementos, à Média que é mulher; e, em uma reestréia em grande estilo após 15 anos, Orlando, de Sergio Sant'Anna, uma adaptação do original de Vírginia Wolf.

Além disso, ela abriu o espaço pra outros espetáculos e criou o evento multimídia Inventário do Tempo, onde, nos últimos meses, se apresentaram experiências contemporâneas de outras áreas da arte, ou, pelo menos, não reconhecidas e não resumidas em experiências teatrais por excelência.

Outro caso que pode ser citado como fundamental para este tipo de trabalho de pesquisa, no ano de 2004, é o espetáculo Deve haver algum sentido em mim que basta, da Cia. Teatro Autônomo, também em comemoração aos 15 anos de sua existência. Na montagem dirigida por Jefferson Miranda, a Cia. partiu de improvisações sobre o ser humano e a vida e suas possibilidades para a construção de uma cena que acabava por implodir com a narrativa linear, explorando a intertextualidade e o simbolismo.

Essa maneira de trabalhar em arte, dita contemporânea ou experimental ou de pesquisa, é necessária pela própria renovação da arte e pra retomada do papel transformador da vida e do homem inerente a ela.

Precisamos em 2005 de muito mais experiências deste tipo, que pensem em fazer um teatro ou uma arte (como quiserem) que realmente diga, sinta e reflita. Roubando um termo de Denise Stoklos: que nos próximos 15 anos o teatro, pelo menos o carioca, deixe de ter uma série de passatempos e tenha uma outra série de "ganha-tempos" desse tipo.


Thiago Herzog
Rio de Janeiro, 30/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre jabutis, o amor, a entrega de Elisa Andrade Buzzo
02. No futebol, como na vida de Marcelo Spalding
03. Cartola de Ricardo de Mattos
04. A graça da coisa de Pilar Fazito


Mais Thiago Herzog
Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2005
10h45min
Achei muito interessante o seu texto, a sua posição, o seu entusiasmo. Precisamos de mais textos assim, claros, celebrativos! Bom ano de ganha-tempos!
[Leia outros Comentários de André Grabois]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Livro de Colorir de Star Wars
Universo Geek - Disney - Lucasfilm
Universo dos Livros
(2016)



Ladainha de Nossa Senhora de Santo Amaro ( 2 Em 10)
Mabel Velloso
Leya
(2016)



Monografia de Mafra
Armando de Lucena
Comissão de Turismo
(1986)



O Balordo
Piero Chiara
Melhoramentos
(1982)



Coleção Folha - Música Clássica para Crianças - Berlioz
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo



Mãe Beata de Yemonja - Guia, Cidadã, Guerreira
Haroldo Costa
Garamond
(2010)



Brasil Showcase de Competência Em E-business
Richard Lowenthal ( Org. )
M. Books
(2005)



Buda. Retorno Ao Reino De Magadha - Volume XI
Osamu Tezuka
Conrad
(2006)



Lysistrata: Bilingue
Aristophane
Las Belles Letres (paris)
(1996)



Guia Completo Pokemon Go
Daniel Salengue - Luiz Duarte
Única
(2016)





busca | avançada
76196 visitas/dia
2,6 milhões/mês