Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras | Thiago Herzog | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quinta-feira, 30/12/2004
Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
Thiago Herzog

+ de 9100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pro Walter Daguerre,
autor, teórico e diretor que gosta de desconstruir quimeras


Escrever, ler, roçar, apalpar, comer, cozer, trepar, fazer poesia, pesquisar, amar, odiar, se atirar, se retirar, pensar, se pensar, jogar, se jogar... Fazer experiências, jogar no caldeirão e mexer com uma colher de pau e esquentar com ferro quente. Errar e acertar ao mesmo tempo, indo ao âmago, indo à lama, ao fundo d'água. Isso é arte experimental, isso é a essência do teatro experimental ou contemporâneo ou de pesquisa (a nomeclatura que o senhor ou senhora desejar).

O foco neste teatro é a cena. A cena como resultado ou como processo das pesquisas que foram feitas na tentativa de compreensão do texto, da vida, dos valores, da própria cena e das relações feitas entre esses pontos. A cena é o lugar independente e a pedra fundamental da construção e da pesquisa de perguntas e respostas. É nela que se encontra a gênese das discussões colocadas.

Obviamente, isso a torna um caldeirão de imagens pensadas esteticamente, em que os valores de construção estética são propostos pelo próprio artista criador.

A cena preenche, lota, mas não encerra a discussão. Ela brinca, ensaia e desvia de certos pontos que estão presentes dentro dela mesma, tentando alcançar as várias possibilidades de pensamento e de realização.

Isto é teatro de pesquisa, é a cena, é a pesquisa cênica. É a arte que é criada de forma a alterar o texto, o projeto e o espectador em seus sensores e em sua consciência.

Pra tanto mudam-se os valores, não é de certo e errado, mesmo dentro do próprio espetáculo, que uma análise sobre ele deve tratar, mas sim da quantidade e da qualidade de jogo. Do grau de chafurdamento, de desvios, de erros pela busca incessante e insaciável de algo na cena. O erro é parte importante, é parte da experiência.

"Ensaio.Hamlet é uma aproximação. É mais uma série de perguntas e experiências do que uma montagem da peça-quimera, da peça desafio" (Enrique Diaz no texto do programa de Ensaio.Hamlet).

A Cia. dos Atores, dirigida por Enrique Diaz, comemorou este ano 15 anos de chafurdamento em teatro, com o grande acontecimento da temporada teatral (pelo menos carioca, um a priori que me deixa mais à vontade): o espetáculo Ensaio.Hamlet.

Na arena do espaço Sesc-Copacabana o que se viu foi a mais pura tentativa de, a partir de um texto considerado um dos maiores escritos na história da humanidade - uma "peça-quimera" - realizar a experiência da qual estamos tratando. Pensar e discutir vida, morte, religião... e principalmente teatro e as relações teatro-vida, teatro-emoção, teatro-cotidiano eram os objetivos da montagem.

Tendo estreado no dia 7 de abril de 2004, tinha no elenco Bel Garcia, César Augusto, Felipe Rocha, Fernando Eiras, Malu Galli e Marcelo Olinto. O espetáculo também cumpriu temporada em São Paulo.

Em cena víamos experimentações imagéticas de certas questões apontadas por Shakespeare e, a partir dele, apontadas pela própria companhia.

A encenação era composta por uma série de construções estéticas que permitiam a inclusão de discussões em cena: televisões e câmeras se misturavam a um turbilhão de objetos, como ventiladores, que eram levados de lugar pro outro quase o tempo todo, criando assim pequenos jogos, pequenos enredos; cenas projetadas em televisões criavam vários planos; um bife era "passado à ferro quente" etc.

Uma das questões centrais colocadas pela Cia. é o que seria a idéia de herói pra Shakespeare e pra eles mesmos. Assim, a interpretação de Hamlet era alternada por um ou mais atores em diferentes momentos, o que geraria e poria em cena as várias possibilidades do que isso significa. E o mesmo era feito com a idéia de personagem.

Na montagem havia também uma busca pela verdade muito comum à arte contemporânea. Ela não passa pela tentativa de iludir a platéia através da "imitação da vida" naturalista, mas por buscar a vida, assumindo a própria verdade e buscando uma verdade estética. A partir daí, encher a cena de vida, ou seja, de presença cênica.

O maior exemplo disso acontecia em uma das cenas mais importantes do espetáculo e do texto: o suicídio de Ofélia, que, louca e apaixonada por Hamlet, se joga no mar. A moça que faz Ofélia, naquele momento, é banhada de água por um balde de vidro, e a saída da água gerava um ruído que lembrava o som da respiração (ou da falta dela) pela boca cheia de uma pessoa que se afoga. O tradicional "glump, glump, glump" potencializando e poetizando a cena. Chegando a uma verdade cênica, a uma verdade estética.

As pesquisas cênicas o tempo todo tangenciavam uma investigação sobre o ser humano, o seu cotidiano, o seu emocional e a sua alma, trazendo de volta um pilar fundamental presente no teatro grego, a utilização do teatro pra transformação humana. Pros gregos, a tragédia provocava a catarse retirando o excesso de terror e piedade do homem presente e a comédia o excesso de ridículo e de escroto que há no homem.

Isto, em Ensaio.Hamlet, se dava de forma atualizada e muito mais complexa, como é comum e necessário à nossa era. Não sabemos mais quais são os pontos que queremos modificar diretamente e o espetáculo se torna também o momento da busca destes pontos que nos incomodam como humanos, ou dos pontos que inquietam nossa alma.

A montagem, assim, se tornava um ensaio no sentido literário e no sentido teatral, a experimentação anterior à forma final.

* * *

No caso do Rio de Janeiro, cidade em que moro, há outro detalhe em jogo, a quase total carência de espetáculos experimentais nos últimos cinco anos. Assim, a encenação tornou-se uma das poucas possibilidades deste tipo de trabalho ser visto aqui.

Uma exceção citável e bastante importante também é a direção artística de Bia Lessa no Teatro Dulcina. Bia apresentou, neste teatro, dois grandes espetáculos dirigidos por ela, que tinham o mesmo intuito investigativo e talvez a mesma importância de Ensaio.Hamlet: Medéia, de Eurípides, onde a pesquisa cênica da diretora recai sobre uma visão ou uma geração de importância à bruxa Medeia, à Medeia que é senhora dos quatro elementos, à Média que é mulher; e, em uma reestréia em grande estilo após 15 anos, Orlando, de Sergio Sant'Anna, uma adaptação do original de Vírginia Wolf.

Além disso, ela abriu o espaço pra outros espetáculos e criou o evento multimídia Inventário do Tempo, onde, nos últimos meses, se apresentaram experiências contemporâneas de outras áreas da arte, ou, pelo menos, não reconhecidas e não resumidas em experiências teatrais por excelência.

Outro caso que pode ser citado como fundamental para este tipo de trabalho de pesquisa, no ano de 2004, é o espetáculo Deve haver algum sentido em mim que basta, da Cia. Teatro Autônomo, também em comemoração aos 15 anos de sua existência. Na montagem dirigida por Jefferson Miranda, a Cia. partiu de improvisações sobre o ser humano e a vida e suas possibilidades para a construção de uma cena que acabava por implodir com a narrativa linear, explorando a intertextualidade e o simbolismo.

Essa maneira de trabalhar em arte, dita contemporânea ou experimental ou de pesquisa, é necessária pela própria renovação da arte e pra retomada do papel transformador da vida e do homem inerente a ela.

Precisamos em 2005 de muito mais experiências deste tipo, que pensem em fazer um teatro ou uma arte (como quiserem) que realmente diga, sinta e reflita. Roubando um termo de Denise Stoklos: que nos próximos 15 anos o teatro, pelo menos o carioca, deixe de ter uma série de passatempos e tenha uma outra série de "ganha-tempos" desse tipo.


Thiago Herzog
Rio de Janeiro, 30/12/2004


Mais Thiago Herzog
Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/1/2005
10h45min
Achei muito interessante o seu texto, a sua posição, o seu entusiasmo. Precisamos de mais textos assim, claros, celebrativos! Bom ano de ganha-tempos!
[Leia outros Comentários de André Grabois]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês