Um clássico! | Spacca | Digestivo Cultural

busca | avançada
111 mil/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dos palcos para as leituras radiofônicas
>>> Youtuber apresenta A Jornada do Herói Favelado
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cultura do remix
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A Linguagem das Coisas, de Deyan Sudjic
>>> Aberta a temporada de caça
>>> 12 de Abril #digestivo10anos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Marco Stefanini e as lições da pandemia
>>> O Outro, um conto de Jorge Luis Borges
>>> Wikipedia: fama e anonimato
>>> John Lennon NYC 1972
Mais Recentes
>>> Proami - Programa de Atualização Em Medicina Interna Ciclo 14 Vol 3 de Nazah Cherif Mohamad Youssef e Outro ( Org.) pela Secad (2017)
>>> The Darkness vol2: Demônio Interior de Paul Jenkis pela Panini Comics (2007)
>>> Treasures of Russian Art of the 11th - 16th Centuries de M. V. Alpatov pela Aurora Art Publishers Leningrado (2021)
>>> Tratado Popular de Moxabustão a Medicina Natural Chinesa de Prof. Bartolomeu Alberto Neves pela Portinho Cavalcanti (1987)
>>> The Darkness - vol1: Ressurreição Sombria de Paul Jenkins e Jae Lee pela Panini Comics (2007)
>>> A cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Witchblade - Série clássica - Origens vol. 1 de David Wohl, Christina Z., Michael Turner pela Panini Comics (2007)
>>> Legislação Administrativa e Correlata - Constituição Federal de Andreia Mendes Gonçalves Vitagliano pela Lumen Juris (2007)
>>> A menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Sussurro - Hush, Hush de Becca Fitzpatrck pela Intrínseca (2010)
>>> Idea: A Evolução do Conceito de Belo de Erwin Panofsky pela Martin Fontes (1994)
>>> Super-homem Eternamente (Com Pôster!) de Diversos pela Abril (1999)
>>> The Sword of Imagination Memoirs of a half-century of literary conflict de Russel Kirk pela Wm. B. Eerdmans Publishing Co. (2002)
>>> De Praga a Paris O Surgimento, a mudança e a dissolução da idéia estruturalista de José Guilherme Merquior pela Nova Fronteira (1991)
>>> Point Ligne Plan Pour une Grammaire des Formes de Wassily Kandinsky pela Denoel Gonthier (1972)
>>> Pele negra, máscaras brancas de Frantz Fanon pela Ubu (2021)
>>> Esperando Foucault, ainda de Marshall Sahlins pela Ubu (2021)
>>> Escritos de Jacques Lacan pela Perspectiva (2021)
>>> Cours du Bauhaus de Wassily Kandinsky pela Denoel (1975)
>>> Los Buenos Suicidas de Toni Hill pela Debolsillo (2015)
>>> Deixe a Neve Cair de John Green pela Rocco (2021)
>>> Espaço e Lugar (ano 1983 ) de Yi-Fu Tuan pela Difel (1983)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Alimentação Vegetariana de Dr Eric Slywitch pela Svb
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Alimentação Vegetariana de Dr Eric Slywitch pela Svb
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Alimentação Vegetariana de Dr Eric Slywitch pela Svb
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quinta-feira, 3/3/2005
Um clássico!
Spacca

+ de 5200 Acessos

Era uma criança talentosa, inteligente e metida. Gostava de dizer que só gostava de música clássica. (Na verdade, viria a saber mais tarde, gostava mesmo é de música sinfônica, barulhenta, os tais clássicos populares, Tchaikowsky com tiros de canhão, Beethoven surdo martelando os quatro acordes da Quinta Sinfonia.) Quanto à TV, via de tudo - mas assistia com gosto especial às adaptações de clássicos da literatura em desenho animado: Dickens, Verne. Livrinhos escritos para adolescentes transmitiam ao garoto o essencial de Poe e Dante, filtrados pela prosa de Carlos Heitor Cony.

Um dia, o menino se deparou com um clássico integral, Moby Dick de Herman Melville em edição sem cortes. Um catatau de uma polegada de expessura. Descobriu então duas coisas: primeiro, que andara consumindo gato por lebre, e os clássicos em versão digestiva perdem muito do sabor original; e segundo, que os clássicos são longos demais e certamente foram escritos para leitores de outra época.

Percebeu então a importância que a simples palavra "clássico" parecia ter. Ele queria sentir-se "clássico", por isso consumia "clássicos", ou seus simulacros. Diante de si, só via duas alternativas: continuar com os resumos, ou enfrentar as leituras originais.

Em literatura, percebeu que os originais são insubstituíveis, e que uma versão reduzida é na verdade um novo original. Em filosofia, constatou que os resumos são úteis, mas podem falar mais do resenhista do que da obra.

O tempo passou; aos vinte e poucos anos, descobriu-se nostálgico, entre amigos, relembrando desenhos animados e seriados "antigos" da sua infância. Columbo? Um clássico. Jornada nas Estrelas, então, o clássico dos clássicos.

Uma música publicitária de café é saboreada com ares veteranos de quem degusta uma bebida rara. Como podem? Com tão pouca idade? O ser humano mimetiza tudo, até a nostalgia dos mais velhos.

Vejo hoje o "clássico" como um rótulo algo semelhante ao cult. Talvez o cult seja mais gratuito, e uma certa produção cultural vira cult quando um grupo de fomentadores culturais decidem que ela seja, e o "clássico" seria mais o resultado de um processo mais longo e menos consciente.

Ambos têm uma espécie de aura; para algumas pessoas, uma música disco ou um sucesso da Buzina do Chacrinha parecem relíquias valiosas, pedaços de uma era de ouro que não volta mais.

Um clássico é feito de componentes próprios e elementos exteriores; no que depende de si, é a combinação de elementos raros, às vezes reunidos com uma pitada de acaso ou acidente. Um livro clássico é o livro mais feliz de uma certa obra, aquele difícil de ser superado até pelo seu criador. O Príncipe de Maquiavel é um clássico, História de Florença é apenas leitura clássica. Raízes do Brasil é um clássico, Visão do Paraíso não é.

Podemos ter um evento memorável, um show inesquecível ou até mesmo um gol alçados à categoria de clássicos. Impossível repetí-los; só nos resta cultuá-los.

E quanto aos elementos exteriores, são a reação de seus contemporâneos e a releitura dos públicos futuros.

Um bom clássico deve cair no esquecimento e ser resgatado. Uma tribo de fãs e experts colecionam histórias de bastidores, criando um conhecimento organizado que orienta os novos membros. O primeiro disco do Ultraje a Rigor. Um clássico.

Hoje em dia os clássicos têm morte anunciada: diretores fazem "trilogias", cartunistas matam suas Mafaldas e Rebordosas. Saio da vida para entrar para a História; esqueço minha obra antes que me esqueçam (mistura de Dom João VI com Fernando Henrique Cardoso).

Leitores de filosofia tratam Aristóteles por seu apelido de "Estagirita", e sabem que Descartes descreveu seu método de pensar metodicamente aquecendo-se à lareira. Fãs de cinema sabem que Casablanca foi filmado aos trancos e barrancos com baixo orçamento.

Existe o clássico deliberadamente fabricado. O filme Os Caçadores da Arca Perdida fez uma apropriação dos antigos seriados de matinê e acabou se tornando um clássico. Walt Disney começou a fazer adaptações de clássicos da literatura infantil na série de desenhos "Silly Simphonies" e, com o passar do tempo, o texto publicitário que anunciava "mais um clássico Walt Disney" passou a significar que um filme Disney já nasce clássico.

O próprio Dom Quixote não é uma gozação com uma certa literatura clássica que se tornou mais clássico que os clássicos satirizados?

Enfim, parece que um clássico envolve muito conteúdo exterior ao próprio clássico, desde uma sensação subjetiva de importância e requinte por estar lendo/vendo/ouvindo um clássico, até discussões em grupo sobre o episódio em que o capitão Kirk estava de mal com Spok.

Em meio a tanto diálogo interior e exterior, nada como pegar um Clássico da estante e deixar que ele mesmo se comunique comigo. Chega de opiniões e discussões. Basta ajustar-me ao seu tempo; preparo o ambiente, isolo-me. Uma inteligência e sensibilidade de outra época estão me falando agora. Palavras escritas com precisão alargam meu mundo interior. Sinto-me privilegiado, enriquecido, eleito. Agora sou outro: mudei. AC, DC: antes do Clássico, depois do Clássico. Impossível traduzir, resumir, simplificar, igualar. Vou fazer uma busca no Orkut. Só quem leu o Clássico poderá me compreender agora.

A ameaça submarina de Bob Esponja
Eu não acreditava. Os sinais se-me-apresentavam, mas meu embotado espírito ignorou-os a todos. Chamam paranóico aquele que julga ver, por trás da aparência aparentemente inocente ou neutra da realidade tangível, a mão sinistra e omnipresente da Conspiração Mundial.

Mas os sinais não mais se escondem ou se disfarçam. Pior! A Conspiração encontrou o seu melhor disfarce, que é o disfarce nenhum. Anda à vista de todo o mundo, em primeiro plano, de modo que a realidade é que se esgueira pelas catacumbas, como os primeiros seguidores do Salvador!!! E citando com despudor o Mestre, o Mal também faz o convite: "Venham a mim as criancinhas!".

Os nomes dos inocentes personagens do desenho animado Bob Esponja, quando lidos de maneira apropriada, revelam a verdadeira intenção dos seus criadores. Enquanto isso não acontece, a mensagem subliminar lança nas mentes desguarnecidas das crianças as sementes do Mal. Repare que os coadjuvantes do Bob Esponja são respectivamente, uma Lula e uma Estrela.

1) Lula Molusco: "molusco" é um anagrama de "moscoul", ou seja, Lula Moscou.

2) Patrick Estrela: "estrelas" traz oculto o nome "alester", referente ao bruxo inglês Alester Crowley.

(Temos aí a ligação inequívoca de Lula - Moscou - Forças do Mal...)

3) Bob Esponja: "esponja" é um anagrama de "japones". Iludir-se-ia quem pensasse tratar-se de uma referência ao país dos nipônicos. Hélas! A realidade supera as profecias mais pessimistas... Um quarto do cérebro humano processa informações visuais. É no plano visual, portanto, que a mensagem subliminar faz mais efeito. O símbolo da bandeira japonesa é o sol... Vermelho! Ainda na simbologia cromática, poderíamos ressaltar a persistência com que personagens amarelos tomam de assalto o imaginário da petizada, tornando-os desde cedo dóceis ao maoísmo: a grotesca Família Amarela de cabeça serrilhada, o Monstro de Bolso que emitia sinais hipnóticos pela tela de TV, etc, etc, et coetera.

Teoria da Conspiração não existe, o que existe é a pura Conspiração, e só. Etimologicamente, um "desenho/anima/do" tem o desígnio (desenho) de confiscar a alma (anima) sem dó (do).

Apenas os programas de entretenimento sadio, que valorizam a Família, oferecem refúgio ao ataque submarino das Esponjas do Mal. João Cléber, Carlos Massa, Sérgio Mallandro e mais um punhado de comunicadores sociais - sabidamente caluniados e injustiçados pelo pensamento hegemônico dos guardiães do bom-gosto - oferecem à família um espelho salutar, com imagens reais de pessoas reais, com seus conflitos e esperanças.

A verdade dói - mas só a Verdade pode servir de contraponto ao turbilhão de ilusões que literalmente "des-anima" os indivíduos de amanhã...

Nota do Editor
Spacca é cartunista, quadrinhista, ilustrador e já quis ser animador Disney; hoje se contentaria em trabalhar na Pixar.


Spacca
São Paulo, 3/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait


Mais Spacca
Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pandas
Tadazu Izawa
Siciliano
(1983)



A Turma de Rockaway
Jill Eisenstardt
Rocco
(1989)



Brás , Bexiga e Barra Funda - Noticias de São Paulo
António de Alcântara Machado
Villa Rica
(1994)



Medical Therapeutics - a Pocket Companion
Eric B. Larson and Paul G. Ramsey
W. B. Saunders Company
(1989)



Peter Pan - Clássicos Incríveis Disney
Culturama
Culturama
(2016)



A Mala Encantada
Hans Christian Andersen
Prazer de Ler
(2010)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Configura-se a Missão
Mons João Scognamiglio Clá Dias
L e V
(2016)



Websters New World English Grammar Handbook
Gordon Loberger, Kate Shoup
Wiley
(2002)



Molecagem
Luiz Claudio Cardoso
Scipione
(1999)





busca | avançada
111 mil/dia
2,6 milhões/mês