Menina de Ouro: fantasmas e perdas | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
48523 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro com prefácio de Dilma Rousseff conta história de mulheres em espaços de poder
>>> 3 Cinefestival Internacional de Ecoperformance começa dia 1 /6
>>> Companhia de Teatro Heliópolis abre inscrições para Vivência Artística no Processo de Criação
>>> Neka Menna Barreto surpreende com Floresta da Neka e menu afetivo em tarde beneficente
>>> Outros Gritos de Independência será exibido dia 18/6 no Cine Satyros Bijou
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
Colunistas
Últimos Posts
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fui demitida, e agora?
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Encontre seu motivo para blogar
>>> Como os meios de pagamento veem a crise
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> 10 Búzios Jazz & Blues III
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais
>>> Cabeça de papel
>>> Modernismo e Modernidade
Mais Recentes
>>> Líbano - Impressões & Culinária de Leila Mohamed Youssef Kuczynski pela Empresa das Artes (1994)
>>> Cicatrizes de David Small pela LeYa (2009)
>>> Two Zen Classics: The Gateless Gate and the Blue Cliff Records de Katsuki Sekida pela Shambhala (2005)
>>> Fisiologia 3ª edição. de Margarida de Mello Aires pela Guanabara Koogan (2008)
>>> A Abordagem por Projetos na Educação de Infância de Lilian Katz & Sylvia Chard pela Calouste Gulbenkian (1997)
>>> Volume 3: Desenho Geométrico - ideias e imagens 5ª edição. de Sonia Jorge pela Saraiva (2012)
>>> As Mudanças no Ciclo de Vida Familiar de Betty Carter pela Artmed (1995)
>>> Rio de Janeiro Em Prosa e Verso. Vol 5 de Bandeira Manuel / Andrade Carlos Drummond De pela José Olympio (1965)
>>> Figuras de Lo Pensable de Director of Studies Cornelius Castoriadis pela Fondo de Cultura Economica USA (2001)
>>> Holism and Evolution de Jan Christiaan Smuts pela Sierra Sunrise Publishing (1999)
>>> Outdoor Survival Skills de Larry Dean Olsen pela Chicago Review Press (1997)
>>> The Cult of Tara: Magic and Ritual in Tibet de Stephan V.Beyer pela University of California (1978)
>>> Desafio aos Deuses: a Fascinante História do Risco de Peter L Bernstein pela Campus (1997)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Fernando Pessoa pela Agir (1968)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Fagundes Varela pela Agir (1961)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Cruz e Souza pela Agir (1967)
>>> Socialismo - Caminhos e alternativas de Paulo Martinez pela Scipione (1999)
>>> Energia e Meio Ambiente de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1990)
>>> O Ensino da Educação Física na Educação Básica- Relações com a antroprologia de José Gilmar Mariz de Oliveira pela Cepeusp (1999)
>>> Sedentarismo - Guia Prático do Diagnóstico à Prescrição de Exercício Físico de Vários autores pela Clube de Autores (2019)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Nova Fronteira (1992)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> O Escritório Modêlo na Escola de Augusto Guzzo pela Lidi (1969)
>>> Preparando os Filhos Para a Vida de E. Jonath pela Ados (2002)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/3/2005
Menina de Ouro: fantasmas e perdas
Marcelo Miranda
+ de 5300 Acessos

Treinador de boxe durão se recusa a treinar garota idealista. De tanto insistir, e contando com a piedade do veterano, ela acaba conseguindo atenção. Aos poucos, vai se tornando a campeã do ringue, com tudo para ser a maior do mundo. O que podia parecer um típico "filme de esporte", com aquele desenvolvimento conhecido de todo cinéfilo (rejeição, treinamento, evolução, derrota e glória), jamais torna-se convencional ou previsível nas mãos de alguém como Clint Eastwood.

Porque Clint Eastwood não é qualquer um. O homem que sepultou o faroeste com Os Imperdoáveis agora faz o mesmo com o subgênero do "filme de esporte". A mesma determinação de ir contra o que se espera de uma fita de gênero, o amor de Eastwood pelos personagens, seus ideais e conceitos que apenas um autor como ele pode e consegue ter (e semelhantes a ele, há poucos; igual ou melhor, nenhum), a ânsia em se superar a cada trabalho. Tudo torna Menina de Ouro um achado precioso, uma jóia rara de tamanho impacto e sutileza que literalmente coloca na lona o que foi feito e o que se fizer em se tratando de esporte na tela - para não dizer em se tratando de dramas em geral.

O grande tema de todo o cinema de Eastwood, desde seu primeiro longa-metragem (Perversa Paixão, 1971), é a perda. Os protagonistas são sempre almas sem rumo certo no mundo, em busca de alguma coisa que ficou para trás; são seres fissurados por acontecimentos do passado, tentando tornar o presente algo palatável, quase sempre sem sucesso. Até que uma centelha surge no caminho, e a chama reacende - para em seguida ser ou não apagada pelo desenrolar dos fatos. O que move os filmes de Eastwood é a ação, no sentido de movimento, de acontecimento, de atitude. Não é um cinema de maneirismos ou experiências de linguagem: Clint Eastwood é cineasta clássico por excelência. Usa essa característica totalmente a seu favor, para tornar o aparentemente comum e banal em sublime e profundo.

A figura da morte é presença constante, não necessariamente no sentido literal da palavra: na maioria das vezes, o impulso de morte ou a conseqüência da morte cria o tal movimento, faz a roda girar. Eastwood é pessimista? Tem quem ache que sim, outros não. Sombrio, sem dúvida ele é. Basta perceber os tipos de projetos escolhidos em sua carreira, a forma como ilumina os personagens e enquadra as cenas, as histórias que decide contar e o modo como o faz. Nada melhor do que ver (ou rever, dezenas de vezes) os filmes mais emblemáticos do diretor para entender e apreciar todo esse mecanismo. Entre os 25 que comandou, figuram trabalhos do porte de O Estranho Sem Nome, Josey Wales, O Cavaleiro Solitário, Bird, Coração de Caçador, Um Mundo Perfeito, As Pontes de Madison, Sobre Meninos e Lobos e, claro, Os Imperdoáveis.

E é quando chegamos a Menina de Ouro, outro momento-ápice de uma trajetória brilhante. Quando pensávamos que Eastwood tinha gastado toda a munição no anterior Sobre Meninos e Lobos (tratado sobre o mecanismo da violência numa sociedade marcada pelo egoísmo e individualismo), eis que o velho Clint nos chega com este drama de esporte. O que parecia improvável ganha força na medida em que o diretor lida com o tema de forma afetuosa, usando o boxe como metáfora para, ao mesmo tempo, representar o fim de um tempo e o início de outro.

Quando Maggie (Hilary Swank) aborda Frank (o próprio Eastwood), ela busca uma tentativa de se salvar de um destino medíocre; quando ele a recusa, a vontade dele é não trazer mais mediocridade à sua já combalida vida de treinador. Claro que ele cederá, numa tentativa de se dar uma segunda chance - tanto no que se refere ao relacionamento inexistente com a filha quanto à frustração de ter perdido seu melhor aluno. Maggie entra por tabela. Comporta-se como criança, enxerga em Frank a única forma de se dar bem física e moralmente. Ela vai conseguir escapar da mediocridade, a um preço que Frank jamais vai saber se valeu a pena.

Menina de Ouro sufoca qualquer tipo de expectativa sem apelar para os artifícios que um cineasta menor poderia utilizar - e que teriam o aval dos produtores atuais do cinema americano, crentes de que o público quer apenas mais do mesmo. Isso não existe em Eastwood: ciente do rumo a seguir, vai o mais fundo que pode com sua narrativa, numa direção tão bem decupada e montada que a sensação é a de que o filme anda sozinho, sem auxílio de alguém por trás - e não seria esse o maior elogio a um diretor? Impossível não se envolver em cada passo da trama (escrita por Paul Haggins, baseado em conto de F.X. Toole), ao som das palavras de um Morgan Freeman iluminado, uma espécie de espectro que a tudo espreita das sombras, como se existisse apenas para sussurrar palavras aos ouvidos de cada personagem.

A propósito, como em qualquer filme de Eastwood, sombras não faltam em Menina de Ouro. Ou mesmo vultos e silhuetas na escuridão. A fotografia de Tom Stern surge com a mesma discrição da direção, com o mesmo jeito de agarrar o espectador pelas imagens às vezes difíceis de enxergar, mas sempre visíveis a quem quiser ver. Tudo conjugado para o que Eastwood quer falar. Essas silhuetas nada mais são que reflexos difusos dos personagens, os verdadeiros fantasmas de um mundo ao qual acreditamos não ter controle. E o elenco principal inteiro se entrega tanto quanto o diretor. Principalmente Swank, que finalmente apaga todas as manchas de sua fracassada carreira após o Oscar por Meninos não Choram e cai de cabeça numa heroína que mistura complexidade com simplicidade, numa interpretação também mesclando o simples com o ousado, a bravura com a delicadeza.

Como se não bastasse, e quando menos esperamos (mais uma vez), o cineasta volta a abordar outro tema recorrente em sua filmografia: a subtração da lei para que seja feita alguma justiça. Eastwood parece martelar, a cada filme, que determinadas atitudes do ser humano não necessitam de amparo burocrático se existirem motivos para serem cometidas - mesmo que firam princípios morais ou éticos normalmente considerados como tais. Se essas atitudes estão certas ou erradas, não será o diretor a julgá-las. Na verdade, nem o público ou os personagens. Nem mesmo Deus, entidade quase sempre presente em seus filmes, ainda que na penumbra. É essa a riqueza desse cinema de Eastwood: questionar, dentro de nós mesmos, qual o limite das crenças e ensinamentos pessoais. Mais: até onde se está disposto a ir para seguir o que se acredita ser o bem - por mais que este bem esteja travestido de mal.

P.S. pós-Oscar
Depois de três anos em que a saga O Senhor dos Anéis manteve a sombra sobre outros concorrentes de maior peso mas menos cacife nas bilheterias (culminando com 11 prêmios para O Retorno do Rei no ano passado), a mais popular premiação cinematográfica reconheceu que, no cinema, acima de tudo, o que vale é a alma que um filme possui.

Menina de Ouro foi o grande vencedor da cerimônia, realizada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Não foi o que ganhou mais prêmios, mas o que levou alguns dos mais importantes: melhor filme, direção (Clint Eastwood), atriz (Hilary Swank) e ator coadjuvante (Morgan Freeman).

Em outros tempos, a Academia jamais daria o prêmio principal a um trabalho tão minucioso e complexo, que lida com assunto polêmico e cheio de caminhos controversos. Enquanto Martin Scorsese, junto com seu O Aviador, partiu para o grandiloqüente, Clint Eastwood manteve o pé naquilo que sempre defendeu: o cinema como forma de mudança e questionamento, nunca como julgamento e imposição.

Nota do Editor
Este texto foi originalmente publicado no site Cinefilia e conta com a autorização do autor e do editor para esta reprodução.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 7/3/2005

Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Desenho técnico moderno (4 ed PLT180 Muito Bom)
Silva Ribeiro etal
Ltc / anhanguera
(2006)



Visionários (em Portuguese do Brasil)
Diego Carmona
Gente
(2017)



Palavra e Vida 2015 - o Evangelho Comentado Cada Dia
Vários Autores
Ave-Maria
(2015)



Os Mandarins
Simone de Beauvoir
Nova Fronteira
(1983)



Código de Processo Penal 2018 - Mini
Jair Lot Vieira
Edipro de Bolso
(2018)



Pomos da Discórdia
Nelson Ascher
34
(1996)



Cresça e enriqueça
José Augusto de Morais
Record
(1998)



Vencendo o passado
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2008)



Para Sempre Juntos Eternamente Separados
Maria Cristina Rabello de Moraes
Isis
(2009)



O Passado Remoto
Giovanni Papini
Verbo
(1970)





busca | avançada
48523 visitas/dia
1,8 milhão/mês