Menina de Ouro: fantasmas e perdas | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> A morte absoluta
>>> O Marceneiro e o Poeta
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> À Sua imagem e semelhança
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
Mais Recentes
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Artemis Fowl - o Menino Prodígio do Crime de Eoin Colfer pela Galera Record (2007)
>>> Como Preparar um Bom Currículo de Simon Howard pela Publifolha (2000)
>>> O Trabalho Em Equipe de Roger Maucchielli pela Martins Fontes (1980)
>>> Vereda Digital. História das Cavernas ao Terceiro Milênio Volume único de Myriam Becho Mota pela Moderna (2012)
>>> A Arte da Política - a História Que Vivi de Fernando Henrique Cardoso pela Record (2006)
>>> Agronegócios de Vários Autores pela Intersaberes (2015)
>>> Existo, Logo Penso de Alexander George pela Objetiva (2009)
>>> Eu Não Consigo Emagrecer de Pierre Dukan pela Best Seller (2012)
>>> Alegria e Triunfo de Lourenço Prado pela Pensamento (2012)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
>>> Santos-dumont, um Herói Brasileiro de Antonio Sodré pela Arindiuva (2006)
>>> The 73rd Art Directors Annual and the 8th International Exhibition de Rotovision pela Rotovision (1994)
>>> Financial Accounting: An Introduction to Concepts, Methods and Uses de Roman L. Weil; Katherine Schipper; pela South Western College Pub (2012)
>>> As Incriveis Historias do Futebol de Roberto Avallone pela Tipo (2001)
>>> Projeto Multiplo - Historia - Caderno de Estudo - Parte 2 de João Carlos Moreira e Outros pela Scipione Didaticos (2014)
>>> Survival of the Fittest de Jonathan Kellerman pela Bantam Books (1998)
>>> Juntos Em Família: o Desafio de Educar Filhos Emocionalmente Saudaveis de Vários Autores pela Escola da Inteligência
>>> Sookie Stackhouse, V. 8 - From Dead to Worse de Charlaine Harris pela Berkley Publishing (2009)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1953)
>>> Poemas de Alvaro de Campos de Fernando Pessoa pela L&pm Pocket (2006)
>>> Flávia de A. Ignácio de Jesus pela All Print (2009)
>>> Top Notch Fundamentals With Activebook, 2nd Edition + Cd de Allen Ascher; Joan Saslow pela Pearson Education Esl (2011)
>>> Literatura Portuguesa: Em Diálogo Com Outras Literaturas ... de William Roberto Cereja; Thereza C. Magalhães pela Atual (2013)
>>> De Mala e Cuia de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/3/2005
Menina de Ouro: fantasmas e perdas
Marcelo Miranda

+ de 5100 Acessos

Treinador de boxe durão se recusa a treinar garota idealista. De tanto insistir, e contando com a piedade do veterano, ela acaba conseguindo atenção. Aos poucos, vai se tornando a campeã do ringue, com tudo para ser a maior do mundo. O que podia parecer um típico "filme de esporte", com aquele desenvolvimento conhecido de todo cinéfilo (rejeição, treinamento, evolução, derrota e glória), jamais torna-se convencional ou previsível nas mãos de alguém como Clint Eastwood.

Porque Clint Eastwood não é qualquer um. O homem que sepultou o faroeste com Os Imperdoáveis agora faz o mesmo com o subgênero do "filme de esporte". A mesma determinação de ir contra o que se espera de uma fita de gênero, o amor de Eastwood pelos personagens, seus ideais e conceitos que apenas um autor como ele pode e consegue ter (e semelhantes a ele, há poucos; igual ou melhor, nenhum), a ânsia em se superar a cada trabalho. Tudo torna Menina de Ouro um achado precioso, uma jóia rara de tamanho impacto e sutileza que literalmente coloca na lona o que foi feito e o que se fizer em se tratando de esporte na tela - para não dizer em se tratando de dramas em geral.

O grande tema de todo o cinema de Eastwood, desde seu primeiro longa-metragem (Perversa Paixão, 1971), é a perda. Os protagonistas são sempre almas sem rumo certo no mundo, em busca de alguma coisa que ficou para trás; são seres fissurados por acontecimentos do passado, tentando tornar o presente algo palatável, quase sempre sem sucesso. Até que uma centelha surge no caminho, e a chama reacende - para em seguida ser ou não apagada pelo desenrolar dos fatos. O que move os filmes de Eastwood é a ação, no sentido de movimento, de acontecimento, de atitude. Não é um cinema de maneirismos ou experiências de linguagem: Clint Eastwood é cineasta clássico por excelência. Usa essa característica totalmente a seu favor, para tornar o aparentemente comum e banal em sublime e profundo.

A figura da morte é presença constante, não necessariamente no sentido literal da palavra: na maioria das vezes, o impulso de morte ou a conseqüência da morte cria o tal movimento, faz a roda girar. Eastwood é pessimista? Tem quem ache que sim, outros não. Sombrio, sem dúvida ele é. Basta perceber os tipos de projetos escolhidos em sua carreira, a forma como ilumina os personagens e enquadra as cenas, as histórias que decide contar e o modo como o faz. Nada melhor do que ver (ou rever, dezenas de vezes) os filmes mais emblemáticos do diretor para entender e apreciar todo esse mecanismo. Entre os 25 que comandou, figuram trabalhos do porte de O Estranho Sem Nome, Josey Wales, O Cavaleiro Solitário, Bird, Coração de Caçador, Um Mundo Perfeito, As Pontes de Madison, Sobre Meninos e Lobos e, claro, Os Imperdoáveis.

E é quando chegamos a Menina de Ouro, outro momento-ápice de uma trajetória brilhante. Quando pensávamos que Eastwood tinha gastado toda a munição no anterior Sobre Meninos e Lobos (tratado sobre o mecanismo da violência numa sociedade marcada pelo egoísmo e individualismo), eis que o velho Clint nos chega com este drama de esporte. O que parecia improvável ganha força na medida em que o diretor lida com o tema de forma afetuosa, usando o boxe como metáfora para, ao mesmo tempo, representar o fim de um tempo e o início de outro.

Quando Maggie (Hilary Swank) aborda Frank (o próprio Eastwood), ela busca uma tentativa de se salvar de um destino medíocre; quando ele a recusa, a vontade dele é não trazer mais mediocridade à sua já combalida vida de treinador. Claro que ele cederá, numa tentativa de se dar uma segunda chance - tanto no que se refere ao relacionamento inexistente com a filha quanto à frustração de ter perdido seu melhor aluno. Maggie entra por tabela. Comporta-se como criança, enxerga em Frank a única forma de se dar bem física e moralmente. Ela vai conseguir escapar da mediocridade, a um preço que Frank jamais vai saber se valeu a pena.

Menina de Ouro sufoca qualquer tipo de expectativa sem apelar para os artifícios que um cineasta menor poderia utilizar - e que teriam o aval dos produtores atuais do cinema americano, crentes de que o público quer apenas mais do mesmo. Isso não existe em Eastwood: ciente do rumo a seguir, vai o mais fundo que pode com sua narrativa, numa direção tão bem decupada e montada que a sensação é a de que o filme anda sozinho, sem auxílio de alguém por trás - e não seria esse o maior elogio a um diretor? Impossível não se envolver em cada passo da trama (escrita por Paul Haggins, baseado em conto de F.X. Toole), ao som das palavras de um Morgan Freeman iluminado, uma espécie de espectro que a tudo espreita das sombras, como se existisse apenas para sussurrar palavras aos ouvidos de cada personagem.

A propósito, como em qualquer filme de Eastwood, sombras não faltam em Menina de Ouro. Ou mesmo vultos e silhuetas na escuridão. A fotografia de Tom Stern surge com a mesma discrição da direção, com o mesmo jeito de agarrar o espectador pelas imagens às vezes difíceis de enxergar, mas sempre visíveis a quem quiser ver. Tudo conjugado para o que Eastwood quer falar. Essas silhuetas nada mais são que reflexos difusos dos personagens, os verdadeiros fantasmas de um mundo ao qual acreditamos não ter controle. E o elenco principal inteiro se entrega tanto quanto o diretor. Principalmente Swank, que finalmente apaga todas as manchas de sua fracassada carreira após o Oscar por Meninos não Choram e cai de cabeça numa heroína que mistura complexidade com simplicidade, numa interpretação também mesclando o simples com o ousado, a bravura com a delicadeza.

Como se não bastasse, e quando menos esperamos (mais uma vez), o cineasta volta a abordar outro tema recorrente em sua filmografia: a subtração da lei para que seja feita alguma justiça. Eastwood parece martelar, a cada filme, que determinadas atitudes do ser humano não necessitam de amparo burocrático se existirem motivos para serem cometidas - mesmo que firam princípios morais ou éticos normalmente considerados como tais. Se essas atitudes estão certas ou erradas, não será o diretor a julgá-las. Na verdade, nem o público ou os personagens. Nem mesmo Deus, entidade quase sempre presente em seus filmes, ainda que na penumbra. É essa a riqueza desse cinema de Eastwood: questionar, dentro de nós mesmos, qual o limite das crenças e ensinamentos pessoais. Mais: até onde se está disposto a ir para seguir o que se acredita ser o bem - por mais que este bem esteja travestido de mal.

P.S. pós-Oscar
Depois de três anos em que a saga O Senhor dos Anéis manteve a sombra sobre outros concorrentes de maior peso mas menos cacife nas bilheterias (culminando com 11 prêmios para O Retorno do Rei no ano passado), a mais popular premiação cinematográfica reconheceu que, no cinema, acima de tudo, o que vale é a alma que um filme possui.

Menina de Ouro foi o grande vencedor da cerimônia, realizada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Não foi o que ganhou mais prêmios, mas o que levou alguns dos mais importantes: melhor filme, direção (Clint Eastwood), atriz (Hilary Swank) e ator coadjuvante (Morgan Freeman).

Em outros tempos, a Academia jamais daria o prêmio principal a um trabalho tão minucioso e complexo, que lida com assunto polêmico e cheio de caminhos controversos. Enquanto Martin Scorsese, junto com seu O Aviador, partiu para o grandiloqüente, Clint Eastwood manteve o pé naquilo que sempre defendeu: o cinema como forma de mudança e questionamento, nunca como julgamento e imposição.

Nota do Editor
Este texto foi originalmente publicado no site Cinefilia e conta com a autorização do autor e do editor para esta reprodução.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 7/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um conto-resenha anacrônico de Cassionei Niches Petry
02. Eleições na quinta série de Luís Fernando Amâncio
03. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
04. Juan José Morosoli - a solidão, a pureza, a viagem de Eduardo Maretti
05. Notas Obsoletas sobre os Protestos de Duanne Ribeiro


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eles Fizeram Tudo Errado!
Adam Horowitz
Landscape
(2005)



A Tartaruga Descontente
Freddy Galan
Ftd
(1990)



A Ladeira da Saudade
Ganymedes Jose
Moderna
(1999)



Syngué Sabour
Atiq Rahimi
Estação Liberdade
(2009)



Al-aisha e os Esquecidos
Marcel Simões
Novo Seculo
(2012)



Língua, Literatura&redação
José de Nicola
Scipione
(1998)



Os 7 Pilares da Saúde Alimentar
Shophie Deram
Sextante
(2021)



A Vaca e o Hipogrifo
Mario Quintana
Garatuja
(1977)



Alexandre e Outros Heróis (1989)
Graciliano Ramos
Record
(1989)



Orthos Guide to Successful Houseplants
Larry Hodgson
Ortho Books
(1994)





busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês