Menina de Ouro: fantasmas e perdas | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/3/2005
Menina de Ouro: fantasmas e perdas
Marcelo Miranda

+ de 4500 Acessos

Treinador de boxe durão se recusa a treinar garota idealista. De tanto insistir, e contando com a piedade do veterano, ela acaba conseguindo atenção. Aos poucos, vai se tornando a campeã do ringue, com tudo para ser a maior do mundo. O que podia parecer um típico "filme de esporte", com aquele desenvolvimento conhecido de todo cinéfilo (rejeição, treinamento, evolução, derrota e glória), jamais torna-se convencional ou previsível nas mãos de alguém como Clint Eastwood.

Porque Clint Eastwood não é qualquer um. O homem que sepultou o faroeste com Os Imperdoáveis agora faz o mesmo com o subgênero do "filme de esporte". A mesma determinação de ir contra o que se espera de uma fita de gênero, o amor de Eastwood pelos personagens, seus ideais e conceitos que apenas um autor como ele pode e consegue ter (e semelhantes a ele, há poucos; igual ou melhor, nenhum), a ânsia em se superar a cada trabalho. Tudo torna Menina de Ouro um achado precioso, uma jóia rara de tamanho impacto e sutileza que literalmente coloca na lona o que foi feito e o que se fizer em se tratando de esporte na tela - para não dizer em se tratando de dramas em geral.

O grande tema de todo o cinema de Eastwood, desde seu primeiro longa-metragem (Perversa Paixão, 1971), é a perda. Os protagonistas são sempre almas sem rumo certo no mundo, em busca de alguma coisa que ficou para trás; são seres fissurados por acontecimentos do passado, tentando tornar o presente algo palatável, quase sempre sem sucesso. Até que uma centelha surge no caminho, e a chama reacende - para em seguida ser ou não apagada pelo desenrolar dos fatos. O que move os filmes de Eastwood é a ação, no sentido de movimento, de acontecimento, de atitude. Não é um cinema de maneirismos ou experiências de linguagem: Clint Eastwood é cineasta clássico por excelência. Usa essa característica totalmente a seu favor, para tornar o aparentemente comum e banal em sublime e profundo.

A figura da morte é presença constante, não necessariamente no sentido literal da palavra: na maioria das vezes, o impulso de morte ou a conseqüência da morte cria o tal movimento, faz a roda girar. Eastwood é pessimista? Tem quem ache que sim, outros não. Sombrio, sem dúvida ele é. Basta perceber os tipos de projetos escolhidos em sua carreira, a forma como ilumina os personagens e enquadra as cenas, as histórias que decide contar e o modo como o faz. Nada melhor do que ver (ou rever, dezenas de vezes) os filmes mais emblemáticos do diretor para entender e apreciar todo esse mecanismo. Entre os 25 que comandou, figuram trabalhos do porte de O Estranho Sem Nome, Josey Wales, O Cavaleiro Solitário, Bird, Coração de Caçador, Um Mundo Perfeito, As Pontes de Madison, Sobre Meninos e Lobos e, claro, Os Imperdoáveis.

E é quando chegamos a Menina de Ouro, outro momento-ápice de uma trajetória brilhante. Quando pensávamos que Eastwood tinha gastado toda a munição no anterior Sobre Meninos e Lobos (tratado sobre o mecanismo da violência numa sociedade marcada pelo egoísmo e individualismo), eis que o velho Clint nos chega com este drama de esporte. O que parecia improvável ganha força na medida em que o diretor lida com o tema de forma afetuosa, usando o boxe como metáfora para, ao mesmo tempo, representar o fim de um tempo e o início de outro.

Quando Maggie (Hilary Swank) aborda Frank (o próprio Eastwood), ela busca uma tentativa de se salvar de um destino medíocre; quando ele a recusa, a vontade dele é não trazer mais mediocridade à sua já combalida vida de treinador. Claro que ele cederá, numa tentativa de se dar uma segunda chance - tanto no que se refere ao relacionamento inexistente com a filha quanto à frustração de ter perdido seu melhor aluno. Maggie entra por tabela. Comporta-se como criança, enxerga em Frank a única forma de se dar bem física e moralmente. Ela vai conseguir escapar da mediocridade, a um preço que Frank jamais vai saber se valeu a pena.

Menina de Ouro sufoca qualquer tipo de expectativa sem apelar para os artifícios que um cineasta menor poderia utilizar - e que teriam o aval dos produtores atuais do cinema americano, crentes de que o público quer apenas mais do mesmo. Isso não existe em Eastwood: ciente do rumo a seguir, vai o mais fundo que pode com sua narrativa, numa direção tão bem decupada e montada que a sensação é a de que o filme anda sozinho, sem auxílio de alguém por trás - e não seria esse o maior elogio a um diretor? Impossível não se envolver em cada passo da trama (escrita por Paul Haggins, baseado em conto de F.X. Toole), ao som das palavras de um Morgan Freeman iluminado, uma espécie de espectro que a tudo espreita das sombras, como se existisse apenas para sussurrar palavras aos ouvidos de cada personagem.

A propósito, como em qualquer filme de Eastwood, sombras não faltam em Menina de Ouro. Ou mesmo vultos e silhuetas na escuridão. A fotografia de Tom Stern surge com a mesma discrição da direção, com o mesmo jeito de agarrar o espectador pelas imagens às vezes difíceis de enxergar, mas sempre visíveis a quem quiser ver. Tudo conjugado para o que Eastwood quer falar. Essas silhuetas nada mais são que reflexos difusos dos personagens, os verdadeiros fantasmas de um mundo ao qual acreditamos não ter controle. E o elenco principal inteiro se entrega tanto quanto o diretor. Principalmente Swank, que finalmente apaga todas as manchas de sua fracassada carreira após o Oscar por Meninos não Choram e cai de cabeça numa heroína que mistura complexidade com simplicidade, numa interpretação também mesclando o simples com o ousado, a bravura com a delicadeza.

Como se não bastasse, e quando menos esperamos (mais uma vez), o cineasta volta a abordar outro tema recorrente em sua filmografia: a subtração da lei para que seja feita alguma justiça. Eastwood parece martelar, a cada filme, que determinadas atitudes do ser humano não necessitam de amparo burocrático se existirem motivos para serem cometidas - mesmo que firam princípios morais ou éticos normalmente considerados como tais. Se essas atitudes estão certas ou erradas, não será o diretor a julgá-las. Na verdade, nem o público ou os personagens. Nem mesmo Deus, entidade quase sempre presente em seus filmes, ainda que na penumbra. É essa a riqueza desse cinema de Eastwood: questionar, dentro de nós mesmos, qual o limite das crenças e ensinamentos pessoais. Mais: até onde se está disposto a ir para seguir o que se acredita ser o bem - por mais que este bem esteja travestido de mal.

P.S. pós-Oscar
Depois de três anos em que a saga O Senhor dos Anéis manteve a sombra sobre outros concorrentes de maior peso mas menos cacife nas bilheterias (culminando com 11 prêmios para O Retorno do Rei no ano passado), a mais popular premiação cinematográfica reconheceu que, no cinema, acima de tudo, o que vale é a alma que um filme possui.

Menina de Ouro foi o grande vencedor da cerimônia, realizada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Não foi o que ganhou mais prêmios, mas o que levou alguns dos mais importantes: melhor filme, direção (Clint Eastwood), atriz (Hilary Swank) e ator coadjuvante (Morgan Freeman).

Em outros tempos, a Academia jamais daria o prêmio principal a um trabalho tão minucioso e complexo, que lida com assunto polêmico e cheio de caminhos controversos. Enquanto Martin Scorsese, junto com seu O Aviador, partiu para o grandiloqüente, Clint Eastwood manteve o pé naquilo que sempre defendeu: o cinema como forma de mudança e questionamento, nunca como julgamento e imposição.

Nota do Editor
Este texto foi originalmente publicado no site Cinefilia e conta com a autorização do autor e do editor para esta reprodução.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 7/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Na hora do batismo de Marta Barcellos
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Onde os 'barbeiros' passeiam de Carla Ceres
04. Os livros que eu dei de Ana Elisa Ribeiro
05. Lee Aaron: de Metal Queen a Diva do Jazz de Debora Batello


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ADMINISTRAÇÃO PARA NÃO-ADMINISTRADORES
EDMIR KUAZAQUI
SARAIVA
(2006)
R$ 20,00



EM PRETO E BRANCO - CONTOS
NILTON NICOLA
GIZ
(2008)
R$ 8,11



QUINCAS BORBA
MACHADO DE ASSIS
ÁTICA
(1969)
R$ 5,00



O GENTLEMAN
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
(1995)
R$ 4,99



PERESTROIKA: NOVAS IDEIAS PARA O MEU PAÍS E O MUNDO
MIKHAIL GORBACHEV
BEST SELLER
(1988)
R$ 7,90



HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA
GERALDO ATALIBA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1990)
R$ 16,00



TERAPIA DA AMIZADE
KASS DOTTERWEICH
PAULUS
R$ 6,00



POSICIONAMENTO PARA EVITAR O SEQUESTRO
MAURÍCIO RICARDO TINELLO
ROCA
(2002)
R$ 4,90



HISTORIA DA FILOSOFIA GREGA: DE SOCRATES AOS NEOPLATONICOS
LUCIANO DE CRESCENZO
ROCCO
(2005)
R$ 17,91



UM AMIGO NO ESCURO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1994)
R$ 12,00





busca | avançada
44062 visitas/dia
1,3 milhão/mês