A extensão do Mensalão | Lucas Rodrigues da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
>>> A vida sem computador
>>> Sobre os blogs de jornalistas
>>> Pink Floyd 1972
>>> A mulher madura
>>> Regras da Morte
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
Mais Recentes
>>> Coleção Os Pensadores de Vários pela Abril Cultural (1973)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Passando a Limpo: a Trajetória de um Farsante: História Completa... de Pedro Collor de Mello/ Coord. Dora Kramer pela Record (1993)
>>> Um Diplomata da Regeneração - O 1º Conde de Villa Franca do Campo de Fernando Abecassis pela Tribuna da Historia (2007)
>>> Inspeção do Trabalho de Nelson Mannrich pela LTr (1991)
>>> Jurupari - Estudos de Mitologia Brasileira de Silvia Maria S. de Carvalho pela Ática (1979)
>>> Sport in the 21st Century de John Mehaffey & Reuters pela Thames & Hudson (2007)
>>> Matemática para economistas de Alpha Chiang pela Unesp (1982)
>>> Memórias do cárcere 3º volume Colônia Correlaccional de Graciliano Ramos pela José Olympio (1954)
>>> As hortaliças na medicina doméstica de A. Balbach pela Edel
>>> Caderno de teses vol.2 28ºCongresso Nacional procuradores Estado de Helena Maria Silva Coelho pela Metropole industria gráfica ltda (2002)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente/ SP. (2004)
>>> Ordem Juridico-econômica e trabalho de Ricardo Antonio Lucas Camargo pela Sergio antonio fabris (1998)
>>> Capo Verde. Una storia lunga dieci isole de Marzio Marzot & Maria de Lourdes de Jesus et alii pela D'Anselmi (1989)
>>> Investimentos Inteligentes: Para Conquistar e Multiplicar o seu Primeiro Milhão de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson do Brasil (2008)
>>> Esquecidos e Renascidos - Historiografia Acadêmica Luso-americana de Iris Kantor pela Hucitec (2004)
>>> Nova York anos 40 de Andreas Feininger pela Museu Lazar Segall (2011)
>>> O Intelectual e o Poder de Eduardo Portella pela Tempo Brasileiro/ RJ. (1983)
>>> Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento de Ernest Cassirer pela Martins Fontes (2001)
>>> Fundamentos Culturales de Civilizacion Industrial de John U. Nef pela Editorial Paidós/ Buenos Aires (1964)
>>> Noções Preliminares de Direito Previdenciário de Wagner Balera pela Quartier Latin (2004)
>>> Salvador Negro Amor de Sérgio Guerra pela Maianga (2007)
>>> Ensaios de Biologia Social - Encadernado de Josué de Castro pela Brasiliense/ SP (1957)
>>> A imprensa na História do Brasil & Fotojornalismo no século XX de Oswaldo Munteal & Larissa Grandi pela Desiderata/PUC (2005)
>>> Roteiro de Macunaíma (Encadernação de Luxo) de M. Cavalcanti Proença/ Autografado pela Ahembi/ SP. (1955)
>>> Alferes Teófilo Olegário de Brito Guerra -Um Memorialista Esquecido de Raimundo Soares de Brito pela Coleção Mossoroense (1980)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 2 + A Volta do Camelo de Barro de Lee Falk pela Globo (1989)
>>> Lugar de Fala de Djamila Ribeiro pela Polen (2019)
>>> Administração Financeira Internacional de David K. Eiteman, ArthurStonehill, e Michael Moffett pela Bookman (2002)
>>> HQ Os Grandes Inimigos do Mandrake Nº 1 + o Retorno do Cobra de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> História da Literatura Portuguesa/ Encadernado de Antonio José Saraiva e Oscar Lopes pela Porto Ed.
>>> Cortez -A Saga de Um sonhador de Teresa Sales -Goimar Dantas pela Cortez (2010)
>>> HQ Os grandes inimigos do Mandrake Nº 4 + Os Oito Tentáculos da Morte de Lee Falk pela Ebal (1989)
>>> HQ Rastros de ódio - Revista Cinemin Nostalgia 3 de Diversos Autores pela Ebal (1989)
>>> Regulamento do ICMS do Rio de Janeiro de Ana Cristina Martins Pereira pela Lex (2006)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova froteira (2007)
>>> HQ Revistsa Elipse nº 1 + Crepúsculo dos Super-heróis de David Campiti & Kevin Juaire & Bart Sears pela Ebal (1992)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> As mil e uma noites- os corações desumanos de René Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> HQ Quem foi? Os prisioneiros de Sulma de Diversos Autores pela Ebal (1982)
>>> Autoritarismo e Participação Política da Mulher de Fanny Tabak pela Graal/ RJ. (1983)
>>> Cartas entre amigos - sobre os medos contemporâneos de Fábio de melo e Gabriel chalita pela Ediouro (2009)
>>> A Civilização Romana de Pierre Grimal pela Edições 70 (2001)
>>> Centenário de José Bezerra Gomes de Joabel R. de Souza pela Fcjbg (2011)
>>> Alienação na Univesidade - a Crise dos Anos 80 de Paulo L. Hoffmann pela Edit. da UFSC (1985)
>>> O castelo da intriga de Paulo Stewart pela Scipicione (1996)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1993)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1996)
>>> As asas do joel de Walcir Carrasco pela Quinteto Editorial (2019)
>>> No Tempo dos Faraós (Crianças Na História) de Ginette Hoffmann - Françoise Lebrun pela Scipione (1998)
COLUNAS >>> Especial Mensalão

Terça-feira, 13/9/2005
A extensão do Mensalão
Lucas Rodrigues da Silva

+ de 3100 Acessos

A extensão da crise do Mensalão é assustadora e, em países nos quais a população tem uma participação mais ativa na vida política, as coisas seriam muito, muito sérias - e não essa feira de risadas que se transformou cada uma das CPIs. Digo isso porque o brasileiro - farto de mensalões e cuecas - já aguarda com entusiasmo o day after dessa bagunça.

Digo isso porque, aqui, toda bagunça tem sua Quarta-feira de Cinzas - que cura nossa a ressaca e dá novo ânimo para a cabeça.

O brasileiro quer queimar logo sua camisa amarela e esquecer, passar para trás esse episódio triste de dinheiro que voa nas graças do Senhor, de cuecas suspeitas e nomes indecentes. Ele não quer mais a imprensa aos brados nos seus ouvidos: "Seus burros, eleitores cretinos, vejam o que fazem as pessoas em quem vocês depositaram sua confiança!". Gritam jornais, blogs, rádios e televisões. Grito eu e grita você. E o brasileiro não quer mais isso. Ele quer ver logo o sangue dos culpados, o choro dos inocentes e o brado dos injustiçados na televisão. Logo!

Porque, quer queira quer não, há de sair um resultado disso tudo. Por mais que meu prognóstico pessoal seja de que na Quarta-Feira de Cinzas, todo mundo irá esquecer o que aconteceu - afinal, este dia está aí para isso -, é preciso haver um desfecho, um epílogo, um fim. E ponto.

Ou corremos o sério risco de não acontecer nada, como foi com Collor, que renunciou e foi absolvido juridicamente, apesar da cassação. Veja, com Collor não aconteceu nada; morreu seu irmão, morreu PC e não ficou ninguém para contar a história. O tempo passou e ficou no ar, ainda mais com estas medonhas aparições do ex-presidente, uma sensação de que ele foi, quem sabe, passado para trás por alguma força oculta que habita em Brasília. Algum fantasma como ele próprio se transformou.

O carnaval não pode durar o ano inteiro, as pessoas têm que ser infelizes. Fora as poucas desatinadas, as pessoas não querem mais sambar sobre o mar de lama. Chega de dar risadas das nossas piadas prontas e de nós mesmos. Chega de crise nos jornais.

Mesmo porque estes desvios históricos acabam por causar efeitos colaterais que não a punição direta dos envolvidos. Um destes efeitos foi a grande bola fora do Mainardi, dedando um off do deputado Federal José Janene do PP, acredite-se no colunista ou não. Acabou por estremecer a relação entre a imprensa e os políticos, que dirão menos ainda do que sabem aos entrevistadores. Uma lástima.

Outro perigo a que estamos expostos é inversamente proporcional ao causado por Mainardi - o excesso de informação. É muita gente sendo investigada ao mesmo tempo e não é possível acompanhar todos os casos com a mesma atenção. Ou seja, queremos assistir na praça principal a decapitação de Dirceu, mas quem se importa que - na quadra ao lado - o senhor Lamas esteja sendo cassado? É uma gente sanguessuga que poderá se safar apenas por não ser do alto clero no Congresso - poderão ficar escondidos atrás do foguetório da ilusão, que irá cegar todos os sedentos por vingança - essa gente que quer punição a todo custo e que cobra o corte na própria carne como se cobra uma promessa.

Mas como acompanhar todas as decapitações? Não é possível. É muito afilhado chupinhando a Viúva. Nem ela sabe mais, coitada, quem está mamando nas suas tetas e quem será, por isso, cassado.

Outro resultado - talvez positivo, e só o tempo dirá - é o novo posicionamento político dos órfãos daquele PT das décadas de 80 e 90. O PT da esperança, o do "Lula-lá". O PT que só sabia ser oposição - e fazia isso muito bem, sendo um grande contrapeso na política nacional. Acontece que o sonho do PT ruiu e sobrou somente um esqueleto do partido.

E, mesmo assim, houve quem soubesse aproveitar a oportunidade e, munidos da arrogância tradicional dos intelectuais do partido, foram ser estandartes da moral em outras paragens depois de expulsos da legenda.

É o caso da famigerada Heloísa Helena que, de senadora caricata e inexpressiva, transformou-se no símbolo de uma limpeza étnica feita no PT, que resultou no PSOL. Heloísa Helena, Babá e outras figuras soturnas da política nacional se coadunam na esperança de, um dia, serem opção única contra o establishment político. Formaram um partido-trincheira que tem como bandeira a briga. Não importa se contra liberais, centro-esquerdas ou quem quer que seja. Nesse samba do crioulo doido são contra tudo e todos. Se bobear, brigam contra o espelho de manhã.

Acontece que, como oposição, essa gente nunca foi muito responsável, atirando com bazucas contra ratos, utilizando uma virulência desnecessária no Congresso, pedindo a cada três meses - ou menos - a cabeça de alguém. "Fora FHC" era seu mantra, repetido à exaustão na esperança de que o sapo barbudo pudesse trocar de lugar com o príncipe e, quem sabe, tornar-se um.

Só o futuro dirá o que farão contra os próximos governos. Se baterão de frente sistematicamente como fazem com Lula ou se serão moderados, como têm sido os tucanos, medrosos de gritarem muito e acabarem chamando a atenção para o fato de que, em menos de dois anos, seria impossível criar-se esquemas como os que têm sido encontrados. Não se pode afirmar qual será o papel de Helena porque o brasileiro está cada vez mais mineiro, mais desconfiado, com os políticos, independente da forma ou conteúdo. Ainda mais com os vermelhos.

Pois é. Só agora o Brasil percebe o que fizemos ao colocar um torneiro mecânico - que não trabalha há tantos anos e não estudou o mínimo necessário - no posto da Presidência do País. Acabou-se a ilusão de que um grande coração pode governar uma geringonça como o Brasil com alguma competência. É como um diretor de bateria surdo, que comanda seus ritmistas baseado, apenas, nas vibrações que sente na pele. Por mais que ele seja sensível às batidas potentes dos grandes surdos de uma bateria, por mais que tenha uma noção rítmica absurda, ele não seria meu escolhido para dirigir a bateria da minha escola. Sem ofensas, mas algumas coisas são incompatíveis. Diretor de bateria surdo não dá. Assim como presidente ignorante.


Lucas Rodrigues da Silva
São Paulo, 13/9/2005


Mais Lucas Rodrigues da Silva
Mais Especial Mensalão
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AULAS DE COMUNICAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA 8ª SÉRIE
LUIZ ANTÔNIO
ÁTICA
R$ 12,00



BOLA
THIERRY DES FONTAINES
REPTIL
(2014)
R$ 34,00



A CABEÇA DE RUPERT MURDOCH
PAUL LA MONICA
AGIR
(2009)
R$ 4,25



FUNDAMENTOS DE ÉTICA EMPRESARIAL E ECONÔMICA
MARIA DO CARMO WHITAKER E OUTROS
ATLAS
(2009)
R$ 15,00



HISTÓRIAS...
MILTON BORRELLI
SCORTECCI
(2007)
R$ 7,00



A CAPACITAÇÃO BRASILEIRA PARA A PESQUISA CIENTIFICA E TECNOLÓGICA
SIMON SCHWARTZMAN E OUTROS (VOL 3)
FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS
(1996)
R$ 17,28



COMO OBTER OS FINANCIAMENTOS OFICIAIS - 7633
FUAD M. ZORUB
BRASILEIRA DO DESENVOLVIMENTO
(1969)
R$ 10,00



COMECE BEM O SEU DIA
LUZIA SANTIAGO
CANÇÃO NOVA
(2009)
R$ 7,00



A EMPRESA INTELIGENTE
GILBERTO DE ABREU SODRÉ CARVALHO
IMAGO
(2010)
R$ 12,00



SANTA RITA VELHA SAFADA
MOUZAR BENEDITO
SANTA RITA VELHA SAFADA
(1987)
R$ 25,00





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês