Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões | Luis Dolhnikoff | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/5/2013
Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões
Luis Dolhnikoff

+ de 3000 Acessos

No século XIX, Karl Marx, ante as mudanças incessantes e aceleradas que o modo de produção capitalista impunha e imporia ao mundo, não poupando nada e ninguém, das relações de trabalho às relações familiares, das posições sociais aos valores morais, da distribuição da população à atividades cotidianas, das ideias às paisagens, resumiu tudo numa frase que, ao contrário, perduraria: "Tudo o que é sólido se desmancha no ar". Há alguns anos, o filósofo e sociólogo Zygmunt Balman resumiu e atualizou Marx ao falar em "sociedade líquida". Agora chegamos, enfim, à cultura-espuma — segundo eu mesmo.

Cultura é memória. Memória pessoal de ideias, crenças, práticas e hábitos que uma geração transmite à seguinte, memória grupal que as criações culturais transmitem. Não por acaso, na mitologia grega as artes são filhas da Memória (Mnemóssine), mãe das musas. Sem memória, não há arte. Sem ela, não há cultura, pois ao contrário das formas de vida, que são darwinianas, e não transmitem os caracteres adquiridos em vida, a cultura é lamarckista: não apenas depende totalmente do que se faça em vida, como o que se faz é transmissível às novas gerações. Se não o for, morre.

Muitas culturas morreram quando morreram as sociedades que as criaram e transmitiram. Mas se seus registros mnemônicos sobrevivessem na memória de outras culturas, poderiam manter viva a cultura dessa sociedade extinta. A cultura é como um vírus, que pode sobreviver à morte do primeiro hospedeiro.

O que acontece hoje na cultura contemporânea é novo e diferente. Uma sociedade que se mantém viva, mas cuja cultura vai se perdendo em vida. Uma sociedade com Alzheimer. Uma cultura desmemoriada. Uma cultura zumbi. Ou de zumbidos, cheia de sons e movimentos, que significam cada vez menos.

Voltemos um pouco para tempos mais lentos. Velhas mas ainda assim já então modernas questões filosófico-ideológicas levaram, no século XVIII, ao conceito de "tábula rasa". Para os homens serem iguais, eles tinham de ser, isto é, de nascer, igualmente vazios. Um nobre não era nobre porque nascia com virtudes da nobreza, mas porque criado na nobreza. As virtudes nobres e também as ignóbeis estavam ao alcance de todos, desde que a sociedade cuidasse devidamente de sua formação (e informação). Os homens não nasciam bons, como pretendia Rousseau, mas tampouco maus, como acreditava a Igreja. Nasciam vazios. A sociedade, isto é, a cultura que recebessem, fariam deles o que fossem, o que pudessem ser.

A "tábula rasa" foi quebrada pela ciência contemporânea, a partir, entre outros, da linguística de Chomsky, da neurologia embrionária e da etologia, a ciência do comportamento animal. Nascemos com estruturas informacionais inatas, para as quais nem o hardware nem o software servem como metáforas. É algo como um hofdware, que parece um neologismo alemão, mas é a fusão das duas palavras-chave da computação, que criei para indicar um sistema, o cerebral humano, em que a estrutura e as informações básicas de seu funcionamento são inextricáveis, porque imbricadas na sua própria "fabricação" .

O exemplo clássico é a língua. Se ninguém nasce sabendo uma língua, todos nascem com uma estrutura gramatical geral e universal impressa no hofdware cerebral, que não somente permite o aprendizado de qualquer língua, como explica o rápido e natural aprendizado da língua materna pelos bebês humanos. Para um humano, falar uma língua é tão natural quanto um pássaro canoro cantar. A cultura, por sua vez, não está no falar em si, mas naquilo que afinal se fala, incluindo o código, a língua (mas não a linguagem verbal, que é inata) .

Assim como a ciência contemporânea acabou com a "tábula rasa", a filosofia acabou com outro mito mais antigo, o Ideal platônico. Formas ideais e perenes existiriam numa dimensão perene e ideal, onde nasceria a alma humana, conhecedora, portanto, de tais formas, de que as coisas do mundo seriam projeções imperfeitas. Ao sofrer certo "trauma" quando de sua incorporação a um novo ser humano, a alma se esqueceria de seu conhecimento profundo das coisas do mundo. Mas o recordaria através da experiência, do "recontato" com as coisas. Daí que, para Platão e os platônicos, aprender era recordar. Ao contrário da "tábula rasa", os homens nasceriam, na verdade, repletos de memória do mundo. Mas o mito platônico da alma individual imortal (depois apropriado pelo cristianismo) morreu com a morte da metafísica.

Homens e mulheres não nascem vazios (apesar de não repletos de conhecimento esquecido da alma platônica). Mas sua memória, sim.

Tanto a memória individual quanto a memória cultural tem de ser adquiridas. Mas além de adquiridas, devem ser mantidas, porque uma memória perdida é uma bolha de nada vagando no oceano escuro do passado. A perda da memória individual resulta em algumas síndromes associadas à demência, literalmente, à perda da mente, ao seu desfazimento. A memória e a mente se constroem juntas, como um novo hofdware sobre o hofdware do cérebro-estruturas-informacionais-inatas dos bebês. A perda da memória cultural, síndrome contemporânea por excelência, resulta não em demência, mas em zumbificação cultural. Como um zumbi, a cultura desmemoriada se move, parece viva, porque seu "corpo", a sociedade que antes a incorporava, desenvolvia e mantinha viva, mantém-se viva e em movimento, apesar de desmemoriada.

Por coincidência ou não, a computação em nuvem surge paralela à cultura-espuma, uma névoa de informação difusa, cujo espalhamento é inversamente proporcional à sua densidade. Se a computação em nuvem existe "dentro" da rede, flutuando no ciberespaço, a informação-névoa existe fora da rede, e se espalha através do tecido da cultura. Esse tecido, que se tece, se esgarça e se retece através da história, e que através da história é tingido, destingido e retingido, é agora apenas umedecido pela informação-névoa, incapaz de impregná-lo com o pigmento da memória e o fixador do hábito. A informação-névoa parece impregná-lo, mas é apenas uma mancha de umidade, que aparece assim como desaparece. O próprio tecido da cultura se desfaz, pois não mais mantido, fixado, sedimentado, e se torna, por fim, a cultura-espuma.

Por que não mais se sedimenta é outra questão complexa. Mas a resposta é simples: por excesso, mas também por falta. Excesso de informação acessível, falta de linhas de sedimentação.

A areia de um mar sempre revolto jamais se sedimentaria, e esse seria um mar sem fundo, portanto, impossível. Se nenhum mar é um lago de águas paradas, tampouco é um redemoinho perpétuo. Movimento e estase, correntes e sedimentação têm de existir e coexistir, para que o próprio mar exista. O fundo do mar o embasa, mas também o permeia. Os solutos do mar o permeiam, mas também o embasam. Fundo e solutos, memória sedimentada e informação nova, formam um sistema que se impregna e se realimenta. Assim como há caminhos para a chegada de informações novas, também deve haver caminhos para a sedimentação de parte delas. Essas linhas de sedimentação formam (ou formavam) o próprio tecido da cultura. Mas a informação-névoa não se sedimenta em um fundo de memória. O excesso de informação resulta em diminuição paradoxal de informação. Porque é informação "espuma": está lá, mas não dura, porque não tem densidade, e logo é substituída por mais "espuma". A quantidade total de espuma que passa pela praia por dia é grande, mas é afinal sempre pouca e sempre efêmera: a franja frágil que está à tona a cada momento.


Luis Dolhnikoff
São Paulo, 29/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lourival, Dorival, assim como você e eu de Elisa Andrade Buzzo
02. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
03. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luis Dolhnikoff
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês