Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões | Luis Dolhnikoff | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
>>> O Segredo do Vovô Coelhão
>>> Separações é Amores II
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
Mais Recentes
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
>>> O Sentido da Vida de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> A Luz que Cura - Oração Pelos Doentes de Agnes Sandford pela Loyola (1985)
>>> O Mundo Assombrado Pelos Demônios de Carl Sagan pela Companhia das Letras (1998)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/5/2013
Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões
Luis Dolhnikoff

+ de 2500 Acessos

No século XIX, Karl Marx, ante as mudanças incessantes e aceleradas que o modo de produção capitalista impunha e imporia ao mundo, não poupando nada e ninguém, das relações de trabalho às relações familiares, das posições sociais aos valores morais, da distribuição da população à atividades cotidianas, das ideias às paisagens, resumiu tudo numa frase que, ao contrário, perduraria: "Tudo o que é sólido se desmancha no ar". Há alguns anos, o filósofo e sociólogo Zygmunt Balman resumiu e atualizou Marx ao falar em "sociedade líquida". Agora chegamos, enfim, à cultura-espuma — segundo eu mesmo.

Cultura é memória. Memória pessoal de ideias, crenças, práticas e hábitos que uma geração transmite à seguinte, memória grupal que as criações culturais transmitem. Não por acaso, na mitologia grega as artes são filhas da Memória (Mnemóssine), mãe das musas. Sem memória, não há arte. Sem ela, não há cultura, pois ao contrário das formas de vida, que são darwinianas, e não transmitem os caracteres adquiridos em vida, a cultura é lamarckista: não apenas depende totalmente do que se faça em vida, como o que se faz é transmissível às novas gerações. Se não o for, morre.

Muitas culturas morreram quando morreram as sociedades que as criaram e transmitiram. Mas se seus registros mnemônicos sobrevivessem na memória de outras culturas, poderiam manter viva a cultura dessa sociedade extinta. A cultura é como um vírus, que pode sobreviver à morte do primeiro hospedeiro.

O que acontece hoje na cultura contemporânea é novo e diferente. Uma sociedade que se mantém viva, mas cuja cultura vai se perdendo em vida. Uma sociedade com Alzheimer. Uma cultura desmemoriada. Uma cultura zumbi. Ou de zumbidos, cheia de sons e movimentos, que significam cada vez menos.

Voltemos um pouco para tempos mais lentos. Velhas mas ainda assim já então modernas questões filosófico-ideológicas levaram, no século XVIII, ao conceito de "tábula rasa". Para os homens serem iguais, eles tinham de ser, isto é, de nascer, igualmente vazios. Um nobre não era nobre porque nascia com virtudes da nobreza, mas porque criado na nobreza. As virtudes nobres e também as ignóbeis estavam ao alcance de todos, desde que a sociedade cuidasse devidamente de sua formação (e informação). Os homens não nasciam bons, como pretendia Rousseau, mas tampouco maus, como acreditava a Igreja. Nasciam vazios. A sociedade, isto é, a cultura que recebessem, fariam deles o que fossem, o que pudessem ser.

A "tábula rasa" foi quebrada pela ciência contemporânea, a partir, entre outros, da linguística de Chomsky, da neurologia embrionária e da etologia, a ciência do comportamento animal. Nascemos com estruturas informacionais inatas, para as quais nem o hardware nem o software servem como metáforas. É algo como um hofdware, que parece um neologismo alemão, mas é a fusão das duas palavras-chave da computação, que criei para indicar um sistema, o cerebral humano, em que a estrutura e as informações básicas de seu funcionamento são inextricáveis, porque imbricadas na sua própria "fabricação" .

O exemplo clássico é a língua. Se ninguém nasce sabendo uma língua, todos nascem com uma estrutura gramatical geral e universal impressa no hofdware cerebral, que não somente permite o aprendizado de qualquer língua, como explica o rápido e natural aprendizado da língua materna pelos bebês humanos. Para um humano, falar uma língua é tão natural quanto um pássaro canoro cantar. A cultura, por sua vez, não está no falar em si, mas naquilo que afinal se fala, incluindo o código, a língua (mas não a linguagem verbal, que é inata) .

Assim como a ciência contemporânea acabou com a "tábula rasa", a filosofia acabou com outro mito mais antigo, o Ideal platônico. Formas ideais e perenes existiriam numa dimensão perene e ideal, onde nasceria a alma humana, conhecedora, portanto, de tais formas, de que as coisas do mundo seriam projeções imperfeitas. Ao sofrer certo "trauma" quando de sua incorporação a um novo ser humano, a alma se esqueceria de seu conhecimento profundo das coisas do mundo. Mas o recordaria através da experiência, do "recontato" com as coisas. Daí que, para Platão e os platônicos, aprender era recordar. Ao contrário da "tábula rasa", os homens nasceriam, na verdade, repletos de memória do mundo. Mas o mito platônico da alma individual imortal (depois apropriado pelo cristianismo) morreu com a morte da metafísica.

Homens e mulheres não nascem vazios (apesar de não repletos de conhecimento esquecido da alma platônica). Mas sua memória, sim.

Tanto a memória individual quanto a memória cultural tem de ser adquiridas. Mas além de adquiridas, devem ser mantidas, porque uma memória perdida é uma bolha de nada vagando no oceano escuro do passado. A perda da memória individual resulta em algumas síndromes associadas à demência, literalmente, à perda da mente, ao seu desfazimento. A memória e a mente se constroem juntas, como um novo hofdware sobre o hofdware do cérebro-estruturas-informacionais-inatas dos bebês. A perda da memória cultural, síndrome contemporânea por excelência, resulta não em demência, mas em zumbificação cultural. Como um zumbi, a cultura desmemoriada se move, parece viva, porque seu "corpo", a sociedade que antes a incorporava, desenvolvia e mantinha viva, mantém-se viva e em movimento, apesar de desmemoriada.

Por coincidência ou não, a computação em nuvem surge paralela à cultura-espuma, uma névoa de informação difusa, cujo espalhamento é inversamente proporcional à sua densidade. Se a computação em nuvem existe "dentro" da rede, flutuando no ciberespaço, a informação-névoa existe fora da rede, e se espalha através do tecido da cultura. Esse tecido, que se tece, se esgarça e se retece através da história, e que através da história é tingido, destingido e retingido, é agora apenas umedecido pela informação-névoa, incapaz de impregná-lo com o pigmento da memória e o fixador do hábito. A informação-névoa parece impregná-lo, mas é apenas uma mancha de umidade, que aparece assim como desaparece. O próprio tecido da cultura se desfaz, pois não mais mantido, fixado, sedimentado, e se torna, por fim, a cultura-espuma.

Por que não mais se sedimenta é outra questão complexa. Mas a resposta é simples: por excesso, mas também por falta. Excesso de informação acessível, falta de linhas de sedimentação.

A areia de um mar sempre revolto jamais se sedimentaria, e esse seria um mar sem fundo, portanto, impossível. Se nenhum mar é um lago de águas paradas, tampouco é um redemoinho perpétuo. Movimento e estase, correntes e sedimentação têm de existir e coexistir, para que o próprio mar exista. O fundo do mar o embasa, mas também o permeia. Os solutos do mar o permeiam, mas também o embasam. Fundo e solutos, memória sedimentada e informação nova, formam um sistema que se impregna e se realimenta. Assim como há caminhos para a chegada de informações novas, também deve haver caminhos para a sedimentação de parte delas. Essas linhas de sedimentação formam (ou formavam) o próprio tecido da cultura. Mas a informação-névoa não se sedimenta em um fundo de memória. O excesso de informação resulta em diminuição paradoxal de informação. Porque é informação "espuma": está lá, mas não dura, porque não tem densidade, e logo é substituída por mais "espuma". A quantidade total de espuma que passa pela praia por dia é grande, mas é afinal sempre pouca e sempre efêmera: a franja frágil que está à tona a cada momento.


Luis Dolhnikoff
São Paulo, 29/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
03. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait


Mais Luis Dolhnikoff
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SMALL BUSINESS START-UP
BOB ADAMS
ADAMS MEDIA CORPORATION
(1995)
R$ 90,00



BEST KEPT SECRET
JEFFREY ARCHER
ST. MARTINS
(2013)
R$ 14,00



HORIZONTE PERDIDO
JAMES HILTON
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 11,00
+ frete grátis



FACE2FACE INTERMEDIATE WORKBOOK WITH KEY
NICHOLAS TIMS
CAMBRIDGE
(2013)
R$ 130,00



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO DE YOGA - AUTOGRAFADO.
SANDRA GARCIA
DO AUTOR
R$ 102,41



MULHERES SÓS, PRAZERES E SOMBRAS DE UMA MANEIRA DE VIVER
CARMEN ALBORCH
PRESENÇA
(2000)
R$ 26,08



INTELIJOGOS 1
DAVID G. WALKER
ISIS
R$ 28,60



STAR WARS - A ASCENSÃO E A QUEDA DE DARTH VADER
RYDER WINDHAM
UNIVERSO GEEK
(2016)
R$ 19,90



CONTRA TODOS OS INIMIGOS
RICHARD A. CLARKE
FRANCIS
(2004)
R$ 22,00



MACBETH
WILLIAM SHAKESPEARE
NOVA FRONTEIRA
(2015)
R$ 20,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês