Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões | Luis Dolhnikoff | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/5/2013
Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões
Luis Dolhnikoff

+ de 2500 Acessos

No século XIX, Karl Marx, ante as mudanças incessantes e aceleradas que o modo de produção capitalista impunha e imporia ao mundo, não poupando nada e ninguém, das relações de trabalho às relações familiares, das posições sociais aos valores morais, da distribuição da população à atividades cotidianas, das ideias às paisagens, resumiu tudo numa frase que, ao contrário, perduraria: "Tudo o que é sólido se desmancha no ar". Há alguns anos, o filósofo e sociólogo Zygmunt Balman resumiu e atualizou Marx ao falar em "sociedade líquida". Agora chegamos, enfim, à cultura-espuma — segundo eu mesmo.

Cultura é memória. Memória pessoal de ideias, crenças, práticas e hábitos que uma geração transmite à seguinte, memória grupal que as criações culturais transmitem. Não por acaso, na mitologia grega as artes são filhas da Memória (Mnemóssine), mãe das musas. Sem memória, não há arte. Sem ela, não há cultura, pois ao contrário das formas de vida, que são darwinianas, e não transmitem os caracteres adquiridos em vida, a cultura é lamarckista: não apenas depende totalmente do que se faça em vida, como o que se faz é transmissível às novas gerações. Se não o for, morre.

Muitas culturas morreram quando morreram as sociedades que as criaram e transmitiram. Mas se seus registros mnemônicos sobrevivessem na memória de outras culturas, poderiam manter viva a cultura dessa sociedade extinta. A cultura é como um vírus, que pode sobreviver à morte do primeiro hospedeiro.

O que acontece hoje na cultura contemporânea é novo e diferente. Uma sociedade que se mantém viva, mas cuja cultura vai se perdendo em vida. Uma sociedade com Alzheimer. Uma cultura desmemoriada. Uma cultura zumbi. Ou de zumbidos, cheia de sons e movimentos, que significam cada vez menos.

Voltemos um pouco para tempos mais lentos. Velhas mas ainda assim já então modernas questões filosófico-ideológicas levaram, no século XVIII, ao conceito de "tábula rasa". Para os homens serem iguais, eles tinham de ser, isto é, de nascer, igualmente vazios. Um nobre não era nobre porque nascia com virtudes da nobreza, mas porque criado na nobreza. As virtudes nobres e também as ignóbeis estavam ao alcance de todos, desde que a sociedade cuidasse devidamente de sua formação (e informação). Os homens não nasciam bons, como pretendia Rousseau, mas tampouco maus, como acreditava a Igreja. Nasciam vazios. A sociedade, isto é, a cultura que recebessem, fariam deles o que fossem, o que pudessem ser.

A "tábula rasa" foi quebrada pela ciência contemporânea, a partir, entre outros, da linguística de Chomsky, da neurologia embrionária e da etologia, a ciência do comportamento animal. Nascemos com estruturas informacionais inatas, para as quais nem o hardware nem o software servem como metáforas. É algo como um hofdware, que parece um neologismo alemão, mas é a fusão das duas palavras-chave da computação, que criei para indicar um sistema, o cerebral humano, em que a estrutura e as informações básicas de seu funcionamento são inextricáveis, porque imbricadas na sua própria "fabricação" .

O exemplo clássico é a língua. Se ninguém nasce sabendo uma língua, todos nascem com uma estrutura gramatical geral e universal impressa no hofdware cerebral, que não somente permite o aprendizado de qualquer língua, como explica o rápido e natural aprendizado da língua materna pelos bebês humanos. Para um humano, falar uma língua é tão natural quanto um pássaro canoro cantar. A cultura, por sua vez, não está no falar em si, mas naquilo que afinal se fala, incluindo o código, a língua (mas não a linguagem verbal, que é inata) .

Assim como a ciência contemporânea acabou com a "tábula rasa", a filosofia acabou com outro mito mais antigo, o Ideal platônico. Formas ideais e perenes existiriam numa dimensão perene e ideal, onde nasceria a alma humana, conhecedora, portanto, de tais formas, de que as coisas do mundo seriam projeções imperfeitas. Ao sofrer certo "trauma" quando de sua incorporação a um novo ser humano, a alma se esqueceria de seu conhecimento profundo das coisas do mundo. Mas o recordaria através da experiência, do "recontato" com as coisas. Daí que, para Platão e os platônicos, aprender era recordar. Ao contrário da "tábula rasa", os homens nasceriam, na verdade, repletos de memória do mundo. Mas o mito platônico da alma individual imortal (depois apropriado pelo cristianismo) morreu com a morte da metafísica.

Homens e mulheres não nascem vazios (apesar de não repletos de conhecimento esquecido da alma platônica). Mas sua memória, sim.

Tanto a memória individual quanto a memória cultural tem de ser adquiridas. Mas além de adquiridas, devem ser mantidas, porque uma memória perdida é uma bolha de nada vagando no oceano escuro do passado. A perda da memória individual resulta em algumas síndromes associadas à demência, literalmente, à perda da mente, ao seu desfazimento. A memória e a mente se constroem juntas, como um novo hofdware sobre o hofdware do cérebro-estruturas-informacionais-inatas dos bebês. A perda da memória cultural, síndrome contemporânea por excelência, resulta não em demência, mas em zumbificação cultural. Como um zumbi, a cultura desmemoriada se move, parece viva, porque seu "corpo", a sociedade que antes a incorporava, desenvolvia e mantinha viva, mantém-se viva e em movimento, apesar de desmemoriada.

Por coincidência ou não, a computação em nuvem surge paralela à cultura-espuma, uma névoa de informação difusa, cujo espalhamento é inversamente proporcional à sua densidade. Se a computação em nuvem existe "dentro" da rede, flutuando no ciberespaço, a informação-névoa existe fora da rede, e se espalha através do tecido da cultura. Esse tecido, que se tece, se esgarça e se retece através da história, e que através da história é tingido, destingido e retingido, é agora apenas umedecido pela informação-névoa, incapaz de impregná-lo com o pigmento da memória e o fixador do hábito. A informação-névoa parece impregná-lo, mas é apenas uma mancha de umidade, que aparece assim como desaparece. O próprio tecido da cultura se desfaz, pois não mais mantido, fixado, sedimentado, e se torna, por fim, a cultura-espuma.

Por que não mais se sedimenta é outra questão complexa. Mas a resposta é simples: por excesso, mas também por falta. Excesso de informação acessível, falta de linhas de sedimentação.

A areia de um mar sempre revolto jamais se sedimentaria, e esse seria um mar sem fundo, portanto, impossível. Se nenhum mar é um lago de águas paradas, tampouco é um redemoinho perpétuo. Movimento e estase, correntes e sedimentação têm de existir e coexistir, para que o próprio mar exista. O fundo do mar o embasa, mas também o permeia. Os solutos do mar o permeiam, mas também o embasam. Fundo e solutos, memória sedimentada e informação nova, formam um sistema que se impregna e se realimenta. Assim como há caminhos para a chegada de informações novas, também deve haver caminhos para a sedimentação de parte delas. Essas linhas de sedimentação formam (ou formavam) o próprio tecido da cultura. Mas a informação-névoa não se sedimenta em um fundo de memória. O excesso de informação resulta em diminuição paradoxal de informação. Porque é informação "espuma": está lá, mas não dura, porque não tem densidade, e logo é substituída por mais "espuma". A quantidade total de espuma que passa pela praia por dia é grande, mas é afinal sempre pouca e sempre efêmera: a franja frágil que está à tona a cada momento.


Luis Dolhnikoff
São Paulo, 29/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos


Mais Luis Dolhnikoff
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O JOGO DO RESGATE VOLUME 78 COL. CAMINHO POLICIAL
HOWARD ENGEL
CAMINHO
(1988)
R$ 28,00



O CHARME DOS BANHEIROS
LILIAN DO AMARAL VIEIRA ORG.
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 39,66
+ frete grátis



A POLAQUINHA E PÃO E SANGUE
DALTON TREVISAN
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



COMO SE TORNAR UM LÍDER SERVIDOR
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2006)
R$ 10,00



EURICO O PRESBÍTERO
HERCULANO
DIFEL
(1965)
R$ 16,07



HOMENS GOSTAM DE MULHERES QUE GOSTAM DE SI MESMAS
STEVEN CARTER - JULIA SOKOL
SEXTANTE
(2008)
R$ 7,80



EM BUSCA DAS COORDENADAS - A DESCOBERTA DAS COORDENADAS
ERNESTO ROSA NETO
ATICA
(2001)
R$ 9,90



PERIGOSO DEMAIS
S. C. STEPHENS
VALENTINA
(2015)
R$ 20,00



MARCAS DO CAMINHO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
ANDRÉ LUIS
(1994)
R$ 5,90



LA SCULPTURE GRECQUE CLASSIQUE
JEAN CHARBONNEAUX
MEDIATIONS
(1964)
R$ 25,28





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês