A Marafa Carioca, de Marques Rebelo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita
>>> A mulher madura
>>> 15 de Dezembro #digestivo10anos
>>> A arte da crônica
>>> Passaralho
Mais Recentes
>>> Adultos sem Filtro e Outras Crônicas de Thalita Rebouças pela Rocco (2012)
>>> 100 Receitas de Saúde - Alimentos para Rejuvenescer de Sarah Merson pela Publifolha (2007)
>>> Manual de Direito Civil de Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme pela Manole (2020)
>>> Crafts in plastics de Nicholas Roukes pela Pitman (1972)
>>> Athos Bulcão 80 anos. de Sem autor pela Ccbb (1998)
>>> The art and craft of papier mâché de Juliet Bawden pela Chronicle books (1995)
>>> Ismael Nery 100 anos. A poética de um mito de Sem autor pela Ccbb (2000)
>>> Druckgrafik de Liebermann Slevogt Corinth pela Ifa (1980)
>>> The later work (174 plates with 2 in color) de Aubrey Beardsley pela Dover
>>> The Potters Companion. The complete guide to pottery making de Tony Birks pela Collins (1974)
>>> Adoro o Brasil de Sig Bergamin pela A Girafa (2003)
>>> Georges Braque - Oeuvre Gravé de Catalogo pela Maeght ccbb (1994)
>>> História da locomoção terrestre de Maurice Fabre pela Morais (1966)
>>> Vincent Van Gogh - Wie was Who was qui était quien fué de Dr. J Hulsker pela Bert Bakker (1958)
>>> Cultura - Favela é Cidade e o Futuro das Nossas Cidades de João Paulo dos Reis Velloso Coordenação pela Fórum Nacional (2014)
>>> Orquídeas. 430 ilustrações a cores (coleção pequeno guia) de Floyd S. Shuttleworth pela Livraria Bertrand (1970)
>>> Do sonho às coisas: retratos subversivos de José Carlos Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> Gramsci: Periferia e Subalternidade de Marcos Del Roio pela Marcos Del Roio (2017)
>>> A legalização da classe operária de Bernard Edelman pela Boitempo (2016)
>>> Lenin - Um estudo sobre a unidade de seu pensamento de György Lukács pela Boitempo (2012)
>>> Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo de Judith Butler pela Boitempo (2017)
>>> Bibia Quer Tangerica - Autografado de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1987)
>>> Um Lugar Chamado Céu de Regina Rennó pela Ed Lê (1997)
>>> Cropas Ou Praus? de Angela Carneiro; Lia Neiva; Sylvia Orthof pela Ediouro (1994)
>>> Ovos Nevados de Sylvia Orthof pela Formato (1997)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/12/2003
A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 11100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"É sempre nas capitais que o sangue humano se vende mais barato". (Jean-Jacques Rosseau - Emílio ou da Educação)

Com a atual decadência em que se encontra a cidade do Rio de Janeiro, sendo tragada por um lamaçal de corrupção em todos os níveis, de pobreza, de politicagem, de marginalização, de violência, de uma sujeira lamentável do espaço urbano, de incerteza quanto ao futuro, da alienação e infelicidade geradas por tudo isso - a vida humana que habita esse universo deveria ser um tema aprofundado pela pena de algum romancista.

Na falta deste romancista, podemos ler agora o livro Marafa, de Marques Rebelo, lançado este ano pela editora Nova Fronteira. Embora o romance seja de 1935, quando ganhou o Grande Prêmio de Romance Machado de Assis, ele nos convida a um passeio por um Rio de Janeiro que está longe de ter desaparecido ou de desaparecer.

Não acreditam? Pois então acompanhem o seguinte trecho do livro de Rebelo: "Mendigos estendem as mãos imundas, mostrando chagas, andrajos e deformidades. Mendigas dão maminhas mirradas a esqueletos de crianças. Inválidos, cegos, aleijados, portadores de elefantíase, suspeitas caras de leprosos, há mendigos nas esquinas, nas soleiras, no portão dos cemitérios, nos degraus das igrejas, à porta dos restaurantes, dormindo no sopé das estátuas e nos bancos das praças. Há tantos mendigos e falsos mendigos como há pardais. E há a Comissão de Turismo, convidando o mundo, com maus cartazes, para conhecer as belezas naturais da capital maravilhosa."

Marques Rebelo, com os seus flagrantes da metrópole pequeno-burguesa, suas histórias irônicas e enternecidas ao mesmo tempo, a sua funda simpatia pelos humildes e desajustados, caixeiros de armarinhos, fuzileiros navais, boxeadores, cafetões, prostitutas, mulatas capitosas, mocinhas do subúrbio, é um romancista da cidade do Rio de Janeiro, da mesma família de um Machado de Assis e de um Lima Barreto.

Pioneiro do romance urbano, Rebelo retratou como nenhum outro escritor a transformação continua do Rio de Janeiro a partir dos anos 30, o frenesi de sua vida noturna, sua sensualidade e seus vícios.

Marafa é uma crônica do imenso mural da metrópole individual e coletiva, pessoal e anônima, que é o Rio de Janeiro. Segundo Ribeiro Couto, "na maneira incisiva e calma, na atitude meio zombeteira, meio piedosa, a posição espiritual de Marques Rebelo é a de um continuador da tradição desses mestres admiráveis da novela urbana, homens para quem a vida citadina de todos os dias existe - a vida humilde, burguesa, monótona, difícil, de toda gente e de todos nós".

Trechos como este confirmam a observação de Otto Maria Carpeaux, que dizia que "a matéria prima de Marafa são justamente as drogas que envenenam esse povo carioca, anestesiado pelo carnaval, pelo futebol, pela mulata, pelas leituras falsas e pela baixa politicagem".

A palavra Marafa, que dá título ao romance, e que se encontra hoje em desuso, significa, segundo o dicionário Aurélio, "vida desregrada, licenciosa, libertina". E é dentro deste mote que circulam os personagens suburbanos que aparecem dentro do romance, marcados, sempre, por uma existência trágica.

O romance é escrito em pequenos capítulos, às vezes, surgem até poemas em prosa, no qual um grande número de personagens se insurge com marcada presença existencial, sendo que desaparecem e voltam repentinamente para depois sumirem novamente. O desenrolar do livro marca o ritmo normal da vida urbana nascente daquele tempo, firmada nos tempos de hoje, onde estranhos nos cruzam, interferindo ou não em nossa vida para, depois, sem mais nem menos, desaparecerem para nunca mais serem reencontrados por nós.

Mas existem dois personagens centrais no livro, ao qual a maior parte das ações está ligada. José e Teixeirinha. O primeiro é um homem honesto e trabalhador, que se apaixona por uma suburbana com o qual quer se casar. Para melhorar sua vida, pois só assim poderá ser aceito pela família da moça e se casar, transforma-se num lutador de boxe, mergulhando no submundo dos contratos sujos e falsos das violentas lutas. Sua família, no qual faz parte um irmão com carreira pela medicina, acha esse investimento de José, através do boxe, indigno para um homem de sua classe. Aos poucos, no entanto, vão se acostumando com a fama do filho lutador que sai em todas as manchetes de jornais como um grande campeão.

O segundo personagem, Teixerinha, é o protótipo do malandro, com passagens ocasionais pela polícia, que vive de pequenos golpes, explorando prostitutas, pulando de quarto em quarto de hotéis sórdidos para fugir de credores e que, para dar algum sentido menos perverso à sua existência, cuida de alguma escola carnavalesca.

A grande surpresa do livro é a forma com que esses dois personagens se encontram, fechando o sentido trágico de suas existências. Não podemos, evidentemente, narrar o encontro dos dois, pois o leitor não pode perder o prazer da surpreza e o terror que advém deste encontro.

Os personagens do romance de Rebelo nos surpreendem a cada aparição com suas nuances contraditórias e multifacetadas. É o caso do cuidadoso, bem comportado e estudioso irmão de José, que acaba se apaixonando pela pretendente de seu irmão, que passa a maior parte do tempo viajando atrás de lutas de boxe, vindo a assediá-la de forma insistente. A recusa da mesma leva-o a transtornos emocionais perigosos. Mesmo a mocinha, assustada diante do fato, mergulha em universos próximos ao suicídio por não conseguir informar ao noivo o assédio que sofre por parte do seu irmão. Neste momento estamos próximos das tragédias cariocas de Nelson Rodrigues, só que no caso de Rebelo a contensão repressiva vence.

Dentro do romance como um todo, o que se faz notar é esse cheiro de noite, de perversão, de desespero, de carências, de insanidade - porém, tudo relatado de uma forma tranqüila, sem o mínimo expressionismo. Segundo Massaud Moisés, na literatura de Rebelo "não se houve um berro, um gesto dissonante". No entanto, segundo Mário de Andrade, "ele era o nosso criador mais pessimista, uma personalidade sofrida e trágica".

Esse passeio pela vida cotidiana de personagens suburbanos ou de classe média em ascensão e o confronto de seus desejos com as exigências de uma vida urbana em formação valem, per se, a leitura de Marafa. Diferente da escrita machadina, fortemente marcada pela psicologia dos personagens, no caso de Rebelo o que conta é a dinâmica entre o ritmo da vida vulgar dos seus personagens e o ritmo de sua escrita - elementos que se bem entrosados fazem sugir aquilo que pode ser definido como uma excelente obra de arte.

Para ir além




Sobre o autor

Marques Rebelo, jornalista, contista e crônista, é o pseudônimo literário de Edi Dias da Cruz. Nascido em 1907 no Rio de Janeiro, faleceu na mesma cidade em 1973. Foi leitor ávido de Balzac, Flaubert e Eça de Queiroz desde sua infância, que passou entre Barbacena (MG) e Rio de Janeiro. Foi eleito em 1964 para a Academia Brasileira de Letras. Seu romance mais conhecido é A Estrela Sobe, de 1939, sobre a vida de uma suburbana que "vence" no rádio, a grande fábrica de ilusões dos anos 30. Para quem quiser fazer uma viagem através de sua vida e de suas polêmicas literárias vale ler sua biografia, da coleção "Perfis do Rio", recentemente lançada pela editora Relume-Dumará.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Bigode de Carina Destempero
02. A ilha do Dr Moreau, de H. G. Wells de Ricardo de Mattos
03. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza de Ricardo de Mattos
04. A importância do nome das coisas de Adriana Baggio
05. Notícias do fim-do-mundo de Daniela Sandler


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/12/2003
12h13min
Caro Jardel, parabéns pela resenha, é tudo o que estávamos precisando para ‘cutucar’ esta atual sociedade e devemos sempre lembrar e fazermos vibrar Marques Rebelo, principalmente ‘Marafa’, que é uma historia atual e lúcida! Não podemos continuar mantendo toda essa imbecilidade (é assim, somos vistos) de bundas coloridas, de lixos culturais (Tchan! e degradações semelhantes), chega de putrefações intelectuais, precisamos analisar estes erros para que possamos fazer surgir, emergir, submergir de forma nítida e veloz a grande riqueza cultural que possuímos e que a mídia não faz questão de ‘dividir’, pelo motivo absurdo de que a grande população prefira o lixo. Devemos nos felicitar pelo surgimento de Maria Rita (parabéns, pelo fato de ter absorvido e transmitido em palavras as emoções que a interpretação/voz dessa mulher nos causa sempre!), de Ana Carolina e sua ‘garganta’ feroz e vibrante e todos os outros dessa linha. Vamos ver o Rio de Janeiro sem a câmera do Leblon (nebuloso ‘Neblon’), que a TV ‘diz’, estamos problemáticos; ótimo o desafio é a recuperação e não a hipocrisia das novelas e filmes (sem contar com a remela de falsos atores – ex-modelos e atuais ‘celebridades’), que são exibidos no exterior. Vamos ser rebeldes e mudar, já que o caos não está só no Rio de Janeiro, está em outros ‘meses e cidades’, a transformação do cenário cultural é o ‘chamado’ para toda conscientização! Parabéns Digestivo (Digeri). Fernanda Gonçalves
[Leia outros Comentários de Fernanda Gonçalves]
24/12/2003
19h48min
jardel, a superfície volátil que colocam sobre o atual cenário carioca pelo jeito é clareada numa linha cultural em marafa, me interessa saber mais, pretendo ler o livro, já que pouco tempo atrás escrevi para a revista científica do senac/sp sobre a banalização do corpo carioca e também sobre a "bunda music". li sobre o que escreveu sobre a linda herança deixada por elis, para nós - a talentosa maria rita! parabéns, maria alice
[Leia outros Comentários de maria alice ximenes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Microeconomic Theory: Basic Principles and Extensions
Walter Nicholson
Thomson
(2002)



An a to Z of British Life: Dictionary of Britain
Adrian Room
Oxford University Press
(1990)



Ciência e Violência
I de L Neves Manta e Edmundo Vasconcelos
Livraria São José (rj)
(1972)



Cecil - Loeb Textbook of Medicine
Paul Beeson e Walsh Macdermott
Wb Saunders
(1971)



The Abstract Wild
Jack Turner
Tucson
(1996)



Droit et Morale: Tanner Lectures, 1986
Jürgen Habermas
Seuil
(1997)



Cantigas e Contações
Lúcia Pimentel Góes
Prumo
(2009)



Espaço Em Branco
Raymundo Amado Gonçalves
7letras
(2010)



A Nova Califórnia- Literatura Brasileira Em Quadrinhos
Lima Barreto - Francisco S. Vilachã
Escala Educacional
(2010)



I Encontro de Economistas Sul-americanos
Encontro de Economistas Sul-americanos -
Fundação Alexandre de Gusmão
(2008)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês