Incêndio pleno: amor, pirraça, veneno e cachaça | Waldemar Pavan | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> Redação - tepria e prática de Célia A. N. Passoni pela Nucleo (1993)
>>> Jô na Estrada de David Coimbra pela L&pm Editores (2010)
>>> Intimidade Inconfessável de Fernanda Fatureto pela Patuá (2015)
>>> O Hotel dos Bichos Desamparados de Ricardo L. Hoffmann pela Ftd Ed. (1988)
>>> Irmão Francisco Cândido Xavier de Francisco Cândido Xavier e Emmanuel pela André Luiz
>>> Direito Eleitoral de Raquel Cavalcanti Ramos Machado pela Atlas (2016)
>>> Freakonomics - o Lado Oculto e Inesperado de Tudo Que nos Afeta de Steven D. Levitt pela Elsevier (2005)
>>> Bodyguard - Jessica Linden de James Patterson pela Bookshots (2016)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Nobel (2008)
>>> Sr. Maravilha - a Biografia de Stan Lee de Roberto Guedes pela Noir (2021)
>>> La Venta Estrategica de Robert B. Miller pela Plaza & Janes (1986)
>>> Como? Onde? Por quê? - perguntas e respostas sobre o mundo animal de Carolina Caires Coelho (trad.) pela Girassol (2007)
>>> O Sorriso Etrusco de José Luis pela Martins Fontes (1998)
>>> Alumbrado Flourescente de Baldinetti pela Gustavo Gili
>>> O Trabalho dos Mortos- o Livro do Joao de Nogueira de Faria pela Feb (2002)
>>> Nao Importa a Pergunta - a Resposta e o Amor de Leonardo Gontijo pela Ser Mais (2015)
>>> Criando Meninas - Raising Girls - Portuguese Edition de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Dentística - Restaurações Estéticas de Adair Luiz Stefanello Busato e Outros pela Artes Médicas (2002)
>>> Adolf Hitler 2 Vols. de John Toland pela Francisco Alves (1978)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Assassins Creed - Irmandade - Vol. 2 de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Presunção, Ou a Sina de Frankenstein de Richard Brinsley Peake pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Jovens para Sempre de Sidnei Oliveira pela Integrare (2012)
>>> Chico Bento - Pavor Espaciar de Gustavo Duarte pela Panini (2013)
>>> Using Webster - Knowlton - Hazen World History Maps de H. Webster; D. Knowlton; Charles Hazen pela A. J. Nystron & Co. (1953)
COLUNAS

Terça-feira, 28/1/2003
Incêndio pleno: amor, pirraça, veneno e cachaça
Waldemar Pavan

+ de 11100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

A capacidade para - logo nos primeiros acordes - perceber que se ouve um samba, qualquer brasileiro tem. A identificação e percepção do genero é simultânea à audição.

Já a diferença entre um samba apropriado à parada de sucesso e um samba que se tornará definitivo reside na profundidade do provérbio elaborado pelo autor.

Noel Rosa, Cartola, Dona Ivone Lara, Elton Medeiros, Paulinho da Viola, Ataulfo Alves, Chico Buarque, Wilson Batista e outros raros notablizaram-se por serem eternos, nos anais da música brasileira, justamente pelo modo como transmitiram sua sabedoria de vida: sempre através de provérbios poético-musicais que fazem a delicia e a marca registrada de um samba definitivo.

A caracteristica de criar e empregar provérbios que condensam toda a sabedoria e a graça popular faz com que o samba se torne ímpar em relação a todos os outros generos musicais no mundo

Para além de ser um ritmo contagiante de se ouvir, o samba abriga, em seus dominios, uma vasta escola da sabedoria popular. Basta estar disposto a vasculhar, em seus meandros, e saber apreender.

Nesta universidade de vida documentada através do samba, Paulo Vanzolini é um dos grandes mestres.

Quem é bom sujeito sabe que a estrutura básica de um samba (que vai se tornar definitivo) leva em conta um relato onde o provérbio máximo, ou o toque de prima, se assim o preferir, comparece cantado no refrão.

Curiosamente, a obra musical de Paulo Vanzolini - apesar do carater proverbial estar repetidamente presente - não contém refrão (detalhe que ainda permanece como sendo um dos pontos fortes para o registro, popularização e memória de uma canção).

O exemplo mais conhecido de sua obra sem refrão é 'Ronda' - cuja conclusão é a forte imagem da cena de 'sangue num bar da avenida São João', que é cantada com emoção em todo os cantos do Brasil (inclusive, por intérpretes que sequer estiveram na avenida para conhecer a sua substancial e acelerada decadência).

Mas voltando à vaca fria: a ausência de refrão, entretanto, sequer é notada. A cada frase, o poeta-compositor Paulo Vanzolini é definitivo, lapidar: o ouvinte sempre tem a impressão de que aquela frase antológica vai em algum momento servir de propósito ao refrão, mas que nada, vem a outra frase - tão definitiva, lapidar e antológica como a anterior - e a sabedoria poética novamente comparece esplendorosa. Mais uma vez, o ouvinte tem a impressão que tal sabedoria se prestará a enriquecer o refrão, que insiste em não comparecer, nunca.

As mulheres, na obra de Paulo Vanzolini, são um capítulo à parte: temperamentais, fortes e racionais; não se prestam às futilidades, frivolidades e facilidades imaginadas e descritas pelos autores musicais contemporâneos. A mulher na obra de Paulo Vanzolini tem que dar samba, porque 'mulher que não dá samba eu não quero mais', adverte o compositor.

A fragilidade da mulher também comparece, invariavelmente como sinal de apatia ou loucura: 'Maria é boa mulata/ Me faz companhia/ Mas não ata nem desata/ Nunca sai dessa agonia'.

Além da loucura da apatia a mulher também é reconhecida pela soberba: 'Vendo-te assim, com os puros sinais da falta de mim/ Em pleno apogeu, morrendo de tédio e o remédio sou eu'.

A mulher-veneno, aquela do amor peçonhento, é retratada proféticamente para o mal: 'O meu problema é bem pequeno/ Não se zangue/ É só tirar o seu veneno do meu sangue'.

A mulher-peçonhenta também é imortalizada pelo bem que lhe faz (é quando o veneno vai servir como o principal componente para a elaboração do remédio): "Amor sereno, amor pirraça / Amor veneno/ Amor cachaça/ Amor debaixo d'água/ Amor no meio dos infernos/ Amor de meter susto ao Padre Eterno/ E já se vê/ Só pode ser o amor/ De eu e você".

Junto com Elton Medeiros, Paulo Vanzolini compôs 'Dançando na Chuva', peróla básica da maledicência: "Fez deboche do meu verso/ Diz que é frouxo e que é insosso/ Fez tanta mesquinharia e se orgulha do papel/ Você dançou rindo na chuva/ Mas não vai secar o céu".

Rimas, frases, versos, provérbios e ritmos, tudo é muito contagiante e deveras expressivo quando o assunto é o paulistano Paulo Vanzolini.

Mesmo contendo extensa riqueza abrigada no detalhe, o conjunto da obra de Paulo Vanzolini é atualmente conhecido por um minusculo circulo de admiradores - sempre confessos e devotos apreciadores.

O destaque que forneci sobre algumas obras que retratam as mulheres amadas e/ou exorcizadas constituem apenas um pequeno apêndice do vasto conteúdo temático e musical de Paulo Vanzolini.

Para detalhadamente elucidar e buscar a compreensão sobre este universo poético seria necessário lavrar muitas laudas, talvez laudas infinitas. A compreensão de sua obra, porém, não é fator de profundo estudo: Paulo Vanzolini não caetaneia nem djavaneia jamais; a metafora passa batida por seus escritos; tudo é dito de forma muito objetiva e direta - sem papas na lingua, sem nhenhenhê e sem palpo de aranha.

Paulo Vanzolini não é cantor, é compositor dos bons e raros são os discos especificos dedicados à sua obra. Eu conhecia, até o presente, apenas dois CDs-tributo, ambos fora de catalogo: 'A Música de Paulo Vanzolini', por Carmen Costa/ Paulo Marquez (Discos Marcus Pereira, catálogo agora pertencente à gravadora EMI); e 'Paulo Vanzolini Nas Vozes de Chico Buarque, Cristina, Adauto Santos, Luiz Carlos Paraná e Mauricy Moura', pela gravadora Movieplay.

Agora, podemos todos - graças ao rico e fundamental empreendimento conjunto da gravadora Biscoito Fino e Petrobrás Distribuidora - desfrutar da obra completa de Paulo Vanzolini, no recente lançamento da caixa contendo 4 CDs: 'Acerto de Contas', talvez o melhor e mais merecido tributo a um artista brasileiro, dado o desconhecimento público sobre o conjunto de sua obra.

Cada CD da caixa 'Acerto de Contas' contém 13 músicas, totalizando 52 gemas do melhor da música brasileira. Músicos de primeira e interpretações quase impecáveis trazem à luz Paulo Vanzolini, expoente da criação poético-musical brasileira.

Outro ponto importantissimo nesse tributo é a apreciável qualidade do projeto gráfico: delicadas ilustrações e cuidado apurado com o resultado final das gravações.

Apreciável também é o preço: nunca acima de R$ 50 pelo conjunto das 52 obras, ricamente transportadas para o formato CD, custando ao consumidor menos de R$ 1 cada uma. E prometo: serão todas imortais enquanto você dure.

O arranjo, para qualquer música, é outro ponto que vale ser ressaltado: esqueça o samba-batucada. Em 'Acerto de Contas', você invariavelmente vai deparar-se com pouquissimos recursos de percussão e ausência total de coro e de pastoras. O apogeu da obra não reside na medida da exaltação do refrão, mas sim na discrição do papo amigo, na queixa e no 'presta atenção' quase confidencial (Levanta/ Sacode a poeira/ E dá a volta por cima). Todos elegeram, como sua morada definitiva, o samba de Paulo Vanzolini.

Para ir além
Resumo de ficha técnica dos discos 'Acerto de Contas':

Intérpretes: Paulinho da Viola, Márcia, Eduardo Gudin, João Macacão, Carlinhos Vergueiro, Chico Buarque, Elton Medeiros, Cristina Buarque, Ana de Hollanda, Miucha, Ana Bernardo, Inezita Barroso, Paulinho Nogueira, Trovadores Urbanos, Virginia Rosa, Edú Maia e Maria Marta.

Músicos participantes: Italo Peron (violão), Zé Barbeiro (violão 7 cordas) , Milton de Mori (bandolim), Stanley (clarinete), Prata (flauta), Marcelo Galani (percussão), Arnaldinho (cavaquinho), Wellington Moreira (percussão), Bombarda (acordeon), Isaias (bandolim), Bocato (trombone), João Macacão (violão 7 cordas ) e muitos outros.

Direção e produção musical: Italo Peron
Arranjos: Italo Peron
Projeto gráfico: Eduardo Musa, Silvia Amstalden Franco e Taís Tsukumo.
Ilustrações: Francisca do Val.
Gravado no Estúdio Flautin 55, São Paulo, de março a outubro de 2002.


Waldemar Pavan
São Paulo, 28/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
02. Eleições 2014: intrigas, infâmias, alucinações de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato de Ricardo de Mattos
04. Escrevo deus com letra minúscula de Jardel Dias Cavalcanti
05. O romance espinhoso de Marco Lacerda de Daniel Lopes


Mais Waldemar Pavan
Mais Acessadas de Waldemar Pavan em 2003
01. Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem - 18/2/2003
02. Odeon 100 Anos: o segundo lote de reciclados - 18/3/2003
03. Incêndio pleno: amor, pirraça, veneno e cachaça - 28/1/2003
04. Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote - 8/4/2003
05. O pulo do negro gato - 14/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/1/2003
15h35min
Caro Waldemar, A Biscoito Fino já se justificaria só com essa caixa de acerto de contas. Só faltou voce destacar a mulher cearense no 'Choro do Ceará' quando ele diz: "... Basta cinquenta quilos de mulher E a minha paz."
[Leia outros Comentários de Gil Fernandes de Sá]
30/1/2003
19h21min
Pois é Gil, o espaço foi pequeno para os tantos destaques na obra de Paulo Vanzolini. Ainda no quesito 'mulher', Bruno Ribeiro dos Santos, de Campinas, SP, lembrou a 'mulher-salsicha' da música Juízo Final, 'aquela ingrata hoje está/ trabalhando de salsicha/ espetadinha no garfo/ Satanás fritando a bicha/ ô demônio, capricha!" . Sérgio 'Ceará' de Oliveira e Moracy, ambos de São Paulo, alertaram-me que a obra de Paulo Vanzolini ultrapassa a marca das 52 canções incluidas na caixa Acerto de Contas. Moracy escreveu contando que tem dois LP's nunca editados para o formato CD, com várias músicas não incluidas no tributo: um editado pela gravadora Eldorado, onde Moracy confirma que Paulo Vanzolini canta! E ainda, segundo Moracy, se sai muito bem na empreitada. O outro LP foi editado pela Comgás como brinde e se chamou Inéditas. É de 87 e quem canta neste é o Passoca e a Virginia Rosa, que estava começando a carreira. Resta-nos esperar que estas jóias sejam reeditadas ou que num lampejo de luminosidade a gravadora Biscoito Fino se dedique à tarefa de elaborar o Acerto de Contas Volume 2. Eu conversei com 2 lojistas que confirmaram o sucesso de vendas da caixa Acerto de Contas, dizem que vários itens tem pesado a favor, mas que o principal deles é o preço. Se levado em conta o valor individual de cada CD observaremos que os discos de Paulo Vanzolini encaixotados custam a metade do preço individual de cada disco relançado e encaixotado do Ministro da Cultura, Gilberto Gil. Ah, e as capas, gravações e arte final dos discos de Paulo Vanzolini são infinitamente superiores e de melhor qualidade do que são as capas e as gravações antigas e agora remasterizadas dos discos do Ministro da Cultura, talvez um dia tenhamos a compreensão de como um produto reaproveitado, de qualidade inferior e com os custos totalmente absorvidos pode custar o dobro de um produto caprichadissimo e inédito, talvez quem nos explique seja o próprio ministro-artista que é também economista, tem que haver um pouquinho de paciência com aquele seu jeitinho de tudo falar sem nada dizer.
[Leia outros Comentários de VValdemar Pavan]
4/2/2003
07h54min
Caro Waldemar, os dois elepês citados por você tinham de estar disponíveis a nós todos. O de Vanzolini cantando é excelente, e ele realmente canta bem. Onde está o CD? O de Passoca e Virgínia Rosa é primoroso, o Paulo comenta as músicas entre uma faixa e outra. Já estão pirateando por aí. Uma doce traição ao mestre, praticada por aqueles que amam sua música.
[Leia outros Comentários de Helion]
4/2/2003
11h57min
Meu caro amigo Waldemar Pavan esqueceu-se de citar, no rol dos intérpretes, o paulista Chico Aguiar, que gravou duas músicas a pedido do próprio Vanzolini. Colegas na medicina, diz a lenda que o autor ouviu Aguiar cantando seus sambas num show na faculdade de medicina. Dali em diante, em várias declarações e entrevistas, Vanzolini refere-se ao colega como um dos cantores que melhor interpreta seus sambas. Para quem não liga o nome à pessoa, Chico Aguiar, conhecido em São Paulo como "A Enciclopédia do Samba", comanda já há oito anos a roda de samba mais concorrida da cidade, nas tardes de sábado, à frente do ótimo grupo "É do Baú".
[Leia outros Comentários de Fernando Szegeri]
5/2/2003
11h37min
Para Fernando 'Magrão' Szegeri: Chico Aguiar e Chico Médico são a mesma pessoa? Eu conheço Chico Médico , ou melhor, agora Chico Aguiar, das suas participações noturnas nas rodas-de-samba naquele bar na Av. Waldemar Ferreira, localizado entre a USP e o Jockey Club, (sou péssimo para armazenar nomes e endereços de bares, vou pelo rumo), agora você nos informa que Chico-Médico-Aguiar, o 'Enciclopédia do Samba' , faz apresentações vespertinas, seria no mesmo bar onde acostumei a assistí-lo em apresentações noturnas? Que tal você nos fornecer o nome do bar e o endereço? As rodas-de-samba que contam com a presença de Chico-Médico-Aguiar são animadissimas e lotadas de pessoas afáveis, receptivas e de bem com a vida, verdadeiras e alegres celebrações humano-musicais, só vendo e ouvindo para crer. A última vez que lá estive para ouvir Chico-Médico-Aguiar presenciei uma canja fantástica da cantora carioca Dorinna (Prêmio Sharp de Melhor Interprete - 1996) e que muito em breve lançará um CD ( o terceiro de sua carreira) tributando outro compositor expoente do samba , o dignissimo Almir Guineto, CD cuja produção musical e arranjos ficou a cargo do mago dos arranjos, Paulão Sete Cordas, soube que já está pronto, só falta chegar ao mercado. Dorinna é minha interprete favorita desde 1996.
[Leia outros Comentários de VValdemar Pavan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Cachorro Que Jogava na Ponta Esquerda
Luis Fernando Verissimo; Aroeira
Rocco
(2010)



Ideologia e Cultura Moderna - Confira !!!
John B. Thompson
Vozes
(1995)



Livro - O Segredo da Queima de 48 Horas
Vinícius Possebon
Gente
(2015)



Pique-esconde Com os Aventureiros
Luccas Neto
Nova Fronteira
(2020)



Domínios de Linguagem 1 - Práticas Pedagógicas - Autografado
Maria Célia Lima- Hernandes (org.)
Disal
(2002)



Projeto Escola, Uma Contribuição Criativa para o Seu Aluno-Problema
Professor Sergio Nogueira Lopes
Sociedade Pestalozzi do Brasil
(1996)



Abraão - As Experiências de Nosso Pai na Fé
Elienai Cabral
Cpad
(2002)



Dont Be So Gay!
Donn Short
Washington Univ. Pr
(2013)



A Jornada Espiritual do U2
Steve Stockman
W4 Endo Net
(2006)



Passaporte para o 3º milênio
Maria Cotroni Valenti
DPL
(1999)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês