Copacabana e a cultura urbana carioca | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Just in Time Mrp II Opt de Henrique L. Corrêa e Irineu G. N. Gianesi pela Atlas (1996)
>>> Economics de Michael Parkin pela Addison Wesley Longman (1999)
>>> Cold-Case Christianity - A Homicide Detective Investigates the claims of the gospels de J. Warner Wallace pela David Cook (2013)
>>> Operations and Supply Management The Core de F. Robert Jacobs e Richard Chase pela McGraw-Hill (2010)
>>> Orgulho e Preconceito de Jane Austen pela Pé da Letra (2021)
>>> The Wiki Way - Quick Collaboration on the Web de Bo Leuf - Ward Cunningham pela Addison Wesley (2004)
>>> Becky Bloom - Delírios De Consumo Na 5ª Avenida de Sophie Kinsella pela Record (2002)
>>> Gossip Girl Vol. 6- É Você que Eu Quero de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 13/6/2006
Copacabana e a cultura urbana carioca
Luis Eduardo Matta

+ de 16000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Certa vez, numa entrevista, me perguntaram que livro eu levaria para uma ilha deserta. Respondi que jamais iria para uma ilha deserta (e nem para uma não tão deserta assim), a menos que fosse condenado a tanto; e como os condenados não têm muitos direitos, provavelmente eu não teria direito de levar livro algum. A pessoa que me entrevistou acabou optando por retirar esta pergunta da entrevista, ou por julgar que eu fora malcriado no meu depoimento ou, pior ainda, por considerar que a minha resposta era absurda, totalmente incompatível com a mentalidade predominante na sociedade contemporânea, que, de uma maneira geral, sonha com uma vida em pacatos paraísos ecológicos, distantes dos grandes centros urbanos. Ou seja, é como se eu houvesse esnobado o senso comum e dado um acintoso tapa na cara dos leitores da publicação onde a entrevista seria veiculada.

Seja como for, é fato que a vida num paraíso ecológico nunca me atraiu. Sou, essencialmente, um ser da cidade grande. Muito do que as pessoas afirmam abominar ou que, veladamente desprezam, me encanta sobremaneira: o movimento de pessoas nas calçadas, o ruído dos carros nas ruas, o comércio efervescente, os edifícios ostentando cada qual o seu estilo arquitetônico, enfim: tudo aquilo que compõe essa coisa maravilhosa chamada vida urbana. Nós brasileiros, somos um povo com muito pouco apreço pelas nossas cidades. Vivemos ainda com uma certa nostalgia romântica de um passado rudimentar, simplório, telúrico, meio selvagem. Para a maioria, morar numa cidade como o Rio de Janeiro ou São Paulo é um verdadeiro castigo. Para mim, ao contrário, é uma benção.

Esses pensamentos, volta e meia, me vêm à mente durante as minhas freqüentes andanças pelas ruas do Rio. O Rio é um lugar peculiar. Aqui, uma natureza tropical exuberante convive lado a lado com uma gigantesca, ruidosa e agitada selva urbana de concreto, vidro e automóveis. É, provavelmente, um dos poucos lugares do mundo onde tais extremos coexistem de maneira tão íntima. E se há um lugar do Rio onde essa simbiose é mais evidente, este lugar é, sem dúvida alguma, Copacabana.

Ultimamente, virou moda falar mal de Copacabana. É como se o bairro encarnasse tudo aquilo que pode haver de mais negativo e degradante numa cidade. Talvez pelo seu caráter fortemente urbano, Copacabana se oponha à idéia do paraíso distante e idílico, quase despovoado, onde pais devotados poderiam, enfim, criar seus filhos com liberdade e contato permanente com a natureza - árvores, micos, passarinhos, borboletas - dentro do conceito paradigmático de "qualidade de vida". É verdade, reconheço, que o bairro cresceu demais. Reconheço também que muitos dos que reclamam da Copacabana atual, são egressos de décadas pretéritas. São pessoas que conheceram a paradisíaca e sofisticada Copacabana do pós-guerra e dos "anos dourados", sem trânsito, criminalidade, mendicância e a deterioração das relações sociais (elementos que, é bom frisar, não são privilégios "copacabanenses"). No entanto, todas essas reservas e reclamações escondem, na verdade, uma característica que parece impregnada na alma carioca: a falta (ou a escassez) de cultura urbana.

Dois anos atrás, escrevi aqui no Digestivo Cultural, um artigo no qual falava do desprezo dos cariocas pela arquitetura do Rio. É algo que me incomoda, pois eu estou sempre descobrindo e redescobrindo aspectos belos, interessantíssimos e inusitados nas construções da cidade. Creio, no entanto, que o desprezo dos cariocas não é apenas pela arquitetura e sim pela cidade em si, quando descontextualizada da sua paisagem natural. É como se a cidade, com as suas ruas, avenidas, praças, casas, lojas e edifícios fosse não mais do que um "mal necessário" para se viver dentro de um ambiente minimamente civilizado, já que não dá para morar em árvores e se locomover de cipó. O Rio, sob esse ponto de vista, seria um lugar amado e valorizado pela metade: exalta-se a natureza, o mar, as montanhas, as lagoas, as florestas, etc. enquanto à urbe não são dirigidas mais do que palavras e sinais de menosprezo, desapreço e ojeriza. Caso o Rio não tivesse praias, ou montanhas, não tivesse nenhuma beleza natural, caso fosse apenas cidade, imagino que, muito provavelmente, seria um lugar odiado pelos seus habitantes.

A falta de cultura urbana é visível ao diagnosticarmos a relação que as pessoas têm com o espaço urbano. Tomemos o exemplo de Nova York. O que no Rio é desvalorizado e visto como sintomas de decadência - a forte urbanização, o frenesi das ruas, o dia-a-dia vibrante, as calçadas tomadas de gente, som e movimento - na notável metrópole norte-americana é enaltecido e encarado como parte fundamental e indissociável da alma da cidade. Os novaiorquinos gostam da sua cidade como ela é e participam ativamente da sua vida, desfrutando de tudo o que ela tem a oferecer. Poucas são as pessoas, creio, que vivem em Nova York, sonhando com o dia em que, finalmente, poderão se mudar para uma propriedade bucólica em Vermont, Long Island ou nas praias da Flórida. Em cidades como Paris, Londres e Madri se dá o mesmo. São locais, também, com grande cultura urbana e onde há uma completa integração dos moradores com o meio. Lá, enquanto todos querem viver o mais perto possível dos bairros centrais, aqui ocorre o inverso: as pessoas procuram, cada vez mais, áreas bastante afastadas do Centro para morar. Alguém que resida, por exemplo, no Recreio dos Bandeirantes, um dos novos bairros à beira-mar do Rio, e trabalhe no Centro, gasta no trajeto diário de ida e volta, no mínimo, uma hora; isso, naturalmente, se o trânsito estiver totalmente desimpedido. E é fato que, no horário comercial, ele quase nunca está.

Seria maravilhoso se o povo carioca pudesse curtir a cidade com o mesmo ardor que curte a natureza. Que pudesse andar pelas ruas e contemplar suas calçadas e construções com a mesma alegria de quando vai à praia ou passear nas Paineiras. Muita gente me acha louco (e elas não estão totalmente erradas), mas eu costumo dizer que um dos meus programas favoritos no Rio é andar pela cidade sem rumo, sem nem passar perto da orla. Minhas caminhadas por Copacabana, por exemplo, são sempre memoráveis. Ah, Copacabana! Como eu adoro Copacabana! Durante parte da minha vida, sobretudo na infância e princípio da adolescência eu considerava Copacabana o máximo de pujança e perfeição que uma cidade poderia almejar. Gosto de caminhar sem pressa sob as copas das árvores, apreciando os mosaicos de pedras portuguesas nas calçadas, as lojas, as fachadas dos prédios - muitos dos quais em estilos que vão do neoclássico ao art déco, passando pelos de nítida inspiração modernista -, suas entradas de mármore e portas de ferro forjado. Nasci, cresci e sempre morei em Copacabana e é como se cada esquina do bairro, para mim, tivesse alma própria. Passo pelas ruas e reconheço nelas pedaços da minha história, pedaços de mim que ficaram gravados nas calçadas e nos detalhes dos edifícios. A minha vida confunde-se com esse bairro. À praia não vou há quase vinte anos. Ela não me faz falta. O que me encanta em Copacabana é o seu lado urbano. Aliás, é o que me encanta em todo o Rio de Janeiro.

Isso não me impede, contudo, de enxergar e denunciar os inúmeros problemas que afligem Copacabana e o Rio. A violência, a falta de educação do povo, que maltrata e emporcalha as ruas, o abandono de certas áreas que poderiam receber mais atenção do poder público, a pobreza, o caos no trânsito... Problemas, no entanto, toda grande cidade tem, em maior ou menos grau. A deterioração de certas vias públicas de grande circulação de pessoas e veículos é algo natural e, de certo modo, inevitável numa metrópole. Se a avenida Atlântica de hoje não é a mesma de cinqüenta anos atrás, podemos afirmar o mesmo da avenue des Champs Elysées, que, segundo os próprios parisienses com os quais conversei, não é hoje mais do que uma sombra de um passado esplendoroso. A vida na cidade grande tem dessas coisas e quem, realmente, gosta de viver em uma, tem de aceitar certas contingências. O que muitos cariocas precisam é aprender a desfrutar o Rio na sua vertente metrópole tanto quanto desfrutam a sua vertente balneário. E Copacabana, uma vez sendo a síntese de ambas, tem muito a ensinar. Amar o bairro, aceitar seus defeitos e reconhecer suas inúmeras qualidades já seria um ótimo primeiro passo em direção a uma cultura urbana da qual o Rio, uma das maiores e mais vibrantes cidades do mundo, não pode prescindir.

Post Scriptum
Escrevi esse artigo embalado por músicas como "Copacabana", de Braguinha e Alberto Ribeiro, na voz de Dick Farney ("...Copacabana, princesinha do mar, Pelas manhãs tu és a vida a cantar..."), "Superbacana", de Caetano Veloso ("...O mundo em Copacabana, Tudo em Copacabana, Copacabana..."), "Copacabana", de Barry Manilow ("...At the Copa, Copacabana, Music and passion were always the fashion...") e "Mar de Copacabana", de Gilberto Gil ("...Muita gente quer Copacabana, Talvez leve uma semana pra chegar..."). Também ouvi "Do Leme ao Pontal", de Tim Maia ("...Do Leme ao Pontal, Não há nada igual..."). Afinal de contas, para se ir do Leme ao Pontal pela orla marítima, há que passar por Copacabana.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 13/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O injustificável de Rafael Azevedo


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2006
16h04min
Caro LEM, adorei seu texto! Uma das coisas que mais me atraem no Rio é justamente a arquitetura, e nesse ponto, Copacabana é imbatível. Como você mesmo disse, as fachadas dos prédios são belíssimas, remontam a um outro tempo. É impossível não ficar imaginando histórias acontecendo por trás daquelas pomposas portas de latão, sempre bem guardadas por um indefectível porteiro. O que mais me intriga nesse bairro, porém, é a convivência do provinciano com o moderno. Em Copacabana estão, ao mesmo tempo, cosmopolitas de todas as partes do mundo e velhos moradores com hábitos idem. E por mais que seja o bairro de uma das capititais brasileiras mais economicamente ativas, suas lojas e comércios mantêm placas e luminosos como há muito não se vê, ou que se vê apenas em cidadezinhas do interior. Enfim, um lugar de constrastes, mesmo. Não me admira que você seja apaixonado por ele.
[Leia outros Comentários de Adriana]
8/6/2006
17h48min
Eu devo admitir que não sou um morador típico de Copa. Embora esteja no meio do bairro, a vista da minha janela é mata com micos e nenhuma favela. Gosto do meu silêncio mas só porque posso pisar na rua e ter a civilização ao meu alcance. Mas adimito que Copa seria bem melhor se o bairro fosse mais cuidado, com um planejamento sério. Também investir na Zona Sul não atraia votos para prefeitos.
[Leia outros Comentários de Lefebvre]
14/6/2006
10h39min
luis eduardo, amei seu artigo. nasci e fui criada em copacabana tb. adoro! tudo. morei 4 anos nos eua e senti falta diariamente do rio. e um dia achei numa livraria lá, um livro escrito por americanos, que moraram aqui, e que disseram que copacabana é um bairro que "vive" as 24 horas do dia. cedinho tem pessoas na praia, vc pode almoçar em restaurante de qq parte do mundo, há lojas, cinemas, teatros, igrejas, depois do jantar vc pode ir dançar, sair da boate com o dia clareando e ver que a feira já está sendo montada, já tem gente caminhando no calçadão, enfim, um agito delicioso que só copacabana tem. moro na barra há mais de 20 anos, e confesso que voltaria pra copacabana ontem.
[Leia outros Comentários de gloria rajão]
15/6/2006
18h30min
Bela defesa da Copacabana cheia de vida... urbana, real e apaixonante. Aquele abraço da leitora do DF.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
5/2/2012
01h08min
Assino...Está assinado.
[Leia outros Comentários de carlos eduardo perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil
Laurentino Gomes
Planeta do Brasil
(2007)



A Historia Mais Longa Do Mundo - Infanto
Rosane Pamplona
Brinque book
(2009)



Fort of Apocalypse 2
Yu Kuraishi e Kazu Inabe
Jbc
(2017)



Paisagem Vista do Trem
Antonio Calloni
Papirus 7 Mares
(2008)



Como Sair Dessa
Márcia Prado Sartorelli e Outros
Ftd
(1999)



O Direito é Legal
Lamartino Franca de Oliveira
Ltr



Transformando Crise Em Oportunidade
João Paulo dos Reis Velloso
José Olympio
(2007)



Yakuza - Um levantamento explosivo do submundo japonês do crime
David Kaplan & Alec Dubro
Record
(1986)



Um Artista do Mundo Flutuante
Kazuo Ishiguro
Rocco
(1989)



Werner Herzog: o Cinema Como Realidade
Lúcia Nagib
Estação Liberdade
(1991)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês