Três heróis | Airton Gontow | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/9/2001
Três heróis
Airton Gontow

+ de 3000 Acessos

Nunca tive qualquer empatia por esses super-heróis dos desenhos: fortes, destemidos e invencíveis. Ao contrário, lembro que desde a infância minha mente e meu coração só tinham espaço para personagens reais, aqueles que habitam ou não o cotidiano da gente.

Meu Pai

Herói era meu pai. Você sabia que fui a todos os jogos do Grêmio durante sete anos? E que quando a gente voltava pela estrada, ia em comboio, com vários carros de torcedores e, no meio de nós, o ônibus dos jogadores e o ônibus da TV trazendo o vídeo-taipe do jogo? (Naquele tempo o "via-satélite" não existia...)

Fazia muito frio e quando entrávamos na cidade, o ônibus da TV seguia em direção ao morro Santa Tereza. Nosso carro percorria a neblina porto-alegrense até o porto seguro de nosso apartamento, lá na Protásio Alves. Aí eu ficava assistindo ao jogo do Grêmio que a TV estava começando a exibir... Aquele mesmo que eu havia assistido quatro horas antes.

Meu pai ia até o meu quarto, fazia minha cama e depois se deitava, com aquele corpo grande de pai. Derrotava a frieza dos lençóis. Em seguida, eu o via surgindo, cada vez maior, até que me pegava no colo e me conduzia pelo corredor até o meu quarto. Ele me deitava naquela cama mágica, já aquecida pelo seu calor de pai...

Você sabia (talvez já saiba um pouco, uma vez que me conhece já há algumas linhas...), você sabia que, mesmo quando meu pai fez um monte de besteiras na vida (e a vida faz graça de mau humorista com a gente), eu não consegui nunca deixar meu coração amargurado e a alma sem esperanças, porque eu sabia que ele era meu herói e os heróis não são necessariamente vencedores, mas são sempre aqueles que acalentam o coração e a alma da gente!

Seu Benjamin

Meu herói era também o seu Benjamin, pai da minha amiga e colega Eliane. Vivíamos todos no pequeno e agitado edifício Jardim Emília, com seus quatro andares e cinco apartamentos. Nós morávamos no térreo e tínhamos o privilégio de ter o único quintal do prédio. Todos os outros apartamentos eram de amigos de infância de meu pai, amigos que compraram juntos o primeiro imóvel, que casaram na mesma época, etc.

Nós, as crianças, estudávamos na mesma escola. Esqueci de dizer que, no Jardim Emília, havia dois banheiros em cada apartamento - um grande, o outro pequeno - e que entre eles existia uma espécie de vão, que deixava naquela área do prédio um eco estranho. E conto também que no segundo andar vivia o seu Benjamim, a Dona Beatriz e as filhas Eliane e a Rosane. Todos cantavam na Ópera de Porto Alegre, a OSPA. (A Eliane, que era apaixonada por mim, cantava na "OSPinha".)

Como todos acordávamos à mesma hora, ninguém usava despertador no meio da semana porque o seu Benjamim entrava no banheiro grande do 2o. andar e cantava: - "Granada! Tierra soñada!". Aquele som da voz poderosa e melódica dele passava para o vão do prédio, espalhando-se por todos os andares, invadindo os apartamentos, e penetrando nos nossos quartos para nos tocar suavemente e nos despertar.

Eurico Lara

Heróis, heróis, heróis. Sim, eu tenho meus heróis. Alguns da vida cotidiana. Outros como Eurico Lara, grande nome da história do Grêmio. Sua historia eu aprendi ao lado de seu túmulo, no cemitério, segurando a mão de meu pai, como acontece com muitos gremistas. Era um goleiro fantástico e gremista apaixonado (como todos os gremistas devem ser). Voce sabia que Lupicínio Rodrigues - sim, o autor de "Nervos de Aço" e "Felicidade foi se embora" - fez o hino do Grêmio, quando viu a torcida superando uma greve geral dos bondes de Porto Alegre e, caminhando, para lotar o estádio?

Mas eu falava sobre o Eurico Lara, que era apaixonado e gremista. Veja só: ele estava no quarto de um hospital, com turberculose, no dia da final do campeonato gaúcho contra o "inimigo" Internacional. Eurico Lara fugiu do leito para assistir ao jogo. Um empate daria o título ao Grêmio, que estava com um ponto a mais na competição.

Faltando, porém, três minutos o juiz marcou um pênalti para o "inimigo" Internacional. A torcida gremista, em grande maioria, ficou em silêncio, com medo da catástrofe. Foi neste momento que Eurico Lara disse para o homem que cuidava do portão junto ao gramado do estádio: - "Abre".

Quando entrou em campo, Eurico Lara foi tirando a camisa, as calças... - estava de uniforme por baixo e, pasme, de chuteiras! O estádio explodiu em espanto e alegria, mas, logo depois, aconteceu um silêncio sepulcral (que até hoje impressiona a todos os que assistiram à cena). Era como se não houvesse pássaros, vozes, vento...

O atacante do "inimigo" Internacional ajeitou a bola. Parecia um touro, enquanto se preparava para iniciar a curta corrida em direção a ela. O chute saiu forte, alto, no canto esquerdo. Mas Eurico Lara, meu goleiro, meu herói, Eurico Lara (cantado por Lupicínio como "o craque imortal") saltou como um gato e encaixou a bola no peito! Com ela continuou agarrado quando caiu no chão.

A torcida entrou em delírio. Os jogadores se aproximaram para reverenciar aquela lenda do futebol. O estádio era uma chuva de chapéus, como nunca mais se viu, nem mesmo com o anúncio do fim da Segunda Guerra Mundial.

Mas Eurico Lara continuava deitado no chão. Com a bola no peito. Sim, a bola era sua; ele não queria soltá-la. Os jogadores foram se afastando. A torcida de pé, em silêncio, compreendeu o que acabava de acontecer: Eurico Lara estava morto. Morto com a bola grudada naquele imenso peito gremista. No gramado, milhares e milhares de chapéus agora eram como flores. Flores homenageando aquele deus do futebol.

Histórias

Na verdade, as duas primeiras histórias são verídicas, mas esta terceira nunca aconteceu. Eurico Lara esteve, sim, doente de tuberculose, no hospital. E fugiu, sim, para ir à final. Mas nunca entrou em campo. Nunca jogou. Não morreu, portanto, naquele dia.

Faleceu anos depois. Dizem os médicos que sua morte foi apressada pelos meses em que jogou no Grêmio escondendo a doença.

Mas vou contar ao meu filho exatamente o que me contou meu pai, segurando sua mãozinha de gremista, ao lado do túmulo do inesquecível Eurico Lara - aquele que morreu defendendo um pênalti, com tuberculose, dando o título de campeão ao Grêmio.


Airton Gontow
São Paulo, 10/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. A vingança dos certinhos de Marta Barcellos
03. Émile Zola, por Getúlio Vargas de Celso A. Uequed Pitol
04. Cézanne: o mito do artista incompreendido de Humberto Pereira da Silva
05. O fim do livro, não do mundo de Marta Barcellos


Mais Airton Gontow
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROFISSIONAUTA
SIMON FRANCO
FUTURA
(2001)
R$ 10,00



TARSILA DO AMARAL - COLEÇÃO FOLHA GRANDES PINTORES BRASILEIROS VOL. 3
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA DE S.PAULO
(2013)
R$ 35,00



NOVO MANUAL NOVA CULTURAL - BIOLOGIA
HÉLVIO N. MOISÉS E THAIS H. F. SANTOS
NOVA CULTURA
(1993)
R$ 10,00



HOMEM - ARANHA Nº 17
ROBERT CIVITA
ABRIL
(2001)
R$ 30,00



DEFESA DO CONSUMIDOR
IRACEMA A. VALVERDE, CARLOS SAMPAIO, CLAUDIO
ADCOAS; ESPLANADA
(2001)
R$ 41,28



PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ: PARTO E PUERPÉRIO 17ª ED
MARIA TEREZA MALDONADO
SARAIVA
(2005)
R$ 29,00



INFÂNCIA E CULTURA DIGITAL - DIÁLOGO COM GERAÇÕES
JACKSON BENTES
APPRIS
(2016)
R$ 27,00



O DIÁRIO DE ANNE FRANK - 75ª EDIÇÃO ( EDIÇÃO DEFINITIVA / EDIÇÃO INTEGRAL)
OTTO H. FRANK & MIRJAM PRESSLER
RECORD
(2015)
R$ 44,95



AI, QUE ABSURDO!
NARCIZA TAMBORINDEGUY
MATRIX
(2010)
R$ 34,00



DESIGN FOR SAFETY
DAVID B. THURSTON
MCGRAW-HILL
(1980)
R$ 30,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês