Um thriller desengonçado: A máscara de Atreu | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
Mais Recentes
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> A Estranha Maldição de Dashiell Hammett pela Civilizacao Brasileira
COLUNAS

Terça-feira, 13/2/2007
Um thriller desengonçado: A máscara de Atreu
Luis Eduardo Matta

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A publicação do livro O código Da Vinci, - em 2003, nos Estados Unidos e em 2004, no Brasil - foi uma espécie de marco zero de uma vertente ficcional até então pouco explorada no Ocidente: a de romances que conjugam, em suas tramas, suspense e elementos históricos - em geral, mistérios relacionados à religião ou a obscuros acontecimentos, personagens ou lendas do passado. Após o estrondoso sucesso do best-seller de Dan Brown, e numa velocidade impressionante, uma avalanche de livros nesta linha foi escrita e despejada no mercado. Poucos foram, no entanto, os que conseguiram chegar perto de igualar Brown, seja em vendas, seja na própria construção das tramas. São livros como Labirinto, A irmandade do Santo Sudário, O segredo do anel e O último templário, que, no afã de quererem se tornar o novo Código Da Vinci, perderam-se em narrativas um tanto bisonhas e, muitas vezes confusas e disparatadas, nitidamente mais preocupadas em pegar carona no lucrativo e atraente filão literário do momento, do que em contar uma história bem urdida, com personagens convincentes e um texto claro, fluido e sedutor.

É justamente esse o caso de A máscara de Atreu (Landscape, 2006, 344 págs), escrito pelo inglês radicado nos Estados Unidos A. J. Hartley. A proposta e o próprio projeto gráfico do livro impressionam. Ao contemplar a capa e ler a sinopse tem-se a impressão de se ter em mãos um daqueles romances inesquecíveis, que seqüestrarão a nossa atenção e as nossas horas, proporcionando-nos momentos intensos de uma leitura vibrante. Infelizmente, não é o que acontece. O próprio texto da quarta capa da edição brasileira já passa uma rasteira no leitor ao sugerir que os assassinatos do livro estão relacionados a um suposto "Graal". Só que não há Graal algum no livro, o que me leva, inevitavelmente, a aventar três hipóteses: o redator da quarta capa não leu a história, aconteceu um mal-entendido qualquer ou, então, houve má-fé por parte da editora. Prefiro acreditar em uma das duas primeiras opções.

A protagonista de A máscara de Atreu é Deborah Miller, curadora de um pequeno museu de arqueologia em Atlanta, Estados Unidos, cujo diretor, Richard Dixon, é misteriosamente assassinado. Seu corpo é encontrado numa câmara secreta, junto a várias relíquias arqueológicas guardadas por ele a sete chaves. Disposta a desvendar o mistério em torno do crime, Deborah se lança numa busca incessante que a levará à Grécia e a descobertas alarmantes que remontam à Segunda Guerra Mundial e às escavações de Heinrich Schliemann - o célebre arqueólogo alemão que, no século XIX, descobriu as ruínas de Tróia.

A máscara de Atreu, vejam bem, não é um thriller propriamente ruim. Ele tem certo valor e sua leitura não é de todo enfadonha. O livro possui passagens interessantes e há alguns momentos de real tensão e suspense. O argumento da trama é interessante; o problema é que foi mal desenvolvido. Percebe-se, de imediato, que A. J. Hartley, apesar de ser mestre e Ph.D. em Literatura pela Universidade de Boston, é um ficcionista muito inexperiente, ainda engatinhando no ofício da escrita e com um longo caminho pela frente para apurar e potencializar sua técnica e sua criatividade. Esse livro, para usar uma definição mais apropriada, é um thriller desengonçado. Ele não está sozinho nesta condição. Muitos dos livros deste tal "novo filão" inaugurado por Dan Brown padecem de situação similar. Um trabalho autocrítico de reformulação, aliado a um aconselhamento editorial bem feito, certamente teriam ajudado Hartley a superar a sua própria inexperiência e sua pouca familiaridade com o riquíssimo universo do thriller, levando-o a produzir uma obra de vulto dentro do gênero.

A história, apesar de algumas reviravoltas e de todo o seu cuidadoso embasamento científico e histórico - resultado da paixão do autor pela arqueologia - não convence. Os motivos da ida de Deborah para Atenas logo no início da trama são totalmente fora de propósito e não fazem sentido. A perseguição que ela sofre também parece ter sido colocada no livro de maneira forçada, provavelmente motivada pela crença de que as cenas de ação são imprescindíveis em qualquer thriller que se preze. A própria protagonista carece de carisma e não estabelece grande empatia com o leitor. Os coadjuvantes são ainda piores, com destaque para a dupla de policiais e para a canastrona Tonya, funcionária do museu do qual Deborah é curadora. Por outro lado, o leitor poderá aprender bastante com o livro, já que Hartley expõe seus conhecimentos sobre arqueologia e História da Antiguidade e essas informações são muitíssimo bem distribuídas pelo livro, sem atrapalhar o desenrolar da trama. Ou seja: o grande inimigo da trama é a sua própria construção e não as informações nela contidas. É realmente uma pena que uma idéia tão interessante tenha sido desperdiçada nas mãos de um autor tão pouco hábil.

Apesar de tudo, porém, devo confessar que não desgostei de todo deste livro. Como não sou crítico e, ao ler uma obra literária, valho-me tanto da razão quanto da emoção, posso afirmar que as noites que gastei na companhia de A máscara de Atreu foram prazerosas. Todos os parágrafos acima descrevem as minhas impressões, digamos, técnicas, do livro. O lado emocional, no entanto, me fez sentir alguma falta da trama depois que virei a última página. É como eu sempre digo: a leitura é uma aventura complexa e múltipla, que foge aos rigores da nossa razão. Por isso mesmo, é uma aventura sempre imprevisível e, em boa parte das vezes, fascinante.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 13/2/2007


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2007
01. Recordações de Sucupira - 12/6/2007
02. O desafio de formar leitores - 15/5/2007
03. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro - 20/3/2007
04. O Casal 2000 da literatura brasileira - 24/7/2007
05. Algumas leituras marcantes de 2007 - 18/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
10h12min
Olha, Luis, acredito que eu seja a única pessoa na face da Terra que ainda não leu "O Código da Vinci". Não consegui passar da segunda página, rss. Resolvi assistir ao filme e nem assim consegui entender a gana pelo tema. Achei previsível. O engraçado é que de tempos em tempos surge algo assim ou parecido, que seja. Lembra do livro "Profecia Celestina"? ou "As Brumas de Avalon", coqueluche de um verão remoto? Pois é, acho que o místico misturado a pitadas de fatos históricos continua redendo boas fórmulas. Agora, nada se compara ao "Enigma do Oito" mas essa é uma outra história, rsss. Abraços e parabéns pela excelente resenha! Andréa
[Leia outros Comentários de Andréa Augusto]
14/2/2007
12h19min
Na verdade acho que nem o próprio Brown conseguiu superar o "Código da Vinci". Como eu li e gostei, decidi ler o "Fortaleza Digital", do mesmo autor. E que decepção! Uma história fajuta sobre criptografia e com personagens impossíveis. Matador surdo perseguindo ruídos e defesa descarada da "política de guerra preventiva"... Lamentável que tanto papel tenha sido gasto para conceber tamanha mediocridade.
[Leia outros Comentários de Everton Lodetti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Destino, Liberdade e Alma
Osho
Planeta
(2017)



Árvores e Madeiras Úteis do Brasil - Manual de Dendrologia Brasil
Carlos Toledo Rizzini
Blucher
(2019)



The Complete Sherlock Holmes Ii
Sir Arthur Conan Doyle
Barnes & Noble Classics
(2007)



Depressao Doenca: o Grande Mal do Seculo Xxi
Carlos Vieira
Vozes
(2016)



Paris Legal
Cynthia Camargo
Best Seller
(1998)



Historia dos Martyres da Liberdade
A. Esquiros
Instituto Historico
(1872)



Levementeleve
Laura Medioli
Leitura
(2010)



Cérebros e Computadores a Complementaridade Analógico Digital
Robinson Moreira Tenório
Escrituras
(1998)



Artrogripose - Minha Vida, Minha História!
Jacqueline Mendonça
Do Autor
(2012)



Um Caminho de Esperança - uma Autobiografia
Lech Walesa
Best Seller
(1987)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês