Liam | Marina Marcondes Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
Mais Recentes
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 6/11/2001
Liam
Marina Marcondes Machado

+ de 4800 Acessos

O filme "Liam" (Stephen Frears/Grã-Bretanha, 2000), em cartaz em São Paulo, se passa durante os anos 30, em Liverpool. O espectador é levado a conhecer e a se reconhecer no garoto Liam, que aparenta ter lá seus 5 anos, mas pelo que se apreende no roteiro (aulas na escola e sua primeira comunhão, por exemplo) a personagem tem entre 7 ou 8 anos de idade. A direção de ator realizada com o garoto (Anthony Borrows) é excelente; sua personagem tem um problema de fala, uma espécie de gagueira, e o garoto é extremamente convincente.

O jornal "A Folha de São Paulo" classificou o filme em seu "roteiro" como "drama romântico" (sic), seguido de duas estrelas do ponto de vista do crítico; mas, do ponto de vista do espectador, o filme mereceria quatro estrelas, também segundo a "Folha". Já a resenha do "Estadão" afirma que o filme deixa a desejar, pois, para o comentador, não haveria nada de novo em se criar a narrativa cinematográfica através do olhar da criança, e afirma que não há "densidade" no roteiro. Eu discordo. Penso que a densidade é grande, e muito comovente, porque vai-se construindo, lentamente, ao longo da narrativa, culminando no ato anti-social cometido pelo pai no final do filme, que, por ironia do destino, machucará sua própria filha.

O cinema que se utiliza da personagem criança consegue nos transportar para novos-velhos horizontes, e, a meu ver, ganha novos matizes, com cada produção realizada. É o caso do filme "Liam". Se a Psicologia infantil, que nos parece estagnada e normatizada em princípios intelectualistas e "universais", desse mais atenção ao cinema, todos (pacientes e terapeutas, alunos e professores, pais e filhos...) teriam a ganhar.

Vamos sendo capturados pelo modo de apreender o mundo de Liam, que convive com os pais, um irmão já quase adulto e uma irmã com mais ou menos14 anos de idade, além de freqüentar a escola. O pai, enfrentando as dificuldades econômicas do pós-guerra, lá pelas tantas perde o emprego e, depois de um período, cai na tentação ideológica do nazismo, movimento em ascenção. O filho mais velho é trabalhador braçal, e sua filha arranja, no decorrer da trama, um trabalho como empregada doméstica numa família judia e rica, de modo a sobreviverem. Preparando-a para o primeiro dia de trabalho, a mãe lhe diz: "Não vá lavar a latrina! Filha minha não lava latrina de outra família!" - coisa que, obviamente, acontecerá praticamente na cena seguinte. Sua adolescência também é invadida e violada por um romance adúltero que ela deve acompanhar e proteger, entre sua patroa e um amigo.

Mas não é o foco em conflitos sociais, trabalhistas ou políticos que nos concentra; inicialmente focamos nossa atenção, e afeto, apenas em Liam, mas, aos poucos, o que nos mobiliza de fato são os modos de relação entre as pessoas - adulto-criança, patrão-empregado, irmão irmã, católico-protestante... E, especialmente, a relação entre catequizador-catequizado.

Para espectadores adultos que tiveram formação católica, do tipo "convencional" ou praticante - isto é, com educação religiosa e moral voltada para a culpabilidade do confessionário - as cenas escolares de descrições do que é o inferno, e do que acontece ao pecador, são impactantes. Estava no cinema acompanhada por um amigo judeu que, depois do filme, perguntou-nos jocosamente e inúmeras vezes se realmente a formação religiosa das crianças era feita daquele modo... E penso que é de maneira metalingüística, pelo viés da culpabilidade, que o enredo se constrói - e nos supreende, inclusive, com o doloroso desdobramento final.

A densidade da experiência de assistir "Liam" está na somatória vivida pelo espectador ao se ocupar com todos os personagens, que o faz ir e vir, oscilando entre todos os pontos de vista - e, ao final, como sair do cinema?

Fazer com que o espectador se sinta próximo de sua infância e também atento às infâncias que estão sendo vividas no mundo contemporâneo, fora da tela e da sala de cinema, é um dos desdobramentos importantes para o espectador deste filme de Stephen Frears, cineasta de "Os Imorais", "Ligações Perigosas" e outros. As mulheres provavelmente sairão enxugando as lágrimas e colocando seus óculos escuros, se os possuirem - e estiverem à mão. Os homens talvez pensarão, catarticamente: "Que bom que não é aqui e agora!..." - sem se dar conta de que, o que há de mais específico e puramente pessoal, ou até mesmo infantil no filme "Liam", é o que há de mais geral e tocante: a lembrança do sentimento de infância.


Marina Marcondes Machado
São Paulo, 6/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vinicius de Julio Daio Borges
02. Humor x Desamparo de Carla Ceres
03. Os 60 de Eugenia Zerbini
04. Jackie O., editora de Eugenia Zerbini
05. A Poética do Chá de Felipe Leal


Mais Marina Marcondes Machado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA, CULTURA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
ALBERTO DE FREITAS
ELSEVIER
(2016)
R$ 56,00



VARIÁVEIS COMPLEXAS
MURRAY R. SPIEGEL
MCGRAW HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 69,00



REVISTA CAPIXABA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA - A. 6 Nº10 (681)
DIVERSOS
IFTAV/FSV
(2008)
R$ 18,00



AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O MOODLE
ANA JÚLIA VIAMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



CULTURA E DEMOCRACIA VOLUME 2
CELSO DE RUI BEISIEGEL E OUTROS
FUNARTE
(2001)
R$ 16,28



SELEÇÕES DO READERS DIGEST ABRIL DE 1954
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



SANTOS
RICARDO LUIZ DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



CABEÇA DE HUGO CHAVEZ
FLAVIO BRAGA (APRESENTAÇÃO LUIZ COSTA LIMA)
ROCCO
(2011)
R$ 10,00



O EVANGELHO DE COCO CHANEL
KAREN KARBO E CHESLEY MCLAREN
SEOMAN
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA - CURSO SUPERIOR
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1963)
R$ 5,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês