Propostas para o nosso milênio (I) | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/4/2010
Propostas para o nosso milênio (I)
Marcelo Spalding

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Um dos grandes nomes da literatura mundial no século XX foi, sem dúvida, Italo Calvino, autor de obras como Palomar, Se um viajante numa noite de inverno, As Cidades Invisíveis e o célebre e produtivo Seis propostas para o próximo milênio.

As seis propostas, também conhecidas como lições americanas, são um conjunto de seis palestras que seriam proferidas na Universidade de Harvard em 1985, mas o autor faleceu repentinamente antes de escrever a sexta conferência, sobre a consistência, e antes de proferir as palestras, que foram publicadas postumamente, em 1988. A obra é um verdadeiro inventário de propriedades/convenções que seriam valorizadas pela arte no "próximo milênio", o nosso milênio, enfocando a leveza, a rapidez, a exatidão, a visibilidade e a multiplicidade.

Particularmente, me interessa pensar as propostas em relação às novas tecnologias de comunicação, inexistentes à época, para projetar o que os artistas em geral, e os escritores em particular, poderão fazer a partir dessas ferramentas na criação de suas obras.

Comecemos pela multiplicidade, última proposta na ordem de Calvino, mas a que mais evidentemente se aproxima da World Wide Web. Partindo da obra de Carlo Emilio Gadda, Calvino procura ler o "romance contemporâneo como enciclopédia, como método de conhecimento, e principalmente como rede (grifo nosso) de conexão". Ainda analisando a obra de Gadda, o italiano dirá que "seu discurso se alarga de modo a compreender horizontes sempre mais vastos, e se pudesse desenvolver-se em todas as direções acabaria por abraçar o universo inteiro".

Tais reflexões refletem-se na obra ficcional de Calvino. O próprio autor, adiante, afirmará que "estas considerações constituem a base de minha proposta ao que chamo de hiper-romance e do qual procurei dar um exemplo com Se um viajante numa noite de inverno. Meu intuito aí foi dar a essência do romanesco concentrando-a em dez inícios de romances, que pelos meios mais diversos desenvolvem um núcleo comum que agem sobre um quadro que o determina e é determinado por ele".

Publicado em 1979, o romance narra a busca de um leitor e uma leitora por determinado livro. À medida que eles vão pegando novos livros, a história desses livros interrompe a narrativa original, mas é também ela interrompida para que a narrativa original siga. Ao final do livro teremos lido um romance completo e outros 10 começos de romances inacabados, para desespero do leitor clássico, acostumados a enredos fechados com início, meio e fim. A obra é um modelo de narração como rede de possibilidades, explorando as construções acumulativas, combinatórias, modulares e não-sequenciais.

Dentro da concepção de Calvino de romance como enciclopédia, podemos dizer que as ferramentas utilizadas pela Wikipédia seriam de grande utilidade para a criação de um romance neste ambiente, permitindo a abertura de novas descrições, conflitos e possibilidades ao longo da narrativa. No caso particular de Se um viajante..., Calvino poderia ter escrito de forma linear a história principal, do leitor e da leitora, criando entre um capítulo e outro links que permitissem ao leitor-real acessar o livro que estava na mão do leitor-personagem. Como na versão impressa, a narrativa poderia ser interrompida num momento crítico da trama, mas aí, valendo-se das ferramentas de interatividade como as utilizadas na Wikipédia, o próprio leitor-real poderia continuar aquela história ou ler sugestões de continuação de outros tantos leitores-reais do mundo todo que tivessem passado por ali. Um verdadeiro puzzle, termo citado e valorizado pelo próprio Calvino ao citar o romance La vie mode d'emploi, de George Perec.

Calvino apontará ainda para outras possibilidades narrativas a partir da ideia de rede, como "um prédio tipicamente parisiense, onde se desenrola toda a ação, um capítulo para cada quarto, cinco andares de apartamentos dos quais se enumeram os móveis e os adornos e são mencionadas as transferências de propriedade e a vida de seus moradores, bem como de seus ascendentes e descendentes".

A conferência anterior, sobre a visiblidade, também encontrará forte ressonância no nosso milênio. Primeiro porque a cultura contemporânea pelo menos desde o apogeu da televisão é uma era de imagens, com dezenas de televisões transmitindo imagens 24 horas por dia, milhares de filmes sendo produzidos pela indústria cinematográfica todo ano, milhões de fotografias sendo tiradas e compartilhadas em câmeras digitais e telefones celulares. Depois porque a World Wide Web é por natureza um ambiente gráfico e multimídia, o que a diferencia de ferramentas anteriores de hipertexto e, à medida que as velocidades de conexão aumentam, mais são vistos imagens, sons e vídeos nos sites da internet.

Tecnicamente, assim como é possível criar um site feito apenas com textos, é possível criar um site feito apenas com imagens em movimento, seja em vídeo ou em Flash. Mais do que isso, economicamente quase não há diferença entre manter um site apenas com textos ou apenas com animações, desde que se tenha conhecimento para criar o conteúdo.

Neste ponto, impõe-se a questão sobre a necessidade de protagonismo do texto num objeto que se quer literário, sob o risco de um jogo de palavras-cruzadas ou caça-palavras on-line ser chamado de ciberpoesia. E aqui, novamente, se trará como exemplo a Wikipédia.

Apesar de sua natureza multimídia, as imagens nos verbetes da enciclopédia estão sempre em função do texto, com o fim de ilustrar, esclarecer e/ou demonstrar. Vejamos o caso do verbete Brasil da versão em português: ali temos uma imagem da bandeira, do brasão, um mapa-múndi identificando a posição do Brasil, um mapa topográfico brasileiro, alguns infográficos, fotos e reproduções de pintura que ilustram os capítulos do verbete, mas sempre como acessórios ao texto, organizado de forma linear, e apontando diversos hyperlinks.

Naturalmente, é possível que exista ou que venha a existir enciclopédia baseada na imagem ou no vídeo, em que os verbetes serão representados em filmes ou em áudios, mas isso não impedirá que haja a Wikipédia e que muitos usuários prefiram a Wikipédia, prefiram o texto à imagem, a leitura à visualização, por diversas razões que não nos cabe aqui examinar, mas que também asseguram, então, um lugar para o texto ficcional mesmo num universo multimídia como a internet.

Ainda assim, voltando à citação de Calvino, não pode o escritor negar a prioridade da imagem visual de nossos dias, e será necessário que ele escolha a melhor apresentação visual para o seu texto on-line, assim como as editoras já o fazem com os livros impressos, definindo cuidadosamente capa, tipo e tamanho da fonte, investindo por vezes em páginas internas de cores diferentes etc. Não há, evidentemente, fórmula para o quanto ou como se deve usar de imagens nos textos literários. Se utilizarmos como termo de comparação os websites empresariais, há alguns extremamente limpos, com pouquíssimas imagens, como o próprio Google, e outros mais "poluídos", com diversas imagens, cores e animações, como o Portal UOL. Vale, no caso empresarial, a estratégia mercadológica da empresa. E, no caso literário, o senso estético do criador.

Sobre este aspecto, Calvino fará questão de alertar que inclui a visibilidade em sua lista de valores para advertir que "estamos correndo o perigo de perder uma faculdade humana fundamental: a capacidade de pôr em foco visões de olhos fechados, [...] de pensar por imagens".

Enfim, assim como será necessário que o escritor escolha a melhor apresentação visual para o seu texto on-line, será fundamental que não perca de vista a tradição literária e o que motiva as pessoas a procurarem literatura na internet ou nas prateleiras das bibliotecas. Não podemos perder de vista que é o mesmo internauta que, cansado do YouTube e suas imagens pré-fabricadas, rápidas e superficiais, procura a literatura on-line, assim como é o mesmo homem ou a mesma mulher que cansados da telenovela desligarão a TV para buscar na estante um bom livro.

Na próxima coluna faremos esta relação com as outras três propostas, exatidão, rapidez e leveza.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 29/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
02. A Mente dos Outros de Alexandre Soares Silva
03. Como não ser publicado de Lisandro Gaertner


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2010
01. O hiperconto e a literatura digital - 8/4/2010
02. A quem interessa uma sociedade alienada? - 2/9/2010
03. Free: o futuro dos preços é ser grátis - 11/11/2010
04. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg - 27/5/2010
05. O espiritismo e a novela da Globo - 30/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2010
04h26min
O importante num homem é todo o corpo, pensamento e alma. O corpo físico um dia vira pó, o pensamento eterniza, e alma é coisa deste e de outro mundo, nem religioso ou físico matemático sabem convergir suas explicações. Italo se instalou na prosperidade, embora esteja vivendo ou poeirando numa outra dimensão.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RUMPELSTICHEN
CEDIC
CEDIC
(2013)
R$ 9,42



EXAME CRIMINOLÓGICO
LUCIANE NEITZEL FRIEDRICH
LUMEN JURIS
(2016)
R$ 60,00



PODER LEGISLATIVO DE DIVINÓPOLIS: 1912 - 2002
MAURO CORGOZINHO RAPOSO; MERCEMIRO SILVA (ORG
GRÁFICA EXPRESS (DIVINÓPOLIS)
(2002)
R$ 34,28



LUNATICOS, AMANTES Y POETAS - EL TEATRO EXPERIMENTAL CONTEMPORANEO
MARGARET CROYDEN
EDICIONES LAS PARALELAS
(1977)
R$ 50,00



CENTRO DE EXCELÊNCIA SIM DEPARTAMENTO NÃO
TOM PETERS
CAMPUS
(2000)
R$ 5,00



OURO EM PÓ
EUGENE COSTELLO
LANDSCAPE
(2004)
R$ 5,00



CURSO DE ALIMENTAÇÃO E TERAPÊUTICA NATURISTAS
ROGERIO R. MALTA
GERMINAL
R$ 9,28



PRATICAMENTE INOFENSIVA - O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS
DOUGLAS ADAMS
SEXTANTE
(2010)
R$ 20,00



ENGLISH. ERROS COMUNS
VÁRIOS AUTORES
BARROS FISCHER & ASSOCIADOS
(2012)
R$ 18,50



CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO RODOVIARIA
CONSELHO NACIONAL DE PESQUISAS
DO AUTOR
(1959)
R$ 69,02





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês