Pra que ler jornal de papel? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54332 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um tweet que virou charge
>>> Lugar de mulher é...
>>> 27 de Março #digestivo10anos
>>> Remix Narrativo
>>> Asia de volta ao mapa
>>> A Era do Gelo
>>> As cartas de Dostoiévski
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> 9 de Abril #digestivo10anos
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> More - Os Pensadores de Thomas More pela Nova Cultural (2004)
>>> Aprendendo coreano (segundo tradução do Google) de Diversos AutoresKo pela Korean (1994)
>>> Bons Fluidos 23 - Abril 2001 - Dia de Festa: celebrar aniversários de Alda Palma pela Abril (2001)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Harlan Coben (1990)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Jogos de Cintura de Fernanda de M. S. Macruz e Outros Autores pela Vozes (2000)
>>> Direito Penal - Parte Geral Esquematizado - Volume 1 de Cleber Masson pela Método (2020)
>>> O teatro dos vícios. Transgressão e transigência na sociedade urbana colonial de Emanuel Araújo pela José Olympio (1993)
>>> Mulheres Inteligentes Jogam Para Ganhar de Ivanka Trump pela Lua de Papel (2010)
>>> O Fascínio do Stress de Rodrigo Pires do Rio pela Del Rey (1995)
>>> A história da família de James Casey pela Ática (1992)
>>> O Sucesso Não Ocorre Por Acaso de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> De Onde vêm os Bebês de Andrew C. Andry e Steven Schepp pela José Olympio (2013)
>>> Água Mole Em Pedra Dura Tanto Bate Até Que... de Clóvis Tavares pela Gente (2001)
>>> seu Rubens - Histórias do Binho da Barra Funda e do Rubão de Maresia de José Rubens de Cenço pela Primavera (2010)
>>> ... e o Amor Continua de Francisco Candido Xavier / Divaldo Pereira Franco pela Livraria Espirita Alvorada (1983)
>>> ... quando Florescem os Ipês. de Ganymédes José pela Brasiliense (1984)
>>> ... Quando Florescem os Ipês. de Ganymédes José pela Brasiliense (1981)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1987)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1984)
>>> ...E Se Falta a Palavra, Qual Comunicação, Qual Linguagem? de Tania Maria Tupy / Don Giancarlo Pravettoni (orgs) pela Menmon (1999)
>>> ...Homem Novo - Tomo 1/ Vol. 2 de Escola de Aprendizes do Evangelho pela Feesp (1981)
>>> ...Longe da Terra - 4ª Ed. de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1969)
>>> ´novo´ Paisagens do Brasil de Instituto Brasileiro de Geografia pela Fundacao Ibge: Rio de Janeiro (1972)
>>> 0 de Nelly Martins Ferreira Candeias pela Escrituras (2013)
>>> 10 Conselhos para Quem Tem uma Chefe Mulher de Gabrielle Rolland pela Scipione (1994)
>>> 10 Mandamentos para Fracassar nos Negócios de Donald R. Keough pela Sextante (2010)
>>> 10 Razões para Ser Espírita de José Carlos Leal pela Novo Ser (2014)
>>> 100 Anos da Doença de Alzheimer de Paulo Caramelli / Angela H. Viel pela Segmento Farma (2006)
>>> 100 Anos de Amor de Francisco Candido Xavier / Autores Diversos pela Grupo Espírita da Prece de Fr (2010)
>>> 100 Anos de Amor - Homenagem a Chico Xavier de Grupo de Ideal Espírita André Luiz pela Ideal (2010)
>>> 100 Anos de Amor - Homenagem a Chico Xavier de Grupo de Ideal Espírita André Luiz pela Ideal (2010)
>>> 100 Coisas de Fernando Bonassi pela Angra (2000)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas Escolhidas de Rubem Braga pela José Olympio (1958)
>>> 100 Jogos de Bolso - Número 1 de Autor Girassol pela Girassol
>>> 100 Piores Ideias da História de Michael N. Smith / Eric Kasum pela Valentina (2016)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 1000 Erros de Português da Atualidade de Luiz Antonio Sacconi pela Nossa (1990)
>>> 1000 Perguntas: Direito do Menor de Alyrio Cavallieri pela Rio (1983)
>>> 101 Bichanos - por Amor aos Gatos de Rachael Hale pela Alles Trade (2005)
>>> 101 Segredos dos Casais Felizes de Anna Saslow pela Original (2003)
>>> 108 Jogos para Jardim de Infância de Ethel Bauzer Medeiros / Edvete R. da Cruz Machado pela Agir (1960)
>>> 12 Postais D Iracema de Sérgio Pinheiro pela Fundação Demócrito Rocha
>>> 123 Atitudes Positivas Em Vendas de Robert F. Taylor pela Nobel (1991)
COLUNAS

Terça-feira, 18/5/2010
Pra que ler jornal de papel?
Duanne Ribeiro

+ de 8700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

As pessoas em geral parecem pensar uma só coisa a respeito dos jornais de papel (penso em O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e semelhantes): eles seriam excessivos. Isso se traduz de muitas formas: ou o jornal é parcialmente ou totalmente desnecessário (porque o leitor se informa por outros meios) ou ele é pesado demais ― à ideia de ler um Estadão completo ocorre ao leitor o mesmo cansaço que lhe viria se de súbito tivesse de subir a pé uma ladeira íngreme e interminável. Esse último leitor sente o que sente porque pensa que necessita ler o jornal da primeira à última folha, por alguma espécie de obrigação. Eu acredito que todas essas opiniões são verdadeiras. As notícias, é evidente para todos, estão em quaisquer outros lugares. E, de fato, só ver a pilha de papel já cansa. Mas há pelo menos duas utilidades que só se terá levando a cabo alguns jornalões.

Antes de falar disso, vamos ver essa ideia de excessividade de perto. O Estado e a Folha tentam abranger todos os assuntos de modo a vender para todos os públicos, mas boa parte das pessoas é absorvida pelas mídias especializadas e não sente necessidade desses jornais. O cotidiano (cidades, polícia, Brasil, política) é distribuído regularmente por rádios e televisões, e a maior parcela do público não entende que haja qualquer coisa de específico no produto impresso, e, mesmo quando sente precisão de análises e discussão, pode ser tomado pelas revistas semanais ou por programas de discussão e talk shows. Outra imensa parte se informa pela internet, prefere descobrir o que lhe interesse por redes sociais, interagindo; ou quer uma informação mais individualizada, pessoal, próxima: os blogs. É possível desconstruir qualquer jornalão e chegar à conclusão de que ele não precisa existir.

Quando aparelhos como o Kindle se popularizarem, isso será uma evidência ainda maior. Adicione uma conexão à internet e não será necessário nem a compilação em uma "edição", só o site. Desse tipo de conclusão é que se extraem os prognósticos de "fim dos jornais" (sobre isso leia este artigo e mais este). Também me parece que é por isso que a mais recente reforma do Estadão tentou torná-lo mais interativo e decretou que cada editoria é um lugar de sociabilização, uma rede que uniria os interessados em torno de cada tema. Assim como um dos motivos para o Guardian contratar blogueiros de todo o mundo, sem necessidade de curso de jornalismo. Por outro lado, a eventual conveniência, a fidelidade e o respeito ao nome de algumas publicações ainda garantem a venda de muito papel. Principalmente, é preciso "não confundir o fim dos jornais com o fim do jornalismo".

Sempre haverá a necessidade de informação e de quem informe. E existe também uma certa crença de que precisamos ou (em alguns casos) temos a obrigação de nos informar. Isso é mais comum do que parece à primeira vista: posso apostar que qualquer conhecido seu dirá que é correto assistir ao Jornal Nacional, justificando com alguma variante de "precisamos saber o que está acontecendo", mesmo que se termine o programa sabendo apenas de tragédias, mortes e falcatruas repetidas. Ou, em outro contexto, como em um relato de Julio Daio Borges: "quanto mais eu me aproximo da informação que realmente me interessa, menos tranquilidade eu alcanço, mais inquietação esse exercício me proporciona" (esse texto tem um interesse particular porque amplia este artigo: relembra o excessivo na internet). Qual é o sentimento que leva a isso? Uma espécie de senso de dever? A constatação de que se está perdendo muito, "há tanto, tanto a descobrir!"...?

Para mim, e especificamente quanto aos jornais de papel, me senti, digamos, obrigado a ler a Folha ou o Estado quando estudante de jornalismo, por obviedade da condição e por conselho contínuo dos professores. É minha experiência como assinante dos dois que me sugere aquelas duas utilidades para o jornal de papel lá do primeiro parágrafo. Desde o começo, minha proposta para mim mesmo era a tortura voluntária: leria todas as editorias e quase todo o jornal, retirando-se as notícias burocráticas, pouco interessantes ou sem muita novidade no curso de um assunto. Havia uma tentativa de abranger o máximo possível, de modo que mesmo que as pilhas se acumulassem, não eram jogadas fora de pronto, e sim lidas de uma só vez na ocasião propícia. Aprendi muito com isso. Passei a não incorrer mais nas opiniões imediatas que as pessoas têm logo depois de uma matéria de TV, e, com o tempo, subir aquela ladeira feroz não me era mais doloroso. Uma das dificuldades dos jornais é que há uma série de acontecimentos em curso, e quem tenta entrar é meio que repelido. Com a leitura, acabamos sabendo precedentes e perspectivas, e tudo flui de forma mais natural, de política aos esportes.

Há certo prazer em encher a cabeça de informação. E com esse prazer e aquela rotina de leitura, percebi duas características do jornal de papel que a internet não podia me proporcionar a priori, pela sua própria constituição. Em primeiro lugar, o jornal me sugere um percurso. Realiza uma seleção, dispõe discussões relativas ao tema, agrupa as matérias de forma que eu as visualize todas com o virar das páginas. Navegando na Folha Online, eu teria de passar de link relacionado a link anunciado, mas nada ali me diz que aquilo faz parte de um todo, só me diz que foi acumulado no mesmo lugar. A internet não é um percurso. É o mar aberto. Essa é uma das utilidades que vi nos jornalões: me manter em um rumo ― e isso não quer dizer que eu confie totalmente na informação ou não vá ler de outras fontes; mas é um rumo. Nessa sugestão de caminho, encontramos a segunda utilidade: ao longo das editorias, sou apresentado a assuntos que eu não procuraria virtualmente, e, por isso, nunca saberia deles. Esportes, temas femininos, construção, design ― não procuraria nada no Google sobre eles; mas ali no jornal estava uma matéria e por acaso eu aprendi. A internet é como o mar de certo conto de Poe: te drena em uma espiral e te afunda. No fim das contas, ela te dá mais e mais de você mesmo, seguidamente.

Talvez tudo isso seja só uma justificativa que encontrei para me ater aos jornais, uma argumentação corporativa ― afinal, eu estava me formando em jornalismo e era onde eu queria trabalhar. De qualquer modo, me parecem bem verdadeiras, essas duas utilidades. Talvez, além de sociabilizar editorias, um dos caminhos para as mídias que querem abranger todos os assuntos seja criar seleções de matérias, percursos possíveis além dos vínculos relacionados. Como os dossiês da Cult, mas onipresentes. E também, quem sabe, uma função como a do Stumble Upon, que nos envia aleatoriamente a coisas interessantes. Ou outras ideias. Que acham?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 18/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
04. Como treinar um ser humano de Daniel Bushatsky
05. Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs de Marcelo Spalding


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/5/2010
02h50min
Na internet geralmente o espaço é pequeno, pois a informação é rápida, é tudo muito solto. Até podemos entender muita coisa, mas isso exige de nós uma boa bagagem cultural de informações.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/5/2010
10h50min
Concordo com o comentário acima, a informação pela internet costuma ser menor que a do jornal, muitas das vezes superficial também. Sem falar nessa ausência de rumo, que gera autodirecionamento do leitor a seus interesses específicos, fazendo-o ignorar assuntos diversos que poderiam acrescentar em seu dia a dia. No entanto, creio que esse acréscimo pode levar o indivíduo a uma superdosagem de informações e perda considerável de tempo. E eu não acredito no fim do jornal, pelo menos não no Brasil, por 40, 50 anos ou mais.
[Leia outros Comentários de Nilton Mendonça]
22/5/2010
13h13min
No alvo. O ponto é que as mídias servem para coisas diferentes. Ler só a superfície do que acontece é surfar. E nem sempre é o suficiente. Outro ponto interessante: as reformas gráficas de todos os tempos, em todos os jornais famosos, tiveram como argumento a melhoria na interação com o leitor. Sempre.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
24/5/2010
13h02min
Impresso x Digital é um assunto que tomará seu próprio rumo, independente de opiniões, mas que poderia ter algum resultado em ações. Os principais tópicos ainda serão os jornais, revistas e livros, neste primeiro momento, mas as artes também se iniciaram neste movimento até um pouco antes, e estes resultados todos já podem perceber, visto que a área de investimento nas artes está caindo, galerias fechando e a arte de reproduções, da decoração e da escolha do cliente pelo que ele gosta e pode pagar aumentou consideravelmente. É só uma questão de tempo... Alguns como eu foram radicais na pintura, abandonando completamente a técnica tradicional para investir em novas tecnologias, na nova ferramenta, o computador. A arte digital, agora já valorizada pelo alcance da tecnologia na área pictórica, acadêmica ou clássica, foi criticada quando deu seus primeiros passos. Os jornais deverão decidir por suas pesquisas, então, olhar para este o público que está chegando, pois nós senis já estamos partindo...
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
7/6/2010
08h58min
E além de tudo isso, jornal em papel serve para embrulhar peixe. Ninguém me conte que os peixeiros deixaram de usar jornal!
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO ESCOLAR - INGLÊS PORTUGUÊS - PORTUGUÊS INGLÊS
EDITORA MARTINS FONTES
MARTINS FONTES
(2005)
R$ 18,75



A MÁQUINA DE LAMA
ROBERTO SAVIANO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 20,00



EU SOU A FONTE DA CONSCIÊNCIA CÓSMICA
RODRIGO ROMO
MADRAS
(1999)
R$ 220,00



BRINCANDO COM O PERIGO
LAÍS CARR RIBEIRO
MODERNA
(1994)
R$ 16,50



O JORNAL DE ONTEM
HENRIQUE NICOLINI
PH
(2006)
R$ 12,00



SYMPOSIUMCIBA TOMO 11 Nª 2
CIBA
CIBA
(1963)
R$ 11,22



OS KAMA SUTRA DE VATSYAYANA
TRADUÇAO DE MARCOS SANTARRITA
BRASILIA
(1974)
R$ 20,00



MERCADO DE CAPITAIS
LAMEIRA
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2003)
R$ 199,00



UM DOMINGO PARA SEMPRE
SÉBASTIEN JAPRISOT
RELUME DUMARÁ
(2005)
R$ 5,00



O JOGO DA TRANSIÇÃO
MARIÁ GIULIESE
ÉVORA
(2011)
R$ 39,00





busca | avançada
54332 visitas/dia
2,0 milhões/mês