A decadência do herói | André Graciotti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 25/1/2011
A decadência do herói
André Graciotti

+ de 3800 Acessos

Ao rever recentemente o primeiro Rambo ― Programado para matar (First Blood, de 1982), supreendi-me não apenas por constatar que é um ótimo filme, que nada tem a ver com a imagem que as continuações geraram (e que corromperam o imaginário infantil de quem era criança na época), mas principalmente por ver em Rambo o mesmo heroísmo decadente que tanto fascina as plateias do cinema americano contemporâneo.

Rambo é um ex-militar das Forças Especiais americanas que lutou na Guerra do Vietnã, incapaz de achar seu lugar no mundo pós-guerra. A derrota do Vietnã não foi apenas para a nação americana, mas também para o indivíduo militar que voltou para seu país com o estigma de fracassado: não consegue arranjar emprego e, sem família e sem amigos, só lhe resta vagar solitário pela cidade em busca de um objetivo. Tal postura incomoda as autoridades, que o veem como um andarilho vagabundo (um "drifter", como o policial o chama no começo do filme). O desdém das autoridades desperta dores reprimidas e o trauma da guerra. John Rambo volta a se tornar uma figura selvagem, com instintos de guerra intactos e se vê numa guerra particular enquanto é caçado pela polícia, mesmo que tudo se origine claramente de um mal-entendido devido à incompetência das autoridades e ele seja, para todos os efeitos, inocente. Tanto que, no final, há seu patético choro implorando por uma redenção impossível.

Nesse aspecto, First Blood se assemelha a filmes do final dos anos 70 que exploravam uma América traumatizada pela guerra, com indivíduos deslocados de seu habitat natural e incapazes de se adequar às mudanças de sua nação, como Taxi Driver (1976) e Apocalypse Now (1979). Nesse primeiro Rambo, não há os caricatos inimigos estrangeiros, o machismo, o "heroísmo burro", o culto à masculinização da figura heróica e o regresso ao Vietnã como "acerto de contas ideológico" das produções seguintes. O Vietnã aqui é apenas uma cicatriz da qual o personagem jamais poderá se livrar. Curiosamente, ao contrário da imagem que as três sequências propagaram na cultura, Rambo não mata ninguém no primeiro filme (o final original ― disponível no YouTube ― era fiel ao livro, e ele cometia suicídio diante do coronel Trautman).

A temática do herói desterritorializado e angustiado por estar à margem de uma sociedade da qual ele não mais faz parte remete a dois filmes recentes: Batman ― O cavaleiro das trevas (The Dark Knight, 2008) e O Lutador (The Wrestler, 2008). O primeiro traz o conhecido super-herói descaracterizado de sua postura intimidadora, heróica e inabalável. Batman aqui é colocado ao posto de coadjuvante, sem casa, sem terra, sem apegos emotivos (seu único interesse amoroso morre), de moral duvidosa e aliado a corruptos da polícia. Sua dependência da tecnologia, da fortuna e do sistema o levam à vulnerabilidade e ao próprio questionamento de sua condição de "salvador" a partir do momento em que a corrupção e valores vis já estão inerentes em todas os sistemas e camadas do tecido social. Por isso, o Coringa é o grande protagonista, não só pela boa construção do personagem, mas porque ele é o único que age por princípios próprios ― que, por si só, já o tornam admirável, sejam eles reprováveis ou não ―, livre das amarras sociais e governamentais. Em sua postura assumidamente niilista, ausente de sentido e razão, Coringa é o verdadeiro super-homem de Nietzsche. Ele é aquele que tudo pode, por seguir unicamente seus próprios ideais, tomado pela ilimitada vontade de poder. Batman é jogado para segundo plano, sempre submisso à ordem e à burocracia do controle social e dos códigos morais. Não por acaso, ele nunca está no controle da situação por muito tempo. Mesmo após a derrota dos "vilões", só lhe resta a fuga para o lugar nenhum.

Em O Lutador a crise de identidade é ainda maior. O personagem de Randy "The Ram" (alcunha típica de super-herói) é deslocado não apenas no espaço, mas também no tempo. Sua época passou, como tudo ao redor de sua vida. Ele vive no marasmo da rotina, quando o mundo parece ter se transformado num piscar de olhos. Sem um lar, sem o amor da filha (ou sequer de qualquer ser humano que lhe desperte algum afeto ― e por isso a dançarina stripper acaba cumprindo um papel essencial ― e visivelmente estragado fisicamente, o apego nostálgico a uma época que não mais existe é tudo o que lhe resta. Os clubes de luta livre (espetáculos ironicamente falsos) são o seu próprio túnel do tempo, onde ainda é querido por seus amigos e pelo público. A decadência física ou a própria morte é um preço que ele está disposto a pagar para manter vivo o seu personagem "The Ram".

The Dark Knight e O Lutador, em devidas proporções, são simbólicos se interpretarmos como representações das inseguranças do homem moderno diante das mudanças de um mundo que parece, cada vez mais, fugir de seu controle e entendimento. Com as rápidas transformações dos hábitos sociais, especialmente com a disseminação da tecnologia no cotidiano ― que, dentre seus efeitos, borram a noção temporal do sujeito ―, o lar (casa, família, vida social) do homem moderno se desconfigura como um lugar de conforto, controle e repouso, tornando-se também um lugar de insegurança e dúvidas existenciais. Não por acaso torna-se cada vez mais fascinante ver este aspecto ilustrado nos filmes, principalmente quando nas figuras dos super-heróis (a maioria, até então, não passava de representações políticas de ideais americanos).

A ideia de um herói sem lar e deslocado de um suposto habitat pode ser "novidade" em comparação com os filmes hollywoodianos das últimas décadas (as décadas de 1980 e 1990, principalmente, foram dominadas pelos heróis anabolizados que tinham habilidades especiais e sempre triunfavam no final), mas já vem de tempos. Todos os super-heróis que consigo lembrar têm alguma problemática com o lar ou com a família (Super-Homem vem de outro planeta e foi adotado; Batman mora numa caverna e perdeu os pais; Homem-Aranha tem apenas os tios como família e mora num flat de improviso e Wolverine sequer sabia de sua origem).

Uma explicação para essa característica pode vir de um outro filme: Rastros de Ódio (The Searchers, 1956), de John Ford. Aqui, John Wayne faz a típica figura de caubói que o eternizou, encarnando o herói que parte na jornada para resgatar a sobrinha raptada por índios. Mas a cena mais emblemática está na sua tomada final: quando todos voltam para casa, felizes e triunfantes, John Wayne se recusa a partilhar do mesmo conforto. A câmera se coloca no ambiente interior da casa ― escurecido pelo contra-luz do exterior ― capturando a entrada de todos de volta ao lar. Wayne mantém-se por alguns segundos parado na fachada da casa enquanto os observa, até dar meia volta e voltar para o amplo deserto sob o sol escaldante, para a terra selvagem, o "não-lugar" ao qual ele realmente pertence.

A recusa e o desapego pelo comodismo do lar é a essência do herói. Altruísmo é uma virtude da qual devemos estar aptos a abrir mão de tudo o que é "nosso". Se para o homem comum essa é uma escolha eventual, sempre passível de julgamento, para o herói essa deve ser uma característica intrínseca, o seu primeiro superpoder. O apego a coisas mundanas e sentimentais significam sua ruína, e Hollywood tem explorado isso muito bem como nos citados filmes recentes (e com o sucesso de The Dark Knight podemos esperar mais uma leva de filmes de super-heróis melancólicos, derrotados e de tom sombrio. O que é um bom sinal, já que exigirá mais criatividade e menos fórmulas prontas dos roteiristas).

O que faz com que o novo público dos cinemas blockbusters se identifique com os heróis decadentes será sempre uma questão complexa, discutível e que envolve outros aspectos sociais e talvez até antropológicos, mas o que importa nessa virada na representação dos heróis e nas mudanças de demanda do público no cinema de entretenimento continua sempre o mesmo: que traga sempre bons filmes.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog outernative.


André Graciotti
São Paulo, 25/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa de Marcelo Miranda
02. As lanternas da crítica de Bruno Garschagen
03. Amantes púberes de Bruno Garschagen


Mais André Graciotti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUANDO CHEGA A HORA
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIENCIA
(1999)
R$ 10,00



OS NAVAJOS E O PROCESSO SIMBÓLICO DA CURA
DONALD SANDNER
SUMMUS EDITORIAL
(1997)
R$ 60,00



HEADHUNTER OS BASTIDORES DO MUNDO CORPORATIVO
FELIPE ASSUMPÇÃO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 7,00



RIO CARNIVAL FANTASTIC
ALAIN DRAEGER (CAPA DURA)
YVON RECORD
R$ 32,82



COMUNICAÇÃO AVANÇADA
LUIZ VILLALBA
MADRAS
(2001)
R$ 12,00



O EMPREGO DO ESTRÔNCIO 90 NAS AFECÇÕES OFTALMOLÓGICAS
RUBENS I. SETTI
ARQUIVOS BRAS DE OFTALMOLOGIA
(1965)
R$ 15,77



INTERNET AND TEEN LANGUAGE
CINTIA CAVALCANTI DA COSTA
DISAL
(2007)
R$ 16,97



TRAITÉ DACUPUNCTURE AURICULAIRE
ANDRÉ GROBGLAS;JACQUES LÉVY
PUBLI REAL
(1975)
R$ 250,00



BATMAN: JOGOS DE GUERRA PARTE 5 VOL. 36
DC COMICS
PANINI
(2005)
R$ 10,00



É ASSIM QUE EU SOU
PIERRE WINTERS
BRINQUE-BOOK
R$ 37,08





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês