A decadência do herói | André Graciotti | Digestivo Cultural

busca | avançada
22305 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> A Cor
>>> Ana Medeiros e Hiroshi Nishiyama levam o butoh segundo Yoshito Ohno para São Paulo
>>> As Irmãs Siamesas estreia com direção do francês Sébastien Brottet-Michel
>>> Universidade do Livro promove oficina de edição de tradução literária
>>> Conexão Berlim-Brasília chega em sua reta final
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
>>> O mundo era mais aberto, mãe...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
>>> Público, massa e multidão
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Tchekhov, o cirurgião da alma
>>> Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:>
>>> Internet em 2005
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Amizade (1)
Mais Recentes
>>> Como se fosse dinheiro de Ruth Rocha pela FTD (2004)
>>> Bidu Caminhos de Eduardo Damasceno - Luis Felipe Garrocho pela Mauricio de Sousa (2014)
>>> Ali Babá e os Quarenta Ladrões de Tradução de Maria Aparecida dos Santos pela Visor (2002)
>>> Ali Babá e os Quarenta Ladrões de Tradução de Maria Aparecida dos Santos pela Visor (2002)
>>> Convivendo com o pecado: na sociedade colonial paulista (1719-1822) de Eliana Maria Rea Goldschmidt pela Annablume (1998)
>>> De Carta em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2010)
>>> A Colcha de Retalhos de Conceil Corrêa da Silva - Nye Ribeiro Silva pela Brasil (2009)
>>> Gente, Bicho, Planta: O mundo me encanta de Ana Maria Machado pela Global (2012)
>>> O Sanduíche da Maricota de Avelino Guedes pela Moderna (2013)
>>> Um Homem, um Menino e um Burro de Jennifer Burrows pela Girassol (2012)
>>> Bat Pat - O tesouro do cemitério de Roberto Pavanello pela Fundamento (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Julio Verne - Walcyr Carrasco pela FTD (2007)
>>> Com a Ponta dos dedos e os olhos do coração de Leila Rentroia Jannone pela Brasil (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2017)
>>> Minimanual Compacto de Gramática da língua portuguesa: teoria e prática de Maria Cecília Garcia pela Rideel (2000)
>>> Um amor grande demais de Yolanda Reyes pela FTD (1999)
>>> Laís, a Fofinha de Walcyr Carrasco pela Ática (2014)
>>> Zac Power - Codigo Vermelho de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Zac Power - Alto Risco de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> Zac Power - Treinamento Radical de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Encontro Desencontro & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente (1996)
>>> História do Brasil de Eduardo Bueno pela Zero Hora
>>> Os Irmãos Leme de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> Enciclopédia do Charadista - Vol. 2 de Sylvio Alves pela Livraria Tupã
>>> Zac Power - Viagem `A Lua de De H. I. Larry pela Fundamento (2011)
>>> Zac Power - Aguas Profundas de De H. I. Larry pela Fundamento (2008)
>>> Zac Power - Invasão Noturna de De H. I. Larry pela Fundamento (2008)
>>> Zac Power - Aventura no espaço de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> Zac Power - O Golpe Fatal de Zac de De H. I. Larry pela Fundamento (2011)
>>> Zac Power - O Ataque de Tubarão de Zac de De H. I. Larry pela Fundamento (2010)
>>> Zac Power - Sucesso de Cinema de De H. I. Larry pela Fundamento (2009)
>>> O peregrino e a historia de a peregrina de John bunyan pela Literatura monte siao (2012)
>>> A Vida Inquieta e Gloriosa de Victor Hugo de Jaime Brasil pela Portugália (1965)
>>> A Vida Inquieta e Gloriosa de Victor Hugo de Jaime Brasil pela Portugália (1965)
>>> L'isola Misteriosa de Giulio Verne pela Sonzogno (1912)
>>> Macário - Noite na taverna de Álvares de Azevedo pela Globo (2006)
>>> Novos poemas para rezar de Michel quoist pela Edições Paulista (1995)
>>> Ame dormante de Jean e de coulomb pela Librairie bleriot (1918)
>>> Caderneta de campo de Lélis Espartel / João Lüderitz pela Globo (1979)
>>> A Bruxinha Domitila e o robô super - tudo de Edson Gabriel Garcia pela Brasil (2014)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas - Heloisa Prieto pela FTD (2014)
>>> As injustiças de Clio de Clóvis Moura pela Oficina de Livros (1990)
>>> As Aventuras de Simão e Bartolomeu - uma viagem especial de Cesar Cavezagna pela Globo (2008)
>>> Dissertação Sobre o Direito de Caçoar + Carta a Salvador do Couto de Filippe Alberto Patroni Martins Maciel Parente pela Loyola (1992)
>>> Deixei o Pum escapar de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Schwarcz S.A (2013)
>>> Nietzsche em Turim de Lesley Chamberlain pela Difel (2000)
>>> Tampinha Tira Os Óculos de Mariana Caltabiano pela Scipione (2004)
>>> Quem me Dera de Ana Maria Machado pela Ática (2014)
>>> O Brasil passado a sujo. Contos de Aldir Blanc pela Geração (1993)
>>> Viva Zen de Monja Coen pela Publifolha (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 25/1/2011
A decadência do herói
André Graciotti

+ de 3600 Acessos

Ao rever recentemente o primeiro Rambo ― Programado para matar (First Blood, de 1982), supreendi-me não apenas por constatar que é um ótimo filme, que nada tem a ver com a imagem que as continuações geraram (e que corromperam o imaginário infantil de quem era criança na época), mas principalmente por ver em Rambo o mesmo heroísmo decadente que tanto fascina as plateias do cinema americano contemporâneo.

Rambo é um ex-militar das Forças Especiais americanas que lutou na Guerra do Vietnã, incapaz de achar seu lugar no mundo pós-guerra. A derrota do Vietnã não foi apenas para a nação americana, mas também para o indivíduo militar que voltou para seu país com o estigma de fracassado: não consegue arranjar emprego e, sem família e sem amigos, só lhe resta vagar solitário pela cidade em busca de um objetivo. Tal postura incomoda as autoridades, que o veem como um andarilho vagabundo (um "drifter", como o policial o chama no começo do filme). O desdém das autoridades desperta dores reprimidas e o trauma da guerra. John Rambo volta a se tornar uma figura selvagem, com instintos de guerra intactos e se vê numa guerra particular enquanto é caçado pela polícia, mesmo que tudo se origine claramente de um mal-entendido devido à incompetência das autoridades e ele seja, para todos os efeitos, inocente. Tanto que, no final, há seu patético choro implorando por uma redenção impossível.

Nesse aspecto, First Blood se assemelha a filmes do final dos anos 70 que exploravam uma América traumatizada pela guerra, com indivíduos deslocados de seu habitat natural e incapazes de se adequar às mudanças de sua nação, como Taxi Driver (1976) e Apocalypse Now (1979). Nesse primeiro Rambo, não há os caricatos inimigos estrangeiros, o machismo, o "heroísmo burro", o culto à masculinização da figura heróica e o regresso ao Vietnã como "acerto de contas ideológico" das produções seguintes. O Vietnã aqui é apenas uma cicatriz da qual o personagem jamais poderá se livrar. Curiosamente, ao contrário da imagem que as três sequências propagaram na cultura, Rambo não mata ninguém no primeiro filme (o final original ― disponível no YouTube ― era fiel ao livro, e ele cometia suicídio diante do coronel Trautman).

A temática do herói desterritorializado e angustiado por estar à margem de uma sociedade da qual ele não mais faz parte remete a dois filmes recentes: Batman ― O cavaleiro das trevas (The Dark Knight, 2008) e O Lutador (The Wrestler, 2008). O primeiro traz o conhecido super-herói descaracterizado de sua postura intimidadora, heróica e inabalável. Batman aqui é colocado ao posto de coadjuvante, sem casa, sem terra, sem apegos emotivos (seu único interesse amoroso morre), de moral duvidosa e aliado a corruptos da polícia. Sua dependência da tecnologia, da fortuna e do sistema o levam à vulnerabilidade e ao próprio questionamento de sua condição de "salvador" a partir do momento em que a corrupção e valores vis já estão inerentes em todas os sistemas e camadas do tecido social. Por isso, o Coringa é o grande protagonista, não só pela boa construção do personagem, mas porque ele é o único que age por princípios próprios ― que, por si só, já o tornam admirável, sejam eles reprováveis ou não ―, livre das amarras sociais e governamentais. Em sua postura assumidamente niilista, ausente de sentido e razão, Coringa é o verdadeiro super-homem de Nietzsche. Ele é aquele que tudo pode, por seguir unicamente seus próprios ideais, tomado pela ilimitada vontade de poder. Batman é jogado para segundo plano, sempre submisso à ordem e à burocracia do controle social e dos códigos morais. Não por acaso, ele nunca está no controle da situação por muito tempo. Mesmo após a derrota dos "vilões", só lhe resta a fuga para o lugar nenhum.

Em O Lutador a crise de identidade é ainda maior. O personagem de Randy "The Ram" (alcunha típica de super-herói) é deslocado não apenas no espaço, mas também no tempo. Sua época passou, como tudo ao redor de sua vida. Ele vive no marasmo da rotina, quando o mundo parece ter se transformado num piscar de olhos. Sem um lar, sem o amor da filha (ou sequer de qualquer ser humano que lhe desperte algum afeto ― e por isso a dançarina stripper acaba cumprindo um papel essencial ― e visivelmente estragado fisicamente, o apego nostálgico a uma época que não mais existe é tudo o que lhe resta. Os clubes de luta livre (espetáculos ironicamente falsos) são o seu próprio túnel do tempo, onde ainda é querido por seus amigos e pelo público. A decadência física ou a própria morte é um preço que ele está disposto a pagar para manter vivo o seu personagem "The Ram".

The Dark Knight e O Lutador, em devidas proporções, são simbólicos se interpretarmos como representações das inseguranças do homem moderno diante das mudanças de um mundo que parece, cada vez mais, fugir de seu controle e entendimento. Com as rápidas transformações dos hábitos sociais, especialmente com a disseminação da tecnologia no cotidiano ― que, dentre seus efeitos, borram a noção temporal do sujeito ―, o lar (casa, família, vida social) do homem moderno se desconfigura como um lugar de conforto, controle e repouso, tornando-se também um lugar de insegurança e dúvidas existenciais. Não por acaso torna-se cada vez mais fascinante ver este aspecto ilustrado nos filmes, principalmente quando nas figuras dos super-heróis (a maioria, até então, não passava de representações políticas de ideais americanos).

A ideia de um herói sem lar e deslocado de um suposto habitat pode ser "novidade" em comparação com os filmes hollywoodianos das últimas décadas (as décadas de 1980 e 1990, principalmente, foram dominadas pelos heróis anabolizados que tinham habilidades especiais e sempre triunfavam no final), mas já vem de tempos. Todos os super-heróis que consigo lembrar têm alguma problemática com o lar ou com a família (Super-Homem vem de outro planeta e foi adotado; Batman mora numa caverna e perdeu os pais; Homem-Aranha tem apenas os tios como família e mora num flat de improviso e Wolverine sequer sabia de sua origem).

Uma explicação para essa característica pode vir de um outro filme: Rastros de Ódio (The Searchers, 1956), de John Ford. Aqui, John Wayne faz a típica figura de caubói que o eternizou, encarnando o herói que parte na jornada para resgatar a sobrinha raptada por índios. Mas a cena mais emblemática está na sua tomada final: quando todos voltam para casa, felizes e triunfantes, John Wayne se recusa a partilhar do mesmo conforto. A câmera se coloca no ambiente interior da casa ― escurecido pelo contra-luz do exterior ― capturando a entrada de todos de volta ao lar. Wayne mantém-se por alguns segundos parado na fachada da casa enquanto os observa, até dar meia volta e voltar para o amplo deserto sob o sol escaldante, para a terra selvagem, o "não-lugar" ao qual ele realmente pertence.

A recusa e o desapego pelo comodismo do lar é a essência do herói. Altruísmo é uma virtude da qual devemos estar aptos a abrir mão de tudo o que é "nosso". Se para o homem comum essa é uma escolha eventual, sempre passível de julgamento, para o herói essa deve ser uma característica intrínseca, o seu primeiro superpoder. O apego a coisas mundanas e sentimentais significam sua ruína, e Hollywood tem explorado isso muito bem como nos citados filmes recentes (e com o sucesso de The Dark Knight podemos esperar mais uma leva de filmes de super-heróis melancólicos, derrotados e de tom sombrio. O que é um bom sinal, já que exigirá mais criatividade e menos fórmulas prontas dos roteiristas).

O que faz com que o novo público dos cinemas blockbusters se identifique com os heróis decadentes será sempre uma questão complexa, discutível e que envolve outros aspectos sociais e talvez até antropológicos, mas o que importa nessa virada na representação dos heróis e nas mudanças de demanda do público no cinema de entretenimento continua sempre o mesmo: que traga sempre bons filmes.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog outernative.


André Graciotti
São Paulo, 25/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos
02. Divagações de Maurício Dias


Mais André Graciotti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINHAS MULHERES E MEUS HOMENS
MARIO PRATA
OBJETIVA
(1999)
R$ 5,99



CINQUENTA TONS DE CINZA
E. L. JAMES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 18,99



SUPER-HOMEM: METRÓPOLIS - BASEADO NO FILME DE FRITZ LANG
R. J. M. LOFFICIER / ROY THOMAS / TED
BRAINSTORE
(2002)
R$ 19,90



A RELAÇÃO MULHER & HOMEM - UMA HISTÓRIA DOS SEUS ENCONTROS E DIFERENÇAS.
LUIZ CUSCHINIR
CAMPUS
(2016)
R$ 18,00



LIMITES DO SOFRIMENTO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
(2010)
R$ 10,00



ARREPENDIMENTO PARA COM DEUS
GERALD FLURRY
IDU
(2009)
R$ 8,50



O IDE É COM VOCÊ!
NORMAN LEWIS
LEITOR CRISTÃO
(1967)
R$ 45,00



INGLÊS - CADERNO 5
VÁRIOS AUTORES
ÉTICO
R$ 10,00



ALQUIMIA DO AZUL - 533 ALDRAVIAS
GABRIEL BICALHO
ALDRAVA LETRAS / ARTES
(2013)
R$ 20,00



DICIONÁRIO HISTÓRICO BIOGRÁFICO BRASILEIRO PÓS 1930 VOL. 3
ALZIRA ALVES DE ABREU / OUTROS
FGV
(2001)
R$ 50,00





busca | avançada
22305 visitas/dia
957 mil/mês