As revoluções e suas histórias | Tatiana Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/3/2011
As revoluções e suas histórias
Tatiana Mota

+ de 2900 Acessos

A face do mundo islâmico pode mudar, ou assim espera-se. O continente europeu acompanha com muita atenção os movimentos nos até agora 11 países que fazem parte das revoltas contra ditaduras seculares, que estão há décadas no poder. Para mim, nascida e criada no Brasil, a cultura desses países sempre me pareceu muito distante. Hoje em dia acostumei-me a ver nas ruas das grandes cidades europeias pessoas ligadas à cultura Islâmica, as mulheres e moças com seus véus, os jovens com o cabelo meio raspado e os senhores discretos de barba grisalha. Há no continente europeu pelo menos 5% de pessoas ligadas ao Oriente Médio e/ou provenientes desses países que no momento enchem suas ruas de protestantes. Essa presença por aqui, combinada com a sensação de estar vivendo mais um momento histórico, faz com que eu tenha também grande interesse em acompanhar os desenvolvimentos dessa revolução.

Os grandes jornais do Brasil cobrem com eficiência o que ocorre nestes países. O que tenho de minha visão pessoal a acrescentar se relaciona à força da juventude para mover tantas barreiras que hoje e sempre fazem parte da vivência humana neste planeta. Não é estranho imaginar que antes dos anos 1950 os jovens ocidentais eram apenas preparados para a vida adulta? Não havia nada próprio de sua época e apropriado para a sua idade, para se curtir o "ser jovem", e desde cedo havia trabalho e/ou casamento. Surgiu uma geração considerada por muitos insana, que quebrou muitos desses paradigmas da época. Não posso aplaudir todas as práticas dessa geração, mas devo reconhecer que eles mudaram a face do mundo entre os anos 50 até os anos 70.

Até mesmo aqui na Holanda a época foi tão marcante quanto nos Estados Unidos, França, Brasil e outros. Havia facções de jovens mais intelectualizadas e outros mais causadores de problemas, os Nozem's e os Provo's, respectivamente. A famosa Dam, a praça mais frequentada pelos turistas em Amsterdam, era na época ocupada por esses jovens, que às vezes até dormiam junto ao monumento da praça em protesto. E assim também podemos lembrar nossos revolucionários brasileiros, reinventando nossa cultura e lutando contra a ditadura.

Essa geração é tão marcante, a dos meus pais, que sempre me senti de uma época menos relevante e conformista. A única marca revolucionária que posso apresentar no meu currículo foi ter pintado meu rosto de verde e amarelo e ter protestado a favor do "impeachment" do ex-Presidente Collor de Mello. Mesmo consciente de que o movimento "cara pintada" é taxado de ter sido manipulado pelas forças políticas opositoras de época, ainda fico feliz em ter estado lá exatamente nesse momento tão importante, chegando a acompanhar o momento derradeiro prostrada em frente ao Congresso Nacional até o último voto.

Percebo que a juventude residente nos países de cultura islâmica em revolução no momento vive mais dificuldades que todas as gerações ocidentais até o momento mencionadas. A corrupção que suga os recursos que deveriam pertencer aos cidadãos nós temos em comum, mas, para mim, a falta de liberdade é uma dor muito grande. O excelente filme No one knows about Persian Cats, no qual o diretor Bahman Ghobadi tenta mostrar como jovens iranianos tentam fazer sua música, dá uma ideia de como a liberdade é cerceada em tais países. Uma banda de heavy metal ensaia reclusa em uma fazenda em meio a vacas nervosas, outra banda "indie" procura passaportes no mercado negro para conseguir se apresentar na Europa; shows secretos em suas cidades, CDs proibidos, repressão e morte, tudo para que eles possam expressar sua arte da maneira que bem entendem. Infelizmente não se pode dizer mais de outros direitos relacionados, como, por exemplo, a liberdade de imprensa e da própria personalidade, pois de certa forma a identidade com esse nível de repressão já nasce pré-fabricada.

Mas esse grupo que está agora vivendo seus 20 anos, vejo que ele é diferente. Muitos dos jovens que conheço são bem mais engajados e interessados com o que ocorre à sua volta. Essa parece ser a maior força nessa revolução de agora nos países do Oriente Médio. Enfrentam os mercenários de Kadhafi, a polícia, os apoiadores dos governos totalitários, perdendo até a vida, se for necessário. As redes sociais e celulares devidamente acionados, quando não bloqueados, são utilizados para comunicar o que ocorre a cada dia ou organizar passeatas neste estado de quase guerra civil. Duvido que o Sr. Zuckerberg, com seu "singelo" objetivo de conectar as pessoas, não poderia imaginar o alcance de sua rede social. Os bilhões que o valor capitalista atribui a essa rede são, a meu ver, secundários, se vistos pelo prisma desse potencial de ajudar a transformar o que está à sua volta.

Na Tunísia já conseguiram a renúncia do presidente, sendo esse o primeiro país o qual o nível de protestos começou recentemente a se intensificar. Curiosamente, o estopim para tudo foi o caso de um jovem, um rapaz de 17 anos que sofreu uma proibição de comerciar seus produtos e respondeu a isso atentando radicalmente contra a própria vida, vindo a falecer e se transformando em mártir. Depois veio o Egito com a surpreendente renúncia de Mubarak, no dia 18 de fevereiro. Agora, a Líbia espera a saída de Kadhafi do poder enquanto milhares de pessoas perecem diante das forças mercenárias. Os demais países em protesto veemente e punição governista radical.

Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Jordânia, Cisjordânia/Faixa de Gaza, Iraque, Irã, Behrein e Iêmen. São muitos países, cada um com sua particularidade, muitos interesses em jogo. Não se pode dizer que o impulso de mudança resultará no resultado que almejam esses jovens, mas ninguém poderá tirar deles a força que têm demonstrado em tentar escrever uma história diferente nas páginas de sua nação. Espero que essa história seja muito própria deles. O modelo democrático de construção do estado e a garantia dos direitos fundamentais do cidadão é muito apropriado para qualquer país que ainda não o tenha, bem como a separação entre a religião e o estado, mas muitos dos países que se encontram do chamado lado ocidental do mundo não podem se vangloriar de fazê-lo com propriedade. Que eles possam então usar esse modelo apenas como base para construir seu próprio governo respeitando sua cultura.

Lágrimas, sangue, mas também belos sonhos de um futuro melhor. Creio ser um momento extraordinário para todas essas pessoas e para todo o mundo. Acompanhemos com atenção e solidariedade, esperando que os mais nobres sonhos de cada um se concretizem.

Nota da autora
Para saber mais sobre a situação dos países, sugiro acompanhar as notícias via site da BBC.


Tatiana Mota
Hilversum, 24/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling de Celso A. Uequed Pitol
02. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo
03. Discutir, debater, dialogar de Duanne Ribeiro
04. A Paris de Chico Buarque de Marta Barcellos
05. Literatura, Interação e Interatividade de Marcelo Spalding


Mais Tatiana Mota
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




APOLLYON THE DESTROYER IS UNLEASHED
TIM LAHAYE - JERRY B. JENKINS
TYNDALE HOUSE
(1999)
R$ 15,00



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
KLICK
(1997)
R$ 4,00



CASA ROSSA
FRANCESCA MARCIANO
RECORD
(2005)
R$ 10,00



UM FUTURO PARA O CAMPO: REFORMA AGRÁRIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL
SÉRGIO P. LEITE & RODRIGO V. DE ÁVILA
VIEIRA & LENT
(2007)
R$ 12,90



A ÚLTIMA MORTE
RICARDO LAURINO
INVERSO
(2018)
R$ 48,00



THE GLOBAL CHALLENGE
ROBERT T. MORAN
MCGRAE-HILL
(1994)
R$ 40,00



ACTIVATE B1! WORKBOOK
JILL FLORENT / SUZANNE GAYNOR
PEARSON LONGMAN
(2009)
R$ 29,00



DATABASE SYSTEMS - 2ª ED.
MICHAEL KIFER, ARTHUR BERNSTEIN
ADDISON WESLEY
(2005)
R$ 200,00



A MENINA DO PAÍS DAS NEVES
NATHAN KUMAR SCOTT
SM
(2011)
R$ 39,00



FAMÍLIAS E ESCOLARIDADE, REPRESENTAÇÃO, A CLASSE SOCIAL E DINÂMIC
ANA MATIAS DIOGO
COLIBRI
(1998)
R$ 49,50





busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês