Por quem os sinos dobram em Paris? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
34692 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sessão da peça infantil
>>> Consulado Geral da Hungria promove na capital paulista:
>>> Monja Cohen, Rabino Schlesinger e Gilberto Dimenstein vão debater sobre a mentira como um obstáculo
>>> Caixa de Fuxico estreia Cabeças Trocadas, da obra de Thomas Mann, na SP Escola de Teatro
>>> Saraus do Plástico Bolha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jackie O., editora
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Não estou lá, com Cate Blanchett
>>> Little Joy, o disco
>>> O Vendedor de Passados
>>> O que é crítica, afinal?
>>> O massacre da primavera
>>> Feedback risonho
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> E se... Você Começasse a Agir?
>>> Choques Cósmicos: Transformando Crises em Oportunidades de Crescimento
>>> Elite da Tropa
>>> A Sabedoria de São Bento para o nosso Tempo
>>> A Reunificação da Alemanha: do Ideal Socialista ao Socialismo Real
>>> Miséria da Filosofia
>>> Crônica de um Amor Louco
>>> O Correio Continua
>>> Os Adoradores do Sol
>>> Eat Pray Love
>>> Pronto Socorro
>>> Ego e Arquétipo
>>> Mulheres Cheias de Graça
>>> Manual Completo de Ascensão
>>> Religião, Psicoterapia e Aconselhamento Espiritual
>>> O poder cósmico da mente
>>> Éléments de Syntaxe Structurale - Lucien Tesnière
>>> História do cerco de Lisboa
>>> Estate Gardens of California
>>> Raios de luz espiritual ensinos esotéricos
>>> O Morro das Ilusões
>>> Introduccion Al Oleo
>>> Kg 200 - O Esquadrão Fantasma
>>> História dos Clubes de Cabo Frio
>>> Poesia Portuguesa Erótica e Satírica Séculos XVIII e XIX
>>> A Revolta de Seis de Setembro (a Ação de S. Paulo)
>>> Gramática grega
>>> Almanaque de Sorocaba 1950
>>> Derivativos no Brasil
>>> Tornar-se Pessoa
>>> Eneagrama para os Pais
>>> O Rio de Janeiro do Meu Tempo - 5 Volumes - Luiz Edmundo
>>> La Novela Picaresca Española - Angel Valbuena y Prat
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> A Grande Aventura de Cousteau - 37 Volumes - Jacques Cousteau
>>> Manual Completo de Análise Transacional
>>> Panelinha
>>> Comer Bem
>>> Almanaque Light
>>> don quijote de la mancha I
>>> don quijote de la mancha II
>>> True colors
>>> Yôga Antigo Para Iniciantes
>>> The Hound of the Baskervilles
>>> Felicidade Roubada
>>> Dom Quichote de la Mancha - Cervantes / Dom Quixote
>>> Aspectos surrealistas em O Agressor de Rosário Fusco
>>> Bíblia de Jerusalém - Antiguo Testamento - Nuevo Testamento (em espanhol)
>>> Revista Língua Portuguesa 30 Volumes - do nº 1 ao 30
>>> Os Mistérios de Paris
COLUNAS

Quinta-feira, 21/7/2011
Por quem os sinos dobram em Paris?
Vicente Escudero

+ de 2200 Acessos


Na França, à meia-noite, os sinos dobram pela nostalgia de um escritor de roteiros de Hollywood perdido nas memórias afetivas de seus ídolos literários convivendo numa Paris festiva e boêmia, um redemoinho agregador de artistas dividindo suas expectativas e dúvidas entre um trago e outro, dançando no ritmo do jazz de Cole Porter e se encontrando na casa de Gertrude Stein para discutir ideias e dividir opiniões sobre seus trabalhos. T.S. Eliot esteve lá, com Fitzgerald e Zelda, Pablo Picasso, Dalí e Matisse, todos formando uma particular posteridade descrita por Hemingway, incumbido da função de delator na biografia definitiva da boemia e efervescência cultural dos anos de ouro de Paris, nas primeiras décadas do século XX, em Paris é uma Festa, publicado em 1964, logo após sua morte. Quem não gostaria de voltar no tempo e tomar alguns goles de absinto com seus ídolos, enquanto estavam no auge criativo?

Viajar de volta no tempo ainda é uma tarefa impossível. Para amenizar esta dificuldade técnica, resta apenas ao cinema ligar os dois pontos distantes da história e transportar o espectador para dentro da fantasia, neste caso um retrato fiel, pelo menos sentimental, das emoções do protagonista do novo filme dirigido e escrito por Woody Allen, Meia Noite em Paris. Gil, interpretado por Owen Wilson, é um escritor de roteiros de Hollywood prestes a se casar, em visita a Paris com sua noiva Inez (Rachel McAdams) acompanhada da família. Gil é um roteirista insatisfeito com o trabalho, distante da realidade e indiferente ao presente. Sonha em viver apenas da literatura e abandonar os roteiros açucarados que produz, mas não tem confiança para avançar e terminar o romance que está escrevendo.

Allen mais uma vez faz uma paródia de si mesmo, utilizando Owen Wilson, ator um pouco mais limitado do que as suas escolhas para protagonistas de filmes anteriores, como Hugh Jackman, Ewan McGregor e Jonathan Rhys Meyers. Apesar de suas limitações, Wilson acaba compensando pela sutileza cômica, a trágica passividade expressada nos conflitos com a noiva Inez, sempre disposta a gastar a paciência e o adiantamento recebido por Gil pelo seu último roteiro até os últimos centavos. O roteirista deseja conhecer os becos e cafés tradicionais de Paris, onde seus ídolos literários se escondiam do medo do fracasso, caminhar pela cidade durante a chuva "quando a cidade é mais bela", mas Inez é quase indiferente aos seus impulsos saudosistas e românticos, preocupa-se apenas em replicar a vida que leva na Califórnia, dentro de Paris.

Woody Allen aproveita para depreciar o estilo de vida consumista e espalhafatoso, apresentado por Inez e sua família, ao contrapor Gil Pender ao pedantíssimo escritor e professor universitário chamado Paul (Michael Sheen), amigo de Inez visitando Paris para palestrar na Sorbonne, que encontra o casal logo no início da viagem, enquanto almoçam num restaurante. Paul se esforça para impressionar Inez, tornando-se onipresente na viagem do casal e servindo de modelo de refinamento intelectual e conta bancária a ser alcançado por Gil, segundo Inez. Paul domina os cenários para conseguir demonstrar que sempre domina os assuntos. Enquanto observam uma estátua de Rodin, Paul se encarrega de destrinchar para os presentes, de forma mecânica e burocrática, todos os detalhes factuais e cronológicos que serviram de inspiração para a criação da escultura, complemetando, interrompendo e questionando a apresentação feita pela guia do museu, interpretada por Carla Bruni. Paul, atendendo aos padrões de refinamento exigidos por Inez, também é um enófilo e sabe apreciar a delicadeza do aroma e do sabor de cada safra de vinhos, enquanto Gil está mais preocupado em comer no mesmo bar onde esteve James Joyce ou dividir com a noiva uma quitinete perto da Sorbonne para reviver as agruras de Hemingway e sua primeira esposa, Hadley.

A fotografia de Paris pinta a adoração de Allen pela cidade. O movimento só existe durante a noite, o dia é reservado para o cotidiano banal da família de Inez, contrapondo a boemia noturna de ruas solitárias com o frenesi do trânsito intenso do dia. Gil Pender explora os becos estreitos durante a noite e acaba encontrando num velho calhambeque Peugeot os passageiros que o conduzem para a Paris de suas lembranças, onde encontra os ídolos que construíram suas obras favoritas, discutindo sobre a vida com Hemingway, Fitzgerald, Getrude Stein, T. S. Eliot e outros artistas, além de ter seu livro avaliado por Gertrude Stein e ganhar um conselho que muda o rumo de sua vida. Entre as viagens no tempo, um amor que se encerra no passado acaba renascendo no presente, num jogo entre épocas que imita a composição dos tempos de um romance.

Owen Wilson é uma surpresa interessante no papel de Gil Pender. Suas viagens pelo tempo na Cidade da Luz são uma representação fiel das preferências de Woody Allen e reproduzem o sonho comum dos escritores de algum dia dividir as angústias da escrita com seus ídolos. Nesse processo de reconstrução das imagens de homens e mulheres imperfeitos, mas autores de obras monumentais, a memória sacrifica os defeitos e acaba impondo aos personagens uma aura de santidade, sempre acompanhados de perto pela ingenuidade das lembranças de um admirador do futuro. Na homenagem a Paris, Woody Allen extravasa o humor de costumes e encerra uma reverência aos seus ídolos precursores. E é neste defeito, a sinceridade, que se encontra o grande valor do filme.


Vicente Escudero
Campinas, 21/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
04. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



HISTÓRIA DO DIREITO
VICENTE BAGNOLI ET AL
CAMPUS - ELSEVIER
(2009)
R$ 40,90



BACEN - APOSTILA PREPARATÓRIA - TÉCNICO NÍVEL MÉDIO
AUTOR OBCURSOS
OBCURSOS
(2009)
R$ 39,90



OS NOVOS DESEJOS
MIRIAN GOLDENBERG
RECORD
(2000)
R$ 13,90



OS GOONIES
STEVEN SPIELBERG
RECORD
(1985)
R$ 12,99



OUTRAS MORADAS
ADELICE SOUZA ET AL.
EPP PUBLICAÇÕES / PUBLICIDADE
(2007)
R$ 15,00



PEQUENA HISTÓRIA DE D. PEDRO II
COLEÇÃO BRASIL Nº 10
MEC
R$ 8,97



O PROFETA TRICOLOR
NELSON RODRIGUES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 50,00



MANGÁ YUKI - VINGANÇA NA NEVE Nº 2
KAZUO KOIKE - KAZUO KAMIMURA
CONRAD
R$ 7,00



A CONSTRUÇÃO DO ESPETÁCULO
LUIZ NORONHA E ROGÉRIO FAISSAL
AEROPLANO
(2000)
R$ 15,00





busca | avançada
34692 visitas/dia
773 mil/mês