O Amor é Sexualmente Transmissível | Isabella Ypiranga Monteiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
>>> Releitura de Ian Soffredini, O Pequeno Príncipe faz sessões em Santos
>>> 4º Edição Point BlackCultural
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Lendo no Kindle
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> O do contra
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
Mais Recentes
>>> O Primo Basílio de Eça de Queirós pela Klick (1997)
>>> The World of the First Australians de R. M ; C. H Berndt pela Lansdowne press (1977)
>>> O Guardião da Sétima Passagem: A Porteira Luminosa de Rubens Saraceni pela Madras (2018)
>>> Eleanor & Park de Rainbow Rowell pela Novo Seculo (2019)
>>> Pedagogia Crítica Uma metodologia na construção do conhecimento de Maria rosa cavalheiro marafon pela Vozes (2001)
>>> Edgar Cayce On Atlantis de Edgay Evans Cayce pela Greenhouse Publications (1989)
>>> Actas e Actos do Governo Provisório de Dunshee de Abranches pela Memória Federal (1998)
>>> Currículo: Teoria e História de Ivor F. GOodson pela Vozes (1995)
>>> O amor nos tempos do cólera de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> A Arte do Johrei - Ensinamentos Meishu Sama de Johrei no waza pela Luxriens (2000)
>>> O segredo de Jasper Jones de Craig Silvey pela Intrínseca (2012)
>>> A Família Moskat de Isaac Bashevis Singer pela Francisco Alves (1982)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Sir Lancelote, Onde Esta Voce? de Kate Mcmullan pela Rocco (2006)
>>> O começo de tudo de Robyn Schneider pela Novo Conceito (2014)
>>> Livro Infantil? Projeto Gráfico Metodologia e Subjetividade de Guto Lins pela Rosari (2002)
>>> Ame e Dê Vexame de Roberto Freire pela Master Pop (2013)
>>> We - a Chave da Psicologia do Amor Romântico de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> A Economia das Crises de Nouriel Roubini e Stephen Mihm pela Intrínseca (2010)
>>> A Mala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Contos Folclóricos Brasileiros de Marco Haurélio; Mauricio Negro pela Paulus (2010)
>>> Geometria Analítica de Reis pela LTC (1996)
>>> Dropz de Rita Lee pela Globo (2017)
>>> O que Precisamos Saber Sobre Liderança? de James Kouzes^Barry Posner pela Elsevier (2011)
>>> A Meta: Um processo de melhoria contínua Ano 2013 de Eliyahu M. Goldratt ; Jeff Cox pela Nobel (2002)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/5/2013
O Amor é Sexualmente Transmissível
Isabella Ypiranga Monteiro

+ de 8700 Acessos

Marçal Aquino não poderia ter escolhido melhores palavras para dar início à história arrebatadora do casal de amantes Lavínia e Cauby. O título do primeiro capítulo de Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios (Companhia das Letras, 2005), romance adaptado para o cinema no ano passado pelos diretores Beto Brant e Renato Ciasca, sintetiza com precisão a essência de um relacionamento tão impuro quanto o ambiente de guerra onde nasce. O encontro dos personagens, a instável e sedutora ex-prostituta "regenerada" pelo marido, pastor evangélico, e o fotógrafo aventureiro, acontece no interior do Pará, durante uma acirrada disputa pelo ouro entre garimpeiros e mineradoras. Em pouco mais de duzentas páginas, divididas em quatro grandes partes, o paulista descreve de modo impecável a evolução de sentimentos dos protagonistas, desde a atração puramente física até o mais intenso dos amores, com direito a ilustrativos trechos eróticos que deixariam os cinquenta tons de cinza de E. L. James enrubescidos. Jornalista experiente, vencedor do Prêmio Jabuti em 2000 pela aclamada coletânea de contos O amor e outros objetos pontiagudos, o autor recorre, diga-se de passagem, a um truque original para delinear essa trajetória. Cauby, que narra a maior parte do livro, cita com frequência frases antológicas de Benjamim Schianberg na tentativa de justificar o que vai no seu coração. As pérolas de sabedoria do filósofo fictício - que já virou, inclusive, tema de minissérie dirigida também por Brant - e, quem sabe, alter ego de Aquino nos conquistam instantaneamente, a ponto de desejarmos que ele e o seu O que vemos no mundo, espécie de tratado sobre amor e sexo, existissem de verdade. Ou então que o próprio escritor, inspirado por sua criatura, fosse um amigo íntimo com o qual pudéssemos nos sentar em uma mesa de bar para pedir conselhos sentimentais.

"Queremos o que não podemos ter,
diz o professor Schianberg, o mais obscuro dos filósofos do amor.
É normal, saudável. O que diferencia uma pessoa de outra, ele acrescenta,
é o quanto cada um quer o que não pode ter.
Nossa ração de poeira das estrelas".

Engana-se, no entanto, quem imagina que a história se ocupa apenas da dinâmica envolvendo o par central. São, aliás, os ótimos personagens secundários os responsáveis por enriquecer e costurar a trama, que vai muito além das trivialidades de uma relação proibida, da traição conjugal e de suas consequências passionais. Nessa terra sem lei, um microcosmo do Brasil onde matar e morrer beiram a banalidade, questões mais profundas como religião, política e jogo de interesses vêm à tona através da voz ressonante do pastor Ernani, companheiro de Lavínia, e de uma vingança planejada em silêncio pelo sofisticado jornalista Viktor Laurence, amigo de Cauby. No decorrer das páginas, tais figuras acabam colocando em evidência o comportamento de toda uma nação manipulada por poderes que nunca lhe ensinaram lutar pelas causas certas. Já o chinês Chang, agiota e dono da lojinha onde o casal se conhece, fascina e confunde o leitor com tiradas geniais, incompatíveis com a sua condição de pedófilo.

"O segredo, dizia Chang, o china da loja,
não é descobrir o que as pessoas escondem,
e sim entender o que elas mostram".

O romance chama a atenção também pela bela construção do texto, um excelente exemplo de como, mesmo intercalando períodos de tempo diferentes, certas narrativas conseguem soar fluidas e naturais. No vai-volta entre presente e passado, os delírios proféticos e lições de astrologia do fotógrafo oferecem algumas pistas sobre o seu destino, mantendo, claro, o suspense a cada página. Não é à toa que Aquino consegue tornar plausível o improvável amadurecimento de um amor em meio à podridão e ao ódio vigente na inospitaleira cidadezinha paraense. Se tudo no livro parece convergir para os extremos, nota-se o cuidado que ele teve em adequar a forma como a história é contada ao conteúdo. Até as passagens mais contundentes, sejam aquelas que expõem os conflitos emocionais de Lavínia, o impacto alucinante de seu sex appeal em Cauby ou a desordem local, estão descritas de maneira lírica. O autor surpreende ainda ao dar uma dimensão poética a sua prosa. Os diálogos curtos e sem travessão lembram os versos de haikais brancos.

"Entrei no banheiro e puxei a cortina de plástico. Ela ensaboava o corpo.
Tô pensando em ir embora daqui.
Pra onde?
Não sei ainda. Talvez eu volte para São Paulo.
Lavínia passou o sabonete entre as pernas, levantou um monte de espuma. E sonho.
O que foi, bateu saudade?
Não posso ficar aqui pra sempre, tenho que dar um jeito na minha vida.
Ela guiou o jato do chuveirinho para o púbis. Desfez a espuma, não o sonho".

Ajustes necessários à parte, a versão cinematográfica de Eu receberia... foi prejudicada pela extinção do encantador Careca, colega de pensão do fotógrafo que lhe relata a sua malfadada paixão platônica por Marinês - o que, por sinal, já daria um bom conto -, e do próprio professor Schianberg, personagem indispensável à obra. O ponto alto do longa, contudo, é, sem dúvida, a interpretação de Camila Pitanga no papel principal. Nenhuma outra atriz poderia encarnar a beleza e a loucura da ex-prostituta de forma tão visceral quanto ela. O último parágrafo do romance, daqueles capazes de arrepiar a mais insensível das almas, também ficou de fora no filme. Um dos encarregados do roteiro, Aquino optou por conservar o desfecho trágico e, ao mesmo tempo, redentor dos amantes nas telas, mas as cenas finais não chegam a comover tanto como a sua "poesia" impressa. Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras. Não neste caso. Cauby receberia as piores notícias dos lindos lábios de Lavínia e eu leria esse livro de novo, de novo e de novo...

"O papel dobrado que encontrei continha uma mensagem curta.
Daria um telegrama lacônico e definitivo. Uma notícia primordial de um amor vira-lata.
Apenas duas palavras. Escritas numa letra redonda, graciosa, quase infantil.
'Amo você'. Entendeu agora por que eu fiquei"?

Para ir além



Isabella Ypiranga Monteiro
Rio de Janeiro, 13/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica à la Caio Fernando Abreu de Elisa Andrade Buzzo
02. Crítica à internet chega à ficção de Marta Barcellos
03. A internet e o fim do no. de Julio Daio Borges


Mais Isabella Ypiranga Monteiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com Brasileiro Não Há Quem Possa
Fatima Martin Rodrigues Ferreira Antunes
Unesp
(2004)



Warehouse Operations Planning and Management
Andrew J. Briggs
John Wiley & Sons
(1966)



Cristianismo e Outras Religiões
W. A Visser`t Hooft
paz e terra
(1968)



Matematica Ideias e Desafios - 6°, 7°, 8° e 9° Anos - do Professor
Iracema; Dulce
Saraiva
(2015)



Eu Odeio Livros
Marco Aurelio Kato,
Rex Livros
(2007)



Faça Seu Coração Vibrar
Osho
Sextante
(2005)



O Dia Em Que Matei Meu Pai
Mario Sabino
Record
(2004)



O que é Religião
Rubem Alves
loyola
(2009)



Introdução a Programação Linear
W. Allen Spivey
Companhia Nacional
(1985)



1822
Laurentino Gomes
Nova Fronteira
(2010)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês