Apresentação | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Dicionário Jurídico Tributário de Eduardo Marcial Ferreira Jardim pela Dialética (2005)
>>> Pão Nosso de Chico Xavier pela Feb (2019)
>>> O caso do hotel Bertram / o misterioso caso de styles de Agatha Christie pela Best Bolso (2010)
>>> Teoria da personalidade na sociedade de massa - A contribuição de Gramsci de Dario Ragazzini pela Autores Associados (2005)
>>> Ética de Spinoza pela Autêntica (2009)
>>> A origem da desigualdade entre os homens de Jean-Jacques Rousseau pela Penguin e Companhia das Letras (2017)
>>> A dominação masculina - a condição feminina e a violência simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> História da Sexualidade - 1. A vontade de saber de Michel Foucault pela Editora Paz e Terra (2020)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-chul Han pela Editora Vozes (2015)
>>> O mito de Sísifo de Albert Camus pela Edições Bestbolso (2022)
>>> Os sete pilares da sabedoria de T E Lawrence pela Circulo do livro
>>> P.S.: Ainda Amo Você de Jenny Han pela Intrínseca (2016)
>>> Escandalo na sociedade de Harold Robbins pela Circulo do livro
>>> O vale do medo de Arthur Conan Doyle pela Ediouro (2006)
>>> O veu pintado de Somerset Maugham pela Circulo do livro
>>> Se houver amanhã / Nada dura para sempre vira-vira de Sidney Sheldon pela Best Bolso (2010)
>>> Doze anos de escravidão de Solomon Northup pela Penguin Books (2014)
>>> Livro dos sonhos de Jorge Luis Borges pela Circulo do livro
>>> Enterrem meu coração na curva do rio de DeeBrown pela Circulo do livro
>>> Confie em mim de Harlan Coben pela Sextante (2009)
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
>>> Assassins creed unity de Oliver Bowden pela Record (2015)
>>> Confesso Que Vivi - memórias de Pablo Neruda pela Difel (1974)
>>> A rosa da meia-noite de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> O Poder da Visualização Criativa: Conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo de Elizabeth Mednicoff pela Universo dos Livros (2007)
COLUNAS >>> Especial Apresentações

Quarta-feira, 6/11/1968
Apresentação
Alexandre Soares Silva

+ de 25200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Meu nome é Alexandre Soares Silva, e nasci no ano de 68. Aquele, quando estavam proibindo proibir. Não sei bem o que isso diz sobre mim; mas, como a maior parte daqueles estudantes bobos, nunca gostei das aulas, e teria botado fogo na escola com muito prazer.

Fui um bom aluno, no entanto. Não botei fogo em nada. Ao invés disso, uma vez fui ao supermercado com a minha mãe e, por impulso, pedi a ela um caderno quadriculado. Nele escrevi a história (na época, estória) de Hugue - um garoto, como eu, de sete anos.

Era assim: Hugue certo dia acorda, escolhe o seu "carro favorito" (ilustração de vários carros na garagem de Hugue), e vai visitar a avó. No caminho encontra monstros, piratas, essas coisas. (Mas não a avó). Vinte anos depois, ele volta pra casa, só para descobrir que a avó tinha estado lá o tempo todo, tomando cafezinho com a mãe na sala.

Não parece promissor, contando assim, mas as aventuras no meio eram razoavelmente legais. Pelo menos eu acho.

Depois comecei algumas centenas de livros de aventura (e de horror, e policiais) que nunca terminei. Sobre um relojoeiro suíço chamado Albrecht Asper, que resolvia crimes. Sobre um país medieval, mais fino do que o Chile, entre Portugal e Espanha. Sobre uma dupla de esgrimistas franceses, na época em que "Jamaica" se pronunciava "Xamaica".

Mas só consegui publicar o primeiro livro aos vinte e seis. É um romance de aventuras para adolescentes, que foi publicado pela Global - A Origem dos Irmãos Coyote. O segundo também é um romance de aventuras para adolescentes (pelo menos é isso que a editora diz) - Na Torre do Tombo (mesma editora). E finalmente um romance adulto que eu vinha escrevendo e reescrevendo bem devagar desde os vinte anos - A Coisa Não-Deus (Editora Beca, 2000).

Recebeu boas críticas. Outra noite dessas reli o livro, e devo dizer que adorei. O mínimo que se pode dizer dele é que é cheio de panache.

Panache é uma grande coisa.

Que mais, que mais, que mais?

Uma vez, quando estava fazendo um curso de roteiro, ouvi uma voz dizendo lá no fundo da sala: "Professora, um momento, só queria dizer uma coisa. Não sei quem aquele rapaz é, mas tive uma visão e me pediram para dizer que ele ainda vai ser muito famoso". Virei pra trás já sabendo que ele estava falando de mim. Aceitei essa previsão muito calmamente. Aquela gentil alma gay - lembro que ele estava escrevendo um romance com quarenta personagens. Espero que esteja bem.

Acredito tanto na previsão dele quanto acredito na do sapateiro de Trancoso e na do alfaiate de Setúbal. O que é sim.

Mas espera, vamos voltar atrás . Eu quando criança, na biblioteca do meu pai. Me lembro de ter apontado melodramaticamente para o nome dourado de um autor numa lombada vermelha- Stendhal, se não estou enganado- e de ter dito: "O que quer que você tenha feito, posso fazer melhor". (Eu realmente era um moleque melodramático quando estava sozinho.)

Isso talvez explique o motivo de eu ter aceitado a previsão do roteirista gay tão calmamente. Você já deve ter percebido que eu tenho a tal da "saudável auto-estima" - também conhecida como empáfia.

Que mais? Deixe ver.

Não acredito em "viver a vida intensamente". Acho tanto o conceito quanto a expressão um tanto bregas. Pra começar, sempre que se diz isso o sujeito era drogado ou bebia até o ponto de chutar bandejas das mãos de velhinhas. Não. Prefiro viver a vida suavemente, obrigado. Ser gentil e tirar soneca no meio da tarde. Ler um bocado.

Sou um recluso (quase). Meu maior prazer é poder passar um dia sem falar com absolutamente ninguém. O telefone toca, e estou há tantas horas sem falar que a mandíbula abre com dificuldade, com estalo. Mas raramente consigo passar um dia assim.

Sou preguiçoso. Acho que a ética de trabalho foi realmente criada para manter os escravos no lugar. Como não sou escravo, relaxo. (Quando posso. E frequentemente quando não posso, também). Além dos dias em que não tenho que falar com ninguém, adoro os dias em que não tenho que ir a lugar nenhum, nem fazer nada. Nem no dia seguinte. Nem na mesma semana. Ter um compromisso de manhã cedo na quinta já me estraga a segunda.

Odeio bancos. Odeio a cara amassada dos políticos. Odeio autenticar documentos. Odeio conversar com MBAs.

Acho que Tolstói é o maior escritor de todos os tempos (mas talvez eu só diga isso porque não sei grego para ler Homero). Meu filme preferido é "Gigi", de Vincent Minnelli. (Sério.)

Acredito em Deus. Acredito em reencarnação. Acredito também que Marlowe escreveu as obras de Shakespeare- pelo simples fato de que é divertido acreditar nisso. Tenho tendência a achar os ateus um pouquinho chatos.

Que mais, que mais, que mais?

Ah - só uma coisa- eu realmente vou escrever livros melhores do que os de Stendhal. Me dêem algum tempo.


Livros de Alexandre Soares Silva
Adulto - Ed.Beca:
- A Coisa Não-Deus

Infanto-juvenis - Ed.Global:
- A Origem dos Irmãos Coyote
- Na Torre do Tombo

(Clique para ler críticas do livro A Coisa Não-Deus: Jornal da Tarde, Diário do Nordeste, Revista Cult, Weblivros!, Digestivo Cultural )

Blog: Alexandre Soares Silva


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 6/11/1968


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva
01. Polêmicas - 29/11/2002
02. Filhos de Francis - 15/11/2002
03. Defesa dos Rótulos - 30/5/2003
04. Apresentação - 6/11/1968
05. Quem Não Lê Não É Humano - 3/5/2002


Mais Especial Apresentações
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2002
00h56min
O Livro "A Coisa Não Deus" mostra a criatividade do Alexandre. Quanto a preguiça, odios, empáfia ... Vou dar um tempo, nada além de um.
[Leia outros Comentários de Sérgio Tadeu]
19/3/2002
02h20min
A preguiça, pelo menos, eu garanto. Um abraço, Sérgio.
[Leia outros Comentários de Alexandre ]
26/11/2002
15h53min
Gosto de Gigi,mas ainda prefiro Gilda,Lola Lola de O anjo azul e Lola de Fassbinder!!!
[Leia outros Comentários de Daniel Nunes]
27/11/2005
21h21min
Puxa, e eu estava gostando tanto dos seus textos! Achando que estava lendo um velhíssimo terceira idade culto e já impotente (que os politicamente corretos me perdoem), até quase chorando sua morte, pq só tinha visto textos de 2002 e 2003, e daí descubro que nasceu em 68... Caracas... Que decepção intensa e funda.
[Leia outros Comentários de Eloisa Maranhão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dragonice Diz Que Disse: (poesia)
Sylvia Orthof, Tato
Paulinas
(2004)



Livro - Love Storíes
D H Lawrence / Outros
Macmillan
(2012)



Club Penguin 3 livros o Super-repórter, O passageiro Clandestino e aquela do pinguim ...
Vários Autores
Melhoramentos
(2011)



Antigos Contra Modernos
Joan DeJean
Civilização Brasileira
(2005)



Organizações Inovadoras do Setor Financeiro: Teoria e Casos de Sucesso
José Carlos Barbieri/josé Carlos Barbieri
José Carlos Barbieri
(2009)



Os Pensadores 1 - Montaigne - Confira !!!
Michel de Montaigne / Capa Dura
Nova Cultural
(1996)



Calculista de Estruturas 7ªed (espanhol)
Hormigon Armado e Hierro y Madera
L J Rosso
(1951)



Seis Lições de Solidariedade
Gabriel Chalita / Lu Alckmin
Gente
(2005)



Um Mergulho no Inferno das Drogas
Maria Cecilia Ribeiro
Maria Cecilia Ribeiro
(2002)



Lobisomem - Um Tratado Sobre Casos de Licantropia
Sabine Baring-Gould
madras
(2003)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês