Polêmicas | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/11/2002
Polêmicas
Alexandre Soares Silva

+ de 31200 Acessos
+ 21 Comentário(s)

A internet é o fim da profissão de jornalista. Ou pelo menos da dignidade dela. O mais digno, barrigudo e pomposo jornalista corre o risco de ser xingado por um molequinho em Mogi das Cruzes. Ou de ser contestado num detalhe qualquer por um sujeito vagamente desequilibrado que mora entre pilhas de jornais velhos no Baixo Leblon. Não importa se o texto estava liricamente, solenemente, melancolicamente, maravilhosamente escrito. O sujeito do Baixo Leblon coloca logo abaixo do texto: "Adolpho Bloch nunca disse isso, e posso provar" — seguido de nove parágrafos com citações, inclusive, do próprio Adolpho Bloch dizendo que nunca disse isso. Logo abaixo, uma mensagem do molequinho de Mogi das Cruzes: "Hua hua hua hua! O cara mentiu malandro! Se liga mané!!!!!!! Valeeeeeeuuuuuuu!!!!"

Assim não há dignidade que resista. Mas pior que isso é que não há texto que resista. Cartas furiosas de leitores furiosos, cartas chatas de leitores chatos — essas coisas sempre existiram. Mas agora a fúria e a chatice ficam logo ali abaixo do texto, estragando todo o efeito. Piadas do jornalista são estragadas por piadas piores dos leitores. A ironia sutil do texto é estragada com a palavra "engraçadinho"; o lirismo de uma passagem é estragado com a palavra "viado"; a melancolia cuidadosamente planejada dos parágrafos é estragada com as palavras "auto-piedade", "coitadinho" e "snif-snif". Um golpe duro, um golpe duro...

Com o propósito de salvar a profissão de jornalista, proponho, portanto, a obediência a certas regras de polêmica. Não porque eu queira poupar o jornalista digno e pomposo do primeiro parágrafo — quem se importa com ele? Não, não. Minha preocupação é que, nesse sistema de comentários seguido por um bom número de jornais on-line, mesmo o maior dos jornalistas, o mais inteligente e engraçado e espirituoso, não sobreviveria. Leitores exigiriam que ele dissesse em que fatos (com datas, se possível) ele baseou determinado witticism. Estragariam o efeito de seus paradoxos ao notarem truculentamente que eles envolvem uma certa contradição. E — horror dos horrores — pediriam que ele "definisse os seus termos"!!!! Há certos golpes baixos na polêmica que simplesmente não podem ser tolerados. Por Júpiter!

Eis aqui uma pequena, provisória lista de coisas que nunca me pareceram fazer sentido algum numa discussão:

1) O golpe do "Não Generalize" — Uma das coisas que as pessoas deveriam ter em mente, quando debatem com um jornalista polêmico, é que ele sabe que existem exceções. Acredite, ele sabe. Não fique apontando o óbvio para ele, que é muito rude. Não fique dizendo: "Nem todo tenista é burro". Ele sabe. Talvez até conheça dois ou três que não são burros. A questão é que é muito menos chato escrever "todos os tenistas são burros" do que escrever "há um grande número de atletas profissionais (não só tenistas, é claro) que não são assim, digamos, muito inteligentes. Mas faço questão de frisar que há exceções". Portanto, regra número um: generalizar é divertido. Deixe o generalizador em paz. Ele sempre sabe que há exceções.

2) O golpe do "Não queira comparar" — Ah, esse é velho, e muito popular. Não se pode fazer comparação alguma sem que alguém diga: "Você está querendo comparar Jesus Cristo com Agnaldo Timóteo? Trotsky com Sharon Stone? Eliot com Cacaso?" Meu Deus, e daí? Sim, estou comparando. Comparações só podem ser feitas entre coisas diferentes. Exatamente para ver a diferença. Você compara uma melancia com a lua e conclui que uma é um bocado maior do que a outra. Mas você não compara uma melancia com precisamente a mesma melancia. É preciso ao menos que seja outra melancia, o que significa uma melancia diferente. É para isso mesmo que comparações servem! "Não que eu queira me comparar com Van Gogh, mas..." Mas o quê? Se compare, idiota!

3) O golpe do Ataque Ad Hominem O bom e velho xingamento gratuito. Nem é preciso explicar por que isso não deveria ser feito. O texto é sobre matemática, digamos — e o leitor desqualifica o autor porque, segundo fontes confiáveis, "o autor é corcunda". Que feio, que feio. Esse tipo de recurso só é válido, é claro, se o xingamento for ao menos engraçado — alguma piadinha sobre corcundas e áreas cônicas, ou algo assim. Mas essa piada tem que ser um pouco elaborada. Um xingamento puro e simples, ou um xingamento com sarcasmo puro e simples, mas sem um toque de ironia, é um comportamento digno de labregos.

4) O golpe do "Explique-se Melhor" — Também conhecido como o golpe do "Hein?", ou "Não entendi", ou "Fale Sério", ou "Baseado em Quê, Você Diz Isso?". Não há piada ou frase de espírito ou boutade ou witticism que resista a isso. É como aquele sujeito que pede para que lhe expliquem a piada. Por favor, não peça ao autor da frase espirituosa que justifique sua afirmação em 500 palavras ou menos, usando trechos de jornais de época e bibliografia selecionada. Esse é um dos golpes mais hediondos do manual.

5) O golpe do "Debate" — Ah, a mania do "debate". Não basta a alguém escrever um texto brilhante — na internet, ele tem que "debater" cada ponto de vista, sob o risco de ser considerado um idiota que não sabe o que diz. Não basta que o regime de governo seja democrático; é preciso que os sites sejam democráticos, com textos democráticos e comentários democráticos, em que leitores democráticos interpelam democraticamente as boutades do escritor democrático até levá-lo a um democrático suicídio. É como se Ibsen tivesse escrito as suas peças apenas para "debater" com qualquer badameco que se sentasse na sua mesa de café em Cristiânia. Ou Oscar Wilde tendo que "debater" seus ensaios com um estudante de sociologia de Goiás. "Não fuja, não fuja! Você não terminou de explicar como fica aquela sua frase sobre a classe média à luz dos conceitos de Durkheim!"

Na verdade, é claro, polemistas e wits famosos do passado só são respeitados mesmo porque estão mortos. Se estivessem vivos — digamos que Oscar Wilde publicasse um ensaio na internet... Sim, a idéia me agrada. Digamos que o fizesse; que Wilde mandasse para o Digestivo o ensaio "A Decadência da Mentira". O ensaio (um trecho dele, traduzido por Oscar Mendes) está logo aí embaixo; os comentários dos leitores (tais como eu os imagino) mais embaixo ainda. Me digam se estou sendo injusto. Na verdade não estou, já que confesso que estou mais ou menos copiando mensagens deixadas por leitores em textos antigos meus. Vocês vão ver que eles aplicam vários dos mencionados golpes contra o bom e velho Oscar. Enfim, vamos à experiência.

A DECADÊNCIA DA MENTIRA


Uma das principais causas do caráter singularmente vulgar de quase toda literatura contemporânea é, indubitavelmente, a decadência da mentira, considerada como arte, como ciência e como prazer social. Os antigos historiadores nos apresentavam ficções deliciosas em forma de fatos; o romancista moderno nos apresenta fatos estúpidos à guisa de ficções. (...) As pessoas falam levianamente do "mentiroso nato", da mesma maneira que do poeta nato. Mas em ambos os casos se equivocam. A mentira e a poesia são artes — artes que, como observou Platão, não deixam de ter relações mútuas e que requerem o estudo mais atento, o fervor mais desinteressado. (...) Mais de um rapaz estreia na vida com o dom natural do exagero, que, se alentado por um ambiente simpático e congenial, poderia chegar a ser algo de verdadeiramente grande e maravilhoso. Mas, em regra geral, não chega esse rapaz a nada, ou adquire costumes indolentes de exatidão ou se dedica a frequentar o trato de pessoas de idade e bem informadas. Duas coisas que são igualmente fatais para a sua imaginação (sê-lo-iam para qualquer um) e assim, dentro de muito pouco tempo, manifesta uma faculdade mórbida e malsã de dizer a verdade; começa a verificar todas as assertivas feitas em sua presença, não vacila em contradizer as pessoas que são muito mais moças do que ele e, com frequência, acaba escrevendo romances tão parecidos com a vida que ninguém acaba acreditando mais na sua probabilidade. (...) A Sra. Oliphant tagarela divertidamente a respeito de vigários, de partidas de tênis, de criadagem e de outros temas aborrecidos. Robert Elsmere é, naturalmente, uma obra-prima do genre ennuyeux, a única espécie de literatura que parece agradar plenamente aos ingleses. Na França, embora não haja aparecido nada tão deliberadamente enfadonho quanto Robert Elsmere, as coisas não vão muito melhor. (...) Em literatura exigimos distinção, encanto, beleza e força imaginativa. A história dos fatos e gestos das classes baixas nos perturba, nos enche de desgosto.

Oscar Wilde
Londres, 29/11/02

COMENTÁRIOS DOS LEITORES


1 — Parabéns — Constance

Parabéns, Oscar — belo ensaio.

2 — Texto Pedante — Núncio Pascácio

Texto pedante, afirmações sem base nenhuma. "Genre ennuyeux", "Sê-lo-iam", são expressões de pseudo-intelectuaizinhos querendo falar difícil. Um verdadeiro intelectual sabe se comunicar com o povo em simplicidade. E quem é "Sra. Oliphant", "Robert Elsmere"?? Pelo amor de Deus, o autor parece que acha que todo mundo sabe quem essa gente é, que pedante. Se fosse ao menos informativo daria uma explicação de quem são essas pessoas. Do jeito que está, consegue no máximo ser engraçadinho.

3 — Obscuridade — Oscar Wilde

Somente os grandes mestres de estilo conseguem ser obscuros.

4 — Dúvida — Márcio Bustamanti

"começa a verificar todas as assertivas feitas em sua presença" — o que mais o autor sugere que se faça????? Que se aceite tudo que se ouve sem verificar nada???? Dá um tempo...

5 — Baixo Nível — Carla Uslevsky

Cara você mente e acha bonito??? Editor, esse cara como colunista é o fim da picada, me tira dessa lista que eu tenho mais o que fazer com o meu tempo, leituras mais produtivas. Abraços, Carla. (ahonesta.blogspot.com)

6 — Correção — Leopoldo Lima

Como admirador profundo e estudioso da obra da Sra. Oliphant, devo expressar minha surpresa ao ler no texto acima que a notável romancista escocesa escreve "divertidamente a respeito de vigários, de partidas de tênis, de criadagem e de outros temas aborrecidos". Reli recentemente todos os seus saborosos romances de ponta a ponta e posso dizer com absoluta certeza que não há sequer uma única cena nos seus livros em que seus personagens joguem tênis. Em Jerusalem — The Holy City, os personagens Margareth e Tommy Fink-Nottle jogam squash. Em "Hester", a personagem homônima joga pelota basca com o vilanesco Mr. Thorndike. Importante diferença. Além do mais, se a Sra. Oliphant, segundo o colunista, escreve "divertidamente", como podem os seus temas ser "aborrecidos"?

7 — Senso de ridículo — Lucas Pergolesi

Ridículo...Gente vocês repararam no número de IP da Constance da mensagem 1? É o mesmo do autor, francamente...Gente, quer dizer, ele sabe que ninguém vai elogiar, então ele mesmo se elogia! O cara não tem gabarito nenhum!!!! Quá-quá-quá!!!!

8 — Saudação — Emerson

Saudo-o no começo de uma grande carreira.

9 — Apple-polishers — Fernando Castelinho

Regozijo-me ao ver que o cordão de puxa-sacos (ver mensagem acima) habitual a este site foi finalmente furado e a verdade da mediocridade do Sr. Oscar Wilder finalmente vem à luz. Texto preconceituoso, esnobe, sem profundidade nenhuma. A resposta do autor (mensg.3) é típica: que quer dizer isso???? Ele deve ser grande mesmo, se foi tão obscuro! Cordialmente, Fernando Castelinho.

10 — Observação — Marquês de Queensberry

Este texto é coisa de somdomita.

11 — Ajuda — Marina Klowsky

Gente por favor alguém tem os episódios 20 a 29 de Anos Incríveis para emprestar??? Estou desesperada atrás das fitas desse que foi o grande seriado que acompanhou os melhores anos da minha juventude, como a de tanta gente se puderem me ajudar valeu!!!!! Beijão, Marina a Desesperada.

12 — Quem diabos é este colunista? — Norman HPX

Só tenho a lamentar que sites como este dêem espaço a colunistas de baixo nível como o Sr. Wilder. Num mau momento numa estação de águas em Dover pedi a uma amiga que me desse algo para ler, e ela infelizmente me deu o livro dele "O retrato do Dorian que não envelhecia". Senti dor de cabeça de tantas frases engraçadinhas e citações de pintores famosos e escultores que nunca ouvi falar. Esse texto é a mesma coisa. Ele quer ser espirituoso, mas não é nenhum Alexandre Soares Silva. Cresça e apareça! Este site já foi grande coisa, mas sua reputação vem decaindo.

13 — Abuso — Emerson

Quem é "puxa-saco"??

14 — Cadê o autor? — Máicon Júnior

Meu, que é isso???? O cara se auto-elogia a si mesmo, manda uma mensagem que ninguém entende, foge do debate e ele que é inteligente? Ele se auto-intitula gênio dos mentirosos, deve ser mesmo, a genialidade dele é uma mentira...E daí aparece esse "Emerson" (deve ser o próprio autor), usando a mesma frase que usou para elogiar um tal de Whitman num outro fórum: "Saudo-o no começo de uma grande carreira". Quer dizer, nem elogio original o cara consegue inventar pra si mesmo. Putz...

15 — Algumas considerações — Alcion Magalhães

Questões importantes já foram levantadas neste fórum, e perde-se muito com a ausência (fuga?) do autor neste debate. Da minha parte queria vê-lo explicando melhor certos aspectos que poderiam até ter sido mais interessantes, não tivessem sido tratados de forma tão leviana. A concepção de mentira para Nietzsche, é claro, deveria ter sido abordada. Não fica claro se o autor se posiciona em relação aos temas da verdade e da mentira de maneira Nitzscheana ou não. Na verdade, seria muito útil se ele definisse seus termos antes mesmo do debate. O que quis ele dizer exatamente com "mentira"? Espero que o autor recobre sua coragem e volte para discutir este importante assunto; ou pensaremos que sua aversão ao debate é característico de seu reacionarismo. Para alguém que outrora se auto-definiu como "Socialista" (uma ironia involuntária, tenho certeza), o Sr. Wilder parece não gostar muito do debate democrático. Resquícios aristocráticos, talvez? Abraços, Arq. Alcion Magalhães.

16 — Mentiras e evasões — Malibã Pururuca

Enfim, Alcion, ao deixar tudo sem resposta, esses caras estão, tacitamente, aceitando que são trogloditas, sub-intelectualizados, "literatos" semi-alfabetizados, irresponsáveis, pré-iluministas, que escrevem sobre o que não entendem e que — o pior dos piores nessas alturas — sequer conhecem a obra da Sra. Oliphant. Não existe programa de idéias. Nem idéias. Só frases soltas, desconexas, citações sacadas a esmo e sem a menor necessidade. Na falta de talento e capacidade para formular análises estruturais, submergem num mundo de arremedos, de simulacros, paródias e caricaturas. Vergonha!

17 — Nojo — Fanny Frazão

Nossa que burguês... Cara vê se se liga, fica esperto, você aí nessa cidade cosmopolita, cheia de preconceito, nem sabe o que acontece por este nosso Brasil..."Criadagem" é desinteressante, é? O que é que vc acha interessante, ser um burguês preconceituoso? Textos reacionários como este, sinceramente, era pra ser engraçado, não percebi a piada. Beijokas, Fanny.

18 — Texto pretemsioso — X-1000

Se liga mané!!!!!!! Fuuuuuuuuuuiiiii!!


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 29/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
03. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
04. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
05. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva em 2002
01. Polêmicas - 29/11/2002
02. Filhos de Francis - 15/11/2002
03. Quem Não Lê Não É Humano - 3/5/2002
04. Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco - 31/5/2002
05. Grandes Carcamanos da História - 21/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2002
02h19min
Ah, Senhor Wilde, este texto eu TINHA de comentar! O senhor continua em forma! E eu continuo sua fã, para o desespero de Alcion. Genial, genial, I must say!! Sue Medeiros
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros ]
29/11/2002
08h23min
Caro Alexandre: Numa cultura subdesenvolvida como a nossa você espera que comentários elogiosos sejam a ordem do dia no D.C.? Ser contestado por um sujeito vagamente desequilibrado? Afinal apenas pessoas ditas "normais" poderiam comentar um texto? Virginia Woolf era bipolar, Machado de Assis era epilético, John Nash é esquizofrênico...e por aí vai... Se você espera que tudo ocorra de maneira ordenada e só uma elite leia o que está sendo escrito, você está sendo pedante. Isto jamais vai ocorrer em nenhum lugar do mundo. Na maioria dos casos, estamos lidando com cabeças muito diferentes. Nem todos têm acesso ao ensino superior no nosso país. Será que só estes devem opinar? O autor da coluna não precisa ficar arrasado por que alguém criticou o que ele escreveu de maneira ignorante. Se ele sabe do que está falando, não há por quê. Os comentários dos leitores, só servem para que estes mesmos aprendam da visão dos leigos. Uma pessoa abalizada na arte de escrever, certamente não vai tremer diante de um molequinho de Mogi das Cruzes ou um desequilibrado do Baixo Leblon. O problema todo está no ego. Quando alguém é recrutado para ser colunista, é por que ele está preparado para escrever do que ele sabe, caso contrário não o estaria fazendo. E comentários esdrúxulos, de egos inflados, certamente serão linhas a serem toleradas, mas nunca levadas a sério por um bom jornalista, ou leitor atento. "O medíocre discute pessoas. O comum discute fatos O sábio discute idéias." Provérbio Chinês
[Leia outros Comentários de Jorge ]
29/11/2002
14h37min
Sim, concordo plenamente com a liberdade de expressão, mas há um porém: Tais textos estão aí, na Internet, ao alcance de todos, mas acredito que nem todos tenham argumentos para criticá-los! O que acontece é que muita gente não tem sequer conhecimento do assunto para comentar o que quer que seja, então o resultado disso se torna algo engraçado ou até mesmo, uma contradição. Assim como um médico pode não saber o que é "Template", um Webdesigner pode não saber o que é "Cateterismo"... Ninguém nesse mundo é dono de todo o saber, então o que devemos fazer é opinar somente sobre aquilo que conhecemos. E em relação ao assunto em discussão, duvido que um jornalista saiba menos que um molequinho de Mogi das Cruzes, que baseia sua vida em conversas "recheadas" de gírias que, talvez, nem ele mesmo saiba o que significam. Então, como já dizia um velho sábio: "Se tens algo a dizer, digas! Se não sabes o que dizer, cala-te!". Abraços a todos.
[Leia outros Comentários de *Roberta*]
29/11/2002
15h04min
Absurdo pôr os comentários todos no mais baixo patamar sem dar maiores esclarecimentos, descartando por esse expediente qualquer debate posível. E quer esse despotazinha da internet comparar-se a Oscar Wilde? Pronto, as cinco, uma para cada oração. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Guilherme Quandt]
29/11/2002
21h09min
Ih, o Jorge e já escreveu nos comentários dos textos como Alcion Magalhães. Sobre os comentaristas profissinais, essa é a profissão do brasileiro de macroeconômia a vida do vizinho,ele dá palpite em tudo, menos da vida dele. Infelizmente em qualquer lugar haverá um crítico de meia tijela para falar, Eu ia fazer bem melhor. Abraços Otávio
[Leia outros Comentários de Otávio]
30/11/2002
08h58min
Um trecho de um dos comentários de leitores ao último bem humorado ensaio de Alexandre Soares Silva insinua a existência de uma necessária conexão do tipo causa-e- efeito entre o nível de escolaridade (dita) superior de uma pessoa e sua capacidade de avaliar a qualidade de um texto literário.Existe, entretanto,entre nós brasileiros a seguinte realidade( melancólica): se o ensino secundário fosse entre nós o que deveria ser(e que já foi no passado),e não mera ponte para o vestibular (aquilo em que acabaram por transformá-lo), um bom aluno do segundo grau poderia dar com mais segurança, com mais acerto, seus palpites de aprendiz de crítico. Diploma de ensino superior o velho e bom Machado nunca teve...E, mais uma vez,parabéns à saudável irreverência do Alexandre !
[Leia outros Comentários de Roberto M. Filho]
30/11/2002
11h10min
Rio, 30/nov/02-Um adendo muito necessário. Em que pese minha admiração pelos escritos do Alexandre, incluindo neles o "Polêmicas" ( a que me referi na mensagem anterior), eu seria um triste covarde se deixasse de registrar uma certa restrição bastante séria ao texto mais recente: é a que se refere ao uso, feito pelo ensaísta em certo trecho do "Polêmicas",de um nome que para mim é intocável, e o autor sabe qual é.Sinto muito amigo, mas, como diziam os antigos: "Amicus Plato, magis véritas" ...
[Leia outros Comentários de Roberto M. Filho]
30/11/2002
17h46min
Há muito que não dou as caras por aqui, e o fato de estar às turras com meu provedor é o menor de meus problemas, mas vejo que o brilho do Alexandre continua o mesmo. Mais não digo porque, como disse quem quer que tenha dito isso, tenho tédio de controvérsia. Alcion não é marca de sardinha em lata?
[Leia outros Comentários de Alexandre Ramos]
1/12/2002
11h41min
Alexandre, esse seu texto está ótimo! Pegou justamente no ponto que nós todos, os colunistas e ex-colunistas, conhecemos. Jornalistas ou não, colocamos nossa cara pra bater e sempre levamos uns tapas... e o problema é que não podemos revidar, senão dirão que não sabemos levar críticas na boa ou que somos mal educados. Todos que aí comentam acham que têm o seu direito, como eu também acho. Mas muitos se sentiriam igual a você ou o Wilde ao publicar sua primeira coluna e vê-la destrinchada de comentários... Obrigado por mencionar "meus comentaristas" dos Anos Incríveis... alguém comentou no seu site por engano ou desespero? Eu recebo novos a cada semana. A coluna tá boa demais mesmo, parabéns, como sempre! Estou com saudades do Homem de Azul Cobalto, e obrigado por ter ido onde nos encontramos a última vez, espero que tenha se divertido. Abraços.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
2/12/2002
11h25min
Alexandre, meu caro, te achei sem querer enquanto eu navegava sem rumo. Essa tua crônica sobre polêmicas, polentas & polemistas é muito divertida. Depois, com calma, pretendo voltar ao passado e ler teus textos anteriores. Me passe o teu endereço físico, quero te mandar um exemplar d"O século oculto", meu livro de crônicas passionais e sonhos provocados. São textos sobre literatura, meio excêntricos, que pra minha surpresa têm agradado a gregos e baianos. Abraço deste Nelson (o de Oliveira)!
[Leia outros Comentários de Nelson de Oliveira]
2/12/2002
16h34min
Entre o Alexandre e este escriba, tudo bem, graças a Deus ! Amigos e entendidos!
[Leia outros Comentários de Roberto M. Filho]
2/12/2002
16h45min
Eu simplesmente acho o Alexandre o máximo. Divertidíssimo! Parabéns.
[Leia outros Comentários de Denise Bacellar]
2/12/2002
18h16min
Ele é divertido sim, sem dúvida. Mas tem aí, em seu texto, um desafio a nós, seus leitores. Jornalista pode dar palpite em tudo; e leitor, num pode?
[Leia outros Comentários de Augusto Reis]
5/12/2002
20h35min
Simplesmente magnífico, um texto coeso que mostra a amplitude da Web como arma de contextualização. Muito divertido e sempre provocante. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Luiz Antonio]
6/12/2002
11h40min
Alexandre, Lembrando Woody Allen que certa vez disse: "Todos nós somos ignorantes, apenas em assuntos diferentes", entendo que articulistas de seu nível realmente não tem de obrigatoriamente ler/responder todo tipo de resposta/comentario sobre os seus artigos. Assim, sugiriria a existencia de um "filtro" realizado pelo proprio site, onde intervencoes menores nem seriam consideradas. Nao se trata de censura, mas controle de qualidade. Abs e parabens.
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
6/12/2002
21h24min
Seu texto é realmente interessante, lembra aquelas colunas de horóscopo de jornais - sabe tudo, prevê tudo, certeza absoluta sobre tudo... voce deveria estar ensiando na sorbonne, amigo. carlo
[Leia outros Comentários de carlo giulio]
1/3/2004
17h10min
Oi... Estava fazendo uma pesquisa sobre Oscar Wilde e vi isso... Achei muito engraçado, dei boas risadas. Gostei do seu bom humor... Como deve ser duro ser jornalista... Beijos...
[Leia outros Comentários de leila]
19/3/2004
16h44min
Apesar da abordagem bem-humorada do Alexandre, chego a levar um pouco a sério o assunto: um autor não é o dono da verdade, e sendo ele de bom senso (e eu sei que há exceções, ok?,mas a regra é que um autor tenha bom senso, pombas!), não vai pensar que o é. Mas ele escreveu lá seu texto, tem seu mérito, e com certeza existem argumentos extremamente bons contra a sua idéia, a questão é só ter alguém para lançá-los. Só que não dá pra ficar discutindo um bendito de um texto ad infinitum, acredito que é isso que o Alexandre quer colocar. Acho que o autor de um texto tem que ter um mínimo de reserva para com suas idéias e não tem que ficar se defendendo de toda e qualquer colocação que seja feita contra elas. É como se o presidente da República fosse obrigado a ouvir e/ou contra-argumentar as reivindicações de todo e qualquer eleitor que votou nele.
[Leia outros Comentários de Rodrigo]
27/11/2005
20h52min
Nossa, nem sei como acabei nesse site do Digestivo Cultural, sei que tava lendo notícias, acabei num blog de alguém, dali fui prum tal de Pensar Enlouquece, tinha umas coisas de plágio de um texto de amor-fênix (queria eu ser o amor fênix do autor), e então me vejo nesse Digestivo. Li um negócio de sinais de vulgaridade (amei), daí o Japão que ficou maluco (amei de novo) e daí caí nessas polêmicas (e me apaixonei!).
[Leia outros Comentários de Eloisa Maranhão]
31/8/2006
11h16min
muito interessante, culto pra pessoas que gostam de coisas boas e cultura. adorei e me convenceu bastante!
[Leia outros Comentários de adelia valentina]
2/12/2010
14h53min
Acredito que o autor tenha querido registrar que comentários são, sim, bem-vindos; porém, não os dos "espíritos de porco", que, assim como os pichadores de muros, só querem "sujar" a imagem do autor com comentários "sem noção", xingamentos e julgamentos de valor, que agem desvirtuando o teor do assunto abordado. Engraçado como vejo que, em alguns comentários acima, o autor foi justamente mal interpretado e julgado. Pensei até que alguns comentários fossem brincadeira, mas não são. Gente, cabecinha mais aberta e pensante, pelo amor de Deus! Em tempo: não sou jornalista nem cronista. Abraços, Patrícia
[Leia outros Comentários de Patrícia ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PETIÇÕES & CONTRATOS - MODELOS - VOLUME 2
ANTONIO PÁDUA PINTO NETO
ESPLANADA
(2001)
R$ 120,00
+ frete grátis



A GRANDE PARTIDA : ANOS DE CHUMBO 2ª ED. + DVD
FRANCISCO SORIANO
PLENA EDITORIAL
(2010)
R$ 35,00



REDES E APOIO SOCIAL
ANDREIVNA KHARENINE SERBIM UND LISIANE PASKULIN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 314,00



IT GIRL 5: GAROTA DE SORTE
CECILY VON ZIEGESAR
GALERA RECORD
(2010)
R$ 37,99



PEQUENO DICIONÁRIO DO PERFEITO AUTOMOBILISTA
CHRISTIAN VEBEL
GRIJALBO
(1967)
R$ 5,00



O MISTÉRIO DO CASAMENTO DESCOBRINDO DEUS NO MATRIMÔNIO 8610
MIKE MASON
MUNDO CRISTÃO
(1986)
R$ 18,00



O LIVRO DOS SEGREDO VOL. I 7855
BHAGWAN SHREE RAJNEESH - OSHO
MAHA LAKSHMI
(1982)
R$ 60,00



TRUST IN GOD... ITS IN HIS HANDS
MIKE SANDERS
GHRISTIAN APPALACHIAN PROJECT
(2003)
R$ 10,00



PIGGY BANKS
SALVADANAI
BELLA CASA
(1992)
R$ 50,00



O MEU COCKER SPANIEL
BRUCE FOGLE
EDITORIAL PRESENÇA
(1997)
R$ 16,77





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês