Adaptação: direito ou dever da criança? | Marina Marcondes Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Volta às Aulas

Sexta-feira, 15/3/2002
Adaptação: direito ou dever da criança?
Marina Marcondes Machado

+ de 6400 Acessos

Quem foi criança durante a década de sessenta, ou antes, talvez só conheça o jargão educacional da palavra “Adaptação” como uma vivência de pai e mãe, avô ou avó de crianças pequenas; e quem nasceu durante a década de setenta, e adiante, talvez não se lembre (pode ter ido para a escola muito pequeno), mas pais ou mães ou avós estiveram presentes nos primeiros dias de aulas para “fazer a adaptação” deles, como se diz. “Fazer a adaptação” foi um cuidado que o saber da psico-pedagogia passou a introduzir nas rotinas das escolas, especialmente nas de crianças muito pequenas (de zero a seis anos, as pré-escolas e creches). Faz parte de um cuidado com a experiência emocional e afetiva de separar-se de um tipo de vida para adentrar noutro tipo. Trata-se de um modo equivalente a um novo “desmame”: o adulto entrega sua criança aos cuidados de um sistema (professora, coordenadora, orientadora, cozinheira, vigia, etc etc) e a criança passa a viver a rotina daquele sistema, o que se contrapõe ao vivido até então -- usualmente um cotidiano caseiro, mais baseado no ritmo próprio da criança e da sua família. A “adaptação” serve, portanto, para que tanto a criança quanto o adulto se acostumem paulatinamente e se entreguem a esse modo de viver.

É preciso estar bem preparado para “fazer a adaptação”. Trata-se de um procedimento mútuo: estão se adaptando a uma nova realidade tanto a criança quanto seus pais... Por mais bem pensada e elaborada a decisão de levar um filho pequeno para a escola, o fato dele espernear, não querer ir, chorar muito e gritar na hora de dizer...”tchau”, são vividos pelos pais de maneira dolorosa (e muitas vezes até contraditória ou ambígua). O choro e a dificuldade inerente para se separar do modo antigo de viver questiona até o fundo do poço as nossas escolhas urbanas: a necessidade concreta de deixar as crianças em algum lugar propício ao seu desenvolvimento, culturalmente aceito e bem visto, e na maior parte das vezes, também caro prá chuchu. E há logo de cara, ainda em casa, o sufoco de tirar o pequeno da cama, impingindo a ele a rotina dura dos horários do relógio (“Que hora fecha o portão?”), sendo que a criança pequena vive talvez numa outra temporalidade, aquela do sol e da lua, do antes, do durante e do depois da chuva, da duração de uma onda do mar, e tirá-la dessa sintonia muitas vezes significa uma intromissão enorme.

Mas depois a criança se acostuma; ela se mostra mais maleável que nós, e quer ser grande e ter mochila e lancheira, mas quando volta com uma mordida marcada no braço ou um dentinho lascado por uma queda do escorregador... são os pais que não se adaptaram ainda! Pois cada pessoalidade tem seu grau de tolerância/intolerância, cada pai e cada mãe suportam bem ou mal, num grau maior ou menor, a separação de seus filhos pequenos e a distância dos cuidados durante o conflito ou a queda. É fato que deixá-los na escola, por mais bem escolhida que seja a opção educacional que o adulto fez, implicará sempre num grau de institucionalização da vida. E talvez esse seja o fato mais doloroso, do ponto de vista do adulto.

Do ponto de vista da criança, o que dói talvez seja a dúvida colocada no que já foi, no vivido até então: não estava tudo bem ficar em casa com a mãe ou a avó, passear com o cachorro e a empregada, passar um tempinho no primo e voltar para almoçar e dormir?? E se a adaptação está ocorrendo depois de um período de férias dos adultos, quanto pior! Não era uma maravilhosa vida, e para todos!, morar numa casa na beira da praia, fazer buracos na areia e boiar no mar? Como compreender esta opção dos pais de lhe imprimirem a vida urbana e institucional de uma hora para outra e de uma vez por todas? Como aceitar a mão e o colo de uma desconhecida, a professora? Pagando uma mensalidade salgada nós acreditamos garantir uma mão segura e um colo aconchegante para nossos filhos pequenos. Ainda assim, sofremos.

Cabe lembrar que poder fazer essa opção é possível apenas para uma minoria das crianças brasileiras. A maioria delas está em adaptação, no sentido darwiniano da sobrevivência (ou morte) por toda sua primeira infância. Muitas estarão institucionalizadas desde seu nascimento, e uma das coisas mais tristes de se ver nesse mundo é um bebê institucionalizado. Outras crianças estão ficando oito horas por dia em creches, muitas das quais com estrutura frágil, com dificuldades básicas de manutenção, sendo a principal delas: poucos adultos para grande número de crianças. Isso faz ser preciso considerar sempre “o Grupo” de modo a dar conta dos cuidados e de todas as atividades previstas. Estarão essas crianças, então, em adaptação à falta de “Pessoalidade” que tende a ser negada desde o primeiro dia de freqüência, no entanto negada para que todos tenham de fato o direito de serem atendidos. Da mesma forma que para os pais que podem pagar uma boa pré-escola, o serviço prestado tem um custo financeiro alto, também para o Estado boas creches devem implicar em investimento quantitativo e qualitativo: dinheiro e recurso humano. Porque, se todas as crianças pudessem ter um bom começo, superariam as inúmeras fases de adaptação que se apresentassem a elas, e diante da experiência relacional da mão segura e do colo aconchegante, se tornariam aptos a dar um salto, digno, à categoria de cidadãos. Para que, anos depois, sejam eles mesmos pais e educadores conscientes de suas opções, deveres e direitos em relação às crianças ao seu redor.


Marina Marcondes Machado
São Paulo, 15/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos


Mais Marina Marcondes Machado
Mais Especial Volta às Aulas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PEQUENO PRÍNCIPE
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
AGIR
(2003)
R$ 25,00
+ frete grátis



SOLO DE CLARINETA - 2 VOLS
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1976)
R$ 39,96



CARTAS PERSAS 2
MONTESQUIEU
ESCALA
(2006)
R$ 10,00



FAMILY ALBUM, U. S. A.
APEL
MAWELL MACMILLAN
R$ 60,00



BENCHMARKING - O CAMINHO DA QUALIDADE TOTAL
ROBERT C. CAMP
PIONEIRA
(1935)
R$ 10,00



GRUPOS, ORGANIZACOES E INSTITUICOES - COLECAO PSICOLOGIA SOCIAL
GEORGES LAPASSADE
VOZES
(2016)
R$ 71,64



POLÍTICA INTERNACIONAL COMPARADA - O BRASIL E A INDIA NAS NOVAS...
MARCOS COSTA LIMA (ORG.)
ALAMEDA
(2012)
R$ 24,22



HISTOIRE DES IDÉES POLITIQUES: TOMO I - DES ORIGINES AU XVIII
JEAN TOUCHARD E OUTROS (CAPA DURA)
PRESS UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1959)
R$ 17,82



POÈMES DAMOUR DES XIIE ET XIIIE SIÈCLES
ANONYME; EMMANUELE BAUMGARTNER; FRANÇOISE F.
UNION GENERALE
(1983)
R$ 39,82



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE ABRIL DE 1963
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1963)
R$ 7,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês