Casimiro de Brito | Maria João Cantinho | Digestivo Cultural

busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 16/9/2002
Casimiro de Brito
Maria João Cantinho

+ de 1900 Acessos

A combinação e a diversidade dos registos, transcendendo em muito a linearidade de um simples diário. A inteligência da análise, conjugando-se com uma escrita intensamente poética, que se debruça com tanta atenção sobre o mais trivial facto da vida, como sobre temas metafísicos, existenciais e a literatura.

"Que espécie de consolação é essa de sabermos que em breve seremos 'pó de estrelas'? Como lutar contra o medo, a morte, o terror, a desaparição, a transformação, enfim, que tu dizes que não acaba? Resposta não tenho senão como poeta, neste ser poeta onde se derrama a vida toda, minha e dos outros. E só posso dizer o que venho dizendo há anos (...) que a morte não existe(...) no essencial, quero dizer isto, que a morte não existe mas que morrer dói." (p. 199)

Casimiro de Brito possui uma vasta obra que se reparte entre a poesia, a ficção e o ensaio e crítica. Nesta obra, procura levar a cabo uma revisão ou um balanço, efectuado, ao longo do ano 2000, em que se confronta o final de um século e se prepara uma nova era, avançando pelos acontecimentos triviais e banais do dia-a-dia, buscando a intersecção entre o quotidiano, a subjectividade da experiência e a objectividade dos factos que ocorrem. Intercala o seu diário com uma preciosa colecção de poemas da sua escolha.

O autor revela um olhar descrente e pessimista sobre a realidade humana, que nega a existência de um humanismo. Como o próprio poeta o afirma, "Sobre o que penso de um diário, deste, por exemplo, dou a palavra a Ballester, colhendo-a num dos seus livros em que mais vezes leio: «Puros fragmentos de um edifício inconcluso, arcos, colunas, abóbadas, paredes, que também podem ser ruínas. O diário de trabalho de um poeta manipula inevitavelmente a matéria poética, da qual resta, fímbrias, resíduos...» Matéria composta essencialmente por destroços do mundo e da letra que a ele, obsessivo, o homem vem colando". (p. 27).

Toda a obra nasce, portanto, desse desejo de reunião dos fragmentos, avulsos e, aparentemente desconexos, a que o autor procura devolver o sentido, inscrevendo-os numa nova ordem, reinstaurando uma unidade, por ele produzida ou (re)criada.

E é de uma barca que se fala neste livro. Uma metáfora ou imagem, cintilante e que concentra em si uma polissemia. De uma barca que navega entre a luz das palavras, da poesia e a poeira dos dias, nessa matéria volátil que resulta da existência, descobrindo-se na sua fragilidade. De uma barca caminhando em direcção à morte, tal como a barca egípcia, ritual, aquela que nos fascina nos túmulos dos faraós egípcios. E é da eminência da morte, do caos, das pequenas e grandes tragédias que percorrem os dias, que nos fala o autor, numa sabedoria humilde e fascinada pela leitura e pela infinita interpretação dos clássicos, pelo fértil diálogo com o pensamento e poesia orientais.

A Barca do Coração reflecte em si a vivência de alguém que pesa a justeza de cada gesto, descobrindo e celebrando o mundo na sua fragmentação, sabendo que o fragmento "é também um ir direito ao coração dos problemas, sabendo humildemente que não se chega lá." (p.144). Aquele que o celebra, conhece também a improbabilidade do gesto, do olhar da mulher que se ama, da filha que ensina a alegria, num convívio com a tristeza e o vazio dos dias que passam.

O que ressuma desta obra, em vários momentos tocante, é essa ars moriendi, que alimenta a escrita do poeta. Se entendermos a vida como um lento despojamento, então compreendemos que ela aparece, ainda, como a matéria que cria o mundo, matéria incandescente e com a qual é sempre difícil lidar: a existência.

A Barca do Coração surge, derradeira, pois o que escreve - efectuando esse gesto compulsivo de respirar os dias - é o que fica menos pobre, aliviando a poeira, transformando-a numa luz mansa que se dilui no rio, evocando a metáfora de Heráclito, a do rio acolhendo, na sua unidade, a multiplicidade das águas, a multiplicidade do tempo.

Resta-me a pergunta, após a leitura do diário: "O que pode salvar-se pela escrita, o que pode ela resgatar?". Encontro a resposta, tão breve, na p.271: "O meu tema é o efémero, o inesgotável 'agora'(...) O efémero e o inesgotável levados à sua última (e primitiva, também) essência.

Nota do Editor
Texto publicado originalmente na Revista Storm, editada por Helena Vasconcelos em Portugal. (Foi mantida intacta também a grafia original.)


Maria João Cantinho
Lisboa, 16/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coro dos Maus Alunos de Duanne Ribeiro
02. Palavras impressas de Pilar Fazito
03. O Belo Indiferente de Rennata Airoldi
04. O elogio do Silêncio ou duas ou mais antipolêmicas de Paulo Polzonoff Jr


Mais Maria João Cantinho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA PLANETA - ANO 42 -ED. 508 - ABR/2015 - O NOVO CÉREBRO DO JOVEM
VÁRIOS AUTORES
TRÊS
(2015)
R$ 10,00



SOBRE O HOMEM E SUAS RELAÇÕES
FRANZ HEMSTERHUIS
ILUMINURAS
(2000)
R$ 28,00



ECONOMIA SOCIAL NO BRASIL
LADISLAU DOWBOR -SAMUEL KILSZTAJN
SENAC
(2001)
R$ 18,00



MONSTROS (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
ADERIVALDO SANTOS
LEITURA
R$ 15,00



RESUMÃO EXATAS 2 GEOMETRIA
MONICA TAMBELLI
BFEA
(2004)
R$ 15,00



LIVRO MATEMATICA CIENCIA E APLICAÇÃO - 3 VOL - PROFESSOR
VARIOS
SARAIVA
(2020)
R$ 225,00



UNIVERSO DC 3
DC
PANINI
(2010)
R$ 5,00



PRA VOCÊ EU CONTO ENTRE LINHAS
MOACYR SCLIAR
ATUAL
(2008)
R$ 5,00



POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITO À EDUCAÇÃO
ORLANDO ROCHADEL MOREIRA
FÓRUM
(2007)
R$ 51,75



FUNDAMENTOS DE FÍSICA - ELETROMAGNETISMO
DAVID HALLIDAY
LTC
(1996)
R$ 39,90





busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês