Casimiro de Brito | Maria João Cantinho | Digestivo Cultural

busca | avançada
54894 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O conto como labirinto em Milton Hatoum
>>> O amor e o amor plagiado
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> YouTube em versão brasileira
>>> Fi-lo porque qui-lo
>>> Sex and the City, o filme
>>> Interactivity Ethics
>>> Poesia BR em Paris
>>> Animismo
>>> E Éramos Todos Thunderbirds
Mais Recentes
>>> Learn with us 4 - class book de Hawys morgan e vanessa reilly e plácido bazo pela Oxford (2019)
>>> Descobrindo A História Da Arte de Graça Proença pela Atica (2017)
>>> Adomania 2 A1 - a2 - Méthode de français de Corina Brillant pela Hachette (2016)
>>> Learn With Us 4 - Activity Book With Online Practice de Kirstie Grainger e Vanessa Reilly e Bazo pela Oxford University Press (2019)
>>> Menina Bonita Do laço De Fita - Infanto de Ana Maria Machado pela Atica (2019)
>>> Matematica E Logica Para Concursos 9 M+L=c) Mais de 600 Exercicios - Matematica de Jose Luiz De Morais pela Saraiva (2012)
>>> Memorias de um sargento de milicias de Manuel Antônio De Almeida; Ivan Jaf; Rodrigo Rosa pela Atica (2021)
>>> Eu & os outros de Liliana Iacocca; Michele Iacocca pela Atica (2007)
>>> João Bosco Bezerra Bonfim; Laura Mitchell de Lobo-guará de hotel pela Callis (2009)
>>> Guera dentro da gente (colecao crisalda) de Paulo Leminski pela Scipione (2006)
>>> A pesar de tudo de Dipacho pela Companhia das Letras (2018)
>>> Flavia - Flavia - Professora ao Contrário de Luiz Raul Machado pela Positivo (2021)
>>> Jornadas. Cie 9º Ano Ciências (aluno) de Isabel Rebelo Roque pela Saraiva (2016)
>>> Book a + B Challenge 2 Reach Out Series de Challenge pela Nova Aliança (2016)
>>> 3 Volumes + 2 Cadernos (completo) Ser Protagonista Física de Válio; Fukui; Ferdinian; Oliveira; Molina pela Sm Ed (2014)
>>> 11 Volumes Fábulas Divertidas: Arara Macaco Sapo Mosquitos Etc de Sylvio Luiz Panza pela Ciranda Cultural
>>> Volumes 1 e 3: Sobrados e Mucambos Coleção Documentos Brasileiros de Gilberto Freyre pela José Olympio (1951)
>>> Estudos de Literatura Brasileira 4ª Edição Revista e Ampliada de Douglas Tufano pela Moderna (1988)
>>> Novos Céus e Uma Nova Terra de United States Of America pela United States Of America
>>> Acenda sua Luz de Carol Rache pela Miguilim (2019)
>>> Almanaque Mundial 1961 de Eduardo Cárdenas (org.) pela Moderna (1961)
>>> Plantão da Noite de Irwin Shaw pela Nova Cultura (1987)
>>> História da Filosofia Ocidental Vol. 3 A Filosofia Moderna de Bertrand Russell pela Companhia Nacional (1967)
>>> Filosofia do Vestibular de Dino F. Fontana pela Saraiva (1964)
>>> Os Filósofos Pré Socráticos de Clássicos Cultrix pela Cultrix (1967)
COLUNAS

Segunda-feira, 16/9/2002
Casimiro de Brito
Maria João Cantinho

+ de 2100 Acessos

A combinação e a diversidade dos registos, transcendendo em muito a linearidade de um simples diário. A inteligência da análise, conjugando-se com uma escrita intensamente poética, que se debruça com tanta atenção sobre o mais trivial facto da vida, como sobre temas metafísicos, existenciais e a literatura.

"Que espécie de consolação é essa de sabermos que em breve seremos 'pó de estrelas'? Como lutar contra o medo, a morte, o terror, a desaparição, a transformação, enfim, que tu dizes que não acaba? Resposta não tenho senão como poeta, neste ser poeta onde se derrama a vida toda, minha e dos outros. E só posso dizer o que venho dizendo há anos (...) que a morte não existe(...) no essencial, quero dizer isto, que a morte não existe mas que morrer dói." (p. 199)

Casimiro de Brito possui uma vasta obra que se reparte entre a poesia, a ficção e o ensaio e crítica. Nesta obra, procura levar a cabo uma revisão ou um balanço, efectuado, ao longo do ano 2000, em que se confronta o final de um século e se prepara uma nova era, avançando pelos acontecimentos triviais e banais do dia-a-dia, buscando a intersecção entre o quotidiano, a subjectividade da experiência e a objectividade dos factos que ocorrem. Intercala o seu diário com uma preciosa colecção de poemas da sua escolha.

O autor revela um olhar descrente e pessimista sobre a realidade humana, que nega a existência de um humanismo. Como o próprio poeta o afirma, "Sobre o que penso de um diário, deste, por exemplo, dou a palavra a Ballester, colhendo-a num dos seus livros em que mais vezes leio: «Puros fragmentos de um edifício inconcluso, arcos, colunas, abóbadas, paredes, que também podem ser ruínas. O diário de trabalho de um poeta manipula inevitavelmente a matéria poética, da qual resta, fímbrias, resíduos...» Matéria composta essencialmente por destroços do mundo e da letra que a ele, obsessivo, o homem vem colando". (p. 27).

Toda a obra nasce, portanto, desse desejo de reunião dos fragmentos, avulsos e, aparentemente desconexos, a que o autor procura devolver o sentido, inscrevendo-os numa nova ordem, reinstaurando uma unidade, por ele produzida ou (re)criada.

E é de uma barca que se fala neste livro. Uma metáfora ou imagem, cintilante e que concentra em si uma polissemia. De uma barca que navega entre a luz das palavras, da poesia e a poeira dos dias, nessa matéria volátil que resulta da existência, descobrindo-se na sua fragilidade. De uma barca caminhando em direcção à morte, tal como a barca egípcia, ritual, aquela que nos fascina nos túmulos dos faraós egípcios. E é da eminência da morte, do caos, das pequenas e grandes tragédias que percorrem os dias, que nos fala o autor, numa sabedoria humilde e fascinada pela leitura e pela infinita interpretação dos clássicos, pelo fértil diálogo com o pensamento e poesia orientais.

A Barca do Coração reflecte em si a vivência de alguém que pesa a justeza de cada gesto, descobrindo e celebrando o mundo na sua fragmentação, sabendo que o fragmento "é também um ir direito ao coração dos problemas, sabendo humildemente que não se chega lá." (p.144). Aquele que o celebra, conhece também a improbabilidade do gesto, do olhar da mulher que se ama, da filha que ensina a alegria, num convívio com a tristeza e o vazio dos dias que passam.

O que ressuma desta obra, em vários momentos tocante, é essa ars moriendi, que alimenta a escrita do poeta. Se entendermos a vida como um lento despojamento, então compreendemos que ela aparece, ainda, como a matéria que cria o mundo, matéria incandescente e com a qual é sempre difícil lidar: a existência.

A Barca do Coração surge, derradeira, pois o que escreve - efectuando esse gesto compulsivo de respirar os dias - é o que fica menos pobre, aliviando a poeira, transformando-a numa luz mansa que se dilui no rio, evocando a metáfora de Heráclito, a do rio acolhendo, na sua unidade, a multiplicidade das águas, a multiplicidade do tempo.

Resta-me a pergunta, após a leitura do diário: "O que pode salvar-se pela escrita, o que pode ela resgatar?". Encontro a resposta, tão breve, na p.271: "O meu tema é o efémero, o inesgotável 'agora'(...) O efémero e o inesgotável levados à sua última (e primitiva, também) essência.

Nota do Editor
Texto publicado originalmente na Revista Storm, editada por Helena Vasconcelos em Portugal. (Foi mantida intacta também a grafia original.)


Maria João Cantinho
Lisboa, 16/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Islã e seu Clone de Adriana Baggio
02. Em nome do senhor de Rafael Azevedo
03. O início da TV foi parecido com o Napster de Vicente Tardin


Mais Maria João Cantinho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Espiritualidade do Sucesso: Como Ficar Rico sem Perder
Vincent M. Roazzi
Cultrix
(2005)



Crítica da Razão Pura - 3ª Ed. - Coleção Fundamentos da Filosofia
Immanuel Kant
Ícone
(2011)



A Irreligião do Futuro
Jean-marie Guyau
Martins Fontes - Selo Martins
(2014)



Apoio Internacional ao Desenvolvimento Local - Experiências Socia
Leilah Landim e Maria Carolina Trevisan
Peiropolis
(2009)



Longman Mini English Dictionary
Smith Jeremy
Longman
(2002)



American More Workbook Com Cd
Herbert Puchta
Cambridge
(2001)



Alicerces Históricos do Cristianismo
Charles W. Turner
Liberdade
(1940)



A Moreninha
Joaquim Manuel de Macedo
Prazer de Lazer
(2017)



Português Fcc
Décio Sena
Ferreira
(2007)



Terras de Palavras - 1ª Edição
Fernanda Felisberto
Pallas
(2004)





busca | avançada
54894 visitas/dia
2,2 milhões/mês