Da História, De Livros e De Bibliotecas | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
>>> Virtudes e pecados (lavoura arcaica)
>>> Pela estrada afora
Mais Recentes
>>> Novo código civil brasileiro de Coordenação; Giselle de Melo Braga Tapai e colaboradores pela Revista dos tribunais (2003)
>>> Execução de Pré Executividade de Marcos Valls Feu Rosa pela Sergio Antonio Fabris (1996)
>>> O desafio do escombro : nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau de Moema Parente Augel pela Garamond (2007)
>>> Processo de Execução de Levenhagen pela Atlas (1986)
>>> Processo de Execução de Humberto Theodoro Júnior pela Leud (1999)
>>> Execução direito processual civil ao vivo de Humberto Theodoro Júnior pela Aide (2000)
>>> Teoria e prática do processo de execução de Orlando Fida e Carlos A.M. Guimarães pela Led (2019)
>>> Lei de execução Fiscal Comentada e Anotada Lei 6.830 de 22 /09/1980 de Maury Ângelo Bottesini e outros pela Revista dos Tribunais (2000)
>>> Execução Fiscal de José Afonso da Silva pela Revista dos Tribunais (1975)
>>> A Execução contra fazenda pública de Wanderley José Federighi pela Saraiva (1996)
>>> Execução Civil (Princípios Fundamentais) de José Miguel Garcia Medina pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Da arrementação e da Execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Leud (1998)
>>> Execução Forçada de Cláudio Nunes do Nascimento pela Saraiva (1974)
>>> Fraude a Execução de José Sebastião de Oliveira pela Saraiva (1986)
>>> Fraude de Execução e Garantias Fundamentais do Processo de Sergio Coelho Junior pela Lumen Juris (2006)
>>> Prática do processo de execução de Severiano Ignacio de Aragão pela Idéia Jurídica (2001)
>>> Execução contra fazenda pública fundada em título extrajudicial de Juraci Inês Chiarini Vicente pela Forense (2001)
>>> Da execução e dos Embargos de João Roberto Farizato pela Led (1996)
>>> Execução de Luiz Guilherme Marinoni e Sergio Cruz Arenhart pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> O Novo processo de execução de Luiz Fux pela Forense (2008)
>>> A Reforma da execução do título extrajudicial de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (2007)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (1999)
>>> Manual das Execuções de Jônatas Milhomens e Geraldo Magela Alves pela Forense (2001)
>>> A consciência do impacto nas obras de Cruz e sousa e de Lima Barreto de Cuti pela Autêntica (2009)
>>> Execução no Código de processo Civil de José Antonio de Castro pela Saraiva (1983)
>>> Crédito Hipotecário na execução movida por terceiro de Haroldo Pabst pela Revista dos Tribunais (1978)
>>> Intervenção de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1989)
>>> Embargos de Terceiros de José Antonio Alem pela Leud (1987)
>>> Embargos de Devedor de José Antonio Alem pela Leud (1986)
>>> Embargos de terceiro de Edson Prata pela Leud (1987)
>>> Das intervenção de terceiros de Jônatas Milhomens pela Forense (1985)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (2001)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1983)
>>> Intervenção de Terceiros de Athos Gusmão Carneiro pela Saraiva (1986)
>>> Pluralidade de partes e intervenção de Terceiros de José Raimundo Gomes da Cruz pela Revista dos Tribunais (1991)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª Fase (Civil) de Fernando Tartuce e Fernando Sartori pela Métado (2007)
>>> Como se Preparar para exame de ordem 1ª ( Fase Processo Penal) de Vauledir Ribeiro Santos pela Métado (2007)
>>> Código de processo Civil Reformado de J. E. Carreira Alvim pela Del Rey (1995)
>>> Instituições de processo Civil de Renato Riotaro Takiguthi pela Saraiva (1977)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Processo Civil Procedimentos Especiais de Thereza Christina Nahas pela Atlas (2006)
>>> Do chamamento a autoria Denunciação da Lide de Antonio Carlos de Araujo Cintra pela Revista dos Tribunais (1973)
>>> Das citações e das intimações de João Roberto Parizatto pela Leud (1990)
>>> Os prazos processuais de Norma Chrissanto Dias pela Lumen Juris (2003)
>>> As inovações no código de processo de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> A ação civil pública na nova ordem constitucional de Édis Milaré pela Saraiva (1990)
>>> Alinhamentos da nova reforma do cpc de José Rogério Cruz e Tucci pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> O advogado e sua identidade profissional em risco de Ivan Alkmim pela Destaque (2001)
>>> Declaração de Insolvência de Onaldo Campos pela Saraiva (2019)
>>> Repertório de jurisprudência e doutrina sobre processo cautelar de Arruda Alvim Nelson Luiz Pinto pela Revista dos Tribunais (2019)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/3/2003
Da História, De Livros e De Bibliotecas
Ricardo de Mattos

+ de 6700 Acessos

Ao lado da História que podemos chamar "Pública", cada vez mais ganha corpo a que podemos chamar de "Privada". A primeira cuida do encadeamento dos factos de importância geral, da origem, desenvolvimento, relações e desaparecimento dos povos, bem como da actuação de pessoas com relevância para os acontecimentos estudados. A segunda investiga elementos secundários, porém, se não determinantes para a compreensão da matéria anterior, permitem uma reconstituição do período tratado. A uma interessa a actuação política de Elizabeth I da Inglaterra, suas decisões, as guerras travadas, a condução da economia e da diplomacia em sua época. Já a outra vai procurar saber sobre seus hábitos alimentares, seus pendores culturais, o número de seus amantes, quem foram e se alcançaram alguma influência sobre ela. Este segundo ramo tem lá a sua utilidade, pois permite a produção de filmes com ricos detalhes de época, e se adoptado um tratamento pouco especulativo, auxilia o entendimento de determinado período. A divisão não é estanque, mas a interdependência deve sempre levar em conta a pertinência.

Dentro da História Privada ganha corpo o ramo que pode ser classificado como "Bibliologia", o estudo do livro como objecto e seu papel na vida dos particulares, quer famosos, quer anónimos. Podemos citar A Ordem Dos Livros, A Aventura do Livro - Do Leitor Ao Navegador e História da Leitura No Mundo Ocidental, todos de Roger Chartier. A excelente Uma História da Leitura de Alberto Manguel; A Palavra Escrita, de Wilson Martins, caracteristicamente técnica, como parece ser também Dos Livros, de Edouard Rouveyre. Um pequeno tratado de Diderot a avançar pela liberdade de impressão na França: Carta Sobre O Comércio dos Livros. Além do livro e seu culto, podemos encontrar algumas histórias de bibliotecas, sejam particulares, sejam públicas. Para aquelas cito Uma Vida Entre Livros de José Mindlin e O Diabo Na Livraria Do Cónego de Eduardo Frieiro. Para estas, A Biblioteca Desaparecida, de Luciano Canfora, sobre a biblioteca de Alexandria.

Com a bibliologia - cheguei ao termo pela lógica, mas o prefaciador de "Dos Livros" já menciona os "bibliólogos" - acompanha-se a evolução do livro desde épocas anteriores à aquisição de seu formato actual em Codex, até a polémica - tola ao meu ver - concernente a sua permanência ou não com o advento da Internet. As diversas formas de impressão, como em cera e argila, o uso do papiro, a adopção do pergaminho, o livro em rolo, usos públicos e particulares, as obras mais comuns encontradas nas residências: estes e vários outros os temas estudados. A prática corrente durante séculos, pela qual o livro era lido e ouvido, permitindo uma tentativa de desvinculação entre analfabetismo e alienação. Atente-se ao prefácio de Moll Flanders escrito por Daniel Defoe: "... Esperamos que o leitor - mesmo o mais puro - e o ouvinte - mesmo o mais pudico - não se ofendam com o restante". O indivíduo poderia não ter recebido uma educação formal, mas dispondo-se a escutar a leitura poderia manter-se tão ou mais informado quanto um alfabetizado. O ler em público e em voz alta é um hábito extinto; não é algo comparável à leitura para crianças nas escolas.

Pode ser útil saber dos hábitos de leitura de algumas pessoas. É sabido o gosto de Montaigne pela leitura dos relatos de viajantes, gosto este a transparecer principalmente no primeiro volume dos Ensaios e acima de todos, na longa Apologia A Raymond Sebond. Tomando conhecimento da variedade das coisas, aceitou a diversidade como regra, e isto pode ser um dos fundamentos de seu cepticismo. No mínimo um auxilio de sua compreensão.

Apesar da excelência da obra, não é este o assunto principal de A Longa Viagem da Biblioteca Dos Reis - Do Terremoto de Lisboa à Independência do Brasil, escrito por Lilia Moritz Schwarcz em colaboração com Paulo César de Azevedo e Angela Marques da Costa. Este livro é simplesmente indispensável à aquisição d'um conhecimento profundo sobre os períodos históricos enfocados: o Joanino, o Pombalino, o Marianismo, a Regência de D. João VI, a transferência da Corte para o Brasil, a Revolução do Porto e os primeiros instantes do Brasil independente. É incomparável a restauração do ambiente português e brasileiro. A história é narrada passo a passo, com consistência e clareza. Não se vale a autora - o dito sobre ela aplica-se aos colaboradores - somente de empréstimos de outros autores, empregando também o abundante material colhido em minuciosa pesquisa junto ao acervo de instituições como o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, A Fundação Biblioteca Nacional (evidentemente), o Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional.

São 416 páginas de texto. Ativesse-se a autora tão somente à história da Biblioteca Real e o volume seria muito menor. Vários capítulos sequer a mencionam, ou o fazem mui superficialmente, como se lembrando de última hora do assunto principal. Há três cadernos em cor, nos quais tive a pachorra de contar 103 ilustrações e verificar apenas nove referentes a livros.

A Biblioteca Real. A autora inicia a obra no reinado de D. João V, vigésimo quarto rei de Portugal, dito o Magnânimo (1689/1.706). Aos livros adquiridos por seus antecessores todos, entre os quais podemos destacar D. Dinis (1.261/1.325) conhecido amante das letras, fundador da Universidade de Lisboa, D. João V acresce muitíssimos outros, comprados avidamente pela Europa. Não se deve imaginar uma pessoa voltando da Itália e tendo nas mãos um livrinho para o rei, e sim, navios trazendo caixas com bibliotecas completas compradas principalmente de particulares. Além disso, uma biblioteca era composta de mapas, moedas, medalhas, partituras, globos terrestres, gravuras, quadros, instrumentos de cálculo, peças astronómicas, minerais, animais empalhados e tudo o mais julgado útil para a aquisição do conhecimento. Além dessas compras maciças, foi instituída a "propina": de cada obra editada no país, um exemplar deveria ser enviado ao acervo real. Variam os testemunhos da época sobre o aproveitamento pelo rei de toda esta fartura, estes dizendo que ele mal tocava os livros, aqueles que ele passava horas perdido entre os volumes. De qualquer forma, uma biblioteca deste porte possuía uma função mais política que cultural. D. João V acreditava afastar dos portugueses a imagem de um povo extremamente místico e inculto. Note-se não haver o desenvolvimento local de artes e técnicas para o progresso do país, mas a preocupação em trazer tudo pronto de fora, ansiando pela aparência de ilustração e actualização.

D. João V é aquele a prometer a construção de um mosteiro, como de facto o fez, caso Deus atendesse suas súplicas e desse-lhe um filho, como de facto deu. Veja-se Memorial do Convento, de José Saramago e a história do convento-palácio de Mafra.

Ostentação ou não, a Biblioteca Real foi a efectivação do objectivo do monarca. Passou a ser mencionada por viajantes e comparada as suas similares no continente. Quanto maior a ideia dela, maior a desilusão em imaginá-la inteiramente perdida e queimada no terremoto que assolou Lisboa em 1.755. O que não foi tragado pelas crateras abertas no chão foi queimado pelo incêndio seguinte. Tudo destruído, livros recentes e seculares, pertencentes aos antigos governantes. Tal terremoto teve a mesma repercussão do atentado de onze de setembro ao WTC. Algo inesperado e próprio a deixar qualquer um atónito até ao menos as perguntas serem esboçadas. Por isso, ao menos em relação a esta primeira Livraria, não faz falta no livro da Professora Schwarcz um inventário das obras até então existentes. Certamente os livros eram arrolados de acordo com a entrada, mas tal catálogo provavelmente foi perdido no pandemónio.

À época do terremoto, o rei de Portugal era D. José I, dito o Reformador (1.714/1.777). Mais que pelo rei, o período é conhecido pela actuação do seu primeiro ministro o Conde de Oeiras, depois intitulado Marquês de Pombal. A capital deve ser reconstruída e paralelamente a biblioteca - ou Livraria Real, como então era chamada - segundo os princípios de sumptuosidade do rei anterior. Morto D. José I, sucede-lhe D.ª Maria I, aqui conhecida como a Louca, lá como a Piedosa (1.734/1816). Esta rainha deu proveito mais prático ao até então reunido para a Livraria Real. Fundou uma biblioteca pública e academias para estudo e desenvolvimento de técnicas agrícolas e de mineralogia, visando o objectivo declarado de progresso da nação. Enlouquecendo enquanto reinante, foi aos poucos substituída pelo seu filho o príncipe João. Com a regência de D. João e transferência da sede do governo português para o Brasil, o enfoque da autora passa para cá, só tornando para Portugal com o regresso da família real por imposição das "Cortes" como ficou conhecido o governo provisório oriundo da Revolução Liberal do Porto de 1.820.

A partir deste ponto desenvolve-se tudo como sabemos. D. João VI retorna à Portugal deixando aqui seu filho mais velho. A pressão das Cortes e o descontentamento dos brasileiros, bem como o receio destes em perder a autonomia obtida com a presença do rei fomentam os ideais de independência e outra não é a saída encontrada. Ficou com D. Pedro a Biblioteca Real, item especificamente negociado por ocasião do reconhecimento da independência. Foi renomeada "Biblioteca Imperial e Pública da Corte" e hoje é a "Fundação Biblioteca Nacional". Aqui, sim, faz falta a aplicação da autora em apresentar um inventário das obras. A Bíblia de Mogúncia, por especial que seja, não nos leva a imaginar o acervo original da actual Fundação. Apesar disso seu livro muito esclarece em sua riqueza de dados, tal como As Barbas do Imperador, leitura ou releitura interessante de se fazer após a conclusão de A Longa Viagem... visto o período de intersecção a ligar as duas obras - os momentos iniciais do império brasileiro.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 6/3/2003


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MISTÉRIO DA CRIPTA AMALDIÇOADA
EDUARDO MENDOZA
PLANETA
(2011)
R$ 19,00



OS CADERNOS DE DOM RIGOBERTO (EDIÇÃO DE BOLSO)
MARIO VARGAS LLOSA
OBJETIVA
(2011)
R$ 12,00



NIELS LYHNE
JENS PETER JACOBSEN
GOLDMANNS GELBE TASCHENBÜCHER
R$ 30,00



SOLDIERS PAY
WILLIAM FAULKNER
PENGUIN BOOKS
(1964)
R$ 32,00



CRIME QUE ABALOU A REPÚBLICA, O
ROBERTO SANDER
MAQUINARIA EDITORA
(2010)
R$ 30,32



TRABALHO DOCENTE NA CRECHE
CELI COSTA S. BAHIA, CELINA MAGALHÃES UND FERNADO PONTES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



AROUND THE WORLD IN EIGHTY DAYS
JULES VERNE
OXFORD
(2010)
R$ 18,61



PRÁTICA FORENSE PARA ESTAGIÁRIOS
LUIS FERNANDO RABELO CHACON; LUIZA HELENA
SARAIVA
(2013)
R$ 21,82



PERSONAGENS FEMININAS
JORGE MARQUES
EDITORA OFICINA RAQUEL
R$ 46,00



WINDSURF: PRANCHA À VELA
JEAN-LUC MARTY
EDIOURO (TECNOPRINT - RJ)
(1982)
R$ 31,28





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês