Da História, De Livros e De Bibliotecas | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/3/2003
Da História, De Livros e De Bibliotecas
Ricardo de Mattos

+ de 6800 Acessos

Ao lado da História que podemos chamar "Pública", cada vez mais ganha corpo a que podemos chamar de "Privada". A primeira cuida do encadeamento dos factos de importância geral, da origem, desenvolvimento, relações e desaparecimento dos povos, bem como da actuação de pessoas com relevância para os acontecimentos estudados. A segunda investiga elementos secundários, porém, se não determinantes para a compreensão da matéria anterior, permitem uma reconstituição do período tratado. A uma interessa a actuação política de Elizabeth I da Inglaterra, suas decisões, as guerras travadas, a condução da economia e da diplomacia em sua época. Já a outra vai procurar saber sobre seus hábitos alimentares, seus pendores culturais, o número de seus amantes, quem foram e se alcançaram alguma influência sobre ela. Este segundo ramo tem lá a sua utilidade, pois permite a produção de filmes com ricos detalhes de época, e se adoptado um tratamento pouco especulativo, auxilia o entendimento de determinado período. A divisão não é estanque, mas a interdependência deve sempre levar em conta a pertinência.

Dentro da História Privada ganha corpo o ramo que pode ser classificado como "Bibliologia", o estudo do livro como objecto e seu papel na vida dos particulares, quer famosos, quer anónimos. Podemos citar A Ordem Dos Livros, A Aventura do Livro - Do Leitor Ao Navegador e História da Leitura No Mundo Ocidental, todos de Roger Chartier. A excelente Uma História da Leitura de Alberto Manguel; A Palavra Escrita, de Wilson Martins, caracteristicamente técnica, como parece ser também Dos Livros, de Edouard Rouveyre. Um pequeno tratado de Diderot a avançar pela liberdade de impressão na França: Carta Sobre O Comércio dos Livros. Além do livro e seu culto, podemos encontrar algumas histórias de bibliotecas, sejam particulares, sejam públicas. Para aquelas cito Uma Vida Entre Livros de José Mindlin e O Diabo Na Livraria Do Cónego de Eduardo Frieiro. Para estas, A Biblioteca Desaparecida, de Luciano Canfora, sobre a biblioteca de Alexandria.

Com a bibliologia - cheguei ao termo pela lógica, mas o prefaciador de "Dos Livros" já menciona os "bibliólogos" - acompanha-se a evolução do livro desde épocas anteriores à aquisição de seu formato actual em Codex, até a polémica - tola ao meu ver - concernente a sua permanência ou não com o advento da Internet. As diversas formas de impressão, como em cera e argila, o uso do papiro, a adopção do pergaminho, o livro em rolo, usos públicos e particulares, as obras mais comuns encontradas nas residências: estes e vários outros os temas estudados. A prática corrente durante séculos, pela qual o livro era lido e ouvido, permitindo uma tentativa de desvinculação entre analfabetismo e alienação. Atente-se ao prefácio de Moll Flanders escrito por Daniel Defoe: "... Esperamos que o leitor - mesmo o mais puro - e o ouvinte - mesmo o mais pudico - não se ofendam com o restante". O indivíduo poderia não ter recebido uma educação formal, mas dispondo-se a escutar a leitura poderia manter-se tão ou mais informado quanto um alfabetizado. O ler em público e em voz alta é um hábito extinto; não é algo comparável à leitura para crianças nas escolas.

Pode ser útil saber dos hábitos de leitura de algumas pessoas. É sabido o gosto de Montaigne pela leitura dos relatos de viajantes, gosto este a transparecer principalmente no primeiro volume dos Ensaios e acima de todos, na longa Apologia A Raymond Sebond. Tomando conhecimento da variedade das coisas, aceitou a diversidade como regra, e isto pode ser um dos fundamentos de seu cepticismo. No mínimo um auxilio de sua compreensão.

Apesar da excelência da obra, não é este o assunto principal de A Longa Viagem da Biblioteca Dos Reis - Do Terremoto de Lisboa à Independência do Brasil, escrito por Lilia Moritz Schwarcz em colaboração com Paulo César de Azevedo e Angela Marques da Costa. Este livro é simplesmente indispensável à aquisição d'um conhecimento profundo sobre os períodos históricos enfocados: o Joanino, o Pombalino, o Marianismo, a Regência de D. João VI, a transferência da Corte para o Brasil, a Revolução do Porto e os primeiros instantes do Brasil independente. É incomparável a restauração do ambiente português e brasileiro. A história é narrada passo a passo, com consistência e clareza. Não se vale a autora - o dito sobre ela aplica-se aos colaboradores - somente de empréstimos de outros autores, empregando também o abundante material colhido em minuciosa pesquisa junto ao acervo de instituições como o Arquivo Nacional da Torre do Tombo, A Fundação Biblioteca Nacional (evidentemente), o Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional.

São 416 páginas de texto. Ativesse-se a autora tão somente à história da Biblioteca Real e o volume seria muito menor. Vários capítulos sequer a mencionam, ou o fazem mui superficialmente, como se lembrando de última hora do assunto principal. Há três cadernos em cor, nos quais tive a pachorra de contar 103 ilustrações e verificar apenas nove referentes a livros.

A Biblioteca Real. A autora inicia a obra no reinado de D. João V, vigésimo quarto rei de Portugal, dito o Magnânimo (1689/1.706). Aos livros adquiridos por seus antecessores todos, entre os quais podemos destacar D. Dinis (1.261/1.325) conhecido amante das letras, fundador da Universidade de Lisboa, D. João V acresce muitíssimos outros, comprados avidamente pela Europa. Não se deve imaginar uma pessoa voltando da Itália e tendo nas mãos um livrinho para o rei, e sim, navios trazendo caixas com bibliotecas completas compradas principalmente de particulares. Além disso, uma biblioteca era composta de mapas, moedas, medalhas, partituras, globos terrestres, gravuras, quadros, instrumentos de cálculo, peças astronómicas, minerais, animais empalhados e tudo o mais julgado útil para a aquisição do conhecimento. Além dessas compras maciças, foi instituída a "propina": de cada obra editada no país, um exemplar deveria ser enviado ao acervo real. Variam os testemunhos da época sobre o aproveitamento pelo rei de toda esta fartura, estes dizendo que ele mal tocava os livros, aqueles que ele passava horas perdido entre os volumes. De qualquer forma, uma biblioteca deste porte possuía uma função mais política que cultural. D. João V acreditava afastar dos portugueses a imagem de um povo extremamente místico e inculto. Note-se não haver o desenvolvimento local de artes e técnicas para o progresso do país, mas a preocupação em trazer tudo pronto de fora, ansiando pela aparência de ilustração e actualização.

D. João V é aquele a prometer a construção de um mosteiro, como de facto o fez, caso Deus atendesse suas súplicas e desse-lhe um filho, como de facto deu. Veja-se Memorial do Convento, de José Saramago e a história do convento-palácio de Mafra.

Ostentação ou não, a Biblioteca Real foi a efectivação do objectivo do monarca. Passou a ser mencionada por viajantes e comparada as suas similares no continente. Quanto maior a ideia dela, maior a desilusão em imaginá-la inteiramente perdida e queimada no terremoto que assolou Lisboa em 1.755. O que não foi tragado pelas crateras abertas no chão foi queimado pelo incêndio seguinte. Tudo destruído, livros recentes e seculares, pertencentes aos antigos governantes. Tal terremoto teve a mesma repercussão do atentado de onze de setembro ao WTC. Algo inesperado e próprio a deixar qualquer um atónito até ao menos as perguntas serem esboçadas. Por isso, ao menos em relação a esta primeira Livraria, não faz falta no livro da Professora Schwarcz um inventário das obras até então existentes. Certamente os livros eram arrolados de acordo com a entrada, mas tal catálogo provavelmente foi perdido no pandemónio.

À época do terremoto, o rei de Portugal era D. José I, dito o Reformador (1.714/1.777). Mais que pelo rei, o período é conhecido pela actuação do seu primeiro ministro o Conde de Oeiras, depois intitulado Marquês de Pombal. A capital deve ser reconstruída e paralelamente a biblioteca - ou Livraria Real, como então era chamada - segundo os princípios de sumptuosidade do rei anterior. Morto D. José I, sucede-lhe D.ª Maria I, aqui conhecida como a Louca, lá como a Piedosa (1.734/1816). Esta rainha deu proveito mais prático ao até então reunido para a Livraria Real. Fundou uma biblioteca pública e academias para estudo e desenvolvimento de técnicas agrícolas e de mineralogia, visando o objectivo declarado de progresso da nação. Enlouquecendo enquanto reinante, foi aos poucos substituída pelo seu filho o príncipe João. Com a regência de D. João e transferência da sede do governo português para o Brasil, o enfoque da autora passa para cá, só tornando para Portugal com o regresso da família real por imposição das "Cortes" como ficou conhecido o governo provisório oriundo da Revolução Liberal do Porto de 1.820.

A partir deste ponto desenvolve-se tudo como sabemos. D. João VI retorna à Portugal deixando aqui seu filho mais velho. A pressão das Cortes e o descontentamento dos brasileiros, bem como o receio destes em perder a autonomia obtida com a presença do rei fomentam os ideais de independência e outra não é a saída encontrada. Ficou com D. Pedro a Biblioteca Real, item especificamente negociado por ocasião do reconhecimento da independência. Foi renomeada "Biblioteca Imperial e Pública da Corte" e hoje é a "Fundação Biblioteca Nacional". Aqui, sim, faz falta a aplicação da autora em apresentar um inventário das obras. A Bíblia de Mogúncia, por especial que seja, não nos leva a imaginar o acervo original da actual Fundação. Apesar disso seu livro muito esclarece em sua riqueza de dados, tal como As Barbas do Imperador, leitura ou releitura interessante de se fazer após a conclusão de A Longa Viagem... visto o período de intersecção a ligar as duas obras - os momentos iniciais do império brasileiro.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 6/3/2003


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREUD
RNÉ MAJOR E CHANTAL TALAGRAND
L&PM
(2007)
R$ 10,00



OS MISTÉRIOS DA LEMÚRIA E ATLÂNTIDA: PROJETO TERRA VOLUME 2
NÃO INFORMADO
LAÉRCIO B. FONSECA
(1991)
R$ 25,00



A ARTE DE SER INSENSATO
ELI BROAD
ALTA BOOKS
(2013)
R$ 45,00



METAMORFOSES DAS LINGUAGENS
VÁRIOS AUTORES; MARCOS SILVA
LCTE
(2009)
R$ 7,00



TITEUF 1 - DEUS, O SEXO E OS SUSPENSÓRIOS...
ZEP
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2012)
R$ 32,00
+ frete grátis



FISIOLOGIA HUMANA
WINTON E BAYLISS
CULTURA MÉDICA
(1970)
R$ 40,48



SABEDORIA & FELICIDADE
JOSÉ DA SILVA MARTINS
MARTIN CLARET
R$ 30,00



HISTÓRIA DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
IVAN LUIZ MONTEIRO
INTERSABERES
(2015)
R$ 40,00



RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NA SOCIEDADE LIMITADA
ITAMAR GAINO (3ª EDIÇÃO)
SARAIVA
(2012)
R$ 85,28



ABANDONAR-SE A DEUS PARA SER IGREJA
ANTHONY DE MELLO
LOYOLA
(2002)
R$ 12,07





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês