Essa tal de Dança Contemporânea | Airton Tomazzoni | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
Mais Recentes
>>> Análise de Balanços ao Alcance de Todos de A Lopes de Sá pela Atlas (1965)
>>> Turiscultura: Viagens pelo Brasil de Zefinha Louça pela Kelps (2000)
>>> Nobel o Prêmio e o Homem 100 Anos de Medicina de João J Noro Coord pela Jsn (1999)
>>> Ela foi Até o Fim de Meg Cabot pela Galera Record (2010)
>>> Depoimentos Literários de Rita Canter pela Flama (1971)
>>> Manual de Direito Penal Vol III -parte Especial Arts. 235 a 361 do Cp. de Julio Fabbrini Mirabete / Renato N. Fabbrini pela Atlas (2007)
>>> Os Meninos Morenos de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> A Casa do Escritor de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1993)
>>> Competências e Aprendizagem Organizacional de Andrea Valéria Steil pela Stela (2006)
>>> Cinco Cenários para o Brasil 2001-2003 de Claudio Porto, Elimar Nascimento, Sérgio Buarque pela Nórdica (2001)
>>> Por Que Faltam os Alimentos? de Egon Nort pela Ufsc (1988)
>>> Psicologia e Profissão Em São Paulo de Sylvia Leser de Mello pela Ática (1977)
>>> Desafios Éticos de José Eberienos Assad Coord pela Conselho Federal de Medicina (1993)
>>> Drogas: Qualidade de Vida e Cidadania de Ifsc / Ufrj pela Do Autor
>>> Juizados Especiais Cíveis e Criminais - Vol. 15 - Tomo II de Marisa Ferreira dos Santos e Ricardo Cunha pela Saraiva (2006)
>>> Trilhos e Trilhas História 4ª Série de Jane Gasparotto Fernandes Maria Angela Borges pela Saraiva (2003)
>>> Complexo de Clark Kent - São Super-homens os Jornalista? de Geraldinho Vieira pela Summus Editorial (1991)
>>> Public Auction 469 - General Sale de A. Karamitsos pela Hilton Athens (2013)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Flashlight 1 - Combined Students Book and Workbook de Paul a Davies Tim Falla pela Oxford
>>> Um Olhar Sobre I Mercoseti de I Encontro do Mercosul Sobre a Terceira Idade pela Sesc (1997)
>>> Estudo da História da Administração- Sua Presença Em Goiás de Ubirajara Galli pela Kelps (2010)
>>> Liberdade de Comunicação de Derrick Sington pela Fundo de Cultura (1996)
>>> Contrato Administrativo Equilíbrio Econômico Financeiro de José Renato Gaziero Cella pela Juruá (2006)
>>> Ser Deficiente Não é Defeito de Rafael Carlos pela Escala
COLUNAS

Quinta-feira, 24/4/2014
Essa tal de Dança Contemporânea
Airton Tomazzoni

+ de 13000 Acessos

- Tu faz dança? Que legal! Mas que tipo de dança?

- Dança contemporânea.

O sujeito fica parado e depois de vencer o constrangimento:

- Mas o que é essa tal de dança contemporânea?

Daí o vivente, que faz dança contemporânea e sabe bem o que faz, se vê em apuros para dar uma resposta clara. Afinal, dança contemporânea não é uma técnica ou método que vem com rótulo. Então, ele arrisca:

- Sabe o Quasar Cia. de Dança? - que o vivente acha referência no país e crê ser bastante conhecida.

O sujeito permanece na mesma.

- E o Grupo Corpo? - ele lembra, já entrando em desespero. - E Deborah Colker? - ainda que não fosse o melhor exemplo que você quisesse dar.

- Ah, já vi na televisão, responde o sujeito finalmente com um brilho no olhar de quem agora pode encerrar a conversa.

E o vivente, com a certeza de que não conseguiu explicar e que melhor que explicar era sugerir que assistisse a um espetáculo.

A realidade é esta que o suposto diálogo acima ilustra. A ideia de dança contemporânea não consolidou uma referência para a maioria do público (e mesmo para a comunidade de dança), ainda mais num Estado que vê com desconfiança aquilo que não é tradição. E isso vale muitas vezes para quem produz, ou acha que produz, dança contemporânea. Basta ver a confusão em tantos festivais competitivos. O território da dança contemporânea é um vale-tudo. Passos de jazz com música experimental. Neoclássico ao som do diálogo dos bailarinos. Dança de rua com um toque de vanguarda. E a obra, nesta lógica estapafúrdia, é avaliada por especialistas de toda ordem, menos de dança contemporânea.

Esta realidade tem como origem a rara circulação de informações e o consumo de informações descontextualizadas e superficialmente elaboradas. A qualidade dessas informações é essencial e precisa ser difundida a quem pretende preparar um treinamento, criar, julgar e apreciar a dança contemporânea. Não dá para saborear morangos e reclamar de que não têm gosto de figos. Ninguém curte uma partida de futebol sem conhecer as regras do jogo. Nesse sentido, é preciso apresentar alguns fatos, ainda que de forma sintética, para que eles possam falar desta tal de dança contemporânea.

Fato 1. A dança contemporânea não é uma escola, tipo de aula ou dança específica, mas sim um jeito de pensar a dança. Forjada por múltiplos artistas no mundo, teve nas propostas da Judson Church, em Nova York, na década de 60, sua mais clara formulação de princípios. Dentre eles, o de que cada projeto coreográfico terá de forjar seu suporte técnico. E que ter um projeto é percorrer escolhas coerentes, como o fez Trisha Brown - e também, longe dali, na Alemanha, Pina Bausch, com sua dança-teatro, nos anos 70. Tal princípio implicou tanto a preservação de aulas de balé nutridas por outras técnicas e linguagens quanto o abandono do balé e a incorporação, por exemplo, de técnicas orientais. Assim, passou a se constituir uma infinidade de alternativas, como o teatro-físico do DV-8 (companhia inglesa composta só por homens, que aborda a homofobia e que recorreu ao uso de corpos que expressam força, agressividade e sexualidade, coisa que o balé não podia fornecer).

Fato 2. Não há modelo/padrão de corpo ou movimento. Portanto, a dança não precisa assombrar por peripécias virtuosas e nem partir da premissa de que há "corpos eleitos". Na dança contemporânea, a máxima repetida por pedagogos ortodoxos de que "não é tu que escolhes a dança, mas a dança que te escolhe" não tem sustentação. E, dessa forma, pode-se reconhecer a diversidade e estabelecer o diálogo com múltiplos estilos, linguagens e técnicas de treinamento.

Fato 3. Dança é dança. A dança contemporânea reafirma a especificidade da arte da dança. Dança não é teatro, nem cinema, literatura ou música. Apesar de poder ganhar muito com a cooperação dessas artes. A dança não precisa de mensagem, de história e mesmo de trilha sonora. O corpo em movimento estabelece sua própria dramaturgia, sua musicalidade, suas histórias, num outro tipo de vocabulário e sintaxe.

Fato 4. The Mind is a Muscle, proclamou Yvone Rainer quando a dança pós-moderna norte-americana abalava o estabilishment. Pensamento e corpo, tão separados na tradição ocidental, não são entendidos como lugares estranhos um ao outro. Até mesmo a ciência já traz evidências de que razão e emoção não são opostos. O pensamento se faz no corpo e o corpo que dança se faz pensamento. Isso não implica uma cerebralização fria, no caminho de uma dança conceitual, nem na biologização vazia da dança. Tal princípio não exime a qualidade técnica, nem o sabor e o prazer de dançar. Ele ressalta a complexidade que precisa ser compreendida.

Tais fatos precisam começar a ecoar, se o objetivo é saber o que é esta tal de dança contemporânea, que as pessoas insistem em dizer que fazem e que insiste em permanecer em cartaz em teatros, calçadas, estúdios. (Não foi à toa que Fato. se chamava o recente e provocante espetáculo da coreógrafa gaúcha Tatiana da Rosa.) Fatos que estão se estabelecendo em obras sensíveis e inteligentes, construídas dentro destes princípios na temporada 2005, em Porto Alegre, como In-compatível, de Eduardo Severino, ou Bu, da Meme - Centro Experimental do Movimento. A mesma qualidade está no trabalho de Nei Moraes, em Caxias do Sul, e Luciana Paludo, em Cruz Alta.

A partir desses fatos, pode-se muito (mas não se pode qualquer coisa). A liberdade trazida pela perspectiva da dança contemporânea não dispensa idéias fortes e a inventividade das grandes obras de qualquer forma artística, nem um domínio técnico (ainda que isso não caiba mais apenas nas esfera do aprendizado de passos corretos). A dança contemporânea evidencia que escolhas estéticas revelam posturas éticas. Numa época de tantas barbáries impostas ao corpo, é preciso recuperar esta ética quando se escolhe fazer arte com o corpo - seja o seu, seja (principalmente) o dos outros.

A dança contemporânea parece ter aceitado a provocação, com ecos de contemporaneidade, de Jean George Noverre. O mestre de dança, em 1760, ao falar sobre o balé e as rígidas regras da dança da época, afirmava: "Será preciso transgredi-las e delas se afastar constantemente, opondo-se sempre que deixarem de seguir exatamente os movimentos da alma, que não se limitam necessariamente a um número determinado de gestos". Num mundo de tantas conquistas e descobertas sobre nós, seres humanos, seria no mínimo redutor ficar tratando a dança como apenas uma repetição mecânica de passos bem executados. Fazer tais passos, na música, ursos, cavalos e poodles também fazem. Creio que o ser humano pode ir mais longe que isso. Talvez este seja o incômodo proposto por esta tal de dança contemporânea. O de que podemos ser mais e muitos.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site iDança. Leia também "A Origem da Dança", de Jardel Dias Cavalcanti.


Airton Tomazzoni
Porto Alegre, 24/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
02. O melhor do jazz em 2007 de Jonas Lopes


Mais Airton Tomazzoni
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




No Tempo de Picasso - Coleção Arte ao Redor do Mundo
Antony Mason
Callis
(2011)



Descubra uma França Diferente / Capa Dura
Stela Bueno
Edição Própria
(2002)



Livro - 101 Viagens de Sonho e Como Torna las Realidade
Ediouro
Ediouro



A Morte dos Deuses - Vida e Afetividade Em Nietzsche
Michel Henry
Jorge Zahar
(1985)



A Moreninha - Coleção Descobrindo os Clássicos / 2ªed
Joaquim Manuel de Macedo
Record
(1998)



História das Idéias Sociológicas (vol. 1) das Origens a Max Weber
Michel Lallement
Vozes
(2003)



O Maior Milagre do Mundo / 24ª Ed - Confira !!!
Og Mandino
Record
(1997)



Às Voltas Com LautrÉamont - Confira!
Laymert Garcia dos Santos
N-1 Ediçoes
(2019)



O Marxismo no Brasil - das Origens a 1964
Edgard Carone
dois pontos
(1986)



A Ponta do Iceberg - os Humanóides 1 - Confira !!!
J. J. Benitez
Mercuryo
(1992)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês