O Replicante: um problema para ciborgues | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Um Ano Para Enriquecer de Napoleon Hill pela Record (1998)
>>> Leituras De Escritor de Moacyr Scliar pela Sm (2015)
>>> Formaciones Económicas Precapitalistas de Carlos Marx pela Anteo (1973)
>>> A Revolução das Bonecas de José Carlos Oliveira pela Sabiá (1967)
>>> Por Que Ninguém Me Disse Isso Antes?: Ferramentas Para Enfrentar Os Altos E Baixos Da Vida de Julie Smith pela Mixfly (2022)
>>> O Positivismo Jurídico: Lições Da Filosofia Do Direito de Norberto Bobbio pela Icone (1995)
>>> O Falecido Mattia Pascal de Luigi Pirandello pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Inovaçao: A Arte De Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua De Papel (2010)
>>> Illustrated Directory Of Guitars de Ray Bonds pela Barnes & Noble (2006)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Amar e Ser Amado de Pierre Weil - Roland Tompakow Ilustrações pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Manual De Introdução Ao Estudo Do Direito de Rizzatto Nunes pela Saraiva (2009)
>>> Maneiras De Amar - Como A Ciencia Do Apego Adulto Pode Ajudar Voce A Encontrar ¿ E Manter ¿ O Amor de Amir Levine pela Sextante (2021)
>>> Guia Atemporal Das Noivas Com Estilo de Carol Hungria pela 3R Studio (2018)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Os Dez Mandamentos Da Etica de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> O Quarto Em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Venda À Mente, Não Ao Cliente de Jurgen Klaric pela Planeta Estrategia (2017)
>>> Processo Decisório de Max H. Bazerman pela Elsevier (2004)
>>> O que é leitura de Maria helena martins pela Brasiliense (1982)
>>> Atriz de Mônica de castro pela Vida E Consciencia (2009)
>>> Trilhando a linha do tempo da reforma de Aecep pela Aecep
>>> Reflexões Sobre a Vaidade dos Homens de Matias Aires pela Martins (1966)
>>> Infinitos de John Banville pela Nova Fronteira (2011)
COLUNAS >>> Especial Internet

Quarta-feira, 6/11/2002
O Replicante: um problema para ciborgues
Adrian Leverkuhn
+ de 4000 Acessos

[Continuação de "O Pesadelo De Moravec".]

Há um problema que emerge do ciborgue de Moravec. Ele consiste no seguinte: suponha, agora, que, ao ser retirado do seu corpo, você (o programa) é instalado não em um, mas em dois suportes diferentes. Quando os dois despertarem, qual dos dois é realmente você? Para qual foi a sua consciência? Esse dilema (aparentemente insolúvel) é resultado da transformação essencial que caracteriza o ciborgue de Moravec, da mente (consciência, identidade) de um homem em informação pura. Antes de atacar a pergunta diretamente, portanto, vamos investigar no que consiste, de fato, esta transformação.

1. O que, afinal, é informação? Em "A Mathematical Theory of Communications", Claude Shannon definiu informação como sendo uma função de probabilidades sem materialidade e sem ligação (necessária) com significado. O trabalho de Shannon voltava-se, originalmente, apenas à transmissão de informação por meios elétricos (o que concerniria, portanto, apenas a engenheiros); no entanto, o contexto em que a teoria foi apresentada (as Macy Conferences, em que desde físicos até psicanalistas se reuniam para discutir as tecnologias então em desenvolvimento) e a semelhança entre algumas das equações e as que descrevem a Entropia na Termodinâmica levaram o trabalho de Shannon a ser generalizado, ao menos por analogia, para diversos tipos de comunicação. Norbert Wiener (outro monstro sagrado da cibernética, também com grandes contribuições à Teoria das Comunicações e da Informação) diz, em "Cybernetics: or, Control and Communication in the Animal and the Machine", que "informação é informação, não matéria ou energia. Nenhum materialismo que se recuse a admitir isto tem chances de sobreviver em nossos dias." ***

O resultado é que a informação é vista como algo não apenas distinto, mas independente do mundo físico - ela não precisa, nem mesmo, estar falando dele, ou de qualquer coisa (há situações interessantes em que, paradoxalmente, a quantidade de informação no ruído é maior do que em mensagens com significado). Informação passa a ser um jogo de padrão e ruído que passa virtualmente inalterado por qualquer meio e qualquer suporte, e que continua o mesmo em qualquer contexto. O interessante nisto é que a informação, separada da materialidade, tem a capacidade única de se replicar indefinidamente (na verdade, a própria noção de "padrão" já engloba a idéia de repetição, e daí para a replicação é um passo): informação, ao ser passada adiante, não se perde, mas se duplica. Eu lhe informo de alguma coisa: você ganha essa informação, e eu continuo tendo essa informação. De certa forma, se todos "libertam" seu conhecimento, todos saem ganhando, pois todos saem com mais conhecimento do que antes. O estudo de como e em que situações a informação (numa perspectiva não-Shannoniana) é replicada nos leva à poderosa analogia da "memética": informação vista como um conjunto de seres vivos, disputando entre si qual será passado adiante pelos humanos que lhes servem de suporte. (Uma falha em aceitar esta característica da informação também já levou muitos a idéias equivocadas, como quando Richard Barbrook fala das redes peer-to-peer como um "potlach da informação".)

2. Já a consciência e a identidade pessoal não são, geralmente, encaradas como sendo replicáveis. O indivíduo possui, naturalmente, sua dimensão de informação (talvez até a mais importante), mas sua unidade sempre foi um efeito do seu isolamento corporal - a impossibilidade não só de replicar, mas também de conhecer o que acontece dentro da mente se não for você quem está dentro da mente. Além disso, o indivíduo também pressupõe uma materialidade - não só "eu sou o meu corpo", mas também a inscrição no tempo e no espaço, e como ser com ações intencionais. Não são afirmações sobre o que é, afinal, o indivíduo, mas o cenário a partir do qual este conceito emerge. O ciborgue de Moravec ou teria que abandonar sua individualidade, ou buscar uma nova forma de articulá-la condizente com sua atual condição.

Mas isto não responde a pergunta, não é mesmo?

3. Descartes foi um dos primeiros a separar a consciência do corpo, quando a retrata como um "homúnculo" que assiste a atividade da mente e toma decisões. Em perspectiva, é fácil ver como este modelo é falho: ele não responde a nenhuma pergunta, mas apenas as disfarça mergulhando, no jargão cibernético, "um nível abaixo na simulação" (como esta consciência vê? como que ela toma as decisões, como ela tem consciência de si mesma?). A separação entre o sujeito e o seu corpo, porém, encontra aí sua primeira formulação teórica clara (e será fundamental, ironicamente, para o nascimento do "sujeito liberal" que declaramos ameaçado, no tópico anterior). Seria apenas no final do século XIX, com Nietzsche, e depois no século XX, com Freud, que o corpo voltaria a ter espaço na discussão da identidade e a importância da consciência, no todo da mente, a ser questionada e relativizada.

Conjuntamente com o desenvolvimento das tecnologias que nos induzem a levantar estas questões (robótica, vida e inteligência artificiais, mecanismos de interação com a assim chamada "realidade virtual", sistemas de telecomunicações etc.), modelos teóricos para o funcionamento da mente humana começam a ser formulados que diminuem, consideravelmente, a importância da consciência para o comportamento humano. Daniel C. Dennet, um dos expoentes da ciência da cognição, descreve a consciência como "a ilusão que o usuário do cérebro tem de si mesmo" (the brain user's illusion of itself). O contra-argumento imediato, de que seria preciso que uma consciência já estivesse lá para ver a ilusão e ser enganada por ela, é simplesmente descartado: para Dennet, a idéia de uma consciência/Self central que observa o funcionamento do cérebro e toma decisões é apenas um mecanismo de organização, uma ilusão de um ponto central que unifica todos os processos de percepção, decisão e intencionalidade, na qual o cérebro, por mera fatalidade biológica ou pragmatismo, decide acreditar. Paul Churchland, outro proeminente estudioso da cognição, chega a dizer que a consciência como geralmente se entende hoje pertence a "folk psychology", e que será simplesmente descartada no futuro, enquanto Stephen Toulmin argumenta que a internalização da vida mental é responsável por "muito do que deu errado" desde Descartes. Pierre Lévy, conhecido por seus livros sobre internet e cibercultura, coloca a consciência como um mecanismo da memória de curto-prazo, e traça um modelo para a mente humana como um amontoado de fluxos e "interfaces" por onde elas passam (o que, afinal de contas, não é nada realmente novo, mas uma releitura simplista das máquinas desejantes de Deleuze). Diversos pensadores, a maioria intimamente ligada à cibernética por um caminho ou outro, propõem uma solução à nó górdio para o dilema do replicante.

4. A consciência, e por extensão o Self, nesta perspectiva, é tão replicável quanto o resto da mente! (Observe que se coloca uma comparação: replicar o resto da mente pode ser, da mesma forma, tão impraticável quanto replicar a consciência.) O mecanismo que opera a ilusão de um self central, e mais o self central como informação, são transmitidos para todos os suportes, e passam a rodar, sobre eles, da mesma forma. Todos eles despertam para descobrir que são você, ou, inversamente, você desperta para se descobrir dentro da máquina em todas elas. Perguntar "para onde" foi o Self é como perguntar para onde foi a glândula pineal, agora simulada em todas as máquinas, mas fisicamente presente em nenhuma; ou para onde foi a lembrança de algum evento, também transmitida para todas, mas presente (como wetware) em nenhuma. Esta aparente solução, na verdade, suscita problemas maiores - a distinção entre estar morto e estar vivo, por exemplo, perde muito do seu significado original (antes ela estava condicionada ao corpo, depois à consciência - e agora?), e a questão de como viver em tal cenário, como seria a ética dos ciborgues de Moravec (Dennet coloca que, se um dia robôs alcançassem verdadeira inteligência artificial, teríamos que lhes conceder direitos civis equivalentes aos humanos) permanecem ainda sem resposta.

Conclusão: O Pós-Humano
Foucault, em "As Palavras e As Coisas", argumenta que o homem é uma invenção recente, da qual o fim talvez já esteja próximo. O homem, entendido como um constructo social e não um organismo biológico, poderia ser apagado "como um rosto desenhado na areia, próximo das águas".

É muito provável que o ciborgue de Moravec jamais seja alcançado - e mesmo que o for, um dia, será em um futuro remoto, não dentro dos prazos sufocantemente próximos que os entusiastas costumam arriscar (30 anos? 50 anos?). Ainda assim ele permanece lá, como um fantasma, figura simbólica que incomoda por nos expor, hiperbolicamente, a coisas muito reais, vivenciadas diariamente. A própria internet, onde este texto veicula, é pródiga em exemplos: as estranhas formas de coletividade e individualismo que se observam nas comunidades virtuais; a identidade pessoal e o que acontece com ela na sala de chat; a cibercultura, a Ideologia da Califórnia e o hacktivismo, com slogans como "A Informação Quer Ser Livre" (que levaram até Hakim Bey, referência constante ao se discutir desobediência civil via novas mídias, a retrucar embaraçosamente que "nós não somos capazes ainda de digerir cobre", lembrando a importância óbvia do mundo material) são apenas os exemplos imediatos. O ciborgue de Moravec nos fala, de forma geral, daquilo que se convencionou chamar de "Pós-Humano": o homem alterado a tal ponto pelas tecnologias (por ele mesmo criadas) que não possa mais ser chamado de humano. Alguns colocam o pós-humano como algo já presente; outros o usam para invocar mais uma transformação que um estado, colocando-o como um futuro possível; outros, ainda, usam o pós-humano (entendido como um estágio utópico alcançado via tecnologia) como algo a ser almejado, transformando o "trans-humanismo" (a "jornada" do homem ao pós-homem) em uma ideologia mais do que uma teoria (o exemplo mais conhecido de tal abordagem é o Extropy Institute). O "Monstro de Moravec" (como, em seu tempo, o "Monstro de Frankenstein") nos obriga a meditar sobre os rumos da tecnologia e o planejamento de seu uso com a urgência devida; mais ainda, ele se oferece como um "paradigma" (esta palavra tão maltratada) do que deve ser a investigação dos efeitos da tecnologia: partindo do corpo, do que acontece com o indivíduo ligado à máquina, diante da tela, e então prosseguindo para os efeitos secundários, de fenômenos e tecnologias específicos. A inversão desta seqüência e a recusa de levar em conta as questões que o pós-humano apresenta são responsáveis por muitas das tolices que se diz sobre cibercultura, em manifestos e ideologias tão obcecados com os mínimos detalhes que nem percebem o chão que se move, inexoravelmente, sob os seus pés.

Nota
*** uma teoria com foco distinto foi proposta por Donald Mackay, mas nos reteremos ao modelo de Shannon e Wiener, já que este se tornou o modelo dominante.

Nota do Editor
Adrian Leverkuhn é também editor do blog Apeirophobia.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 6/11/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O batom na cueca do Jair de Luís Fernando Amâncio
02. Rodolfo Felipe Neder (1935-2022) de Julio Daio Borges
03. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
04. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
05. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro


Mais Adrian Leverkuhn
Mais Especial Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nirvana
George S. Arundale
Pensamento
(1993)



A procura do feminino
Marisa Sanabria
Idéias & Letras
(2005)



A Iara em Os seixos encantados 583
Jorge Saad
Ftd
(1997)



Direito de Familia - Vol 2
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2003)



Pedagogia Científica
Maria Montessori
Flamboyant
(1965)



Era Clássica
A. Soares Amora
Bertrand Brasil
(2001)



Portugal A Missão que Falta Cumprir
Eduardo Amarante
Nova Acrópole
(1994)



Livro Esoterismo O Caminho da Energia domine a arte chinesa da força interior com exercícios de Chi Kung
Mestre Lam Kam Chuen
Manole
(1991)



Mc Fly Unsaid Things... Nossa Historia
Tom Fletcher / Danny Jones / Harry Judd / Dougie P
Best Seller
(2013)



Pensar Sobre a Alimentação á Base de Carne e a Paz Mundial II
Seicho no Ie
Seicho no Ie





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês