O Replicante: um problema para ciborgues | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Internet

Quarta-feira, 6/11/2002
O Replicante: um problema para ciborgues
Adrian Leverkuhn

+ de 2900 Acessos

[Continuação de "O Pesadelo De Moravec".]

Há um problema que emerge do ciborgue de Moravec. Ele consiste no seguinte: suponha, agora, que, ao ser retirado do seu corpo, você (o programa) é instalado não em um, mas em dois suportes diferentes. Quando os dois despertarem, qual dos dois é realmente você? Para qual foi a sua consciência? Esse dilema (aparentemente insolúvel) é resultado da transformação essencial que caracteriza o ciborgue de Moravec, da mente (consciência, identidade) de um homem em informação pura. Antes de atacar a pergunta diretamente, portanto, vamos investigar no que consiste, de fato, esta transformação.

1. O que, afinal, é informação? Em "A Mathematical Theory of Communications", Claude Shannon definiu informação como sendo uma função de probabilidades sem materialidade e sem ligação (necessária) com significado. O trabalho de Shannon voltava-se, originalmente, apenas à transmissão de informação por meios elétricos (o que concerniria, portanto, apenas a engenheiros); no entanto, o contexto em que a teoria foi apresentada (as Macy Conferences, em que desde físicos até psicanalistas se reuniam para discutir as tecnologias então em desenvolvimento) e a semelhança entre algumas das equações e as que descrevem a Entropia na Termodinâmica levaram o trabalho de Shannon a ser generalizado, ao menos por analogia, para diversos tipos de comunicação. Norbert Wiener (outro monstro sagrado da cibernética, também com grandes contribuições à Teoria das Comunicações e da Informação) diz, em "Cybernetics: or, Control and Communication in the Animal and the Machine", que "informação é informação, não matéria ou energia. Nenhum materialismo que se recuse a admitir isto tem chances de sobreviver em nossos dias." ***

O resultado é que a informação é vista como algo não apenas distinto, mas independente do mundo físico - ela não precisa, nem mesmo, estar falando dele, ou de qualquer coisa (há situações interessantes em que, paradoxalmente, a quantidade de informação no ruído é maior do que em mensagens com significado). Informação passa a ser um jogo de padrão e ruído que passa virtualmente inalterado por qualquer meio e qualquer suporte, e que continua o mesmo em qualquer contexto. O interessante nisto é que a informação, separada da materialidade, tem a capacidade única de se replicar indefinidamente (na verdade, a própria noção de "padrão" já engloba a idéia de repetição, e daí para a replicação é um passo): informação, ao ser passada adiante, não se perde, mas se duplica. Eu lhe informo de alguma coisa: você ganha essa informação, e eu continuo tendo essa informação. De certa forma, se todos "libertam" seu conhecimento, todos saem ganhando, pois todos saem com mais conhecimento do que antes. O estudo de como e em que situações a informação (numa perspectiva não-Shannoniana) é replicada nos leva à poderosa analogia da "memética": informação vista como um conjunto de seres vivos, disputando entre si qual será passado adiante pelos humanos que lhes servem de suporte. (Uma falha em aceitar esta característica da informação também já levou muitos a idéias equivocadas, como quando Richard Barbrook fala das redes peer-to-peer como um "potlach da informação".)

2. Já a consciência e a identidade pessoal não são, geralmente, encaradas como sendo replicáveis. O indivíduo possui, naturalmente, sua dimensão de informação (talvez até a mais importante), mas sua unidade sempre foi um efeito do seu isolamento corporal - a impossibilidade não só de replicar, mas também de conhecer o que acontece dentro da mente se não for você quem está dentro da mente. Além disso, o indivíduo também pressupõe uma materialidade - não só "eu sou o meu corpo", mas também a inscrição no tempo e no espaço, e como ser com ações intencionais. Não são afirmações sobre o que é, afinal, o indivíduo, mas o cenário a partir do qual este conceito emerge. O ciborgue de Moravec ou teria que abandonar sua individualidade, ou buscar uma nova forma de articulá-la condizente com sua atual condição.

Mas isto não responde a pergunta, não é mesmo?

3. Descartes foi um dos primeiros a separar a consciência do corpo, quando a retrata como um "homúnculo" que assiste a atividade da mente e toma decisões. Em perspectiva, é fácil ver como este modelo é falho: ele não responde a nenhuma pergunta, mas apenas as disfarça mergulhando, no jargão cibernético, "um nível abaixo na simulação" (como esta consciência vê? como que ela toma as decisões, como ela tem consciência de si mesma?). A separação entre o sujeito e o seu corpo, porém, encontra aí sua primeira formulação teórica clara (e será fundamental, ironicamente, para o nascimento do "sujeito liberal" que declaramos ameaçado, no tópico anterior). Seria apenas no final do século XIX, com Nietzsche, e depois no século XX, com Freud, que o corpo voltaria a ter espaço na discussão da identidade e a importância da consciência, no todo da mente, a ser questionada e relativizada.

Conjuntamente com o desenvolvimento das tecnologias que nos induzem a levantar estas questões (robótica, vida e inteligência artificiais, mecanismos de interação com a assim chamada "realidade virtual", sistemas de telecomunicações etc.), modelos teóricos para o funcionamento da mente humana começam a ser formulados que diminuem, consideravelmente, a importância da consciência para o comportamento humano. Daniel C. Dennet, um dos expoentes da ciência da cognição, descreve a consciência como "a ilusão que o usuário do cérebro tem de si mesmo" (the brain user's illusion of itself). O contra-argumento imediato, de que seria preciso que uma consciência já estivesse lá para ver a ilusão e ser enganada por ela, é simplesmente descartado: para Dennet, a idéia de uma consciência/Self central que observa o funcionamento do cérebro e toma decisões é apenas um mecanismo de organização, uma ilusão de um ponto central que unifica todos os processos de percepção, decisão e intencionalidade, na qual o cérebro, por mera fatalidade biológica ou pragmatismo, decide acreditar. Paul Churchland, outro proeminente estudioso da cognição, chega a dizer que a consciência como geralmente se entende hoje pertence a "folk psychology", e que será simplesmente descartada no futuro, enquanto Stephen Toulmin argumenta que a internalização da vida mental é responsável por "muito do que deu errado" desde Descartes. Pierre Lévy, conhecido por seus livros sobre internet e cibercultura, coloca a consciência como um mecanismo da memória de curto-prazo, e traça um modelo para a mente humana como um amontoado de fluxos e "interfaces" por onde elas passam (o que, afinal de contas, não é nada realmente novo, mas uma releitura simplista das máquinas desejantes de Deleuze). Diversos pensadores, a maioria intimamente ligada à cibernética por um caminho ou outro, propõem uma solução à nó górdio para o dilema do replicante.

4. A consciência, e por extensão o Self, nesta perspectiva, é tão replicável quanto o resto da mente! (Observe que se coloca uma comparação: replicar o resto da mente pode ser, da mesma forma, tão impraticável quanto replicar a consciência.) O mecanismo que opera a ilusão de um self central, e mais o self central como informação, são transmitidos para todos os suportes, e passam a rodar, sobre eles, da mesma forma. Todos eles despertam para descobrir que são você, ou, inversamente, você desperta para se descobrir dentro da máquina em todas elas. Perguntar "para onde" foi o Self é como perguntar para onde foi a glândula pineal, agora simulada em todas as máquinas, mas fisicamente presente em nenhuma; ou para onde foi a lembrança de algum evento, também transmitida para todas, mas presente (como wetware) em nenhuma. Esta aparente solução, na verdade, suscita problemas maiores - a distinção entre estar morto e estar vivo, por exemplo, perde muito do seu significado original (antes ela estava condicionada ao corpo, depois à consciência - e agora?), e a questão de como viver em tal cenário, como seria a ética dos ciborgues de Moravec (Dennet coloca que, se um dia robôs alcançassem verdadeira inteligência artificial, teríamos que lhes conceder direitos civis equivalentes aos humanos) permanecem ainda sem resposta.

Conclusão: O Pós-Humano
Foucault, em "As Palavras e As Coisas", argumenta que o homem é uma invenção recente, da qual o fim talvez já esteja próximo. O homem, entendido como um constructo social e não um organismo biológico, poderia ser apagado "como um rosto desenhado na areia, próximo das águas".

É muito provável que o ciborgue de Moravec jamais seja alcançado - e mesmo que o for, um dia, será em um futuro remoto, não dentro dos prazos sufocantemente próximos que os entusiastas costumam arriscar (30 anos? 50 anos?). Ainda assim ele permanece lá, como um fantasma, figura simbólica que incomoda por nos expor, hiperbolicamente, a coisas muito reais, vivenciadas diariamente. A própria internet, onde este texto veicula, é pródiga em exemplos: as estranhas formas de coletividade e individualismo que se observam nas comunidades virtuais; a identidade pessoal e o que acontece com ela na sala de chat; a cibercultura, a Ideologia da Califórnia e o hacktivismo, com slogans como "A Informação Quer Ser Livre" (que levaram até Hakim Bey, referência constante ao se discutir desobediência civil via novas mídias, a retrucar embaraçosamente que "nós não somos capazes ainda de digerir cobre", lembrando a importância óbvia do mundo material) são apenas os exemplos imediatos. O ciborgue de Moravec nos fala, de forma geral, daquilo que se convencionou chamar de "Pós-Humano": o homem alterado a tal ponto pelas tecnologias (por ele mesmo criadas) que não possa mais ser chamado de humano. Alguns colocam o pós-humano como algo já presente; outros o usam para invocar mais uma transformação que um estado, colocando-o como um futuro possível; outros, ainda, usam o pós-humano (entendido como um estágio utópico alcançado via tecnologia) como algo a ser almejado, transformando o "trans-humanismo" (a "jornada" do homem ao pós-homem) em uma ideologia mais do que uma teoria (o exemplo mais conhecido de tal abordagem é o Extropy Institute). O "Monstro de Moravec" (como, em seu tempo, o "Monstro de Frankenstein") nos obriga a meditar sobre os rumos da tecnologia e o planejamento de seu uso com a urgência devida; mais ainda, ele se oferece como um "paradigma" (esta palavra tão maltratada) do que deve ser a investigação dos efeitos da tecnologia: partindo do corpo, do que acontece com o indivíduo ligado à máquina, diante da tela, e então prosseguindo para os efeitos secundários, de fenômenos e tecnologias específicos. A inversão desta seqüência e a recusa de levar em conta as questões que o pós-humano apresenta são responsáveis por muitas das tolices que se diz sobre cibercultura, em manifestos e ideologias tão obcecados com os mínimos detalhes que nem percebem o chão que se move, inexoravelmente, sob os seus pés.

Nota
*** uma teoria com foco distinto foi proposta por Donald Mackay, mas nos reteremos ao modelo de Shannon e Wiener, já que este se tornou o modelo dominante.

Nota do Editor
Adrian Leverkuhn é também editor do blog Apeirophobia.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 6/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mamilos de Adriane Pasa
02. Os últimos soldados da Guerra Fria de Luiz Rebinski Junior
03. A Pixar e Toy Story 3 de David Donato
04. Agora eu era cronista de Marcelo Spalding
05. Meta-universo de Adriana Carvalho


Mais Adrian Leverkuhn
Mais Especial Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREUD
RNÉ MAJOR E CHANTAL TALAGRAND
L&PM
(2007)
R$ 10,00



OS MISTÉRIOS DA LEMÚRIA E ATLÂNTIDA: PROJETO TERRA VOLUME 2
NÃO INFORMADO
LAÉRCIO B. FONSECA
(1991)
R$ 25,00



A ARTE DE SER INSENSATO
ELI BROAD
ALTA BOOKS
(2013)
R$ 45,00



METAMORFOSES DAS LINGUAGENS
VÁRIOS AUTORES; MARCOS SILVA
LCTE
(2009)
R$ 7,00



TITEUF 1 - DEUS, O SEXO E OS SUSPENSÓRIOS...
ZEP
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2012)
R$ 32,00
+ frete grátis



FISIOLOGIA HUMANA
WINTON E BAYLISS
CULTURA MÉDICA
(1970)
R$ 40,48



SABEDORIA & FELICIDADE
JOSÉ DA SILVA MARTINS
MARTIN CLARET
R$ 30,00



HISTÓRIA DA FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
IVAN LUIZ MONTEIRO
INTERSABERES
(2015)
R$ 40,00



RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NA SOCIEDADE LIMITADA
ITAMAR GAINO (3ª EDIÇÃO)
SARAIVA
(2012)
R$ 85,28



ABANDONAR-SE A DEUS PARA SER IGREJA
ANTHONY DE MELLO
LOYOLA
(2002)
R$ 12,07





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês