O Canto de cisne dos Super Heróis | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> O terraço dos Benardini de Suzanne Prou pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Robin Hood A Lenda Da Liberdade - Série Deixa Que Eu Conto de Pedro Bandeira pela Moderna (paradidaticos) (2012)
>>> Estudos Espíritas de Divaldo Franco; Joana de Ângelis (Espírito) pela Feb (1983)
>>> Livro Religião Atos Introducao e Comentario de Howard Marshall pela Mundo Cristão (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Cortiço em Quadrinhos de Aluisio Azevedo pela Principis (2019)
>>> A Contadora De Historias de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2005)
>>> Nova Bíblia Viva de Vários Autores pela Mundo Cristão (2010)
>>> O poeta e o cavaleiro de Pedro Bandeira pela Ftd (1998)
>>> Livro Pedagogia Interdisciplinaridade Formação de Profissionais da Educação de Célia Maria Haas; Ecleide Cunico Furlanetto pela Pioneira (2000)
>>> Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> A Hora Da Verdade. Voo Livre de Pedro Bandeira pela Atica (paradidaticos) (1998)
>>> Livro Esportes Jogo Sujo O Mundo Secreto da Fifa Compra de Votos e Escândalo de Ingressos de Andrew Jennings pela Panda Books (2011)
>>> Emaranhados em mim - autografado de Fernanda Maia pela Ruja (2020)
>>> Dicionário Visual De Bolso 3 Em 1 de Dorling Kindersley pela Blucher (2011)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1987)
>>> Livro Auto Ajuda Quando Termina é Porque Acabou de Greg Behrendt / Amira Ruotola-behrendt pela Rocco (2006)
>>> Livro Música Song and Circumstance The Work of David Byrne from Talking Heads to the Present de Sytze Steenstra pela Continuum (2010)
>>> Lusco Fusco - Vida e morte de um desconhecido de Marcello Mathias pela Bertrand Brasil (1991)
>>> A violencia na contemporaneidade: o olhar da psicologia de Sandra amorim pela Crv (2015)
>>> Livro Filosofia Guia Politicamente Incorreto da Filosofia Ensaio de Ironia de Luiz Felipe Pondé pela Leya (2012)
>>> O ludico e a cognição de Margarete Bertolo Boccia pela Oikos (2014)
>>> Pantano De Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Cuba de Dorling Kindersley pela Publifolha (2004)
>>> Livro Artes A Arte de Fazer um Jornal Diário de Ricardo Noblat pela Contexto (2007)
>>> O Grande Conflito Ellen G White Uma Saga Milenar Novo de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/4/2001
O Canto de cisne dos Super Heróis
Rafael Lima
+ de 5100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

"Frank Miller salvou os super-heróis em O Cavaleiro das Trevas... e eu os matei em Watchmen." (Alan Moore)

Tudo começou quando dois adolescentes judeus, Siegel & Shuster, resolveram fazer uns trocados utilizando o que tinham à mão: suas prolíficas imaginações, lápis e papel, e criaram aquele que viria a ser o primeiro e o maior de todos os heróis ficcionais da era moderna: o Super Homem. Era 1938, e nem eles desconfiavam do que tinham em mãos. Mas afinal, o que um sujeito que anda por aí vestindo um calção vermelho sobre uma malha colante azul, vá lá, capaz de levantar carros, tem assim de tão marcante? Segundo Joseph Campbell, fazem parte da constituição do mito de um herói grego os seguintes estágios de vida: o nascimento complicado, em meio à crise; a educação iniciática; o chamado à aventura (a saída de casa); o auxílio sobrenatural; as provações; e o retorno ao lar. Se você olhar bem, vai ver que esses elementos são comuns aos heróis gregos, a lendas egípcias, fenícias e medievais, mas até a Cristo, e, por que não, ao Super Homem se aplicam. Porque compõem um arquétipo prontamente reconhecível, correspondente de modo simbólico ao desenvolvimento da consciência do homem, relacionado com os estágios de desenvolvimento da personalidade e ritos de passagem pelos quais o Homem passa ao longo de sua vida, desde a infância até a maturidade. Não é à toa que os quadrinhos de super heróis sejam a leitura preferida de tantos adolescentes.

Uma das grandes contradições que a existência de super heróis traz diz respeito à reação da humanidade à presença deles em seu seio: como eles alterariam o rumo da História, tal qual na música de Gilberto Gil? Como a vida cotidiana seria alterada pela presença de heróis? Siegel e Shuster parecem não ter pensado muito nisso, em parte pelo caráter abertamente fantasioso de suas histórias, em parte pela hipótese de que, caso existisse alguém capaz de dar saltos sobre prédios e arrombar portas de aço com as mãos, seria duro admitir que esse cara elegeria como primeiros inimigos linchadores, batedores de carteira e valentões que roubam seu par de dança.

Essa questão fundamental segue sem resposta por toda a Era de Ouro (1938-1945), o que é altamente compreensível, dado que o Super Homem é o símbolo maior da potência norte-americana, e seu poder sobre o mundo no pós-guerra parece tão superior e incompreensível quanto o é a presença harmônica de super heróis num mundo de homens. A partir da Era de Prata, (1955-1970), com a intensificação da Guerra Fria, guerra na Coréia, e principalmente Vietnã, que a ainda que inegável supremacia americana começa a ser questionada, e os tentáculos armados que espalha aos quatro cantos do globo começam a ser vistos como um incômodo tanto quanto a presença de seres super dotados em meio aos homo sapiens. Enquanto os demais gêneros de quadrinhos - guerra, mistério, terror, humor - se desenvolvem, o dos super heróis fica na geladeira até a chegada da Marvel, no comecinho da década de 60.

Quando Stan Lee e Jack Kirby criaram o Fantastic Four, 1961, radicalizaram num elemento particular ao conceito de super herói: as fraquezas humanas de sua identidade secreta. Se o onipotente Super Homem tinha seu contraponto perfeito no panaca Clark Kent, Lee foi mais adiante e colocou pelo menos um defeito (várias vezes físico) em cada alter ego. Assim, Thor era na verdade Donald Blake, um médico manco; a armadura do Homem de Ferro funcionava como uma espécie de marcapasso para o cardíaco Tony Stark; o Hulk era poderosíssimo mas totalmente irracional e descontrolado e o Homem Aranha, bem, conforme Stan Lee, "tinha os mesmos problemas psicológicos de seus leitores". Com esses atributos, ele se tornaria o mais popular de sua geração. Não era incomum encontrar cabeludos lendo gibis do Hulk ou do Homem Aranha nos protestos estudantis de 68, nos EUA. A Life juntou-os a Kennedy e Mohamad Ali numa capa em que listava os ídolos da juventude nessa época.

No começo da década de 70 a D.C. tinha aprendido a lição de sua concorrente e começou a criar histórias com mais fundo social - devem ter trancado Denny O'Neal numa sala ouvindo Bob Dylan o dia inteiro - do Arqueiro Verde e Lanterna Verde viajando de carro pelo país, como Kerouac, e encarando coronéis do interior, traficantes de drogas ou contrabandistas ao invés do Mestre dos Espelhos ou do Super Gorila. Ressaltar o lado realista era a tônica, e não é por acaso que naquela e na década seguinte o campeão de vendas seria um grupo de personagens abertamente discriminado e perseguido pelos "homens comuns", os fabulosos X-Men.

O ambiente estava tão ruim para os super heróis tradicionais nos anos 80 que os executivos da DC resolveram partir para a ignorância: criaram uma mini-série onde matavam metade do elenco da editora; deram carta branca a vários franco-atiradores, jovens roteiristas ingleses, para resgatarem e revitalizarem - entre os que sobreviveram ao massacre - personagens antigos e meio fora de circulação, e, cúmulo do desespero, entregou os símbolos da editora - Super Homem, Batman, Mulher Maravilha - a jovens porém consagrados artistas para serem redefinidos.

O que foi um golpe de gênio, porque permitiu o aparecimento de obras primas do improvável como o Monstro do Pântano de Alan Moore, o Sandman de Neil Gaiman, o Homem Animal e a Patrulha do Destino de Grant Morrison entre os novos. Entre os consagrados, Frank Miller fez o Cavaleiro das Trevas, salvando o Batman do ostracismo e da repetição, ganhou um filme e saiu da D.C. para entrar na História. Alan Moore teve liberdade para fazer uma mini série em 12 partes com personagens completamente novos, uma história num clima mezzo ficção científica, mezzo policial, partindo de um princípio muito simples: como seria o mundo se existissem super heróis? Parece que finalmente a resposta seria dada: Watchmen. Uma história poderosa, envolvente, com vários níveis de tempo narrativo, e sem o menor perdão em sua abordagem: pintava os super heróis como neuróticos, fascistas paranóicos, sádicos bêbados, assassinos profissionais, virando pelo avesso o conceito estabelecido. Um marco, que resolveu brilhantemente a questão criada com Siegel & Shuster. Mas criou outra: como continuar escrevendo histórias de super heróis daqui para frente? As vendas tinham explodido, os leitores estavam completamente absorvidos pelas novidades e os executivos da DC e da Marvel não viam a hora de capitalizar em cima de tudo aquilo.

A última arte de Alan Moore

De certa maneira, a resposta já havia sido dada pelos jovens roteiristas ingleses. Com uma formação cultural mais sólida e profunda que a média dos americanos, eles injetaram poesia, referências clássicas, literatura, esoterismo, mitologia e o que mais coubesse e não coubesse no terreiro dos super heróis. O problema é que logo, aquelas histórias passaram a ser classificadas como "para adultos", horror, filosóficas, tudo - menos super heróis. Mas a dúvida com relação aos heróis tradicionais continuava, e sua situação ficava cada dia mais inviável. No começo da década de 90 um tabu foi ao chão: mataram o Super Homem. Claro que era uma manobra de marketing, claro que iam ressuscitá-lo assim que as vendas vacilassem, mas não se mata um ícone de 50 anos assim. Parece que até os intelectuais se compadeceram, porque a morte do Super Homem acabou sendo o tema de redação de vestibular da UFRJ em 1992. Em pleno aniversário de 500 anos do descobrimento da América.

A falência do gênero seria decretada por quatro dos maiores nomes dos quadrinhos americanos numa convenção em São Paulo, entre eles Will Eisner e Jules Feiffer, em 1994. Quando todas as alternativas pareciam ter sido gastas, e o fôlego das imitações baratas de Watchmen e Cavaleiro das Trevas, esgotado, Alan Moore passou no fundo, de sandáias e assoviando, com a chave de ouro rodando nos dedos. E a resposta era... a paródia. Claro: ninguém mais seria capaz de levar a idéia de super heróis à sério. Então Alan Moore fez duas coisas geniais: League of Extraordinary Gentleman (LoEG) e America's Best Comics.

Em LoEG Moore reúne vários personagens literários da Era Vitoriana, Lady Wilhelmina Murray (de Drácula), Alan Quartermain (das Minas do Rei Salomão), Capitão Nemo (20.000 léguas submarinas), Henry Jeckill e o Homem Invisível em uma espécie de força-tarefa recrutada por um agente do governo britânico para desbaratar uma conspiração de um chefão da máfia oriental (Fu Manchu?), provando por A + B que o gênero super-heroístico é mais exportável e rico do que se imaginava. Toda atmosfera da Londres colonialista, sua arquitetura ciclópica, a assustadora presença do Nautilus nos mares, a sutileza dos diálogos restritos pela etiqueta - como em Jane Austen -, a inquietação que os avanços da tecnologia criavam na população, o clima aventuresco, tudo isso está brilhantemente presente na série, em meio a uma penca de citações e referências a outros clássicos da literatura da época, para os desocupados de plantão ficarem vasculhando os detalhes de fundo, com uma sutileza que ninguém consegue fazer igual.

Além de ser uma narrativa empolgante, LoEG tem todas as qualidades de uma boa paródia. Como, aliás, Moore já tinha feito em 1963, mini-série editada em 1993. Mais do que uma história contínua, 1963 era um conjunto de 6 revistas planejado para que cada uma fosse uma paródia de um dos títulos iniciais da Marvel, e em conjunto, dessem a impressão de ser os títulos mensais de uma nova editora. A graça aqui era observar o material adicional que Alan Moore acrescentava além das histórias propriamente ditas, para aumentar a impressão de realismo de seu universo ficcional, como vinha fazendo desde Watchmen. Se em Watchmen tínhamos trechos de entrevistas, livros, fichas criminais, em 1963 estamos dois níveis acima e tudo, das chamadas de capa, passando pela coluna de leitores, editoriais, propagandas, tudo é feito de modo a dar a impressão que a revista tinha sido mesmo da década de 60! Em LoEG, a mesma coisa acontece, mas a ambientação é a Inglaterra na virada para o século XX. Tudo mentira, tudo lindamente falseado, tudo absolutamente coerente.

Mas a grande surpresa veio mesmo com America's Best Comics, quando Moore não só criou como voltou a escrever mensalmente uma penca de heróis novos, cada um com sua revista própria, do zero. Surgiram Tom Strong, o arquétipo do herói, Cobweb, a heroína gostosona, Top Ten, um grupo de seres super poderosos que cuida do policiamento em uma cidade habitada por todo tipo de gente, Splash Branningan, "o vingador indelével", feito de tinta tridimensional, Jack-B-Quick, o protótipo do garoto prodígio, entre outros. Em todos eles, uma sensação de dejà vu, de regurgitação - quando não cópia descarada - de elementos de outros personagens, com muito humor. De alguma maneira, Alan Moore parece ter encontrado a alquimia que dá o tom correto para uma história de super herói, não apenas o humor do Homem Aranha, o clima policial noir das primeiras tiras do Batman, ou a ficção científica de alguns contos do Fantastic Four. Talvez a mistura disso tudo, em doses certas. E com um algo mais.

Na abertura de uma determinada história de Top Ten, a personagem principal aparece trabalhando em um escritório de advocacia. Subitamente, seu chefe surge e pede que ela feche as persianas, porque um novo e importante cliente chegaria a qualquer hora, e tinha problemas com a luz do sol, "algo a ver com problema de pele ou coisa assim". Quando vira a página, descobre-se que o tal cliente era na verdade... um vampiro! E que estava buscando, na verdade, um mediador para uma disputa com outro clã de vampiros pelo mercado de filmes de terror em vídeo. Vampiros mafiosos disputando o mercado de vídeo. Outra coisa que Alan Moore descobriu é que quem se propõe a escrever histórias de super heróis não se pode levar muito à sério... exatamente por isso elas funcionam tão bem como paródias de si mesmos. E comprovam que a injeção de realismo, mesmo que tenha revigorado as histórias por algum tempo, acabou tendo o efeito de uma dose de veneno a longo prazo.

The First American, gozação em cima do Capitão América e esse tipo de patriotada, tem uma história desenhada pelo Aragonés toda em cima de uma única piada. O personagem diz: "tudo que eu preciso é de um traje colorido com nome chamativo", e todas as pessoas que ele encontra ao longo do caminho perguntam: "traje com nome chamativo?" "Não, o nome chamativo não é para o traje colorido". Cobweb narra uma história na linha confessional de diário feminino, falando sobre sua paixão secreta pelo seu arqui-inimigo, e aqui o humor vem do contraste entre o tom romântico de suas anotações e as ameaças selvagens do vilão. Em um dos momentos memoráveis, depois de imaginar que tinha finalmente dado cabo do vilão, ele reaparece de surpresa, dizendo: "Há! Aquele que você matou era na verdade o robô do dublê do clone do meu irmão gêmeo!", rifando de uma vez só todos os artifícios fáceis de escritores sem criatividade para trazer de volta um personagem morto.

É lógico que sem um conhecimento prévio profundo, a maior parte da graça vai passar desapercebida pelo leitor neófito, que não sabe, por exemplo, que a sala de troféus do First American tem um pouco da Batcaverna do Batman, da cripta do Fantasma e da Fortaleza da Solidão do Super Homem. História em quadrinhos de super herói é coisa para nerd, para iniciado. Já se disse que a cultura pop é a mais elitista de todas, pela imensa quantidade de informação cruzada que exige para ser apreciada. Estejamos lendo um gibi do Demolidor, ouvindo uma música de Simon & Garfunkel ou lendo um poema de Allen Ginsberg.

Com tudo isso, ABCs ganhou várias indicações para todos os prêmios importantes da indústria dos quadrinhos, nenhum dos quais recebida pessoalmente pelo autor, um ex-hippie de quase 2 metros de altura semi recluso que não sai de Northampton nem por decreto, onde reside com sua mulher e filha, a criar músicas, fumar haxixe em doses cavalares e revitalizar gêneros de ficção semi esgotados.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 9/4/2001

Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2002
18h07min
Rafael, acabo de ler a League of Extraordinary Gentlemen, e o seu texto me deu vontade de ler "1963" também- sem falar nos seus outros textos, que eu ainda não li (indesculpavelmente, como percebo agora). Parabéns. Espero que você, ao contrário do Alan Moore, não herde um moinho indiano em Cumberland, nem morra de Desprezo em 1904. Um abraço- Alexandre.
[Leia outros Comentários de Alexandre ]
5/4/2002
08h23min
Alexandre, "1963" mistura cultura pop, Guerra Fria e gíria beatnik com resultado de primeira, pena que termina com um gancho para uma edição especial que nunca foi feita. Pode ficar tranquilo porque estou longe do moinho em Cumberland... estou mais para um praia deserta na Indonésia.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
11/4/2002
07h02min
Nossa Rafael como eu sou ignorante nesse assunto, mas teu texto me deu uma vontade enorme de me iniciar, mesmo sabendo que como neófita vou passar batida por um monte de coisas... Valeu mesmo! Beijos.
[Leia outros Comentários de Tânia Nara]
20/4/2002
14h53min
Excelente página, no mar de lixo que circula pelo ciberespaço. Sou grande fã do ingês Alan Moore e no meu próprio site apresento artigo sobre ele,ilustrado, e Big Numbers - além de muchas cositas más.Dêm uma conferida. Comentários e divulgação serão bem vindos e "reciprocados" (será que existe esta palavra?)
[Leia outros Comentários de jose carlos neves]
5/5/2002
19h50min
Rafael, já te cumprimentei pelo artigo,fiz propaganda do meu site e próprio artigo sobre este grande gêneio que é Alan Moore,mas esquecí de perguntar:voce menciona que já escreveu há um ano sobre Eddie Campbell.Onde posso conseguir erte artigo? (sou viciado em textos inteligentes - por isto compro sempre o Caros Amigos).
[Leia outros Comentários de jose carlos neves]
5/5/2002
23h18min
José Carlos: escrevi duas vezes sobre Eddie Campbell aqui no Digestivo Cultural; a mais recente disseca a série From Hell, cuja versão para o cinema estava nas telas quando a coluna foi ao ar. A mais antiga foi ao ar há mais de uma ano atrás e fala sobre Bacchus, a revista (quase) mensal que ele edita. Um abraço e obrigado pela visita.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
27/4/2003
21h14min
Pois é, já tinha comentado,mas vale sempre remarcar minha admiração - e aproveitar a deixa e anunciar meu novo site exclusivo sbre o mago ingles
[Leia outros Comentários de Jose Carlos neves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras Maravilhosas do Capitão Cororan
Alfred Assolant
Companhia Nacional
(2007)



Diários do Vampiro Anoitecer
L.J. Smith
Galera
(2010)



As Certezas Perdidas da Psicanálise Clínica
Stefania Turillazzi Manfredi
Imago
(1998)



Guia da Paris Impressionista
Patty Lurie
Record
(1998)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Noite do Professor
Jean Pierre Gattégno
Companhia das Letras
(1995)



Amarras do Passado
Emile Rose
Harlequin
(2013)



Dom Casmurro - Coleção Literatura Brasileira - Nova Ortografia
Machado de Assis
Ciranda Cultural
(2008)



Mercado Financeiro Produtos e Serviços
Eduardo Fortuna
Qualitymark
(2002)



Livro Sociologia Dez Lições para o Mundo Pós-pandemia
Fareed Zakaria
Intrínseca
(2021)



Pedagogia Social - Educação e Trabalho...
Noêmia de Carvalho Garrido et al. (Org.)
Expressão e Arte
(2011)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês