A Fantástica Viagem de Eça de Queirós | Najah Zein | Digestivo Cultural

busca | avançada
53050 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/1/2003
A Fantástica Viagem de Eça de Queirós
Najah Zein

+ de 2900 Acessos

Diz-se de Eça de Queirós, um homem esguio, magro, de pescoço muito alto com uma cabeça pequena. Parecia ter sido desenhado com um preto intenso e um amarelo desmaiado. Considerado um Deus pela sua geração, Eça foi o pioneiro do realismo da literatura portuguesa.

José Maria Eça de Queirós nasceu em Póvoa do Varzim, no dia 25 de novembro de 1845. Sua mãe, D. Carolina Augusta Pereira d'Eça, o deu à luz como fruto de um caso que tivera com o Dr. José Maria Teixeira de Queirós que, na época era delegado do procurador régio Ponte do Lima. Dadas às circunstâncias, Eça teve que ser criado longe de seus pais para que não comprometesse a carreira de José Maria. Até os dez anos, foi criado com os avós paternos na zona rural de Verdemilho. Quando eles faleceram foi viver com seus pais, já casados, na cidade do Porto, onde foi matriculado no internato Colégio da Lapa. As circunstâncias de seu nascimento influenciaram fortemente sua vida. Foi rejeitado por sua mãe e só foi legitimado aos 40 anos, por conta de seu casamento.

Os Anos em Coimbra
Quando fez 16 anos, mudou-se para Coimbra para cursar Direito. Os anos em que passou lá, onde se misturavam correntes românticas e positivistas, provavelmente foram os mais importantes e decisivos na sua formação intelectual e cívica. Nessa época Eça fazia parte de uma geração definida por Antero de Quental como "a primeira em Portugal que saiu decididamente e conscientemente da velha estrada da tradição". Mais tarde em sua vida, Eça de Queirós faria um retrato da vida coimbrã num texto chamado Antero de Quintal, onde registra os acontecimentos e suas descobertas culturais que o moldaram e relata também o convívio com o Poeta dos Sonetos.

O tom inconformista que há em toda sua obra nasceu desses seus anos em Coimbra. Uma época da qual tinha grande saudade, apesar de sempre ter repreendido a Universidade de Coimbra, onde estudou, descrevendo-a como "madrasta amarga e carrancuda".

Eça, O Jornalista
Foi no jornalismo que o seu inconfundível estilo realista foi criado, mas apesar disso pouco se fala do Eça jornalista, cronista e repórter.

Atraído mais pela escrita do que pelo pleito nos tribunais, Eça deixou Coimbra após terminar o curso de Direito, mudando-se para Lisboa, onde esbarrou com Batalha Reis na Gazeta de Portugal. Em dezembro de 1866, aos 21 anos, foi para Évora, onde lançou o jornal "Distrito de Évora". Nele desempenhou vários papéis: diretor, cronista, correspondente, folhetinista, analista político e analista de artes. Durante sete intensos meses, ele comandou este jornal.

Pode-se dizer que Eça de Queirós nunca mais abandonou o jornalismo. Após sua experiência em Évora, ele voltou a colaborar com a "Gazeta de Portugal", até juntar-se a Ramalho Ortigão para escrever "As Farpas", um marco de forte crítica que saiu no mesmo ano da realização das Conferências Democráticas do Casino (movimento que tinha como objetivo a ligação de Portugal ao movimento moderno da Europa e cujo mentor era Antero de Quental). Foram 16 meses de ferroadas irônicas aos políticos de sua época.

Mas entre Évora e As Farpas, Eça escreveu quatro crônicas-reportagens que foram publicadas no Diário de Notícias: De Port-Said a Suez, que foi o inspirado na sua viagem ao Oriente com o conde Resende, para presenciar a abertura do canal de Suez. Colaborou com vários outros jornais, como o "Actualidade", do Porto, e a partir de 1880 iniciou sua importante colaboração com a "Gazeta de Notícias", do Rio de Janeiro (colaboração que durou 16 anos). Foi aqui que foram publicadas A Relíquia e as Cartas de Fradique Mendes, assim como as crônicas que depois foram reunidas em livros intituladas de Cartas de Inglaterra, Ecos de Paris, Cartas Familiares e Bilhetes de Paris. Ao todo, Eça foi colaborador em mais de uma dezena de jornais e revistas.

Sobre os jornais o escritor disse: "É grande dever do jornalismo fazer conhecer o estado das causas públicas, ensinar ao povo os seus direitos e as garantias de sua segurança, estar atento às atitudes que toma a política estrangeira, protestar com justa violência contra os atos culposos, frouxos ou nocivos, velar sobre o poder interior da pátria, pela grandeza moral, intelectual e maternal em presença das outras nações, pelo progresso que fazem os espíritos, pela conservação da justiça, pelo respeito do direito, da família, do trabalho, pelo melhoramento das classes infelizes. Que o jornalismo possa sempre dizer: comigo estão a razão e a justiça!".

Eça e o Brasil
Eça nunca chegou a vir ao Brasil, mas de uma certa forma, sua vida sempre esteve ligada ao nosso país. Desde suas colaborações com a "Gazeta de Notícias" e a "Revista Moderna", até os amigos brasileiros que fez em Londres e Paris e principalmente pelo impacto de suas obras aqui, tudo contribuiu para a criação de uma ligação forte entre Eça e o Brasil.

Seu primeiro contato com o Brasil foi com sua ama, Ana Joaquina Leal de Barros, pernambucana. Antes até, quando ainda não era nascido: seus bisavós aqui se refugiaram na época das lutas liberais e seu avô paterno, Dr. Joaquim José de Queirós e Almeida, nasceu no Rio de Janeiro. Nasceu no Brasil também seu pai. Ao voltarem para Portugal, levaram com eles um casal de criados negros, Rosa e Mateus. Eça obteve uma forte influência brasileira ao ouvir as cantigas e as histórias misteriosas do sertão contadas pelo casal.

Quando Eça iniciou sua carreira consular, inicialmente concorreu à vaga de cônsul aqui no Brasil, mostrando já sua afinidade com nosso país. Mas infelizmente não a conseguiu.

Sua casa em Paris era freqüentemente visitada por intelectuais e diplomatas brasileiros como Domício da Gama, Eduardo Prado, Olavo Bilac, Paulo Prado, Magalhães de Azevedo e o barão de Rio Branco. Segundo Eça, estes foram "grandes e inesquecíveis amigos", com quem conviveu durante muitos anos.

Numa de suas publicações em "As Farpas", em fevereiro de 1872, Eça ridicularizou o imperador D. Pedro II, quando este visitou Portugal. Esta sua crítica foi publicada clandestinamente aqui no Brasil e foi aproveitada pela propaganda republicana. Se este texto chocou apenas os monarquistas, a crônica O Brasileiro, também publicada em "As Farpas", chocou a todos. Nele, Eça descreve o brasileiro como "um tipo humano risível".

Foi apenas seis anos mais tarde que suas obras realmente começaram a fazer sucesso aqui no Brasil. Em 1878, com a edição de O Primo Basílio, Machado de Assis, por ser romancista e não apreciar o realismo, fez uma forte crítica a esta obra e também a O Crime do Padre Amaro. Isto fez com que surgissem vários artigos em defesa de Eça, o que contribuiu para a rápida divulgação de suas obras aqui.

Se quisermos resumir as qualidades da prosa de Eça de Queirós temos que falar da originalidade de seu estilo. Sobre si mesmo escreveu: "Não me falta o processo: tenho-o superior a Balzac, Zola e tutti quanti". Também achava que em seu estilo faltava força, mas tinha "limpidez, fibra, transparência, precisão, claridade". Já nos últimos anos de sua vida, em 1894, numa carta a Alberto de Oliveira, disse que a arte de escrever era, como a beleza, "um dom dos deuses", frisando que precisão, limpidez e ritmo são "qualidades da Razão e das melhores!". Qualidades que se vê em Os Maias.

Eça de Querós morreu no dia 16 de agosto de 1900 em Neuilly, arredores de Paris. Nos anos após sua morte foram publicados A Ilustre Casa de Ramires, As Cidades e as Cerras, Contos e Últimas Páginas.


Najah Zein
Rio de Janeiro, 20/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood de Marilia Mota Silva


Mais Najah Zein
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÂNSIA DE VIVER
DANIELLE STEEL
RECORD
(1996)
R$ 10,00



INVENTARIO SUMARIO DOS DOCUMENTOS DA SECRETARIA DO ESTADO DA MARI
HENRI BOULLIER DE BRANCHE
ARQUIVO NACIONAL
(1960)
R$ 25,28



PERFIL NACIONAL DOS CUIDADOS PRESTADOS ÀS CRIANÇAS COM IDADE INFERIOR
JOAQUIM BAIRRÃO MARIA BARBOSA ISOLINA BORGES OR...
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1990)
R$ 11,16



CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL
EDITORA SARAIVA
SARAIVA
(2002)
R$ 19,90



AS INVENTAÇÕES DA BRUXINHA TATÁ
MARTA MELO
ATICA
(1994)
R$ 8,00



REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA NA ATENÇÃO BÁSICA
M. AKERMAN / L. PAIXÃO/ E. MONTAGNA/ C. K. MORAIS
MÍDIA ALTERNATIVA
(2014)
R$ 53,00



GUIA DO ESTUDANTE CURSO PREPARATÓRIO ENEM 2010 HISTÓRIA I
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 10,00



ESTA É NOSSA COZINHA! RECEITAS DO NORDESTE EM PORTUGUÊS E INGLÊS
JEWELL FENZI E RUTH FENZI REEDER
JEWELL PRESS
(1981)
R$ 19,82



SOB O OLHAR DE DEUS
MALBA TAHAN
CONQUISTA
(1957)
R$ 5,00



A RENOVAÇÃO DO PROCESSO CIVIL E OUTROS ESTUDOS PROCESSUAIS
JUSTINO MAGNO ARAÚJO
MÉTODO
(2004)
R$ 12,00





busca | avançada
53050 visitas/dia
1,8 milhão/mês