O MP3 aconselha | Héber Sales | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Memórias de Adriano de Marguerite Yourcenar pela Record (1951)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham pela Harper Collins (2017)
>>> Livro - O Boi Cor-de-rosa de Jorge Miguel Marinho pela Peirópolis (2007)
>>> O herói improvável da sala 13B de Teresa Toten pela Bertrand Brasil (2016)
>>> Estrela Distante - Coleção Folha Literatura Íbero-Americana de Roberto Bolaño pela Folha de S. Paulo (2012)
>>> Livro - A Fábula da Convivência de Lecticia Dansa; Salmo Dansa pela Ftd (2002)
>>> Obras de Edgar Allan Poe de Edgar Allan Poe pela Pandorga
>>> Livro - Meu Primeiro Livro de Contos de Fadas de Mary Hoffman pela Companhia das Letrinhas (2014)
>>> Atlas da Culinária na Baía de Todos os Santos de Jailson de Andrade, Vanessa Hatje, Gal Meirelles, Núbia Ribeiro pela Edufba (2013)
>>> Morri Para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Livro - A Civilização Inca de Rosana Bond pela Atica (2015)
>>> Abril Vermelho de Santiago Roncagliolo pela Alfaguara (2007)
>>> Ansiedade 3 Ciúme o medo da perda acelera a perda de Augusto Cury pela Benvirá
>>> Marx (Sem Ismos) de Francisco Fernández Buey pela Ufrj (2022)
>>> Livro - A Ave-maria de Natália Maccari pela Paulinas (2013)
>>> A Arte de ter Razão de Arthur Schopenhauer pela Martins Fontes (2017)
>>> Um pedido às estrelas de Priscille Sibley pela Benvirá (2013)
>>> Livro - Sambura de Lendas de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Leya (2011)
>>> Em má companhia/ O músico cego - 2 volumes de Vladimir Korolenko pela Carambaia (2016)
>>> Conversas com Gestores de Ações Brasileiros de Luciana Seabra pela Penguin (2018)
>>> Pérolas Negras Primeiros Fios: Experiências Artísticas e Culturais nos Fluxos Entre África e Brasil de Roberto Conduru pela EdUerj (2013)
>>> Socorro, caí dentro do videogame de Dustin Brady pela Milk Shakespeare (2021)
>>> Livro - X-Men - Mutant Genesis de Chris Claremont, Jim Lee pela Marvel
>>> Livro - Dicionário Infantil Ilustrado de Douglas Tufano pela Moderna (2011)
>>> O Conde de Monte Cristo de Heloisa Prieto pela Ftd (2014)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/3/2003
O MP3 aconselha
Héber Sales

+ de 8000 Acessos

"... Ele encoraja o entusiasmo pela música de
um jeito que a indústria há muito esqueceu de fazer".


Thom Yorke, do Radiohead, sobre o Napster.

O mundo da internet parece governado por "leis" diferentes, por outros valores, por outros costumes. Uma de suas regras mais notáveis é a de que a informação deve ser livre. O fenômeno das redes P2P apenas traduz e aprofunda essa cultura. Graças a estes recursos, os internautas podem localizar nos computadores de outras pessoas o conteúdo que desejam, e dispor dele, sem intermediários, sem custos.

Legiões de fãs de música têm se associado a essas redes. Através delas, eles trocam suas faixas preferidas com gente desconhecida, de lugares onde nunca estiveram; conhecem pessoas com gostos afins aos seus; enfim, experimentam a música na sua forma mais essencial, que é ser um meio para promover participação e integração entre os humanos.

A explosão desse mercado (pirata) de música online têm levado algumas gravadoras a explorar esse filão por meio de alternativas legítimas. De um modo geral, entretanto, elas não tem tido sucesso, e a venda de música via internet continua a ser desprezível se comparada à quantidade de downloads gratuitos de MP3. Muitas têm sido as razões invocadas para explicar tal fracasso. Subjacente a maioria delas está a premissa de que a motivação do pirata de áudio online é eminentemente econômica, e que basta oferecer uma alternativa legítima, com benefícios funcionais superiores e custo razoável, para que os piratas passem a pagar por música digital. Será?

dúvidas, e das mais sérias. Muito mais do que transação, a troca de MP3 parece ser um modo de reafirmação da identidade dos seus atores num novo espaço, o ciberespaço. Além disso, ela corresponde ao cultivo de valores muito específicos da cultura da internet, em geral, e dos fãs de música, em particular. Nesse meio, a cultura da informação livre encontra-se com o papel integrador da música, forjando um ethos que encoraja o acesso universal à música.

O que pode fazer a indústria diante de tal situação? Uma opção, exercida de fato, é continuar apelando para a repressão legal-policial e tecnológica a fim de eliminar a pirataria online. Muitos, porém, duvidam da eficácia de tal medida. Uns tantos destacam que no atual estágio de desenvolvimento tecnológico seria impossível impedir o surgimento de recursos cada vez mais avançados de pirataria. Outros calculam que a vitória da indústria fonográfica neste campo levaria a perdas muito mais significativas em outros setores, em particular na indústria de eletrônicos domésticos, e que isso não é vantajoso nem para a sociedade, nem para o grande capital. Há finalmente os que alertam: a ação repressiva tem sido um desastre em termos de relações públicas, e a imagem das gravadoras está no fundo do poço.

Por causa disso tudo, aconselha-se: antes que combater a pirataria online, as gravadoras precisam reinventar o seu negócio. As idéias são as mais variadas. Algumas delas nem são novas - são extrapolações dos modelos bem sucedidos em outras mídias. Nesta linha, alguns querem ver a troca de MP3 como uma operação do tipo TV Aberta, onde o conteúdo, de menor qualidade, seria gratuito e serviria como meio para capturar a atenção da audiência para novos artistas e novos lançamento dos astros. Outra idéia que obedece a mesma lógica é a de fazer os provedores de acesso pagarem royalties pelas músicas baixadas por seus usuários. Hilary Rosen, presidente da RIAA, justifica: "a maior parte da demanda pela banda larga é simplesmente resultado do uso de programas de file-sharing". Conquanto seja de difícil execução, dado o enorme volume de downloads a serem rastreados, esta idéia indica um movimento da indústria rumo a assimilação do P2P nos termos do que foi feito ao rádio, um meio em que a audiência ouve música de graça.

Quando se discute tais idéias está se falando, em última instância, no uso das redes P2P e do formato MP3 para prover degustação, uma conhecida estratégia de promoção em marketing, particularmente apropriada para bens de informação - bens de experiência, que precisam ser provados pelos consumidores para que eles possam atribuir-lhe valor [1]. Aliás, a receita não é nova no e-business. A indústria pornô já está inclusive aplicando-a nas redes P2P ao distribuir amostras de seus acervos de vídeo e de imagem. "Você não pode batê-los, então você deve juntar-se a eles... Estes são seus consumidores mais lucrativos, pessoas que vem especificamente à sua arena e dizem que querem X, Y e Z. Esta é a mais inquisitiva, mais importante comunidade possível na história do negócio", disse Scott Hunter, presidente da Exploit Systems, uma empresa que ajuda os provedores de conteúdo pornô a colocarem seus arquivos em posição privilegiada nas buscas das redes P2P. E ele fez as contas: "se 15% das cerca de 150 milhões de pessoas nessas redes estão dispostas a pagar por conteúdo extra, então se tem 20 milhões de compradores; desprezar tal oportunidade de fazer uma venda é fazer papel de bobo".

A idéia de dar a informação para depois poder cobrar por suas versões mais sofisticadas e versáteis parece ser coerente com uma das grandes motivações para a busca de MP3 na internet: a aventura de ser um dos primeiros a descobrir novidades e raridades. Isso fica claro quando se ouve um fã contar, vaidoso, como descobriu alguns artistas antes de seus colegas:

M. diz:
quer ver uma coisa, vc conhece Renato Fechine, Ze lezin, PEgadinas do mução, ou homem cueca?

Héber diz:
não!

Héber diz:
quem são?

M. diz:
Sao uns piadistas, fiquei conhecendo este ano. Os caras foram e compraram o cd, e eu ja tinha pela net.

M. diz:
O cd dos caras é baratinho, mas antes mesmo de alguem me mostrar o cd eu ja tinha baixado.

Héber diz:
os caras?

M. diz:
alguns caras daqui do colégio.

O caso não é isolado, e tem sido reportado em várias matérias veiculadas na grande imprensa. Em uma delas, uma universitária revela acessar os programas P2P em busca de "sons variados, que incluem trilhas sonoras de filmes, shows ao vivo e música de desenho animado... 'Baixei a trilha do desenho Corrida Maluca e conheci boas bandas de rock", disse a estudante.

Notavelmente, esses dois informantes buscam por material que a indústria simplesmente não disponibiliza. O sucesso da pirataria é uma lição dos princípios mais básicos do marketing: ela vence porque atende necessidades não satisfeitas, porque serve a segmentos ignorados pelas grandes empresas, as quais, de um modo geral, investem quase somente nas grandes estrelas e hits. Por essas e outras é que gente perspicaz como Thom Yorke toma o MP3 mais como conselheiro do que como vilão: um alerta de que é preciso aprender mais sobre o papel da música na vida dos fãs; um aviso de que a indústria talvez não esteja conseguindo apoiar adequadamente a empolgação da garotada pela música.

Referências
[1] SHAPIRO, Carl; VARIAN, Hal R. A economia da informação: como os princípios econômicos se aplicam à era da internet. Rio de Janeiro: Campus, 1999


Héber Sales
Salvador, 12/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Conta-gotas de Adriana Baggio


Mais Héber Sales
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mulher - Dicas para Construir o Sucesso Feminino
Catalina Isnardi Morgenthaler
vozes
(1999)



O Feiticeiro e seu Aprendiz - Escritos Herméticos Desconhecidos
S. L. MacGregor Mathers e J. W. Brodie-Innes
pensamento
(1983)



A Cidade de Quatros Portas
Doris Lessing
Record
(1969)



Muito Prazer! Eu Sou a Felicidade
Diverso
Clareon
(2007)



Eu Mexi no Seu Queijo
Darrel Bristow Bovey
Bertrand Brasil
(2000)



O Piloto de Hitler - A vida e a época de Hans Baur
C. G. Sweeting
Jardim dos Livros
(2011)



Livro - Suave é a Noite
F. Scott Fitzgerald
Nova Cultural
(2003)



Lady Frida
M. Maryan
Gautier & Languereau
(1927)



O Outro Jesus Segundo os Evangelhos Apócrifos
Antonio Piñero
paulus
(2002)



A Profecia das Pedras
Flavia Bujor
Planeta Jovem
(2003)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês