Comentários de Alexandre | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 27/10/2003
Comentários
Alexandre


Maugham e Stout e etc
Eduardo, tinha mandado um comentário longo mas ele se perdeu no ar. Melhor assim, melhor assim. Eu só te elogiava, ficava até chato. Ah, sobre Maugham, concordo completamente, e já era hora de alguém falar bem dele. Ele escreveu grandes romances: Servidão Humana, A Lua e Seis Vinténs, O Fio da Navalha. E outros. Enfim, sua lista é parecida com a minha, a que eu faria se fizesse uma; só me falta ler Joaquim Nabuco. Abraços,

[Sobre "Não li em vão"]

por Alexandre
27/10/2003 às
17h04 200.207.125.11
 
Se dependesse dos pacifistas..
Se dependesse dos nobres pacifistas, Saddam ainda estaria lá. Parabéns, Eduardo. Gosto sempre do que você escreve.

[Sobre "A última salsicha iraquiana"]

por Alexandre Soares
28/4/2003 às
18h36 200.207.125.11
 
Vocês aí na janela...
Sérgio, Abílio, e Sue: gostaram mesmo da vista? Estão vendo aquelas ilhas ali? E a cidade, ali? Não querem beber alguma coisa, enquanto olham a paisagem? Não? Então me deixem só dizer uma coisa, e já voltamos a escutar o silêncio: obrigado por terem vindo, obrigado por terem assinado o livro de hóspedes com palavras tão gentis- e voltem sempre.

[Sobre "O que é um livro"]

por Alexandre
3/5/2002 às
02h09 200.207.125.11
 
Blink, blonk, blog
Raphael Perret: obrigado pelo link no seu blog (http://butucaligada.blig.com.br) - e pelas palavras. Alexandre

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
19/2/2002 às
19h03 200.205.157.155
 
Volte sempre
Pedro, como você está se defendendo sozinho, não quero te atacar em bando. Não considere isto, portanto, um ataque. Mas há alguns pontos: 1)Qual a diferença entre "cale a boca" e "pare de dizer isso que você está dizendo"? Repare que eu não peço que você pare de dizer o que está dizendo- desde que com calma. Não, acho ótimo que você se sente e diga o que quiser- desde que não seja para que eu pare de dizer o que estou dizendo. 2)Você diz que eu não posso chamar uma variante de bonita ou feia, porque isso depende de gosto pessoal. Mas então quando é que eu posso chamar algo de bonito ou feio? Quando for muito científico? 3)Quanto aos meus Lusíadas. Achei engraçado. Foi mais uma reductio ad absurdum do seu argumento de que a língua se aprefeiçoa (o que eu também achei engraçado...) do que propriamente uma zombaria à sua pessoa, ao seu nariz, ou qualquer coisa assim. Nem hesitaria em fazer isso na sua frente, sem achar que estivesse sendo especialmente rude. Talvez eu seja suspeito, sendo o autor da própria piada, mas achei engraçado. Como diz Homer Simpson (lá vou eu baixando o nível): "É engraçado porque não é comigo...". 3)Está bem, se eu disser "pagarei" e a outra pessoa não entender, reagirei bravamente. Pode deixar. 4)Vamos esquecer os emails que você mandou diretamente para pessoas que comentaram o meu texto. Não me envolvi nisso, mas vi que palavras foram usadas- "burro", "estúpido"- que não deviam ter sido ditas. Estamos mais calmos agora. Pronto, pronto. Passou. Cortesia é uma boa coisa. Torna o leite mais doce, o céu mais azul. Antes de você sair, brindemos juntos à cortesia e ao futuro simples. Longa vida a ambos. Não se esqueça de pegar o pacotinho que eu fiz com os seus pontos de exclamação, está ali perto da porta: (!!!!!!!) Volte sempre.

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
18/2/2002 às
18h58 200.205.157.155
 
Duas coisas
Pedro, duas coisas: 1) Onde foi que você viu um tom chorão, choroso, choramingas no meu texto? A julgar pela quantidade de "Façam-me o favor!", "Pelo amor de Deus!", e pontos de exclamação em geral, é mais fácil achar que, sem que você perceba, o som de choro que você ouve está escapando da sua própria e cerrada mandíbula. Estávamos todos rindo aqui, juro, e tomando Bâtard-Montrachet ainda por cima, antes que você chegasse gritando "Façam-me o favor!!!"- com três pontos de exclamação e tudo. Senta, respira fundo. Estamos tentando manter um tom civilizado aqui. Além disso, o espaço é muito pequeno entre estas duas barras vermelhas para o manuseio seguro de pontos de exclamação. Deixe todos esses !!!! perto da porta, ali junto dos guarda-chuvas. Na saída você pega com o mordomo. 2) Você sem dúvida acha que eu sou muito autoritário, querendo oprimir cento e poucos milhões de pessoas, etc. Mas de onde eu estou o autoritário parece ser você. Veja: escrevi um texto dizendo que há algo na língua que eu não gosto, e que há algo que eu gosto. Dei alguns motivos e pedi que se usasse mais aquilo que eu gosto, e menos aquilo que eu não gosto. Seria mesmo estranho se fosse o contrário. Mas você acha isso demais, e me grita para calar a boca. Seu argumento é que se o povo decidiu pela morte do futuro simples, quem sou eu para pedir que salvem o bichinho? Mas, Pedro, como você mesmo disse num dos seus charmosos e equilibrados emails, se o povo "consagra", às vezes também "desconsagra". Por quê, portanto, não posso eu tentar influenciá-lo um pouquinho- só um pouquinho- para "consagrar" de novo o futuro simples, e "desconsagrar" o composto? Acho um tanto opressiva essa visão da língua em que só multidões, e nenhum indivíduo, podem contribuir para o que quer que seja. A língua é mais dinâmica do que isso: aceita até mesmo que eu tente influenciá-la um pouquinho.

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
18/2/2002 à
01h46 200.205.157.155
 
Nossos cockneys
Toni: você tem razão, são duas línguas convivendo no mesmo espaço, e se misturando (e depois dizem que isso só existe em Londres). Há aspectos bons nisso, suponho, mas às vezes dói no ouvido. Um abraço.

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
18/2/2002 à
01h36 200.205.157.155
 
A língua dinâmica
Estava saindo, mas tive que voltar. Não resisti. Acho que ouvi o Pedro dizer que a nossa língua está se "aperfeiçoando". Que lindo- mal posso esperar pelo próximo final de semana. Ou por dezembro, quando será publicada a primeira tradução dos Lusíadas para o português Millenium: "As arma e os barão assinalado/Saíram de Portugal, tá ligado?", etc. (O trecho famoso- "Cantando espalharei..."- terá duas versões: "Cantando vou espalhar por toda parte" - escangalhou a cadência, mas vá lá- e "Cantando vou estar espalhando por toda parte/ Se a tanto me ajudar...", etc.) Só não peçam que eu assine a introdução. Um abraço.

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
17/2/2002 à
01h45 200.205.157.155
 
Epa
(Alexandre entra. Olha o próprio texto)Epa (Corando). Que se diga em minha defesa, no entanto, que eu nunca disse que o futuro simples deve ser obrigatório. Só disse que ele deve ser usado mais vezes- depende do ouvido, e do momento. (Satisfeito consigo mesmo) Sim, é isso. Ah! Obrigado e um abraço aos que vieram me visitar neste espaço entre duas barras vermelhas. Paulo, Rogério, Sérgio, Haroldo, Guilherme. Há vinho na geladeira. (Sai)

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
15/2/2002 às
18h09 200.205.157.155
 
O futuro simples
Haroldo- talvez você tenha razão, e em alguns momentos seja melhor dizer "vou devolver". Cada um tem que ter a sensibilidade de saber qual o momento apropriado. Tudo o que digo é que não está certo não usarmos nunca o futuro simples. Eu gosto do futuro simples- é bonito e simples. Acho que devíamos fazer um pequeno esforço para salvá-lo. Sei que é quixotesco, mas enfim. Um abraço.

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Alexandre Soares
15/2/2002 às
15h48 200.205.157.155
 
Roberto Campos
Fabio- obrigado pelos elogios. Que retribuo. É claro, você não precisa concordar comigo- concordar é sempre um pouquinho chato. Discordemos, portanto. Agora, quanto ao acordo- sei que fui eu que o propus, mas vou ter que ser o primeiro a recuar. Se falo mal da economia, não é porque nunca fui apresentado a essa Senhora- é porque me separei dela depois de dois anos de penoso, chato noivado na FEA-USP. Li Samuelson, Ricardo, Heilbronner, Marshall, e outros homens sérios e solenes, cuja localização precisa no Inferno de Dante não sei dizer. Li as primeiras, sei lá, duzentas páginas de "Lanterna na Popa". Roberto Campos tem algum senso de humor, mas a alma dele é seca, seca, seca. Segurei a alma dele nas mãos, e ela era um graveto...Um graveto! Não é que eu seja de esquerda (sinceramente, girei tanto que já não sei onde estou, e vou vomitar no tapete), e não é por nenhum motivo tão estúpido quanto não concordar com o que ele diz. Mas tentar ler o livro de novo doeria muito. (E se a Dona FEA vier se queixar de que não a louvo em meu trobar, veja como a louvarei todavia: Dona Fea, Velha e Sandia)P.S. Tolkien- Alguém que estivesse em relação a Erl Koenig como você está em relação a "O Senhor dos Anéis" poderia dizer que não quer ler poema com elfos...Meu ponto todo era que a presença de elfos (Erl Koenig), bruxas (Macbeth), gigantes (Lusíadas) etc não torna a obra automaticamente menos séria...Outra coisa: "Morte chegando" é um assunto mais importante do que "coragem"? Pour quoi? Um abraço- Alexandre

[Sobre "Costume Bárbaro"]

por Alexandre
2/2/2002 às
17h50 200.205.157.155
 
O mesmo?
José Luis: você é o mesmo José Luis Mendonça que escreveu- "Ergue-te cidade/ malar vigília/ de pássaros/ estrangulados/ cheiras a crepúsculos e/ água, cidade/ onde o vinho abre o sexo/ ao gume dos astros..."?

[Sobre "Costume Bárbaro"]

por Alexandre
1/2/2002 às
17h05 200.205.157.155
 
Tolkien não era Rui Barbosa
Fábio: você realmente acha que Tolkien é a mesma coisa que -qual o nome daquele cara que escreveu "Pantanal"? Benedito Rui Barbosa? Ou igual a (sei lá os nomes) Glória Magadan? Tolkien, o Benedito Rui Barbosa de Oxford? Só porque ele escrevia sobre hobbits e elfos? Mas, nesse caso, o "Erl Koenig" de Goethe é um poema infanto-juvenil? A versão musicada de Schubert é uma espécie de música da Xuxa? Camões era o Maurício de Souza da época dele, porque escreveu sobre o gigante Adamastor? Nem tudo que tem duende é "Xuxa e o Segredo dos Duendes"(se é que é esse o nome). Os livros de Tolkien, e o filme também, são sobre coragem, sacrifício, amizade, medo, tentação, dor. Talvez devêssemos concordar em fazer aquilo que você me recomendou uma vez: eu em relação à economia, você em relação a Tolkien- dar a tal da famosa "chance". Não é? (Vai custar mais para mim do que para você, acredite) Também C.S.Lewis, que fazia parte do círculo de Tolkien, é um autor muito interessante. Retribuo o abraço. -Alexandre

[Sobre "Costume Bárbaro"]

por Alexandre
1/2/2002 às
16h25 200.205.157.155
 
Sua partida com Noam
Vamos continuar com a imagem do tênis só mais um pouquinho. Tudo o que eu sei é que me aproximei um pouco da quadra para dizer que achava o jogo muito chato; você diz que eu deveria aprender o jogo, e me dá como exemplo negativo o Chomsky, seu adversário, que é tão ruim que acabou de sacar pra fora; eu (que admiro Chomsky, mas isso não vem ao caso) digo apenas que seria melhor consultar um juiz, que a decisão não pode depender só de você; você diz que isso é absurdo, que regras são regras e isso não depende de opinião, só um cego não vê que a bola caiu quase um metro pra fora da área de saque; e eu digo que tudo bem, se não há juiz, não há juiz, mas continuo dizendo que acho o jogo muito chato.

[Sobre "Economistas"]

por Alexandre S. Silva
31/1/2002 às
15h19 200.205.157.155
 
Sejamos pernósticos
José Maria: quanto ao pernosticismo- alguém tem que continuar carregando a tocha neste mundo de Alexandre Frotas, não é? Certamente não se pode acusar o mundo de ser excessivamente pernóstico- não este mundo de gente que usa boné virado pra trás. Como eu olho à minha volta e não vejo ninguém mais tentando ser pernóstico, eu aceito a função como minha, até que uma era melhor volte. Mas Noam Chomsky...Não acredito que você queira dizer que todos os artigos e palestras dele são meras "posturas"- no mínimo conceda que ele é morbidamente sincero e honesto. Não vi a entrevista do Milênio, e mesmo se visse, como você sabe, não saberia distinguir um erro econômico de um acerto. Mas não será que "erro", em economia, pelo menos neste contexto, não é uma questão que depende de que lado você está nesse jogo de tênis? O que o Roberto Campos chamaria de erro é a mesma coisa que o Galbraith chamaria? O saque bem-dado de um jogador de tênis pode ser chamado de erro ("Out!") pelo outro jogador, mas cabe ao juiz decidir, não é? Em outras palavras- quem é o juiz?

[Sobre "Economistas"]

por Alex
30/1/2002 às
16h36 200.205.157.155
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês