Comentários de Felipe Boclin | Digestivo Cultural

busca | avançada
82062 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crônica e o futebol
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Avis rara hoje no jornalismo
>>> Entrevista com Paula Dip
>>> O diabo veste Prada
>>> Entre o velho e o novo
>>> 10º Búzios Jazz & Blues II
>>> Pensar puede matar
Mais Recentes
>>> Peixes de Aquário de Douglas Fabichak pela Nobel (1978)
>>> A Nova Ordem Mundial de José William Vesentini pela Ática (2003)
>>> Brasil Nunca Mais de D. Paulo Evaristo Arns pela Vozes (1985)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Nacional (1974)
>>> Era Verde? Ecossistemas Brasileiros Ameaçados de Zysman Neiman pela Atual (1989)
>>> Observação de Bebês de Manuel Pérez-sanchez pela Paz e Terra (1983)
>>> Coma Bem Viva Melhor de Dr. Rex Russell pela Betânia (1998)
>>> O Velho da Praça de Antonieta Dias de Moraes; Ciça Fittipaldi pela Atual Didáticos (1988)
>>> O Tempo Não Apagou de Don R. Christman pela Casa (1987)
>>> O Salto para a Vida (colecao Depoimento) de Célia Valente pela Ftd (1999)
>>> Cousteau uma Biografia de Axel Madsen pela Campus (1989)
>>> Amazônia de Luiz Gê; Alan Oliveira pela Saraiva Didáticos (2009)
>>> Peixes de Aymar Macedo Diniz Filho pela Ática (1997)
>>> Migrações da Perda da Terra à Exclução Social de Ana Valim pela Atual (1996)
>>> Artes e Oficios de Roseana Murray; Cao Cruz Alves pela Ftd (2007)
>>> Meu Primeiro Livro de Telma Guimarães Castro Andrade pela Aliança (2000)
>>> Tocaram a Campainha de Pat Hutchins pela Moderna (1998)
>>> Quenco, o Pato - Colecao Barquinho de Papel de Ana Maria Machado pela Atica (2012)
>>> Ladrão Que Rouba Ladrão de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Língua de Angelo Machado pela Nova Fronteira (2004)
>>> A Princesinha Boca Suja de Cláudio Fragata; Odilon Moraes pela Scipione (2005)
>>> Donnie! um Dia Com o Cão-guia de Vicky Ramos pela Global (2009)
>>> Para Onde o Coração Aponta de Marcelo Lelis; Murilo Silva Cisalpino pela Formato (1996)
>>> União Européia de Ivan Jaf; André Martin pela Atica (2007)
>>> Gafe Não é Pecado de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos Jc (1996)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 16/9/2002
Comentários
Felipe Boclin


Não..ruim não...mas evolutivo?
Olá Gian, obrigado pelo pelo retorno. Pode ser que seja uma postura apocalíptica sim, pois ela está embasada no movimento pós-moderno e da indústria. Como dito antes, ela pode ser construtiva e evolutivs, mas só se ela for atrativa para o mercado consumidor.E o mercado evita ivenção e sim quer reivenção...é como se inventasse a roda dia a dia.Essa veinculação com o mercado é que mata a Arte como essencia, e passa então a ser produto. A cultura POP exige essa conversa com o mundo. Tô falando de modo mais generalista, ok? Indico para todos, caso não tenham lido, os materiais na Internet, livros... sobre o movimento pós-moderno, na arte e na sociedade. É muito importante essa leitura. Gian, espero mesmo que a cultura POP traga benefícios para a sociedade, eu adoraria escutar uma Música POP com extrema evolução erudita e cultural. Um grande abraço Felipe

[Sobre "Cultura pop"]

por Felipe Boclin
16/9/2002 às
18h54 200.222.91.35
 
Cultura Pop
Olá Gian, Legal o assunto tratado, mas tenho algumas opiniões que possa enriquecer um debate neste assunto tão importante. A Cultura Pop NASCEU de um único objetivo CENTRAL, - entrenimento que visa o lucro (ponto final). Esse é o seu fundamento, mas até pode haver algumas vantagens nisso. Na sua produção, esse entretenimento não pode ter uma visão crítica, a não ser se essa for mascarada. Porque não pode ter uma visão critica. Por que não vende em quantidade. A estética POP possui suas fórmulas, e estar precisam usadas. O exemplo é o K.Reaves no Matrix, era preciso um astro do cinema Holly, para passar uma mensagem e vender bastante também. De sua estrutura de fabricação logo nasceu sua concepção de "massa", de homogenização, POP (POPULAR). Por essencia de seu propósito, não busca em seu conteúdo e muito menos em sua forma ser inovadora, crítica ou provocadora. Porém, temos que analisar que a Cultura Pop é só um veículo que o mercado tem em mãos para venda. Se a crítica virar POP, a critica será vendida. Tome como exeplo o RAGE AGAINST THE MACHINE, onde tanto como conteúdo e forma criticam o sistema em que a cultura pop reina descaradamente, e este grupo é tratado pela mesma gravadora que a Madonna, a rainha POP. O que temos em muitas vezes, é a mascaração na estética POP, por uma critica construtiva ou evolutiva. Isto é, usando a forma que chegue a massa, possuindo um conteúdo em entre linhas de maneira construtiva. Isso pode entendido nos quadrinhos comentado, em filmes, nas músicas.... Mas isso não caracteriza a Cultura POP como tal. A CUltura POP pertence à um movimento que acabou de vez com a ARTE, que foi sem dúvida o Pós-modernismo. A arte vem do nada para o nada, tudo é arte, tudo é nada. Apaga-se o teor construtivo, da escola, das tradições. A arte deve ser entendida como um fator solto no espaço e no tempo. E aí surgiu a estética POP. uma estética padronizada, desde Adorno até os dias de hoje. É a maneira de atingir muitos e milhares, de gostos diferentes, de vidas diferentes....é superficial ao máximo, exatamente para atingir um maior número de pessoas. É impossível, dividir Cultura POP,da Indústria- ela é a própria. É a que financia a indústria, principalmente a do entrenimento. Temos que analisar muito bem; o que é Cultura POP e como ela é usada. Existem Produtos POP inovadores? Se exite alguém por traz ditando valores e elementos construtivos usando a estética POP, realmente existe, mas de maneira de conteúdo banal e retroativo.... nunca É de se notar que esses exemplos construtivos são mínimos de um total de produtos POPs vendido no mercado.

[Sobre "Cultura pop"]

por Felipe
16/9/2002 às
11h54 200.165.243.60
 
Linguagem Popular
"Tá fechando sete tempo / qui mia vida é camiá / pulas istradas do mundo / dia e noite sem pará / Já visitei os sete rêno / adonde eu tia qui cantá / sete didal de veneno / traguei sem pestanejá / mais duras penas só eu veno / ôtro cristão prá suportá / sô irirmão do sufrimento / de pauta vea c'a dô / ajuntei no isquicimento / o qui o baldono guardô / meus meste a istrada e o vento".... / (verso do cantador e poeta ELOMAR) / Versos como esse foram teses de Doutorado pela Univesidade da Bahia na cadeira de LETRAS. Provando que a linguagem popular, deve ser encarada como pesquisa da própria cultura, assim como a música e as manifestações culturais em geral. Esse preconceito que ainda existe, nos ocultos principios da sociedade brasileira, reforça ainda mais as barreiras de aproximação social entre aqueles da cultura culta e a cultura popular. Exemplos como a da Universidade da Bahia deveria ser seguido como uma evolução em nossas descobertas culturais e análises de nossa indentidade cultual. Abraços, Felipe Boclin

[Sobre "Língua de fora"]

por Felipe
23/8/2002 às
14h15 200.165.243.60
 
É verdade
Concordo plenamente. O reflexo da cultura "cool", infelizmente traz um comportamento que mistifica aqueles que não são cool mas também não se comportam que a indústria deseja. Vou fazer um apelo, para o pessoal do cool way of life. Um bom exemplo hoje é, trabalhar com cultura, você precisa ser cool. Vestuário, gostos musicais.....tudo pela status cool. Para essa classe, peço mais personalidade e respeito a palavra CULTURA. As pessoas que realmente estão fazendo alguma coisa pela cultura e trabalhando com sua essência, sabem que a cultura cool é extamente a negação da cultura. Um abraço Adriana... Felipe

[Sobre "Todos querem ser cool"]

por Felipe
28/6/2002 às
10h50 200.255.247.155
 
Ser cool é ignorância
A palavra cool significa a própria farsa. A tentativa de ser diferente, mas sendo igual aos outros de maneira diferente. É o que tem de pior, a falsa moralidade. São tão escravos da indústria cultural quanto aqueles que a não a percebem. Pois, os seguidores da moda cool, percebem a indústria mas se movem como tal....fazendo moda. Criando muito mais estilo e forma que conteúdo. O texto de Adriana, diz que hoje as pessoas consomem o que querem. Infelizmente tenho que descordar dessa afirmativa. As pessoas acham que querem, mas já estão com o vírus da indústrial cultural instalados em seu poder de consumo, não tem como fugir, tudo hoje virou POP . E o inverso de POP é POP.

[Sobre "Todos querem ser cool"]

por Felipe
28/6/2002 às
09h33 200.255.247.155
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Pequeno Filósofo
Gabriel Chalita
Globo
(2011)



Gastão e a Receita Perfeita
Anna Lavatelli
Escritinha
(2015)



As Novas Fronteiras do Direito Processual
Luiz Rodrigues Wambier
Rs
(2007)



Criando Meninas
Gisela Preuschoff
Fundamento
(2004)



Vade Mecum Tributario 12ªedição
Alexandre Mazza
Rideel
(2015)



A Outra Vida de Linus Hoppe
Anne Laure Bondoux
Melhoramentos
(2008)



Do Discurso Lírico D Camões: a Propósito do Episódio do Adamastor
Revista Boletim Cultural de Esposende, Nº 1
Tipografia Camões (varzim)
(1982)



Fique Forte - Você Pode Superar o Bullying
Nick Vujicic
Novas Idéias
(2015)



El Vuelo del Águila
Krishnamurti
Solar (bogotá)
(1988)



Viabilidade Econômica da Amazônia
Armando Mendes
Univ do Pará
(1971)





busca | avançada
82062 visitas/dia
2,7 milhões/mês