RE: Charade | Flamarion Daia Júnio

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> La Tectonique des Sentiments de Eric Emmanuel Schmitt pela Albin Michel (2008)
>>> Negócios Internacionais de Ana Lucia Guedes pela Thomson Pioneira (2007)
>>> New Headway Intermediate Teachers Book de John Soars pela Oxford (1996)
>>> Desventuras de Frauzio 2: as Sementes da Goiabeira de Marcatti pela Pro-c (2003)
>>> Mitologia Lovecraftiana: a Totalidade pelo Horror de Caio Bezarias pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Através do Espelho de Isa Mara Lando; Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1998)
>>> Memória - 3ª Edição de Ivan Izquierdo pela Artmed (2018)
>>> Cbc e Cbdc Apresentam: o Cinema de Amanha de Geraldo Moraes (org.) pela Cbc (2008)
>>> Diversidade Animal de Earl D. Hanson pela Edgar Blucher (1988)
>>> Bocas do Tempo de Eduardo Galeano pela L&pm Pocket (2018)
>>> Héliopolis de Ernest Jünger pela Le Livre de Poche (1978)
>>> O Historiador de Elizabeth Kostova pela Suma de Letras Brasi (2005)
>>> O Banco de 3 Lugares de Maria de Lourdes Teixeira pela Melhoramentos (1975)
>>> Acordando para a Vida de Eliana Barbosa pela Novo Seculo (2009)
>>> Sangue Bom de Liber Matteucci pela Prumo (2011)
>>> Dentes ao Sol de Ignácio de Loyola Brandão pela Codecric (1980)
>>> Numa Fria de Charles Bukowski pela L&pm Pocket (2020)
>>> The American Profile de Morton Borden pela D. C Heath (1970)
>>> Michelangelo entre Florença e Roma de MASP pela Artificio Edizione (1997)
>>> Yoga e Seus Benefícios para a Mulher de Nossos Dias de Isolde Altmann pela Connection Books (2001)
>>> Super Sub Técnica Segurança no Mergulho Aptidão Fisica Historias Botos de Americo Santarelli pela Cobra Sub (1983)
>>> The Bikini Book de Mike Evans pela Universe (1996)
>>> A Arte de Andar Nas Ruas do Rio de Janeiro de Rubem Fonseca; Zeca Fonseca pela Agir (2009)
>>> A Boa Educação - o Rei Bronco de Rosemary Lima pela Salvat (2011)
>>> Diario de Dan: Dane-se! de Dan Kirchner pela Planeta Jovem (2012)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 25/11/2002
Comentários
Leitores


RE: Charade
Caro Alexandre Soares Silva Bem, aceito suas explicações. O que não quer dizer que eu concorde. Mas quem sou eu para mandar neste site? Este site é que me faz um favor, cedendo este espaço, que uso e abuso ( and how! ). Não me ofendi tampouco pelo tom ranzinza, na verdade isso me incentiva a produzir. Se fomos aceitar sua definição de influência, na verdade todos nós fomos influenciados por tudo o que encontramos na vida. Eu até concordo, lembrando que há uma diferença de grau ( não sei se quantitativa ou qualitativa ) - É claro que existem seres que influenciam mais do que outros. Muitos castelos de cartas já foram derrubados, pelo ritmo vertiginoso da internet, o seu não será o primeiro. Portanto, antes disso acontecer, deixarei minha marca nas muralhas. Cordialmente, Flamarion Daia Júnior P.S. Porque ninguém falou do que é tido mas não havido, pelo menos para mim, como o mais famoso Filho da P... Desculpe, de Francis, O Veneziano da Veja?

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Flamarion Daia Júnio
25/11/2002 às
20h00 164.41.122.2
(+) Flamarion Daia Júnio no Digestivo...
 
Que diabo de colunista é esse?
Numa mensagem anterior, o colunista Alexandre diz: "Desculpe, mas tenho a opção de ler a sua mensagem inteira ou ver "Charade", um filme com Cary Grant e Audrey Hepburn que tenho que devolver para a locadora amanhã." Que debate é esse? Que colunista é esse? Ele se auto-denomina um gênio dos bloguers, mas, afinal, o que é um blog? Ele se auto-denomina um gênio da escritura, mas seu livro "A coisa que era deus" é ilegível, por um pedantismo e falta de foco que tenta se safar na basede "referências" a isso e aquilo; e, aliás, são tantas as referências "cultas" que podemos parafrasear Franz Paul Heilborn, vulgo Paulo Francis: "O livro é uma merda, mas o autor é genial" (não por acaso, o livro só foi elogiado pelos mesmos sujeitos que agora o elogiam neste espaço). Como debatedor é uma piada. Cada vez que a coisa esquenta e sua ignorância é exposta, sai-se com uma tiradinha marota do tipo "não li seu texto porque estava vendo um filme", "viajei", "no fundo somos todos amigos", "não gosto do seu nome", "hoje estou cansado", "gosto de simplificações". Como teórico político, a que se propôs ao escrever o artigo em questão, é um vácuo completo, sem leitura, sem sutileza, resolvendo tudo na base de "gosto de simplificações". E, pior, quando tudo está errado, utiliza-se de pseudônimos muito mal disfarçados (como a "Palpiteira") para se auto-elogiar. Aí, diretoria do Digestivo Cultural: o Alexandre Soares não tem nível para realizar as propostas a que se propõem! O sujeito é uma farsa. E, com colaboradores deste nível, a fama deste Digestivo vai na mesma toada.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Renato Ameida
25/11/2002 às
16h15 200.181.139.110
(+) Renato Ameida no Digestivo...
 
Re: Charada
Alexandre, infelizmente não tive o prazer de ler tais comentários, mas concordo com a parte da discrição. Afinal de contas, quer dizer que (a julgar pelo que li até agora) Paulo Francias acabou adentrando em sua vida pessoal? Perdo-me a brincadeira, mas agora estou imaginando você com sua namorada, naquele intervalinho quando se dá um "Pause" na fita de vídeo para fazer um lanche ou mesmo ir ao banheiro, discutindo sobre a influência de P. Francis na opinião sobre política das pessoas. Novamente, perdoe-me, mas isso acontece? Não espero (honestamente) uma resposta, já que olha eu tocando em assuntos pessoais que já foram devidamente banidos daqui! Abraços.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Guilherme Reckena
25/11/2002 às
13h17 200.148.24.105
(+) Guilherme Reckena no Digestivo...
 
uma advertência
Se pensarmos que todas as categorias metafísicas se desontologizaram, eis-nos diante de um belo dilema, embora nunca ampla e satisfatoriamente resolvido, que é esse dualismo cartesiano. Só um racionalista pode valorizar a ontologização do corpo, daí que tenha sempre à perna todos os defensores dos ideais. Por mais que se proclame a morte dos ideais, do amor, da própria estética, jamais se conseguirá isso. Lembro a frase de Cioran, em que ele diz: "Só um monstro consegue ver as coisas tais como elas são..." Mas não há nada, como o faz o próprio Cioran e, mesmo Benjamin, como o gesto de advertir e o seu artigo é uma "advertência", no pleno sentido da palavra. abraço Mjoão

[Sobre "Ausência de espírito: presença de corpo"]

por Maria João Cantinho
25/11/2002 às
12h49 212.113.164.98
(+) Maria João Cantinho no Digestivo...
 
recomendação
Gostaria da recomendação de um livro sobre a teoria do caos. Obrigado.

[Sobre "A teoria do caos"]

por José Antonio Costa
25/11/2002 às
11h49 143.54.46.198
(+) José Antonio Costa no Digestivo...
 
Namoro na internet
Caro Julio, pra você ver como a Veja "descobre" as coisas, segue cópia do e-mail que enviei para a redação da revista e que, é claro, não foi publicado. Acho que não preciso fazer qualquer comentário, certo?

Namoro na internet. Fui entrevistada por Daniela Pinheiro sobre meu livro Amor na Internet, publicado pela editora Record. Alguns comentários meus estão na reportagem, mas sem qualquer referência a mim. Talvez porque no livro, fruto de dois anos de trabalho sério, com centenas de entrevistas e 16 meses testando todos os sites de namoro, concluo que cerca de 97% das tentativas não resultam em namoro. A internet é um meio de comunicação fantástico e esses sites fazem um trabalho muito sério. Mas o comportamento das pessoas na rede ainda é irresponsável, dissimulado e imprevisível. Não se trata de preconceito: para conhecer a realidade internauta é preciso permanecer nos sites durante, no mínimo, seis meses. Finalmente: das 10 sugestões de "conduta nos sites" extraídas do meu livro para compor um dos quadros da reportagem, esclareço que uma delas - a oitava - não foi escrita por mim. Alice Sampaio - São Paulo

[Sobre "Digestivo nº 108"]

por Alice Sampaio
25/11/2002 às
09h39 200.158.198.16
(+) Alice Sampaio no Digestivo...
 
a mais esclarecedora
Muito interessante essa matéria. Já tinha lido algumas sobre o assunto. Essa foi a mais esclarecedora.

[Sobre "A teoria do caos"]

por EDUARDO ANTONIO
25/11/2002 às
07h38 200.165.47.165
(+) EDUARDO ANTONIO no Digestivo...
 
Escrevam sempre
Augusto (#4) e Sergio (#5), é bom ser compreendido de vez em quando. Pelo Augusto que enumerou todas as modernas extensões do "corpo" (ou o que restou dele). E pelo Sergio que usou expressões muito apropriadas em relação ao meu texto. De fato, o apego ao "corpo" é de um primarismo selvagem, embora nossa sociedade se considere hoje tão "evoluída". Abraços virtuais aos dois, escrevam sempre, Julio

[Sobre "Ausência de espírito: presença de corpo"]

por Julio Daio Borges
25/11/2002 às
07h48 200.182.232.74
(+) Julio Daio Borges no Digestivo...
 
I like Chopin.
Jorge, não fiquei ofendida, mas agradeço a preocupação e gentileza de sua parte. Muito obrigada pelas sugestões, pretendo de fato ter o prazer de assistir sugeridos títulos. Percebe-se que tem bom gosto. ;-) Abraços.

[Sobre "Dirty Dancing - Ritmo Quente"]

por Fabiana
25/11/2002 à
00h41 200.171.250.126
(+) Fabiana no Digestivo...
 
Charada
Senhores, senhores. Não briguem. O Mistério das Mensagens Desaparecidas é um tanto pífio. Boas em si mesmas, divertidas e bem-escritas, eram no entanto mensagens que só diziam respeito a três pessoas. Essas três pessoas (eu incluído) podem muito bem continuar a conversa por email. Isso não é propriamente censura; é mais o que antigamente se chamava de "discrição". Mas enfim, vamos ao que interessa. Flamarion: o tom ranzinza de trechos da minha mensagem de número 79 se deve apenas, acredite, a um Tandoori Machi mal-digerido. Agora li sua mensagem inteira. Dou razão quanto ao penteado da Vera Fischer. Quanto à importância de uma influência indireta - bem, a luz da lua caindo no rosto de uma heroína de Poe é uma influência indireta do sol; e veja a importância dela quando cai "...Upon the upturned faces of a thousand / Roses that grew in an enchanted garden"... Mas divago. Não, você não merece aparecer na minha lista de abominações. Não ao lado de Hebe Camargo e Narcisa Tamborindeguy. Não, não. E volte sempre - mesmo que seja para tentar pôr abaixo o meu castelo de cartas, tão bonito quanto precário. Sério, volte sempre. E Guilherme, vamos discordar, é divertido. Quanto a haver política em "Charada" - graças a Deus, muito pouca. Há uma piadinha sobre "C.I.A." parecer nome de companhia aérea. Só isso... E nem muita moral, aliás: Audrey Hepburn parece que fica um pouco desapontada quando descobre que Cary Grant, ao invés de ser um ladrão, é na verdade funcionário do governo... Abraços a todos - também à Palpiteira, à Roberta, ao Evandro, e a todos que deixaram palavras gentis por aqui. Ah, mas não resisto: ao André da mensagem 24, perdida lá atrás (voltem lá) - Isso, André, não se deixe abater! Enquanto houver Esperança e Amor no seu coração puro, eu jamais vencerei! - Abraços, Alexandre.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Alexandre Soares
24/11/2002 às
23h02 200.207.125.11
(+) Alexandre Soares no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alegria de Viver
Laurinda Alves
Gente
(2005)



Mario Quintana - poeta, caminhante e sonhador
Vera Regina Morganti (ed.)
Instituto Estadual do Livro
(2006)



Para Viver Juntos. Matemática 6
Vários Autores
Sm
(2015)



Liberte-se do Medo
Carlos G. Valles
Paulinas
(1996)



Filhos e Soldados
Bruce Henderson
Crítica
(2018)



Iaiá Garcia
Machado de Assis
Círculo do Livro



Formacao pela Pesquisa
Robinson M. Tenorio e José Albertino Lordêlo
Edufba
(2008)



Quels Pères? Quels Fils?
Evelyne Sullerot
Fayard
(1992)



Diário Madras 2016/2017
Wagner Veneziani Costa
Madras



Código de Processo Civil; Interpretado
Cristiano Imhof
Atlas
(2014)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês