Ausência de espírito: presença de corpo | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
>>> Videogame também é cultura
Mais Recentes
>>> Os Imortais da Literatura - Viagens de Gulliver - Volume 22 de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Free - the Past and Future of a Radical Price de Chris Anderson pela Hyperion (2009)
>>> Por Que os Homens Amam as Mulheres Poderosas? de Sherry Argov; Simone Reisner pela Sextante (2009)
>>> O Que São Empregos e Salários de Paulo Renato Souza pela Brasiliense (1989)
>>> Também Sou Teu Povo, Senhor - Coleção Deus Conosco de Lydia das Dores Defilippo pela Vozes (2006)
>>> Guia de Tintos & Brancos de Saul Galvão pela Códex (2004)
>>> O Poder Erótico: Diário e Cartas de Cristina Vasa , Rainha da Suécia, e do Padre Antônio Vieira de Gloria Kaiser pela Reler (2012)
>>> Filho Teu Não Foge a Luta de Fellipe Awi pela Intrínseca (2012)
>>> Casamento - Término e Rescontrução de Maria Tereza Moldonado pela Vozes (1987)
>>> O Poder Erótico: Diário e Cartas de Cristina Vasa , Rainha da Suécia, e do Padre Antônio Vieira de Gloria Kaiser pela Reler (2012)
>>> O Poder do Pensamento de Emmet Fox pela Pensamento
>>> Contabilidade de Custos - um Enfoque Direto e Objetivo de Silvério das Neves pela Saraiva (2013)
>>> Moderna Plus Literatura - Aprova Enem de José Gabriel Arroio e Outros pela Moderna (2015)
>>> Pele de Alessio Di Pascucci 1ª Ed. pela Sabep (2007)
>>> Ser Protagonista - Biologia - Caderno de Revisão de Edições Sm pela Edições Sm (2014)
>>> O Livro dos Amores de Gabriel Chalita pela Companhia nacional (2006)
>>> O Novo Brasil de Albert Fishlow pela Saint Paul (2011)
>>> Manual da Redação de Folha de S. Paulo pela Publifolha (2007)
>>> O Homem Mais Procurado de John Le Carré pela Record (2010)
>>> Sob o Olhar de Deus de Malba Tahan pela Conquista
>>> A Conexão Casa Branca de Jack Higgins pela Record (2001)
>>> Homeopatia - Ciência e Cura de George Vithoulkas pela Círculo do Livro (1981)
>>> Estresse Livre Se Dele de Vera Peiffer pela Butterfly (2007)
>>> A Viagem Marítima da Família Real: A transferência da corte portuguesa para o Brasil de Kenneth Light pela Zahar (2008)
>>> Principio da Administração Financeira de Lowrence J Gitman pela Harbra (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/11/2002
Ausência de espírito: presença de corpo
Julio Daio Borges

+ de 8800 Acessos
+ 10 Comentário(s)

"Pode-se dizer que o francês é o produto de uma arte particular de se exprimir, de se mover e de se vestir. Sua lei neste domínio é o 'gosto' - uma palavra tomada de empréstimo à mais baixa das funções sensoriais e aplicada aqui a uma tendência do espírito. Com este gosto ele se degusta a si mesmo, à maneira em que preparou, isto é, como um molho saboroso. Incontestavelmente, neste ponto, ele chegou à virtuosidade."
(Richard Wagner, Beethoven [L&PM, 1987, 97 págs.])

O espírito morreu e o corpo está mais vivo do que nunca. Nietzsche, que entendia a filosofia também como uma justificação para o corpo, se perderia num mundo em que, depois dos avanços da ciência, a metafísica foi enterrada, em definitivo. Se ontem o corpo só podia ser entendido como uma extensão do espírito, hoje o espírito é que só pode ser entendido como uma extensão do corpo. Cada indivíduo deve ser compreendido, apreendido, percebido, em sua dimensão física, aquela, a do corpo. Toda existência, também, se encerra... no corpo. Viver, nos dias de hoje, consiste em administrar o único patrimônio que efetivamente se tem: ou seja, o corpo.

Basta pensar: qual a maior forma de transcendência hoje? O sexo, não o amor - porque o primeiro pode ser racionalizado; o segundo, não. Sexo é "satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta". É "bom mesmo quando é ruim". E o amor? Justo o contrário: ruim mesmo quando é bom. O amor dá trabalho, o amor cobra, o amor exige. O amor liga no dia seguinte. O amor vira ódio. O sexo, não! O sexo se basta a si próprio, o sexo se justifica, o sexo, bem, está "pronto pra outra", algumas horas depois. Quem ganha então, nessa disputa, o corpo ou o espírito? O corpo. [Um a zero em cima do espírito.]

Se o corpo do outro (e não o seu espírito) se tornou o nosso maior desafio, o nosso maior mistério, como vencer o enigma ("Devoro-te, devoro-te, devoro-te! Decifra-me, decifra-me, decifra-me!") da esfinge? Simples: usando "fogo contra fogo", corpo contra corpo, um corpo contra o outro - o meu corpo contra o seu corpo. Eis que a estética se converte em culto ao próprio corpo! A perfeição escultural, a erradicação do pecado - lipídico, polissacarídeo -, a erudição dos pesos e das medidas, a consagração da atividade física. A beleza que, se não for minha, se não estiver implantada em mim, se não puder ser espelhada de forma narcísica, eu não tenho como apreciar, eu não tenho como sentir, eu não tenho como ser feliz. Fora do corpo não existe vida! (Lembram-se disso?) [Dois a zero em cima do espírito.]

Assim, o prazer só ganha sentido quando parte do corpo e não quando parte do espírito. Audição, visão, tato, paladar e olfato. Sim, os cinco sentidos! A chave para o desfrute do corpo do outro. Um mundo de sensações, um universo de dimensões infinitas! Uma única sensibilidade a ser desenvolvida: a material, a concreta, a real, a do gosto. "Bom gosto" versus "mau gosto". A linguagem se escraviza aos humores do corpo (expressões proliferam para dar conta da morte do espírito): gostoso, delicioso, saboroso, apetitoso, irresistível! O hedonismo - busca incessante pelo prazer, fuga desesperada da dor - torna-se a única filosofia possível. E a ciência? Só se for a dos exercícios, a dos regimes! A psicologia...? Apenas uma muleta para a aceitação dos estados do corpo (e não do espírito) e das limitações (de novo, do corpo). [Três a zero em cima do espírito.]

Já a tecnologia merece todo um capítulo. Os computadores, por exemplo, não estão aí para armazenar informações de valor - mas, sim, para estender a memória (fraca) do corpo, para acelerar a velocidade de processamento (do sistema nervoso), para materializar-se em espírito (o mesmo que, desligado da tomada, desconectado, desplugado, deixa de existir! Tem fim! É finito!). E os telefones? Para falar mais perto e ouvir mais longe (o som do corpo). E a televisão? Meio de transporte! E o automóvel? Meio de locomoção! E os eletrodomésticos? Manutenção, consertos, reparos! E a internet? O id, o ego e o superego! E... o resto? Corpo! Corpo! Corpo! Corpo! Corpo, corpo, corpo, corpo! [Quatro a zero em cima do espírito.]

E por mais que se fale em "sociedade da informação", a civilização do espírito tende também a se extinguir. Tudo o que não for palpável, imediato, sensível cai na vala comum do misticismo. Toda abstração é condenável! Todo raciocínio, esquemático (senão merece a lata do lixo)! Toda ambição, ali na esquina (com a profundidade de um pires)! Discutir idéias (e não coisas ou pessoas) é falar grego (a língua dos alienígenas ["Em que mundo você vive?"]). Escrever, então, é tratar com fantasmas do tempo em que ainda se lia ("Quem lê tanta notícia?").

Enquanto isso, o corpo se estende, infinito. [Infinito a zero em cima do espírito.]

"Um mundo onde só o útil compensa, onde o belo só é vantajoso quando proporciona prazer e [onde] o sublime fica sem resposta."
(Richard Wagner, Beethoven [L&PM, 1987, 97 págs.])


Julio Daio Borges
São Paulo, 22/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Epitáfio do que não partiu de Luís Fernando Amâncio
02. Eu, o insular Napumoceno de Renato Alessandro dos Santos
03. Eleições na quinta série de Luís Fernando Amâncio
04. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
05. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/11/2002
15h11min
Então, o que SOU para os outros na condição de poeta ? Uma alma penada? É isso? Ó maldita tragédia! Golpe certeiro feriu-me as entranhas...
[Leia outros Comentários de Diogo]
23/11/2002
17h28min
A pergunta é.. seria isso condenavel? De que nos adiantou 5.000 anos de metafisica? A era de Peixes Está morta, e já está começando a feder. Sentado na calçada, um hippie chora o fim do sonho da era de aquario
[Leia outros Comentários de Thiago]
23/11/2002
19h44min
Diogo (#1), depois que Einstein desmitificou o éter, os "etéreos" se transformaram em dinossauros. Bem-vindo ao clube. Thiago (#2), não sou hippie mas sou de aquário, serve? A metafísica foi boa enquanto durou. Acontece que de física, só, não se vive. (Eu, pelo menos, não vivo.) Abraços aos dois, obrigado pelos Comentários, voltem sempre, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
24/11/2002
03h02min
Implantes dentários, enxertos capilares; tintura de cabelo, silicone nas mamas, lipo-aspiração; botox na cara e lentes de contato; calcinhas que suspendem a bunda e cintas que apertam a barriga; cirurgias que tiram manchinhas do rosto, depilação definitiva e cosméticos mirabolantes que abrem e fecham os poros; unhas postiças e perucas; anabolizantes que "definem" o corpo e indefinem o caráter; desodorantes para axilas, pés, boca e genitália feminina, perfumes para a barba e o cangote. De que corpo é este que estamos falando?
[Leia outros Comentários de Augusto Reis]
24/11/2002
14h52min
Prezado Julio Entendi seu agudo artigo como uma constatação irônica do que o mundo vive hoje. Talvez isso explique o porquê de como vamos indo, não? A identificação só com o corpo é um dos males do homem, na minha humilde opinião. Você não é o "seu" corpo, que nem sequer é seu. Ele um dia será reciclado e devolvido ao reino mineral de onde foi emprestado. Abraços corporais ~sergio graciotti
[Leia outros Comentários de Sergio Graciotti]
25/11/2002
07h48min
Augusto (#4) e Sergio (#5), é bom ser compreendido de vez em quando. Pelo Augusto que enumerou todas as modernas extensões do "corpo" (ou o que restou dele). E pelo Sergio que usou expressões muito apropriadas em relação ao meu texto. De fato, o apego ao "corpo" é de um primarismo selvagem, embora nossa sociedade se considere hoje tão "evoluída". Abraços virtuais aos dois, escrevam sempre, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
25/11/2002
12h49min
Se pensarmos que todas as categorias metafísicas se desontologizaram, eis-nos diante de um belo dilema, embora nunca ampla e satisfatoriamente resolvido, que é esse dualismo cartesiano. Só um racionalista pode valorizar a ontologização do corpo, daí que tenha sempre à perna todos os defensores dos ideais. Por mais que se proclame a morte dos ideais, do amor, da própria estética, jamais se conseguirá isso. Lembro a frase de Cioran, em que ele diz: "Só um monstro consegue ver as coisas tais como elas são..." Mas não há nada, como o faz o próprio Cioran e, mesmo Benjamin, como o gesto de advertir e o seu artigo é uma "advertência", no pleno sentido da palavra. abraço Mjoão
[Leia outros Comentários de Maria João Cantinho]
26/11/2002
20h05min
Estimada Maria João (#7), obrigado por Cioran e Benjamin. Eu não mereço tanto. Um abraço especial, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
5/12/2002
11h46min
Ai ... isso de Corpo e espírito é comigo mesmo , eles vivem em confronto , se o corpo está bem o espirito se eleva e se o espirito esta mal o corpo desfalece , mas as vezes o espírito está doente e só pra provar que o corpo é mais forte ele se revolta e causa uma revolução na aparencia , vai ver que é por isso que as mulheres fazem compras e mudam o cabelo quando querem sair do buraco, elevam o corpo, ai quando olham no espelho e se sentem satisfeitas elevam-se no espírito por consequencia, mas isso é muito relativo .
[Leia outros Comentários de Jenny]
22/5/2004
16h24min
Por um bom tempo, vivemos o que chamamos de "ditadura do espírito" ou, se quiserem, da razão. Os elementos sensíveis ou que emocionavam era coisa menor, a prevalência era do mundo das idéias platônico. A emoção era a vilã. Nos dias atuais, o que percebo é uma inversão dos papéis. Na ordem do dia prevalecem os discursos sobre (e para) o corpo. A racionalidade? Essa virou a vilã. E, neste mar de fragmentação, prefiro ficar com o pensamento totalizante de Adélia Prado: sem o corpo a alma não goza!!! (Ponto para o corpo?)
[Leia outros Comentários de Welington]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cómo Administrar Mejor Su Tiempo: Estrategias a partir de objetivos y prioridades
Francois Gamonnet
Granica
(2010)



A Entrevista
Shana Gray
Gutenberg
(2017)



Manual de Direito do Trabalho
Pedro Thaumaturgo Soriano de Mello
Cejup
(1990)



História Pré-colonial do Brasil
Ivan Alves Filho (coord.)
Europa



Frommers Nova York - Guia de Bolso
Brian Silverman
Alta Books
(2009)



Cabelo - a Moldura do Seu Corpo
Sônia Corazza
Ediouro
(2008)



Serviço Social & Sociedade 32 - Ano XI Maio 1990
Vários Autores
Cortez
(1990)



Bio 3 - Caderno de Estudos / Revisão
Sônia Lopes / Sergio Rosso
Saraiva
(2018)



Pastoral da Inclusão
Luiz Carlos Dutra
Loyola
(2006)



Ao Longo do Caminho
Laura Sandroni
Moderna
(2003)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês