Sem o corpo a alma não goza | Welington

busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece curso sobre preparação e revisão de texto
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o terceiro episódio do Desafinados Entrevista
>>> Anexo LONA - Interações 1 - Cristina Elias & Thais Stoklos
>>> Viaje ao som de 'Sky', novo single de Dizin
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensar Não é Viver
>>> Caminhos para Roma
>>> Solitária cidadã do mundo
>>> Breve biografia
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A importância da virtude
>>> Deus ex machina
>>> Mulher-Flamingo
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
Mais Recentes
>>> Mafalda - Volume 5 de Quino pela Ediciones de La Flor
>>> Assembléia de Luz de Francisco Cândido Xavier pela Geem (1988)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1996)
>>> Clones Humanos - Nossa Autobiografia Coletiva de Clara Pinto Correia pela Rocco (2002)
>>> Presente Diário de Roland Kober - Dórias Kober pela Rtm (2014)
>>> Decência Já de J. o . de Meira Penna pela Nórdica (1992)
>>> Ensinando Crianças de Três a Oito Anos de Bernard Spodek & Olivia N. Saracho pela Artmed (1998)
>>> Sombras Que Sofrem (crônicas) de Humberto de Campos pela Livraria José Olympio (1935)
>>> Cinderela pop (Capa do filme) EAN: 9788501116161 de Paula Pimenta pela Galera (2019)
>>> Critica - 3ª Série de Humberto de Campos pela Livraria José Olympio (1935)
>>> Mysterium Salutis A Igreja IV 6 Vida e Estruturas na Igreja de Johannes Feiner Magnus Loehrer pela Vozes (1977)
>>> Carroções - Outras Histórias de Arnoldo Monteiro Bach pela Uepg (2005)
>>> Critica - 1ª Série de Humberto de Campos pela Livraria José Olympio (1935)
>>> A Literatura Infantil de Monteiro Lobato de Rose Lee Hayden pela Espm (2012)
>>> O Poder das Pirâmides - Comv Piramide Experimental de Emilio Salas pela Record (1978)
>>> Partituras Publicitárias de Amilton Godoy pela Espm (2013)
>>> Os Noivos I Promessi Sposi de Alessandro Manzoni pela Vozes (1990)
>>> O Buda Vivo - uma Interpretação Biográfica de Daisaku Ikeda pela Record
>>> Viagem pelo Rio Amazonas de Paul Marcoy pela Sec /edua (2001)
>>> A Linguagem Corporal da Criança de Samy Molcho pela Gente (2007)
>>> Colecionador de Desafios de Henrique Loyola pela Dubon (2012)
>>> Handing Down the Light: the Biography of Venerable Master Hsing Yun de Fu Chi-ying; Amy Lui- Ma pela Hsi Lai University Press (1996)
>>> Chatô, o Rei do Brasil de Fernando Morais pela Companhia das Letras (1994)
>>> Inspiração Nordestina. de Patativa do Assaré pela Hedra (2003)
>>> Santo Agostinho (354-430) em 90 minutos de Paul Strathern pela Jorge Zahar Editor (1999)
COMENTÁRIOS

Sábado, 22/5/2004
Comentários
Leitores


Sem o corpo a alma não goza
Por um bom tempo, vivemos o que chamamos de "ditadura do espírito" ou, se quiserem, da razão. Os elementos sensíveis ou que emocionavam era coisa menor, a prevalência era do mundo das idéias platônico. A emoção era a vilã. Nos dias atuais, o que percebo é uma inversão dos papéis. Na ordem do dia prevalecem os discursos sobre (e para) o corpo. A racionalidade? Essa virou a vilã. E, neste mar de fragmentação, prefiro ficar com o pensamento totalizante de Adélia Prado: sem o corpo a alma não goza!!! (Ponto para o corpo?)

[Sobre "Ausência de espírito: presença de corpo"]

por Welington
22/5/2004 às
16h24 201.8.228.67
(+) Welington no Digestivo...
 
O Rio é invencível
Luis, parabéns pelo artigo -- pela relevância do tema, pela autoridade com que o aborda e pela serenidade ao escrever. Deveria ser de leitura obrigatória pelos poderes: o municipal, o estadual e o cada vez mais distante (do Rio) poder federal. Dediquei ao assunto um capítulo inteiro de um livro recente, "Carnaval no fogo -- Crônica de uma cidade excitante demais", e o silêncio com que foi recebido foi, como se diz mesmo?, ensurdecedor. Mas o Rio, você sabe, é invencível. Grande abraço.

[Sobre "Arquitetura carioca: um patrimônio menosprezado"]

por Ruy Castro
21/5/2004 às
13h46 201.5.162.36
(+) Ruy Castro no Digestivo...
 
Muito sóbrio
Muito bom o texto do Julio. Muito sóbrio, eu diria. A única coisa que me inquietou foi a dicotomia corpo e mente em algumas passagens, mas nada que implicasse na destituição dos bons exemplos mostrados no texto. Aliás, são 21h18... Vou dormir!!!

[Sobre "Mens sana in corpore sano"]

por Welington Silva
20/5/2004 às
21h19 201.8.228.67
(+) Welington Silva no Digestivo...
 
reparos
O texto está bem escrito, como sempre. Mas o conteúdo merece reparos. A abordagem de Odair José sempre foi pra lá de conservadora. "Pare de tomar a pílula/ ela não deixa nosso filho nascer". Ou seja, nada que contrariasse as já então velhas senhoras do "com Deus, pela família", TFP e coisas afins. Também não é nem um pouco verdadeiro afirmar que Odair José e Waldik Soriano faziam mais sucesso que Chico Buarque. Eles não chegavam nem perto, apesar de suas músicas tocarem mais nas rádios. Acho que aí devem entrar outras variáveis. Chico, Caetano, Gil, etc., sempre atingiam um público com maior poder aquisitivo, nos grandes centros urbanos. Talvez por isso, vendiam mais discos. Quando fez sucesso no sul/sudeste, o Waldik já era "macaco velho". Aqui em Belém, por exemplo, ele fazia sucesso desde 1962/63. Mas vendia pouco, em âmbito nacional. Seu sucesso durou pouco no "sul maravilha". Uns dois ou três anos, se tanto. Não há como comparar esses artistas com gente do porte de Chico Buarque, seja em termos artísticos, seja do ponto de vista do sucesso. A menos que o objetivo seja, exclusivamente, fazer polêmica.

[Sobre "Apesar de vocês"]

por Elias Tavares
18/5/2004 às
22h53 200.147.42.245
(+) Elias Tavares no Digestivo...
 
A importância de ser saudável
Julio, seu texto é perfeito! Estou tendo que fazer dieta forçada (descobri que estava diabética em fevereiro e tenho apenas 26 anos) e "na marra" estou descobrindo exatamente tudo o que você conta acima!!! Seu há alguns anos atrás eu tivesse feito uma revolução como a sua, tudo seria diferente hj. Meu problema foi justamente por excesso de açúcar, que eu sempre comi indiscriminadamente. Agora lamentavelmente estou tendo principalmente que reeducar meu paladar para obter prazer comendo coisas saudáveis e naturais. Grande beijo!

[Sobre "Mens sana in corpore sano"]

por Carolina Linden
18/5/2004 às
18h27 201.5.34.251
(+) Carolina Linden no Digestivo...
 
culto ao falo
Andréa, adorei seu texto. E gostaria de sugerir que você leia uma coluna que escrevi há um tempo sobre "homens". Chama-se culto ao falo e fica na super on line.

[Sobre "Apresentação"]

por luciana pinsky
17/5/2004 às
15h20 200.152.201.234
(+) luciana pinsky no Digestivo...
 
Escrever é parir
Texto bacana. Excelente autor. Li Garcia Marques na adolescência e fiquei estarrecido. Realismo fantástico de qualidade. Sobre os "conselhos" para se tornar um escritor, acho-os de pouca valia. Apesar de que saber mentir ajuda bastante. Principalmente se você é aquele escritor que nunca publicou nada e na hora de preencher os cartões de hotel ou as fichas de emprego, você escreve: "Escritor" e sente-se ruborizado. É certo que a adversidade, os momentos críticos, a solidão, a náusea e tudo mais fazem com que vejamos o mundo e tudo o que está contido nele com olhos argutos e isso nos faz mais ferinos, cáusticos e então a pena flui com maestria sobre o papel branco. É a libertação da arte através do sofrimento. Nietzsche uma vez disse que só o aprazia aquilo que fosse escrito com sangue. Creio que ele tem razão.

[Sobre "Por que me ufano da América Latina"]

por Gui
17/5/2004 às
12h56 200.100.58.42
(+) Gui no Digestivo...
 
meu grande problema
É tudo como está escrito no artigo. Mas tem mais uma coisa: será que sou só eu que, depois de tanta aflição querendo ler-escrever-ler-escrever-etc, perde a sensibilidade justamente quando o tempo vem? Fico o tempo todo querendo me livrar de tudo pra me dedicar à literatura, mas quando o tempo vem alguma coisa acontece e me deixa insensível... Esse, e não o outro, é o meu grande problema (porque não tenho nem nunca tive ilusão de ter tempo pra fazer o que gosto).

[Sobre "Escrever para não morrer"]

por Víktor Waewell
16/5/2004 às
19h21 200.217.49.235
(+) Víktor Waewell no Digestivo...
 
o escritor e as estaçoes...
Lembra quando a Clarice ficou a sombra do seu marido nas suas viagens diplomaticas? Acho que essas interrogaçoes tambem passaram por sua cabeça... Um bom escritor pode se resguardar por muito tempo, mas um belo dia acontece de se expressar, como de fato uma estaçao faz, vem indiferente a tudo e a todos. O escritor sempre resiste as intemperies da vida, ele continua latente e um dia explode em arte...

[Sobre "Escrever para não morrer"]

por themis
16/5/2004 às
13h25 213.224.65.47
(+) themis no Digestivo...
 
Servidão Humana
Parebéns pelo texto, Ricardo. De Maugham, li somente Servidão Humana (1915), um belo livro sobre a sordidez humana, no caso, de uma mulher, Mildred, que faz gato e sapato do protagonista, Philip. Tratava-se de um rapaz que nasceu com um defeito no pé, torna-se médico e se disciplina a entender das artes. O livro tem a descrição de uma bela e trste cena, que se passa em um teatro, onde o Philip está sentado ao lado de Mildred e ela, por sua vez, ao lado de um amigo em comum. Philip, que não tem certeza dos sentimentos de Mildred, sofre com a possibilidade de ela estar sorrateiramente dando pegando na mão ao amigo. Mas Philip nem tem coragem de olhar e muito menos de por a situação a limpo. Um belo e imperdível texto. Abs, Bernardo Carvalho - Goiânia-GO

[Sobre "Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham"]

por Bernardo Carvalho
15/5/2004 às
23h26 200.221.146.157
(+) Bernardo Carvalho no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Romance da Revolução (Como e Porque Aconteceu a Revolução de Março)
Albérico Barroso Alves
Artenova
(1979)
R$ 18,00



Sines Sagres Vol 7 Sagres Albuferia
Diversos Autores
Público
R$ 11,33



Maze Runner: Arquivos
James Dashner
Vergara & Riba
(2014)
R$ 9,00



Tratado elementar de magia prática
Papus
Pensamento
(1978)
R$ 125,00



Um feminismo decolonial
Françoise Vergès
Ubu
(2020)
R$ 55,00



O Grande Despertar
Celso Brant
Independente
(1994)
R$ 5,00



Farda Fardão Camisola de Dormir
Jorge Amado
Record
(1979)
R$ 8,00



Hospital
Arthur Hailey
Nova Fronteira
(1959)
R$ 5,00



Sarney: a biografia
Echeverria, Regina
Leya
(2011)
R$ 7,00



Cultura, Dialética e Hegemonia: Pesquisas Em Educação - 2ª Edição
Bernd Fichtner e Outros (orgs)
Edufes (vitória)
(2013)
R$ 28,28





busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês