Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/5/2004
Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham
Ricardo de Mattos

+ de 4500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Viajei a cavalo através da Ásia Central, pela estrada que Marco Pólo tomou para chegar às fabulosas terras de Catay; tomei um copo de chá russo num correto salão de Petrogrado, enquanto um homenzinho de paletó preto e calças listradas me contava, na sua voz macia, como assassinara um grão-duque; sentado numa sala de visita de Westminster, ouvi a serena perfeição de um trio de Haydn, ao piano, enquanto as bombas explodiam lá fora; mas não creio que me tenha encontrado em mais estranha situação do que naquele momento, sentado numa das cadeiras de estofamento vermelho do alegre restaurante, durante horas a fio, enquanto Larry falava de Deus e da eternidade, do Absoluto e das cansadas rodas de interminável reprodução" (W. S. Maugham)

Os livros de W.S. Maugham (1.874/1.965) agradam com facilidade o leitor atento e bem disposto ao que se costuma chamar "romance de idéias". Contudo são de digestão demorada, principalmente se ministrada uma superdose tal como o fiz no feriado pascal ao ler Férias de Natal (1.939) e O Fio da Navalha (1.944). Não haja dúvidas quanto à excelência do escritor, demonstrada em especial no segundo título. Enredo e argumentos continuam a brincar na mente, ao estilo do trapézio de Brás Cubas, muito após a volta dos volumes para a estante. A permanência é uma das qualidades que aprecio n'um livro: não a causada pelo choque, mas aquela advinda d'uma exposição rica e consistente.

O Fio da Navalha é uma grande composição contrapontística para coro e solista, regidos pelo próprio escritor. A história começa logo após o encerramento da Primeira Guerra Mundial e termina com a Segunda já iniciada. Como há considerável participação de personagens dos Estados Unidos da América, Maugham detem-se um tanto sobre o chamado Crack da Bolsa de New York, ocorrido em 1.929. Os factos dão-se sobretudo em Paris, havendo passagens por Chicago, pela Riviera Francesa e com uma grande narrativa de Larry sobre sua viagem à Índia. O autor recorda eventos testemunhados ou sobre os quais foi muito bem informado, para organizá-los e tentar compreender a vida d'um grupo de pessoas no espaço de pouco mais de vinte anos. Admirado com o presente, remonta ao início para analisar a seqüência dos comportamentos e relações. Aqui há certa tangência entre Maugham e seu personagem Charley Mason, de Férias de Natal, como adiante se verá.

A função do contraste é aumentar a percepção sobre aquilo que é contrastado. O negro é mais negro se justaposto ao branco. O solista Lawrence Darrel, ou Larry simplesmente, retorna da Primeira Guerra, na qual actuou como aviador, com várias preocupações de ordem metafísica desencadeadas pela morte d'um companheiro. Questões acerca da existência ou não de Deus, da origem do mal, da imortalidade ou não da alma. Interrogações comuns a todos os homens, mas nem por todos respondidas. Larry mantinha várias perguntas em mente, considerou-as importantes demais para seguir sua vida sem resolvê-las e percebeu que não encontraria os esclarecimentos no seu meio social. A euforia posterior à guerra e anterior à depressão económica empestava o ar. Para todos, era indiferente a existência ou não de um Deus. Se a alma existe ou não, o problema é dela, o importante na época era divertir-se, procurar um emprego rentável o suficiente para sustentar a diversão refinada. Todos queriam enriquecer e quem já era rico queria ficar várias vezes milionário. Normalmente, uma pessoa com as mesmas dúvidas de Larry é recebida como estranha pela sociedade; n'aquele tempo e lugar, ele foi considerado estranhíssimo. E não teve a menor preocupação em ajustar-se.

Ao contrário. Percorreu o mundo atrás de respostas e somente aquietou-se quando satisfeito. Mesmo este sossego foi relativo. Também Maugham teria feito viagens ao Oriente para responder questões análogas, mas retornou e viveu dentro dos padrões vigentes. Larry voltou com suas respostas disposto a partir para outra fase de vida itinerante. Quem, hoje, desfazer-se-ia d'uma renda certa, segura e suficiente e passaria a conquistar o pão diário?

Uma personagem importante é a bela e pérfida Isabel. Por sua causa o casamento caritativo de Larry é obstado. No romance maior de ideias, Maugham encaixa um entreacto policial não muito bem sucedido ante a obviedade da situação.

Não foi apenas uma vez que vi Maugham sendo comparado a Maupassant. Ambos mostram o quão odiosas podem ser as pessoas e a naturalidade com que agem de maneira vil. Contudo aquele é mais subtil que este. Parece também mais propenso à indulgência, por investigas os antecedentes prováveis dos actos. E se não houvesse uma declaração do escritor afirmando ser a trajetória de Larry o que lhe interessa, O Fio da Navalha poderia limitar-se a uma bem elaborada crítica social, mas perderia muito. O representante da sociedade criticada é Elliott Templeton. Ele quem, na sua futilidade extrema, contrasta com Larry; ele o regente do coro que reprova indignado a indiferença d'este às convenções sociais. Embora tratado com benevolência pelo escritor, Elliott é um entusiasta e um dependente da vida social elegante. Tudo na sua vida é direccionado para bem receber e bem ser recebido. Necessário lembrar que se trata d'um norte-americano de Chicago lutando para ser aceito nas sociedades inglesa e francesa. Mesmo nos anos seguintes à depressão, é mais por dandismo que por solidariedade que ele socorre seus arruinados parentes. Como receberiam as altas rodas a notícia de que um casal de seus sobrinhos vive humildemente n'uma fazenda? Elliott é tio de Isabel e pessoas como ele conhecem a natureza humana melhor que muito estudioso, sendo seu apego à boa vida uma fuga ou uma fraqueza.

Sugiro a leitura do Sidarta, de Hermann Hesse. Fininho, li-o enquanto supervisionava minha avó durante a fisioterapia. Também trata da procura de respostas mais profundas para as inquisições espirituais. Em ambos os livros, os personagens estacionam suas existências para primeiro solucionar estas inquirições.

* * *

"Era maravilhoso ter vinte anos e estar sozinho em Paris"

Se O Fio da Navalha mostra um homem no encalço de conhecimentos elevados, de algo mais alto e nobre, o livro Férias de Natal faz-nos presenciar um jovem descobrindo a vida real existente além do conforto doméstico. Diz uma lenda que Buda, ainda jovem, estendeu-se certa vez além dos limites dos parques do palácio paterno e surpreendeu-se com a descoberta simultânea da pobreza, da velhice e da morte. O mesmo dá-se, n'este segundo livro, com Charley Mason ao sair do abrigo de sua casa e do afecto de seus familiares para conhecer, sem retoques nem preparativos, a sordidez humana.

Há pontos comuns entre os dois livros. Mason ganha dos pais uma viagem a Paris, cidade onde o escritor nasceu. Os personagens principais estão envolvidos com alguma forma de conhecimento, embora no segundo livro o escopo primário fosse o divertimento. Ao longo dos romances, nota-se certa mania de repetição quando Maugham parece querer atenção a determinado detalhe. No caso de Férias de Natal, várias vezes ele observa a reprodução da vida familiar de Mason no quarto de hotel com sua companheira provisória. Ao final, um breve apanhado sobre o fim real ou provável de cada participante da trama. Não se pode esquecer a presença do contraste, também n'este romance, entre a vida confortável de Mason e a tragédia de Lídia.

Felizmente, pouca a participação do personagem Simom Fenimore. Creio que até o escritor não o suportou e fê-lo sumir por quase todo o romance. É um jornalista com pretensões à ditadura, cuja verossimilhança seria abalada se não existisse o enfadonho Minha Luta.

A professora de Mason foi a prostituta Lídia, conhecida na primeira noite parisiense do rapaz. Do bordel onde a encontrou, levou-a consigo a uma missa cantada e com isso acabaram por passar juntos todo o feriado. Ele mostrou-se mais intrigado com ela do que entusiasmado. Não a tocou em todo o período, mantendo um distanciamento conveniente que lhe permitiu saber de toda a sua história e usufruir sua companhia. Aqui a tangência que mencionei no segundo parágrafo. Maugham e Mason reconstituem e permitem reconstituir a seqüência de factos para descobrir de onde a pessoa partiu e como caminhou para alcançar o estado actual. Charley impressionou-se com o impacto das novidades. Enriqueceu-se e pode ter refletido mais durante sua vida, porém não abandonou os pais nem passou a viver revoltado n'uma água furtada por causa d'isso.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 6/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer de Marcelo Spalding
02. Bubble: uma nova revolução no cinema. Será? de Marcelo Miranda
03. Duas cantoras independentes de Waldemar Pavan


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/5/2004
23h26min
Parebéns pelo texto, Ricardo. De Maugham, li somente Servidão Humana (1915), um belo livro sobre a sordidez humana, no caso, de uma mulher, Mildred, que faz gato e sapato do protagonista, Philip. Tratava-se de um rapaz que nasceu com um defeito no pé, torna-se médico e se disciplina a entender das artes. O livro tem a descrição de uma bela e trste cena, que se passa em um teatro, onde o Philip está sentado ao lado de Mildred e ela, por sua vez, ao lado de um amigo em comum. Philip, que não tem certeza dos sentimentos de Mildred, sofre com a possibilidade de ela estar sorrateiramente dando pegando na mão ao amigo. Mas Philip nem tem coragem de olhar e muito menos de por a situação a limpo. Um belo e imperdível texto. Abs, Bernardo Carvalho - Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
31/5/2009
20h59min
Qual o sentido da vida? Esta pergunta persegue o personagem ao longo do livro e é respondida de maneira brilhante.
[Leia outros Comentários de nelson eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LIVRO DAS CASAS - AUTOGRAFADO
GUILHERME ZAMONER E LIANA LEÃO
CORTEZ
(2004)
R$ 10,00



VOZES DO SILÊNCIO CULTURA CIENTÍFICA: IDEOLOGIA E ALIENAÇÃO - 9586
JOÃO EPIFÂNIO REGIS LIMA
INSTITUTO NINA ROSA
(2008)
R$ 30,00



O PRIMO BASÍLIO
EÇA DE QUEIROS
VICTOR CIVITA
(1982)
R$ 8,00



O GRANDE GATSBY
F. SCOTT FITZGERALD
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



OS SUBTERRÂNEOS DO VATICANO - 2ª EDIÇÃO
ANDRÉ GIDE
VECCHI
(1958)
R$ 8,00



CONCURSOS LITERÁRIOS 2006
GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ
SESQUICENTENÁRIO/IMPRES. OF.
(2006)
R$ 11,00



MIDNIGHT IN DEATH
NORA ROBERTS
BERKLEY
(2005)
R$ 9,00



ELEMENTS OF STYLE
WENDY WASSERSTEIN
VINTAGE BOOKS
(2006)
R$ 23,87



REVISTA DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PSICODRAMA VOL 4
ANTÓNIO ROMA TORRES
AFRONTAMENTO
(1996)
R$ 15,63



OS SETE PASSOS PARA O PODER INTERIOR - 2ª ED.
TAE YUN KIM
BEST SELLER
R$ 10,00





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês