Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto Mulheres Rurais da Montanha oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
Mais Recentes
>>> O que é Revolução 2 edição - coleção primeiros passos 25 de Florestan Fernandes pela Brasiliense (1981)
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
>>> Torto Arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2021)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/5/2004
Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham
Ricardo de Mattos
+ de 5600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Viajei a cavalo através da Ásia Central, pela estrada que Marco Pólo tomou para chegar às fabulosas terras de Catay; tomei um copo de chá russo num correto salão de Petrogrado, enquanto um homenzinho de paletó preto e calças listradas me contava, na sua voz macia, como assassinara um grão-duque; sentado numa sala de visita de Westminster, ouvi a serena perfeição de um trio de Haydn, ao piano, enquanto as bombas explodiam lá fora; mas não creio que me tenha encontrado em mais estranha situação do que naquele momento, sentado numa das cadeiras de estofamento vermelho do alegre restaurante, durante horas a fio, enquanto Larry falava de Deus e da eternidade, do Absoluto e das cansadas rodas de interminável reprodução" (W. S. Maugham)

Os livros de W.S. Maugham (1.874/1.965) agradam com facilidade o leitor atento e bem disposto ao que se costuma chamar "romance de idéias". Contudo são de digestão demorada, principalmente se ministrada uma superdose tal como o fiz no feriado pascal ao ler Férias de Natal (1.939) e O Fio da Navalha (1.944). Não haja dúvidas quanto à excelência do escritor, demonstrada em especial no segundo título. Enredo e argumentos continuam a brincar na mente, ao estilo do trapézio de Brás Cubas, muito após a volta dos volumes para a estante. A permanência é uma das qualidades que aprecio n'um livro: não a causada pelo choque, mas aquela advinda d'uma exposição rica e consistente.

O Fio da Navalha é uma grande composição contrapontística para coro e solista, regidos pelo próprio escritor. A história começa logo após o encerramento da Primeira Guerra Mundial e termina com a Segunda já iniciada. Como há considerável participação de personagens dos Estados Unidos da América, Maugham detem-se um tanto sobre o chamado Crack da Bolsa de New York, ocorrido em 1.929. Os factos dão-se sobretudo em Paris, havendo passagens por Chicago, pela Riviera Francesa e com uma grande narrativa de Larry sobre sua viagem à Índia. O autor recorda eventos testemunhados ou sobre os quais foi muito bem informado, para organizá-los e tentar compreender a vida d'um grupo de pessoas no espaço de pouco mais de vinte anos. Admirado com o presente, remonta ao início para analisar a seqüência dos comportamentos e relações. Aqui há certa tangência entre Maugham e seu personagem Charley Mason, de Férias de Natal, como adiante se verá.

A função do contraste é aumentar a percepção sobre aquilo que é contrastado. O negro é mais negro se justaposto ao branco. O solista Lawrence Darrel, ou Larry simplesmente, retorna da Primeira Guerra, na qual actuou como aviador, com várias preocupações de ordem metafísica desencadeadas pela morte d'um companheiro. Questões acerca da existência ou não de Deus, da origem do mal, da imortalidade ou não da alma. Interrogações comuns a todos os homens, mas nem por todos respondidas. Larry mantinha várias perguntas em mente, considerou-as importantes demais para seguir sua vida sem resolvê-las e percebeu que não encontraria os esclarecimentos no seu meio social. A euforia posterior à guerra e anterior à depressão económica empestava o ar. Para todos, era indiferente a existência ou não de um Deus. Se a alma existe ou não, o problema é dela, o importante na época era divertir-se, procurar um emprego rentável o suficiente para sustentar a diversão refinada. Todos queriam enriquecer e quem já era rico queria ficar várias vezes milionário. Normalmente, uma pessoa com as mesmas dúvidas de Larry é recebida como estranha pela sociedade; n'aquele tempo e lugar, ele foi considerado estranhíssimo. E não teve a menor preocupação em ajustar-se.

Ao contrário. Percorreu o mundo atrás de respostas e somente aquietou-se quando satisfeito. Mesmo este sossego foi relativo. Também Maugham teria feito viagens ao Oriente para responder questões análogas, mas retornou e viveu dentro dos padrões vigentes. Larry voltou com suas respostas disposto a partir para outra fase de vida itinerante. Quem, hoje, desfazer-se-ia d'uma renda certa, segura e suficiente e passaria a conquistar o pão diário?

Uma personagem importante é a bela e pérfida Isabel. Por sua causa o casamento caritativo de Larry é obstado. No romance maior de ideias, Maugham encaixa um entreacto policial não muito bem sucedido ante a obviedade da situação.

Não foi apenas uma vez que vi Maugham sendo comparado a Maupassant. Ambos mostram o quão odiosas podem ser as pessoas e a naturalidade com que agem de maneira vil. Contudo aquele é mais subtil que este. Parece também mais propenso à indulgência, por investigas os antecedentes prováveis dos actos. E se não houvesse uma declaração do escritor afirmando ser a trajetória de Larry o que lhe interessa, O Fio da Navalha poderia limitar-se a uma bem elaborada crítica social, mas perderia muito. O representante da sociedade criticada é Elliott Templeton. Ele quem, na sua futilidade extrema, contrasta com Larry; ele o regente do coro que reprova indignado a indiferença d'este às convenções sociais. Embora tratado com benevolência pelo escritor, Elliott é um entusiasta e um dependente da vida social elegante. Tudo na sua vida é direccionado para bem receber e bem ser recebido. Necessário lembrar que se trata d'um norte-americano de Chicago lutando para ser aceito nas sociedades inglesa e francesa. Mesmo nos anos seguintes à depressão, é mais por dandismo que por solidariedade que ele socorre seus arruinados parentes. Como receberiam as altas rodas a notícia de que um casal de seus sobrinhos vive humildemente n'uma fazenda? Elliott é tio de Isabel e pessoas como ele conhecem a natureza humana melhor que muito estudioso, sendo seu apego à boa vida uma fuga ou uma fraqueza.

Sugiro a leitura do Sidarta, de Hermann Hesse. Fininho, li-o enquanto supervisionava minha avó durante a fisioterapia. Também trata da procura de respostas mais profundas para as inquisições espirituais. Em ambos os livros, os personagens estacionam suas existências para primeiro solucionar estas inquirições.

* * *

"Era maravilhoso ter vinte anos e estar sozinho em Paris"

Se O Fio da Navalha mostra um homem no encalço de conhecimentos elevados, de algo mais alto e nobre, o livro Férias de Natal faz-nos presenciar um jovem descobrindo a vida real existente além do conforto doméstico. Diz uma lenda que Buda, ainda jovem, estendeu-se certa vez além dos limites dos parques do palácio paterno e surpreendeu-se com a descoberta simultânea da pobreza, da velhice e da morte. O mesmo dá-se, n'este segundo livro, com Charley Mason ao sair do abrigo de sua casa e do afecto de seus familiares para conhecer, sem retoques nem preparativos, a sordidez humana.

Há pontos comuns entre os dois livros. Mason ganha dos pais uma viagem a Paris, cidade onde o escritor nasceu. Os personagens principais estão envolvidos com alguma forma de conhecimento, embora no segundo livro o escopo primário fosse o divertimento. Ao longo dos romances, nota-se certa mania de repetição quando Maugham parece querer atenção a determinado detalhe. No caso de Férias de Natal, várias vezes ele observa a reprodução da vida familiar de Mason no quarto de hotel com sua companheira provisória. Ao final, um breve apanhado sobre o fim real ou provável de cada participante da trama. Não se pode esquecer a presença do contraste, também n'este romance, entre a vida confortável de Mason e a tragédia de Lídia.

Felizmente, pouca a participação do personagem Simom Fenimore. Creio que até o escritor não o suportou e fê-lo sumir por quase todo o romance. É um jornalista com pretensões à ditadura, cuja verossimilhança seria abalada se não existisse o enfadonho Minha Luta.

A professora de Mason foi a prostituta Lídia, conhecida na primeira noite parisiense do rapaz. Do bordel onde a encontrou, levou-a consigo a uma missa cantada e com isso acabaram por passar juntos todo o feriado. Ele mostrou-se mais intrigado com ela do que entusiasmado. Não a tocou em todo o período, mantendo um distanciamento conveniente que lhe permitiu saber de toda a sua história e usufruir sua companhia. Aqui a tangência que mencionei no segundo parágrafo. Maugham e Mason reconstituem e permitem reconstituir a seqüência de factos para descobrir de onde a pessoa partiu e como caminhou para alcançar o estado actual. Charley impressionou-se com o impacto das novidades. Enriqueceu-se e pode ter refletido mais durante sua vida, porém não abandonou os pais nem passou a viver revoltado n'uma água furtada por causa d'isso.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 6/5/2004

Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
03. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/5/2004
23h26min
Parebéns pelo texto, Ricardo. De Maugham, li somente Servidão Humana (1915), um belo livro sobre a sordidez humana, no caso, de uma mulher, Mildred, que faz gato e sapato do protagonista, Philip. Tratava-se de um rapaz que nasceu com um defeito no pé, torna-se médico e se disciplina a entender das artes. O livro tem a descrição de uma bela e trste cena, que se passa em um teatro, onde o Philip está sentado ao lado de Mildred e ela, por sua vez, ao lado de um amigo em comum. Philip, que não tem certeza dos sentimentos de Mildred, sofre com a possibilidade de ela estar sorrateiramente dando pegando na mão ao amigo. Mas Philip nem tem coragem de olhar e muito menos de por a situação a limpo. Um belo e imperdível texto. Abs, Bernardo Carvalho - Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
31/5/2009
20h59min
Qual o sentido da vida? Esta pergunta persegue o personagem ao longo do livro e é respondida de maneira brilhante.
[Leia outros Comentários de nelson eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um trunfo a mais
James Hadley Chase
Record
(1971)



The Future of Fantasy Art
Aly Fell e Duddlebug
Collins Design
(2010)



Processo Decisório
Elsevier
Elsevier
(2006)



Angústia
Graciliano Ramos
Record
(2009)



A Gente Se Acostuma a Tudo
João Ubaldo Ribeiro
Nova Fronteira
(2006)



Livro História Geral Arigatô Edição Bilíngue
Jhony Arai, Cesar Hirasaki
Jbo
(2008)



Em busca de Aparecida
Mariana Godoy
Petra



Livro Didáticos Cambridge Certificate in Advanced English 1
Cambridge
Geral
(2008)



Livro Faith In The City A Call For Action By Church And Nation
Commission On Urban Priority Areas
Church House Publishing
(1985)



Nossa Doutrina
Vanderli Lima Carreiro
Derp
(2018)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês