Por que me ufano da América Latina | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Memórias de Adriano de Marguerite Yourcenar pela Record (1951)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham pela Harper Collins (2017)
>>> Livro - O Boi Cor-de-rosa de Jorge Miguel Marinho pela Peirópolis (2007)
>>> O herói improvável da sala 13B de Teresa Toten pela Bertrand Brasil (2016)
>>> Estrela Distante - Coleção Folha Literatura Íbero-Americana de Roberto Bolaño pela Folha de S. Paulo (2012)
>>> Livro - A Fábula da Convivência de Lecticia Dansa; Salmo Dansa pela Ftd (2002)
>>> Obras de Edgar Allan Poe de Edgar Allan Poe pela Pandorga
>>> Livro - Meu Primeiro Livro de Contos de Fadas de Mary Hoffman pela Companhia das Letrinhas (2014)
>>> Atlas da Culinária na Baía de Todos os Santos de Jailson de Andrade, Vanessa Hatje, Gal Meirelles, Núbia Ribeiro pela Edufba (2013)
>>> Morri Para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Livro - A Civilização Inca de Rosana Bond pela Atica (2015)
>>> Abril Vermelho de Santiago Roncagliolo pela Alfaguara (2007)
>>> Ansiedade 3 Ciúme o medo da perda acelera a perda de Augusto Cury pela Benvirá
>>> Marx (Sem Ismos) de Francisco Fernández Buey pela Ufrj (2022)
>>> Livro - A Ave-maria de Natália Maccari pela Paulinas (2013)
>>> A Arte de ter Razão de Arthur Schopenhauer pela Martins Fontes (2017)
>>> Um pedido às estrelas de Priscille Sibley pela Benvirá (2013)
>>> Livro - Sambura de Lendas de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Leya (2011)
>>> Em má companhia/ O músico cego - 2 volumes de Vladimir Korolenko pela Carambaia (2016)
>>> Conversas com Gestores de Ações Brasileiros de Luciana Seabra pela Penguin (2018)
>>> Pérolas Negras Primeiros Fios: Experiências Artísticas e Culturais nos Fluxos Entre África e Brasil de Roberto Conduru pela EdUerj (2013)
>>> Socorro, caí dentro do videogame de Dustin Brady pela Milk Shakespeare (2021)
>>> Livro - X-Men - Mutant Genesis de Chris Claremont, Jim Lee pela Marvel
>>> Livro - Dicionário Infantil Ilustrado de Douglas Tufano pela Moderna (2011)
>>> O Conde de Monte Cristo de Heloisa Prieto pela Ftd (2014)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/5/2004
Por que me ufano da América Latina
Andréa Trompczynski

+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O neurologista inglês Oliver Sacks, em Um Antropólogo em Marte tem uma teoria simples, tão clara e fácil de observar na prática que nem seria necessário um neurologista ter dito isso. Podia ser aquela sua vizinha de infância que sabe todos os provérbios. A adversidade e qualquer pedra no caminho fazem o cérebro dar pulos para se superar e sentidos que nunca imaginávamos que teríamos aparecem e ampliam nossa visão das coisas e capacidade para crescer. Óbvio. Oscar Wilde disse que a verdadeira arte só se faz no inferno. Henfil recusava propostas quando percebia que estava ganhando muito dinheiro porque acreditava que sem dificuldades ele não criaria mais nada. Idealismo que não cabe mais nos nossos dias? Sim. Mas que é bonito pra diabo de se ver, isso é.

Num país sem grandes dificuldades como aqui em cima vejo a maioria dos autores um pouco insossos. Reconheço que ainda estou afetada pela leitura da autobiografia do Garcia Márquez, que terminei ontem, para alegria dos que convivem comigo, que não aguentavam mais. A escabrosa história da Colômbia foi o presente para o Márquez ser o que é. É possível entender o propósito do mal no mundo. E como a perfeição mecânica da vida como um relógio suíço vai matar a arte. Ninguém criará mais nada. Os poetas não se matarão porque vai existir uma super-fluoxetina. Sobreviverá a arte pop e os clássicos serão vistos como fraqueza de espírito, sonhadores ou idealistas. Bobos. Para quê sofrer tanto? Qualidade de vida, isso sim é importante. Viver até os 120 anos para poder ver mais televisão e malhar os Estados Unidos, que é a última moda para parecer antenadíssimo.

O livro do Márquez: primeiro, é uma aula nada convencional, e, por isso mesmo, deliciosa, de como escrever. Você deve, antes de tudo, falar como um grande escritor, mesmo que não seja. Todos devem pensar que você já é. E se o livro estiver só em sua cabeça, faça de conta que já está escrito. Nunca use advérbios terminados em "mente", é feio (essa é a única explicação que ele dá). Morra de medo e vergonha, mas tenha coragem de mostrar seus originais para alguém que você admira. Beba. Sinta culpa. Peque. Perceba que na "escória" da humanidade estão os melhores personagens. Os mais reais. Disfarce sua insegurança com um falso ar de genialidade. Tenha amigos com crítica ácida, é o melhor para você. Leia tudo que você ouvir de quem você admira que é desprezível ou adorável. Imprescindível é ler Joyce. Tudo. Aprenda lendo, aprenda a escrever com os livros. É, sim, necessário dizer o óbvio, que por ser tão óbvio, ninguém diz.

Para quem sonhou junto com José Arcadio Buendía em fazer o daguerreótipo de Deus como prova definitiva de sua existência, enlouqueceu tentando multiplicar o ouro de Úrsula com feitiços de alquimia e teve medo de abrir a porta do quarto, encontrar um quarto idêntico e Prudêncio Aguilar tocar seu ombro, vai ver seus traços no avô. Ursúla Iguaran na mãe, e também na mãe e no pai e seus amores contrariados da juventude, Fermina Daza e Florentino Ariza, e, que a frase mais lírica do mundo foi um fato: "Com esta rosa te entrego minha vida". A paixão pela guerra do coronel Aureliano Buendía. O sábio catalão da livraria em Macondo, Pilar Ternera e o bordel depois de velha, e muitos outros livros e personagens. Que ficaram melhores nas mãos dele. E não se sabe quem imita quem, a vida ou a arte e onde começa uma e a outra acaba.

Ele estava a poucos quarteirões do lugar onde assassinaram Jorge Eliécer Gaitán, na frente do El Gato Preto, 9 de abril de 1948. A guerra civil na Colômbia estava em stand by desde a independência da Espanha, mas o Partido Conservador estava colocando o garrote, após quatro governos consecutivos não admitia perder o posto para os liberais, e havia este homem que hipnotizava multidões com sua oratória, Gaitán. Idolatrado pelo povo como o salvador, nas sextas-feiras, dia sagrado de seus discursos no Teatro Municipal, não se via ninguém na rua. E foi numa dessas sextas que Gabriel acordou do seu torpor literário, e percebeu que o país estava em polvorosa. Do quarto da pensão, percebeu que era o único que não estava no teatro ouvindo Gaitán. Sua voz ressoava pela cidade e até os policiais simpatizavam com o líder liberal. A Marcha do Silêncio foi surreal. Inevitável seria a eleição dos liberais, toda Bogotá obedeceu quando ele pediu para saírem às ruas de luto nas roupas, bandeiras e bocas. No dia anterior Gaitán havia feito um discurso hipnotizante sobre assassinatos de trabalhadores rurais cometidos pelos conservadores. Quando mataram Gaitán, tiros à queima-roupa na calçada, o povo todo enlouqueceu de ódio. Viraram os bondes, lincharam o suspeito (que muitos anos depois, Gabriel lembra, poderia muito bem não ter sido o assassino, porque toda a sinfonia do linchamento foi comandada por um estranho atiçador homem de terno cinza, que ninguém conseguiu explicar quem era e podia estar desviando a atenção do verdadeiro suspeito) e o povo molhava os lenços no sangue para guardar de recordação. Até Fidel estava lá neste dia, um líder estudantil de vinte anos, participando de um congresso. Ele e Márquez, mais tarde se tornam amigos íntimos (confidentes até hoje). Bem mais tarde que seus amigos, ele acorda para o momento político. "Como você pode querer almoçar? Mataram Gaitán!"

Depois de A Milésima Segunda Noite da Avenida Paulista é a melhor homenagem ao jornalismo literário, grande-reportagem ou literatura-jornalística e tantos nomes que existem para vocês-sabem-o-quê. E Gabriel Garcia Márquez parece ser um jornalista que acabou escrevendo contos e romances. Esplêndidos, mas não sua maior paixão. Suas tentativas são hilárias, principalmente, especialmente, preferencialmente a de fazer da triste seção de achados e perdidos do correio uma grande reportagem. Quase não conseguiu superar a vergonha dos amigos depois de publicá-la, foi um dos desastres. Superado com maestria depois com o sucesso que fazia o povo todo esperar na frente das bancas a continuação da história de "Explicação de uma Aventura no Mar", que em 1970 se tornaria o magnífico Relato de um Náufrago.

Sei que é ufanismo, sei que é ideologia. Mas acredito que é preciso ter visto algo mais que justiça, tranquilidade e qualidade de vida para escrever bem.

Vejam, escutem, mataram Gaitán! No meio da rua. Que nada, vamos almoçar.

Para ir além






Andréa Trompczynski
Vancouver, 17/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retrato 3X4 de um velho jornalismo de Guga Schultze


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2004
01. Um conselho: não leia Germinal - 8/11/2004
02. Gênios e seus Amores Loucos - 26/7/2004
03. Em defesa da Crítica - 25/10/2004
04. Escrever para não morrer - 3/5/2004
05. Um Elogio à Loucura - 31/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/5/2004
12h56min
Texto bacana. Excelente autor. Li Garcia Marques na adolescência e fiquei estarrecido. Realismo fantástico de qualidade. Sobre os "conselhos" para se tornar um escritor, acho-os de pouca valia. Apesar de que saber mentir ajuda bastante. Principalmente se você é aquele escritor que nunca publicou nada e na hora de preencher os cartões de hotel ou as fichas de emprego, você escreve: "Escritor" e sente-se ruborizado. É certo que a adversidade, os momentos críticos, a solidão, a náusea e tudo mais fazem com que vejamos o mundo e tudo o que está contido nele com olhos argutos e isso nos faz mais ferinos, cáusticos e então a pena flui com maestria sobre o papel branco. É a libertação da arte através do sofrimento. Nietzsche uma vez disse que só o aprazia aquilo que fosse escrito com sangue. Creio que ele tem razão.
[Leia outros Comentários de Gui]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mulher - Dicas para Construir o Sucesso Feminino
Catalina Isnardi Morgenthaler
vozes
(1999)



O Feiticeiro e seu Aprendiz - Escritos Herméticos Desconhecidos
S. L. MacGregor Mathers e J. W. Brodie-Innes
pensamento
(1983)



A Cidade de Quatros Portas
Doris Lessing
Record
(1969)



Muito Prazer! Eu Sou a Felicidade
Diverso
Clareon
(2007)



Eu Mexi no Seu Queijo
Darrel Bristow Bovey
Bertrand Brasil
(2000)



O Piloto de Hitler - A vida e a época de Hans Baur
C. G. Sweeting
Jardim dos Livros
(2011)



Livro - Suave é a Noite
F. Scott Fitzgerald
Nova Cultural
(2003)



Lady Frida
M. Maryan
Gautier & Languereau
(1927)



O Outro Jesus Segundo os Evangelhos Apócrifos
Antonio Piñero
paulus
(2002)



A Profecia das Pedras
Flavia Bujor
Planeta Jovem
(2003)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês