Um Elogio à Loucura | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> State of the art
>>> Revista Florense
>>> Nazismo na era do videogame
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> O primeiro assédio, na literatura
>>> O Twitter de Bill Gross
>>> The Boat That Rocked ou Os Piratas do Rock
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
Mais Recentes
>>> Sobre a vida feliz de Sêneca pela PEnguin e Companhia das letras (2021)
>>> Gramática Alemã de Herbert Andreas Welker pela Edunb (1992)
>>> Saneamento Básico - Concessões, Permissões e Convênios Públicos de Alaôr Caffé Alves pela Edipro (1998)
>>> Linguagem do Corpo 2 de Cristina Cairo pela Mercuryo (2006)
>>> 1961 o Brasil Entre a Ditadura e a Guerra Civil de Paulo Markun e Duda Hamilton pela Benvirá (2011)
>>> Proteção Jurídica do Meio Ambiente de Nicolao Dino de Castro e Costa Neto pela Del Rey (2003)
>>> Gerenciamento da rotina do trabalho no dia a dia de Vicente falconi pela Falconi (2013)
>>> A logica do cisne negro de Nassim Nicholas Taleb pela Best business (2007)
>>> A Deusa Interior de Jennifer Barker Woolger / Roger J. Woolger pela Cultrix (1989)
>>> Entre a aspidistra e o artocarpus de Olavo cabral ramos filho pela Chiado (2007)
>>> Admiravel mundo novo de Aldous huxley pela Biblioteca azul (1995)
>>> A Mensagem do Mestre de Bhagavad Gita pela Pensamento (2006)
>>> Santos do Povo Brasileiro de Nilza Botelho Megale pela Vozes (2002)
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland de Raymond Buckland pela Gaia (2003)
>>> Tudo Sobre Arte - os Movimentos e as Obras Mais Importantes de Todos os Tempos de Stephen Farthing pela Sextante (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2009)
>>> A Connecticut Yankee in King Arthur's Court de Mark Twain pela Collins Classics
>>> A song of Ice and Fire - A Game of Thrones de George R. R. Martin pela Harper Voyager (2011)
>>> A Batalha do Apocalípse de Eduardo Spohr pela Verus (2013)
>>> Jane Eyre de Charlotte Brontë pela Oxford (2000)
>>> Seus pontos fracos de Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Nas Ciladas da Obsessão de Liszt Rangel pela Dpl (2002)
>>> Transmissão de Energia Elétrica - teoria e prática em linhas aéreas de Cleber oberto Guirelli - Ivanilda Matile pela Mackenzie (2014)
>>> Guia ilustrado TV Globo Novelas e Minisséries de Projeto Memória Globo pela Jorge Zahar (2010)
>>> 60 Histórias para dormir 4 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 31/5/2004
Um Elogio à Loucura
Andréa Trompczynski

+ de 9800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Emanuelle Crialese nunca leu Guimarães Rosa, mas algumas verdades são eternas e pessoas em diferentes lugares e épocas têm semelhantes impressões. Respiro, segundo filme de Crialese, de 2002, e Sorôco, sua mãe, sua filha, conto do Rosa, dizem exatamente o mesmo. Fazem de tudo para afastar o caos, internar os loucos. E, quando finalmente conseguem, enlouquecem eles. Ou trazem o caos de volta, por não conseguirem viver sem.

Grazia (Valeria Golino) é uma bipolar típica. Com oscilações de humor imensas, da euforia para crises depressivas, dando o quê falar para as mulheres rezadeiras do povoado de pescadores em Lampedusa, sul da Sicília. A família tenta protegê-la até as últimas consequências. A mesma tristeza de Sorôco, empurrado pelo povo a internar na capital a mãe e a única filha. Mas no conto, a loucura volta através do próprio povo, que começa a cantar a música insana e disparatada que as mulheres cantavam antes e que "ninguém não entendia". No filme, é Grazia quem volta depois de fugir para não ir ver o doutor na capital que lhe trataria, e, é acolhida então na cena mais perfeita do filme (só aquele azul inconcebível do Mediterrâneo, nesta cena submersa, nem precisava uma boa história).

Quando o tema é loucura, é impossível eu não me voltar e parar um pouco para ver do que se trata. Estudei enfermagem para trabalhar numa clínica psiquiátrica, há muitos anos. Acabei internada em uma. Sou bipolar. E já vi o Sorôco em meu pai quando precisei de um internamento. Não, um bipolar não precisa de choques, não imaginem isso. As clínicas de hoje são como um Spa mais simples. Você descansa e tenta parar um pouco. Porque a velocidade do pensamento de um bipolar é tão acelerada que às vezes acontecem umas estafas. E é preciso parar um pouco para o motor esfriar. As pessoas um pouco mais velhas devem conhecer a mesma "doença" com outro nome: Psicose Maníaco-Depressiva (que, tenho certeza absoluta só mudou em algum congresso psiquiátrico internacional por unanimidade de votos depois do Norman Bates, que deixou a palavra assustadora). Para quem viu o filme Um Estranho no Ninho (ou o livro de Ken Kesey, sem dúvida, menor que o filme; quando o Kesey disse que nunca veria o filme de Milos Forman, não sabia o que estava perdendo) é a mesma doença do Randle Patrick McMurphy. Mas tem vários estágios, é claro.

Não quero falar aqui sobre a parte triste da loucura e sofrimentos que existem por causa dela, porque a parte triste também está nos não-loucos. Mas sobre a parte mágica. Sobre a capacidade que ela tem de te libertar. Sobre um olhar que uma vez vi numa esquizofrênica no meu estágio de enfermagem num hospital psiquiátrico (hospício, não há palavra melhor), olhar de liberdade. Uma inteligência que assombrou-me. Como aquele olhar do Andy Kaufman que o Jim Carrey conseguiu mediunicamente fazer tão bem no filme do também aficcionado pelos não-normais Milos Formam (afinal ele também fez o filme do louco Larry Flint).

Uma vez um professor emprestou-me O Elogio da Loucura, do Erasmo de Rotterdam com um prefácio dito que apenas fez-me devorá-lo assim que o tive em minhas mãos: "tem certeza que você está preparada para ler isso?", eu disse: "não", e ele: "ótimo, aqui está, nunca sinta-se preparada para nada, é a morte".

Mas não me rendi ao Carbolitium. E não me renderei. Aprendi a aproveitar os momentos de euforia e até mesmo os depressão, e não consigo entender como as pessoas tentam fugir tanto da solitude e da tristeza. É um sentimento que precisa ser vivido e degustado como os outros. Não anestesiado com antidepressivos (ou televisão, comida, compras).

Geralmente é muito engraçado. Como por exemplo olhar para uma parede de azulejos e calcular quantos têm, porque o cerébro precisa estar sempre pensando. Dou muita risada. Meu filho de cinco anos perguntou uma vez o que era que tinha de diferente dentro da minha cabeça, "ah, filho, não é muito não, apenas quando uma pessoa está descascando batata, como eu agora, está pensando em descascar a batata e a mamãe está pensando em distorções no espaço-tempo, ou em como deve ser o cheiro do rio em Pasárgada e se o Bandeira está nadando lá agora com a Mãe D`água e as prostitutas bonitas", e o Juca: "puxa, que legal mãe, acho que você está certa, o rio de Pasárgada é muito mais importante que as batatas, não é?". É sim, filho.

Da Série "Jovens Mentes Ávidas"

A instalação é uma verdadeira praga aqui em Vancouver. É a maneira favorita dos jovens artistas se expressarem. Numa dessas exposições que fui por consideração à uma amiga que estava se graduando no Emile Carr Institute, quase dei um vexame. Depois de tantas instalações entramos num lugar e tinha um balcão de sanduíches e as máquinas de café. Parei alguns segundos em dúvida. Pensei que fosse também uma instalação. Só quando ela pediu o café é que percebi que era de verdade. Mas, juro, a mocinha do café parecia mesmo de papier mâché!

Da Série "Não Perca seu Tempo"

Fui pela primeira vez em uma praia de nudismo, a cool Wreck Beach. Não tirei a roupa e senti-me mal o tempo todo. Nem toda nova experiência é válida. Chegou um casal de velhinhos. Meu Deus, não acredito, será que eles vão tirar a roupa também? Tiraram. Fiquei com vergonha, lembrei da minha avó que apagava a luz para trocar de roupa na minha frente.

No Fundo é Tudo Igual

Quarta-feira o país parou. Era a final do American Idol. Igualzinho ao Show de Calouros, só que trinta vezes vezes maior e super-produzido. E nota: um programa dos monkeys americanos, que é a palavra mais usada aqui para eles. Uma cantora negra de dezenove anos ganhou, Fantasia, o nome dela, não da música. E aqui as soap-operas são como as novelas no Brasil. Pára tudo. E o hóquei. Igualzinho ao futebol. E mais: ontem o George Michael falou para o The Province, jornal daqui, que agora ele vê que os canadenses são melhores que os americanos e que está vindo morar aqui. Em Vancouver. Ai, agora minha gastrite vai piorar (todo casmurro tem que ter uma). À tarde ele estava no programa da Oprah (nota: americana) e todo mundo assistindo e falando do futuro morador ilustre, e agora mais querido porque disse que aqui é melhor que o vizinho de baixo. A rivalidade Canadá versus Estados Unidos é semelhante à nossa com a Argentina, só que de primeiro-mundo e bem mais agressiva. E o ar de desprezo deles é muito mais chic. Afora isso, até esqueço que estou aqui, de tão parecido. Vou até tirar os sapatos de tão em casa que me sinto. Ei, mãe, traz um pedaço daquele bolo de banana que você fez ontem?

Resposta

O tempo todo me perguntam se falo bem do Brasil. Não falo. Aprendi a ser sádica com o Henfil. Agora tenho um passatempo. Nos jantares me perguntam do Brasil, sorridentes. Quando chego na parte em que existem famílias inteiras morando em caixas de papelão, já não estão tão sorridentes. E quando falei, esses dias, na casa de uma família italiana, das meninas de dez anos se prostituindo na Bahia e da rota turística do sexo infantil, as senhoras coraram. Vou dizer o quê? Mentir? Ontem um cliente do Café onde trabalho tentava argumentar comigo que o Brasil era especial. Claro que ele não é brasileiro. No final, ele estava cansando e disse que talvez é a beleza das praias. E eu: as praias aqui são lindas também. Não consigo entender essa adoração mística pelo Brasil. Tá, é bonito. Mas tudo isso, não.


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 31/5/2004


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2004
01. Um conselho: não leia Germinal - 8/11/2004
02. Gênios e seus Amores Loucos - 26/7/2004
03. Em defesa da Crítica - 25/10/2004
04. Escrever para não morrer - 3/5/2004
05. Um Elogio à Loucura - 31/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2004
10h13min
a Clarice Lispector escreveu uma vez que "a loucura era uma doçura de deus". custei a ver com olhos menos duros a loucura.
[Leia outros Comentários de Cristiana Brandão]
2/6/2004
01h14min
Déa? Estou morrendo de saudade, e adorei o texto
[Leia outros Comentários de michelle pinto]
5/6/2004
15h02min
Excelente o artigo da Andréa: Um elogio à Loucura. Também muito legais o Escrever pra não morrer e Porque me ufano... Meus parabéns e sucesso!
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
16/5/2009
20h28min
Adoraria ler um livro de crônicas seu! Você escreveria um livro de crônicas pra mim, Andréa? Mas tem que ser bem grosso e falar sobre todos os assuntos presentes no Houaiss!
[Leia outros Comentários de Thomas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caminhando Com as Proprias Pernas
Pauê
Realejo
(2008)



Livro - Ierecê a Guaná - Coleção Vera Cruz
Alfredo D Escragnolle Taunay
Iluminuras
(2000)



Telecurso 2000 - Biologia 02 Volumes 1 e 2
Fundação Roberto Marinho
Fundação Roberto Marinho
(1996)



Curso de Didática Geral
Regina Célia C. Haydt
ática
(2006)



Mãe, Você Não Tá Entendendo
Heloisa Perisse
Objetiva
(2004)



10 O Antigo Regime e a Revolução
Alexis de Tocqueville
universidade de brasilia
(1979)



Efeito Psi - A Influência da Psicanálise
Sérvulo Augusto Figueira
Campus
(1988)



Nas Ruas do Brás - Coleção Memória e História
Drauzio Varella
Companhia das Letrinhas
(2000)



Um Só Coração
Oneida Terra / Espirito Sahija
Boa Nova
(1999)



Diário Inventado 1ªed(2010)
Flávia Savary e Carolina Monteiro
Ftd
(2010)





busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês