T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Terça-feira, 22/1/2019
T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2500 Acessos

Júlio Dinis (1838-1871) viveu pouco, muito pouco, mas em seus 31 anos de vida pôde se tornar médico, além de deixar, no céu da literatura portuguesa, seu nome grifado, mesmo que de forma passageira, isto é, como se uma ave migratória fosse riscando o azul cerúleo, que só vai aceso por causa do sol, até pulverizar-se, sozinha, na imensidão celeste. Mas é inegável: está lá, na história literária lusitana, o nome dele, sem meio-termo, mesmo que necessário feito um monjolinho de uma aldeia do século 19. Sua incursão literária surge, hoje, atrelada especialmente a um romance que escreveu, como era esperado, às moças de sua época: As pupilas do senhor reitor, que publicou em 1866, usando o folhetim como plataforma.

Não foi um romance escrito ao sabor da correria: o autor deu-lhe forma ao menos três anos antes, em 1863. Tal informação não é de toda desnecessária, uma vez que atinge o “contrato” folhetinesco, que é justamente o de a obra vir a lume com a aquiescência popular. Vox Populi. Então, aqui, a voz do povo não foi ouvida pelo autor, que, com isso, pôde dar forma ao enredo tão ― será que vai chover? ― esquematicamente romântico, com todos aqueles arroubos de espartilhos arfantes, além de febres provocadas, suspeitosamente, por conta do amor de alguma donzela por seu Romeu. A pudicícia estava no ar, algo que nos anos dourados do romantismo atingiu o bom-senso de todos que se entregaram àquelas tramas polvilhadas de açúcar.

É o caso deste romance de Júlio Dinis, que não é nem de todo mal: há nele um senso de direção tão bem definido, a prova de que o amor instala-se vencedor no coração das pessoas, que os leitores, a princípio relutantes, deixam-se entregar por mais uma dessas histórias em que duas pessoas ficarão juntas, mas, antes, terão de comer o pão que o Pé de gancho sovou.

Lendo Dinis, o enredo chapa-branca beira uma aula de catecismo. Salva-se o narrador, que não é machadiano, embora, neste, ecos daquele possam existir. Uma pergunta, por conta desse bate-papo com os leitores: alguém já fez um estudo buscando nas confissões de Brás reverberações de Dinis? Tudo bem, são dois tipos de narradores. Nas Memórias póstumas de Brás Cubas, o narrador ocupa-se como personagem, enquanto em As pupilas do senhor reitor ele apenas vai observando as coisas, do teto, pendurado no lustre, sem poder fazer nada mais além de contar o que pretende, mas alguém deveria pesquisar se o narrador-intruso de Dinis exerceu alguma influência no Bruxo do Cosme Velho.

Exerceu?

Cabe uma pesquisa aí, e se uma alma curiosa assim o fez já, faça o leitor aqui como Brás Cubas e dê um piparote nesta observação desnecessária (se bem que, pensando bem, vamos ver se o Google está de bom humor).

(...)

Duas páginas de pesquisa depois, nada vem muito a calhar, mas há mesmo algo aí; isto é, o trabalho detetivesco que uma pesquisa acadêmica requer demanda tempo e um fio de intuição que justifique a peleja toda e, talvez, talvez, a resposta a essa pergunta, a ressonância de Dinis em Machado, esteja em Tristram Shandy, de Laurence Sterne, uma das ‘preferências da casa’ do Bruxo. Por quê? Como lembra Carmen da Conceição da Silva Matos Abreu, em tese defendida em 2010 na Universidade do Porto (valeu, Google!), quando Dinis começou a escrever sua obra, Almeida Garrett, com Viagens na minha terra, gozava de uma alta popularidade em Portugal, logo...

Logo: Abreu afirma que o romance de Almeidinha “já se orientava por um estilo algo semelhante ao do escritor irlandês”, e é isso. O resto é silêncio? Cabe pesquisar. Alunos de letras em busca de um tema para seu TCC podem achar alguma coisa aí. Sem dúvida.

Mas, no romance de Dinis, quem é o narratário com quem o narrador dialoga o tempo todo? Uma hora, somos todos; noutras, são leitoras apenas, e nada mais. Leitoras pudicas, lembre-se. Leitoras que foram moldadas a receber de Dinis uma lufada de bons costumes que, atualmente, soa desatualizada. Uma garota, hoje, não vai ler As pupilas do senhor reitor espontaneamente, como se, ao deparar-se com o livro na estante, exclamasse:

― Olha o que achei aqui! Meu Deus!

Nada disso. As garotas estão andando para As pupilas do senhor reitor. Os rapazes? Ora, deixe-os em paz com suas espinhas, comadre. Os leitores, de um modo geral? Interessados em verificar como uma narrativa pudica se desenrola diante de seus olhos, ou mesmo professores a pagar uma velha dívida com Dinis, ou ainda aqueles que, estudando a história da leitura, veem-se anexados às Pupilas, bem, todos terão lá sua empresa recompensada por Dinis, que, vestindo o figurino da época, vai tecendo um painel de um Portugal estagnado no tempo, à mercê de uma vida chocha à beira de córregos, com seus padres, com seus doutores de uma medicina folclórica, além de camponeses e de garotas e de rapazes de coração em labaredas; todos levando uma vida que não tem mais lugar de ser. Mesmo na roça.

Mas há esse narrador e, nele, sua insistência nos leva a saber de Margarida e de Daniel, de Clara e de Pedro, além das famílias Dorna, Esquina e outras. Ah, claro, do reitor, o velho padre a se intrometer na vida de todo mundo, alguém que mesmo repleto das mais belas intenções será sempre aquela vareta de marmelo a fustigar as pernas das almas mais arredias. Bêbados patibulares e arruaceiros notívagos que o digam... Sem contar a inconveniência: está sozinho no meio do nada e precisa trocar o pneu e não sabe como? Olhe de novo e veja quem está ao seu lado. Quem estava passando nessa hora, senão o senhor reitor? Tem medo do escuro e precisa de alguém que segure sua mão? Estenda a sua, leitora. Não se assuste. Achou outra mão? Não, não se assuste: quem estava passando nessa hora, senão o senhor reitor?

Lá está a presença do narrador nem sempre onisciente, nem sempre onipresente, mas observador, literalmente acima de tudo, como foi sugerido antes, aqui. Há coisas que ele nos conta e outras que, mantendo o suspense, contraditoriamente diz ser incapaz de saber, como algo que ocorre na página 136:

João da Esquina sentiu-se derrotado e já procurava uma saída airosa. ― Bem; eu retiro-me, que sou prudente. Levo a consciência de que fiz o meu dever. Mas o mundo saberá... O resto da oração pronunciou-o fora da porta. Esta circunstância impossibilita-me de informar o leitor sobre o que o mundo tem de vir a saber a este respeito do tendeiro.

Como o narrador pode omitir tal informação e, em outras, ser capaz de contar até mesmo o que vai na imaginação dos personagens? “Pedro toda noite lidou com o receio de que o incômodo de Clara fosse a gravidade; vieram-lhe à imaginação as mais negras apreensões a respeito do futuro do seu amor”, eis o que lemos na página 175. Percebeu? O narrador de Dinis não revela o que João da Esquina diz, porque não consegue ouvi-lo, mas sabe até mesmo o que pensa Pedro, lá no fundo daquela cachola de personagem plano apaixonado. Como assim?!

Que mais há de importante?

Há de importante que, nós, leitores atuais de Dinis, não podemos nos esquecer de que, lá, nos poucos anos que o autor viveu, era hora tão distinta de hoje que não parece muito justo analisar a coisa toda como vai aqui. O século 19 encontrou no romance um formato adequado para transformar em palavras aquela época, e, comandados pelos mais intrépidos autores, tal manuseio proporcionou um processo de transformação romanesca que culminou com a experimentação modernista do século seguinte e continuou, mundo afora, a partir daí também influenciando, e vice-versa, a recém-criada sétima arte, até chegar à implosão que a pós-pós-pós modernidade, hoje, com a internet e todas as regalias, nos deixa. A evolução do romance não se interrompe e, no futuro, outros decerto virão aqui bisbilhotar e trolar nossa vida e escrita; então, que há de ser feito? Um tango argentino? Não, nada em especial, além de nos debruçar sobre o que foi capaz de fazer o engenho de Dinis, e se disso não for possível retirar nada que valha a pena, bem, aí, o problema são os outros, não é?

Dinis não merece tamanha derrisão e, cá, a favor dele, soube ele dar a nós, leitores pósteros, um pouco da experiência do que era viver o século 19 português, numa aldeia, aos pés de um enxerido reitor de bom coração que tudo faz para ajudar, e de suas pupilas, Clara e Margarida, à espera de dar um rumo ao coração que, errante, sempre segue em busca de alguém para amar. É isto, então, o amor. O amor romântico dos livros de literatura. Todos os transes. Todos os contratempos. Todos os solavancos. Mas sem Instagram, Facebook ou LinkedIn. Em vez disso, um tédio de consultório médico a rondar o espírito. Ufa! Tudo vai passando tão... rápido, não é? Mas, comparada à rotina dos personagens de Dinis, ainda bem que vivemos com o tempo a escapulir incólume pelo visor da tela líquida, como agora.

Renato Alessandro dos Santos, 46, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (Engenho e arte), seu mais recente livro.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 22/1/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
02. Émile Zola, por Getúlio Vargas de Celso A. Uequed Pitol
03. A Palavra Mágica de Marilia Mota Silva
04. Impressões do jovem Engels de Celso A. Uequed Pitol
05. A internet não é isso tudo de Marta Barcellos


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. Meu Telefunken - 16/7/2019
02. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
03. K 466 - 26/3/2019
04. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) - 22/1/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A SEXUALIDADE NO ISLÃ
ABDELWAHAB BOUHDIBA
GLOBO
(2006)
R$ 15,00



A ROMANA
ALBERTO MORAVIA
ABRIL
(1982)
R$ 10,00



DESPERTAR DOS VAMPIROS LONDRES VOLUME 1
SEBASTIAN ROOK
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 35,60



SONHOS NA PRÁTICA CLÍNICA, HOJE
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 29 Nº 1
RBP
(1995)
R$ 19,28



COLEÇÃO MATEMÁTICA FÁCIL - NÚMERO 4 - ANO 1
MORGANA GOMES ORG.
MINUANO
R$ 5,00



CASAIS EM REFLEXÃO - VOLUME 1
ANTÔNIO MAMEDE FERNANDES
PAULUS
(2004)
R$ 10,00



SI É BAYER É BOM
RECLAMES DA BAYER: 1943 - 2006 ENTRE OUTROS
CARRENHO
(2006)
R$ 27,00



A PERSEGUIÇÃO DE HOSEYN
COLIN MACHINNON
ART
(1988)
R$ 13,39



LES AMOUREUSES
ALPHONSE DAUDET
LIBRAIRE ROMBALDI
(1930)
R$ 50,00



DIÁRIOS DE CONSULTÓRIO
JULIO STUDART DE MORAES
BEI COMUNICAÇÃO
(2007)
R$ 15,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês