Arquitetura carioca: um patrimônio menosprezado | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
Mais Recentes
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Mundo é Plano uma Breve História do Século XXI de Thomas L. Friedman pela Objetiva (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 27/4/2004
Arquitetura carioca: um patrimônio menosprezado
Luis Eduardo Matta

+ de 8000 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Nos últimos anos, o Rio de Janeiro vem assistindo a uma revolução silenciosa e um tanto tardia que, lentamente, está transformando a maneira de enxergar e pensar a cidade: o resgate da sua memória, através da recuperação de parte do patrimônio arquitetônico e a conseqüente valorização do espaço urbano circundante. Não deixa de ser uma mudança radical numa cidade que, durante décadas, tratou as ruas com menos carinho do que o merecido, inclusive calando-se diante do apetite criminoso da especulação imobiliária, que fez desaparecer ao longo do século XX verdadeiros tesouros em nome do progresso a qualquer custo. Nessa onda destruidora foram-se, entre outros, o Palácio Monroe, o Ministério da Agricultura, o Teatro Lírico, o Pavilhão do Mourisco, o Hotel Avenida, o Hotel Palace, a Mansão Martinelli e o Edifício Ferrini. Este último, situado em plena avenida Atlântica e demolido em 1978, foi, seguramente, um dos cinco mais estupendos e luxuosos prédios residenciais erguidos na orla brasileira em todos os tempos. Até o famoso Copacabana Palace correu o risco de vir abaixo por iniciativa da própria família proprietária do hotel, que pretendia erguer no local um complexo de prédios de luxo, mas, felizmente nessa época, início dos anos oitenta, a sociedade já se mostrava bem mais consciente da importância da conservação dos seus ícones arquitetônicos e a idéia foi suplantada antes mesmo de ganhar fôlego.

Essa revolução ainda não chegou a afetar o grosso da população, mas já constitui um avanço notável, pois, ao incutir no governo e nas elites a necessidade de se cultivar a memória de uma cidade onde boa parte da História do Brasil foi escrita, coloca um freio no processo de descaracterização arquitetônica, abrindo caminho para um planejamento mais racional do uso e da ocupação do solo urbano, revitalizando áreas degradadas e estimulando o empresariado a investir na restauração e modernização de antigos prédios decadentes situados em bairros centrais, em vez de simplesmente se limitar à tarefa de erguer novas construções em áreas residenciais afastadas. Isso, na realidade, já começa a acontecer, embora ainda timidamente e dois exemplos conhecidos são o do tradicional prédio do restaurante Amarelinho, na Cinelândia e o do Edifício Guarujá, em Copacabana, que ficou anos abandonado até ser reformado e transformado num requintado hotel-residência.

Um dos maiores entraves para a consolidação dessa mentalidade talvez seja a notória resistência que boa parte do povo carioca, mesmo entre as camadas mais instruídas, ainda tem em valorizar a vertente, digamos, mais urbana da cidade, ao contrário do que sempre aconteceu com a paisagem natural, historicamente enaltecida. Outro dia, por exemplo, quase fui atropelado por um ciclista alucinado e mal-educado, em Copacabana, porque, inadvertidamente, parei num canto da calçada por alguns instantes que não chegaram a um minuto para apreciar a beleza dos contornos de um imponente edifício residencial, erguido sobre uma pequena galeria comercial de inspiração parisiense. Entre outras coisas, eu tentava calcular a idade do prédio, que, apesar da sua fachada neoclássica, fora, provavelmente, concluído entre o fim da década de trinta e o começo da de quarenta - quando já predominavam o Art Déco e a sua variante Marajoara -, pois obedecia a uma norma instituída naquele período, obrigando as novas construções a guardar uma distância maior do meio-fio, a fim de tornar as calçadas mais largas. Só a título de comparação: o edifício do cinema Roxy, situado ao lado, fora, de acordo com o Guia da Arquitetura Art Déco no Rio de Janeiro (Prefeitura do Rio/Casa da Palavra; 162 páginas; 1997), erguido em 1934, quando ainda não vigorava a tal norma, razão pela qual a calçada no seu entorno é mais estreita do que no restante do quarteirão.

Felizmente, não tive o desprazer de conversar com o cavalheiro montado na bicicleta - que, não satisfeito em quase ter me atropelado num espaço reservado aos pedestres, ainda me xingou e à minha mãe -, mas passado o susto, comentei o incidente com um outro pedestre e ele me respondeu mais ou menos o seguinte: "O cara não devia ter feito isso, mas aqui também não é lugar para o senhor ficar parado. Se ainda fosse na praia, apreciando o mar, as mulheres... Mas, aqui não tem nada para ver".

Eu poderia ter rebatido, apontando uns quatro edifícios com belas portarias de mármore visíveis daquele ponto, mas concluí, sabiamente, que não valeria a pena. Como bem disse o jornalista inglês Christopher Pickard, numa entrevista em 1993, "os cariocas andam pelas ruas do Rio, indiferentes à riqueza das suas construções históricas". Experimente fazer um elogio à arquitetura da cidade e sempre haverá alguém com ares de superioridade por perto para estufar o peito e, com a voz impostada de quem, supostamente, viajou o mundo, lhe chamar a atenção de forma quase professoral, insinuando que você não tem a menor noção do que diz, que bonitas cidades, urbanisticamente falando, você encontra no Hemisfério Norte: Veneza, Paris, Praga, Sevilha, Barcelona, Nova York, Londres, São Francisco, Montreal... No Rio, o que conta mesmo são as praias, as mulheres, o verde dos parques, o azul do mar, o time do coração, as escolas de samba, o chope gelado no botequim, a ginga, o molejo e a simpatia do povo. A arquitetura é sem-graça, pobre. As ruas são congestionadas, os prédios maltratados, as calçadas sujas... Vá viajar e ver como é o mundo, antes de ficar dizendo bobagem.

Esse tipo de argumentação é conseqüência não só de uma nefasta ignorância em relação ao próprio meio, como também de um certo temor que muita gente tem de passar por caipira, por alguém que não conhece outros lugares e, portanto, não possui parâmetros de comparação suficientes para situar o Rio dentro de um contexto mais amplo. Aí eu pergunto: para que perder tempo fazendo comparações, quando é muito melhor avaliar cada lugar isoladamente? Afinal, as cidades são diferentes entre si, possuem características que lhes são próprias, umas são mais bonitas do outras, algumas são lindas, outras horrorosas. Veneza, Sevilha e Praga por exemplo, são, em tese, mais belas do que Budapeste, Zurique e Londres. E daí? Alguém vai afirmar que, por conta disso, Budapeste é uma cidade feia? Nesse caso, seria simples: se elegeria a cidade mais bonita do mundo e o resto seria, metaforicamente, jogado numa vala comum.

O mesmo raciocínio se manifesta quando pensamos o Brasil historicamente. Isso ficou bastante evidente na época da celebração dos quinhentos anos. Ouvi gente afirmar que comemorar quinhentos anos não era nada, era sinal de pieguice ufanista. A Áustria, por exemplo, havia festejado mil anos, recentemente. Então, como, inclusive, eu tive a oportunidade de argumentar na ocasião, a Áustria também devia ter se abstido de realizar qualquer comemoração, já que o Irã, em 1971, havia festejado dois mil e quinhentos anos. E se nós formos falar da civilização indiana, com mais cinco mil anos, então, nada surgido depois deveria ser lembrado. Até mencionar a Roma imperial como sendo algo "antigo" acabaria soando como sintoma de estreiteza cultural.

O curioso é que essas mesmas pessoas que enchem a boca para falar mal da cidade, são as primeiras a contribuir para descaracterizá-la, ao construir "puxadinhos" nas suas coberturas, cercar suas portarias com grades medonhas, escolhidas sem o menor critério e não achar nada demais em fechar suas varandas com esquadrias de alumínio, transformando-as em horrendos jardins de inverno, desfigurando, assim, todo o projeto original do prédio, como se vê muito em bairros mais tradicionais, notadamente Copacabana e Flamengo. É como aquela típica história do sujeito que sai de carro até para ir à esquina e depois se queixa dos engarrafamentos, esquecendo-se de que é um dos causadores. Ou do cidadão que emporcalha as ruas e depois reclama que a cidade está imunda.

E andar pelas ruas do Rio, apreciando as esquinas, as portarias, a essência de cada construção, é um exercício tão estimulante, interessante e enriquecedor que eu chego a sentir pena dos cariocas que não conseguem se entregar a esse deleite. Existe uma tamanha riqueza de estilos arquitetônicos - que vão do Barroco ao Moderno, passando pelo Neoclássico e o Art Déco - que fica difícil encontrar paralelo em qualquer outra cidade brasileira. Muita gente desconhece, por exemplo, que as pilastras revestidas de pastilhas, comuns nas portarias de muitos edifícios residenciais da Zona Sul, são resultado da incorporação de elementos da escola modernista em projetos da construção civil, principalmente a partir da década de 50 e que o valor arquitetônico desses imóveis é muito maior do que se imagina. Uma outra curiosidade interessante é que muitas garagens subterrâneas de prédios erguidos nos anos quarenta foram concebidas para servir como abrigos antiaéreos a fim de proteger os moradores de um eventual bombardeio nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Alguém poderá alegar que essa discussão é fútil numa cidade com tantos problemas sociais e estruturais; ou delirante, já que o Rio está repleto de construções feias, verdadeiros caixotes encardidos de concreto, que parecem já ter nascido decadentes. Digo que, se a cidade tivesse abraçado esse debate há mais tempo, muitos desses problemas talvez nem existissem. A ausência de consciência e cultura urbanas é uma das piores doenças de que uma cidade pode sofrer e esse mal, infelizmente, está presente em todo o Brasil. Hoje, enquanto as favelas crescem de um lado e a classe média se encastela em shoppings e condomínios fortificados do outro, à cidade resta o papel inexpressivo de mero espaço comum de passagem. Valorizar a sua arquitetura pode ser um ótimo começo para levar à população a idéia da rua como centro principal da vida social e, assim, atenuar o processo de degradação urbana que tanto prejuízo traz ao bem-estar, à imagem e à auto-estima das metrópoles brasileiras.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 27/4/2004


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/4/2004
11h03min
Estava com saudades dos seus artigos. Mas foi maravilhosa a surpresa não só de reencontrá-lo como também tratando de um tema que me interessa muitíssimo.
[Leia outros Comentários de Ana Lucia]
27/4/2004
13h56min
Luis, Adorei seu artigo! Foi como ir a uma daquelas longas caminhadas de Botafogo a Ipanema. No Rio, existe tambem o fenomeno da apreciacao politica da arquitetura. Muito mais gente fala do Minhocao na PUC, e esta disposta a fazer filmes e pesquias por la, do que do Planetario ou do Teatro Municipal...
[Leia outros Comentários de Ram]
27/4/2004
18h40min
Luis, como sempre, seu artigo está excelente. Faz tempo que não vou ao Rio e ele me fez lembrar as coisas boas daí e que não são só praias e mulheres bonitas. Gostaria muito que aqui em Sampa também tivéssemos mais cuidado com nossos edifícios históricos. Mas por aqui o que conta é o desfio do novo. Tudo parece que tem de ser destruído e refeito! Parabéns por chamar a atenção dos moradores da cidade para seus tesouros!
[Leia outros Comentários de vera carvalho]
28/4/2004
21h03min
Gostaria muito que meu amigo Ricardo Cravo Albin, que é titular de uma coluna em nosso jornal, o conhecesse. Ele ama o Rio desta forma mencionada em seu texto. E, mais que isso, entende e por certo, se já não faz parte gostaria de estar ao seu lado nesta empreitada. Parabéns por sua luta. Você é muitos e muitos de você salvariam o Rio. Abraço e boa sorte. Zélio Alves Pinto, OPasquim21
[Leia outros Comentários de Zélio Alves Pinto]
2/5/2004
13h23min
Seu artigo, Luís, me fez passear pelo Rio e voltar a alguns anos atrás lembrando de construções que lamentavelmente foram destruídas, demolidas, em nome não sei de quê ou sei sim, em nome de se construir no lugar algo mais rendoso, um prédio com 30 andares e milhões de salas ou apartamentos. Lembro-me de quando criança passear na rua Dona Mariana... que rua linda com mansões e jardins fantásticos que vcs, jovens, não tiveram oportunidade de conhecer. Nunca entendi a demolição da Embaixada da Argentina, na praia de Botafogo, uma das mais belas casas do Rio. Tudo foi indo abaixo como lixo sem o menor valor. Desfigurou-se a cidade sem dó ou piedade. Como vc bem disse, parece que de alguns anos para cá, felizmente, essa consciência de preservação está se despontando. Quando penso que na Europa, em cidades praticamente destruídas pelos bombardeios da segunda guerra mundial, houve a preocupação de se reconstruir tentando fazê-lo nos moldes do que era, fico impressionada como, no Brasil, não só não temos que reconstruir, como destruimos o que lá um dia esteve. Que jamais mexam em Parati, em Tiradentes e outras cidades históricas, felizmente, tombadas pelo patrimônio histórico.
[Leia outros Comentários de Regina Mas]
3/5/2004
10h29min
As pessoas, para apreciar uma construção arquitetônica (ou qualquer outra arte) têm que ter sensibilidade e cultura. E infelizmente, esta ultima temos muito pouco por aqui. Com isso, não é dada nenhuma importância para as nossas belezas urbanas... são varias as áreas que estão abandonadas, ocupadas desordenadamente ou degradadas. Aliado ao habitual pouco caso do brasileiro, temos a proliferação de favelas, camelôs e sujeira no Rio de Janeiro. A favela é um caso emblemático: um emaranhado de barracos, na maioria de vezes em precárias condições. E quem vive lá parece não se importar muito com isso. Não é a pobreza, pois não pintam nem as paredes, mas todos têm antenas parabólicas. Oxalá, que os tempos estejam mudando e voltemos a ver um Rio de Janeiro que infelizmente eu nunca vi. Abraços, LA. PS: Está na hora de marcarmos uma outra caminhada pelas ruas do Rio !
[Leia outros Comentários de Luis Arthur]
21/5/2004
13h46min
Luis, parabéns pelo artigo -- pela relevância do tema, pela autoridade com que o aborda e pela serenidade ao escrever. Deveria ser de leitura obrigatória pelos poderes: o municipal, o estadual e o cada vez mais distante (do Rio) poder federal. Dediquei ao assunto um capítulo inteiro de um livro recente, "Carnaval no fogo -- Crônica de uma cidade excitante demais", e o silêncio com que foi recebido foi, como se diz mesmo?, ensurdecedor. Mas o Rio, você sabe, é invencível. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Ruy Castro]
17/7/2006
11h11min
Fiquei muito triste quando percebi que nunca mais veria o Copabana Palace novamente em todo o seu explendor, no coração do Rio de Janeiro... Um país sem memória é triste.
[Leia outros Comentários de jussara rafael]
11/10/2007
00h04min
É preciso fazer isso, pois para mim é um milagre encontrar alguém tão novo que dedica o seu precioso tempo com coisas tão raras, porém muito ricas. Compreendo perfeitamente o valor que tudo isso tem, e porque você se dedica tanto assim. Mais uma vez, parabéns! O seu artigo está simplesmente lindo, nota dez. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Áurea]
4/9/2010
08h52min
Adorei o artigo! O Rio é um tesouro de arquitetura colonial, neoclássica, eclética, protomoderna, moderna, pós-moderna e de arte ambiente: chafarizes, murais, grafites, estátuas... Mantenho um blog sobre o Rio, seus encantos, história, literatura, arquitetura e arte - o Literatura & Rio de Janeiro - gostaria que você conhecesse.
[Leia outros Comentários de Ivo Korytowski]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Emagreça sem segredos
Jeanne Lima
Literare Books International
(2018)



Para Mim, Chega!
Yvonne Bezerra de Mello
Rosa dos Tempos
(1998)



Orgias
Luis Fernando Veríssimo
L&pm



Cozinha Vegetariana. Maçã
Caroline Bergerot
Cultrix
(2012)



A Witch Called Wanda
Telma Guimarães Castro Andrade
Atual
(1996)



O Pensamento Judeu Como Fator de Civilização
Leon Roth
Biblos
(1965)



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Os Thibault 1
Roger Martin Du Gard
Globo
(1986)



Unati - Espaço Aberto ao Ensino e á Criatividade
Maria Candida Soares del Masso
Cultura Academica
(2012)



Dinâmica de Grupo Iniciação a Seu Espírito e Algumas de Suas Técnicas
Jean-marie Aubry
Loyola
(1978)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês