Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/5/2007
Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE
Marcelo Miranda

+ de 3800 Acessos

O Cine PE - Festival do Audiovisual de Recife é o mais popular e movimentado evento de cinema no Brasil. Isso porque reúne aproximadamente três mil pessoas por dia ao longo de uma semana no Cine Teatro Guararapes, próximo a Olinda. Três mil espectadores participativos - aplaudem, vaiam, interagem com o filme com respeito e de forma comportada. Uma bela experiência, estar no Cine PE. Este ano o evento chegou à 11ª edição e, como sempre, lançou alguns filmes, reprisou outros e plantou sementes importantes para o audiovisual brasileiro dos próximos meses.

Da seleção oficial do festival de 2007, dois títulos em longa-metragem se destacaram muito acima dos demais. O primeiro, exibido no dia 27 de abril, foi Não por acaso, estréia do paulista Philippe Barcinski na direção de longas. O outro foi Cão sem dono, quinto filme do também paulista Beto Brant, desta vez em parceria com Renato Ciasca numa adaptação de Até o dia em que o cão morreu, livro de Daniel Galera. Dois trabalhos bastante distintos, cada um contando à sua forma dramas pessoais numa cidade grande. É como se a câmera escolhesse os personagens e narrasse, por imagens e sons, os destinos de cada um deles. A linguagem e as escolhas estéticas dos cineastas diferem, mas, no fundo, são ambos projetos de profundo humanismo, preocupados em captar a perdição de cidadãos comuns que lutam contra seus próprios sentimentos para serem suplantados por eles e ganharem um outro rumo de vida.

Em Não por acaso, a cena principal é dividida entre Rodrigo Santoro e Leonardo Medeiros. São personagens de tramas paralelas, marcados pela mesma tragédia - um acidente de trânsito que mata a namorada de um e a ex-esposa do outro. A partir daí, a vida dos dois, até então caracterizadas pelo controle extremo (Santoro é especialista em sinuca; Medeiros é um controlador de trânsito na caótica São Paulo) toma rumos completamente descontrolados. É o grande acerto do filme, aliás: fazer com que estas duas figuras autocentradas se descentralizem e provoquem situações atípicas fora de seus contextos e dentro de si mesmas.

Há, no mínimo, uma seqüência memorável em Não por acaso: a de Santoro e Medeiros, cada um por seus motivos e às suas formas, correndo desesperados pelas ruas paulistanas. Existe ali uma intensidade de sentimentos e uma gama de significados sobre a natureza daqueles homens que são elementos difíceis de captar se o cineasta não souber onde posicionar a câmera, onde cortar e qual o melhor tom a ser impresso naqueles minutos decisivos. O filme é ajudado pela expressividade e delicadeza do personagem de Santoro, ator em ótima interpretação, e pelo impressionante magnetismo de Leonardo Medeiros, este que deve ser, sem medo de errar, um dos maiores nomes da atuação em atividade hoje no país. Construtor de uma carreira sólida, em trabalhos de envergadura e autoralidade (Lavoura Arcaica, Cabra Cega, O veneno da madrugada), Medeiros se firma cada vez mais como um intérprete completo e digno de ser aguardado e curtido filme a filme.

Veja acima o trailer de Não por Acaso

Houve, ao longo do Cine PE, quem acusasse Barcinski de abusar no uso da trilha sonora em Não por acaso. De fato, alguns momentos dispensam música - a trilha acaba moldando sentimentos que se fortaleceriam na tela se soassem ambíguos e sem interferências. Porém, em outros instantes, Barcinski consegue acertar, e muito - e a corrida pelas ruas é um exemplo perfeito da consciência do cineasta no bom uso da música. A maior surpresa relativa ao filme, porém, é a paciência com que o diretor narra as angústias dos dois homens. Quem conhece os curtas-metragens de Barcinski, sendo os mais notórios Palíndromo e Janela Aberta, sabe o quanto são trabalhos frenéticos e pulsantes, o que nem sempre soa orgânico ou positivo.

Em Não por acaso, o cineasta demonstra a sensibilidade de dar tempo às suas criações, de permitir a elas respirar, olhar, perceber o ambiente, deixarem-se impregnar pelo que está ao redor, valorizar instantes, gestos e expressões. É trabalho de rigor e controle absolutos, e é irônico que seja um filme cujo grande tema é justamente o limite entre o controle e o acaso, entre a geometria exata e o instinto humano.

Por sua vez, Cão sem dono segue em outra via. Aposta na secura das imagens, na câmera parada, na ausência de trilha sonora e na não-ação para narrar um pequeno conto de outras duas pessoas, desta vez totalmente interligadas. São Ciro (Júlio Andrade) e Marcela (Tainá Müller). Ele, tradutor sem perspectivas, enfurnado num apartamento onde não faz absolutamente nada; ela, modelo, sonhadora e ambiciosa. O encontro dos dois se dá numa noitada, e desse encontro vai nascer um sentimento que transformará Ciro. Beto Brant e Renato Ciasca contam uma história de amor como tantas outras. A diferença está em suas escolhas formais.

O filme se fixa num naturalismo poucas vezes visto no cinema brasileiro. Deixa os atores à vontade, o improviso aflora e o que se tem são conversas, murmuros, gemidos, risadas, cantorias, declarações. Nada de muito substancial acontece em Cão sem dono. O que conta é o sentimento em cena, a vontade dos personagens possuírem um ao outro e irem aprendendo cada um por si. É Ciro o protagonista, mas é Marcela a personagem principal. Ele sofre uma mudança drástica; ela provoca a mudança. No processo, o espectador acompanha lentamente cada passo desse crescendo, da relação que se molda a partir da azaração para se tornar fundamental.

É no naturalismo de suas cenas que Cão sem dono consegue atingir tantos significados: na modelo cantando enquanto é acompanhada pelo violão; no Ciro bêbado ao telefone, desesperado atrás da amada; nas conversas com o porteiro do prédio; no encontro com o casal amigo, durante um jantar; nas brincadeiras ao pé do ouvido entre uma transa e outra. A simplicidade das situações acumula, e acumula junto a intensidade dos sentimentos. O mais impressionante no trabalho de direção é o quanto o filme aparenta ser controlado e, ao mesmo tempo, demonstra uma liberdade total no trato com a câmera e com os atores que estão frente a ela. É difícil um diretor saber para onde levar seu filme sem que isso fique aparente na tela. Mas Brant é um mestre contemporâneo e não deixa dúvidas de que tinha um caminho traçado, seguindo-o sem jamais permitir que tal caminho suplantasse o que de mais importante seu filme possui - a impressão de que não estamos vendo um filme, e sim recortes de um mundo real e verdadeiro.

Veja acima o trailer de Cão sem Dono



Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 10/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
02. Noturno para os notívagos de Ana Elisa Ribeiro
03. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
04. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
05. Pantanal de Marilia Mota Silva


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
03. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DÊ A SEU FILHO UMA INTELIGÊNCIA SUPERIOR
SIEGFRIED E THERESE ENGELMANN
GLOBO
(1971)
R$ 10,00



12 GRANDES MÉDIUNS BRASILEIROS
DANIELA HIRSCH
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 18,00



OS GRANDES LÍDERES - KISSINGER
FRED L ISRAEL
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 4,99



O SANGUE DO OLIMPO
RICK RIORDAN; EDMUNDO BARREIROS
INTRINSECA
(2014)
R$ 30,00



UMA TRILOGIA FÁLICA - DOR DE AMOR - A FULA DO BUCALÃO - NICOLAU
BRÁULIO PEDROSO
PAZ E TERRA
(1984)
R$ 12,00



O CAPITÃO FRACASSO VOL. 49
THÉOPHILLE GAUTER
ABRIL CULTURAL
(1973)
R$ 4,00



A ARTE DA NEGOCIAÇÃO BEM-SUCEDIDA
ALEX PIMENTEL
DIGERATI
(2007)
R$ 7,90



RIO PROFUNDO GANGES
SHUSAKU ENDO
MERCURYO
(1995)
R$ 20,00



KING'S RANSOM - STAGE 5
ED MCBAIN
OXFORD
(2000)
R$ 7,90



ZERO - ROMANCE PRÉ-HISTÓRICO - 7ª EDIÇÃO
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
CODECRI
(1980)
R$ 9,00





busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês