Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/5/2007
Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE
Marcelo Miranda
+ de 5200 Acessos

O Cine PE - Festival do Audiovisual de Recife é o mais popular e movimentado evento de cinema no Brasil. Isso porque reúne aproximadamente três mil pessoas por dia ao longo de uma semana no Cine Teatro Guararapes, próximo a Olinda. Três mil espectadores participativos - aplaudem, vaiam, interagem com o filme com respeito e de forma comportada. Uma bela experiência, estar no Cine PE. Este ano o evento chegou à 11ª edição e, como sempre, lançou alguns filmes, reprisou outros e plantou sementes importantes para o audiovisual brasileiro dos próximos meses.

Da seleção oficial do festival de 2007, dois títulos em longa-metragem se destacaram muito acima dos demais. O primeiro, exibido no dia 27 de abril, foi Não por acaso, estréia do paulista Philippe Barcinski na direção de longas. O outro foi Cão sem dono, quinto filme do também paulista Beto Brant, desta vez em parceria com Renato Ciasca numa adaptação de Até o dia em que o cão morreu, livro de Daniel Galera. Dois trabalhos bastante distintos, cada um contando à sua forma dramas pessoais numa cidade grande. É como se a câmera escolhesse os personagens e narrasse, por imagens e sons, os destinos de cada um deles. A linguagem e as escolhas estéticas dos cineastas diferem, mas, no fundo, são ambos projetos de profundo humanismo, preocupados em captar a perdição de cidadãos comuns que lutam contra seus próprios sentimentos para serem suplantados por eles e ganharem um outro rumo de vida.

Em Não por acaso, a cena principal é dividida entre Rodrigo Santoro e Leonardo Medeiros. São personagens de tramas paralelas, marcados pela mesma tragédia - um acidente de trânsito que mata a namorada de um e a ex-esposa do outro. A partir daí, a vida dos dois, até então caracterizadas pelo controle extremo (Santoro é especialista em sinuca; Medeiros é um controlador de trânsito na caótica São Paulo) toma rumos completamente descontrolados. É o grande acerto do filme, aliás: fazer com que estas duas figuras autocentradas se descentralizem e provoquem situações atípicas fora de seus contextos e dentro de si mesmas.

Há, no mínimo, uma seqüência memorável em Não por acaso: a de Santoro e Medeiros, cada um por seus motivos e às suas formas, correndo desesperados pelas ruas paulistanas. Existe ali uma intensidade de sentimentos e uma gama de significados sobre a natureza daqueles homens que são elementos difíceis de captar se o cineasta não souber onde posicionar a câmera, onde cortar e qual o melhor tom a ser impresso naqueles minutos decisivos. O filme é ajudado pela expressividade e delicadeza do personagem de Santoro, ator em ótima interpretação, e pelo impressionante magnetismo de Leonardo Medeiros, este que deve ser, sem medo de errar, um dos maiores nomes da atuação em atividade hoje no país. Construtor de uma carreira sólida, em trabalhos de envergadura e autoralidade (Lavoura Arcaica, Cabra Cega, O veneno da madrugada), Medeiros se firma cada vez mais como um intérprete completo e digno de ser aguardado e curtido filme a filme.

Veja acima o trailer de Não por Acaso

Houve, ao longo do Cine PE, quem acusasse Barcinski de abusar no uso da trilha sonora em Não por acaso. De fato, alguns momentos dispensam música - a trilha acaba moldando sentimentos que se fortaleceriam na tela se soassem ambíguos e sem interferências. Porém, em outros instantes, Barcinski consegue acertar, e muito - e a corrida pelas ruas é um exemplo perfeito da consciência do cineasta no bom uso da música. A maior surpresa relativa ao filme, porém, é a paciência com que o diretor narra as angústias dos dois homens. Quem conhece os curtas-metragens de Barcinski, sendo os mais notórios Palíndromo e Janela Aberta, sabe o quanto são trabalhos frenéticos e pulsantes, o que nem sempre soa orgânico ou positivo.

Em Não por acaso, o cineasta demonstra a sensibilidade de dar tempo às suas criações, de permitir a elas respirar, olhar, perceber o ambiente, deixarem-se impregnar pelo que está ao redor, valorizar instantes, gestos e expressões. É trabalho de rigor e controle absolutos, e é irônico que seja um filme cujo grande tema é justamente o limite entre o controle e o acaso, entre a geometria exata e o instinto humano.

Por sua vez, Cão sem dono segue em outra via. Aposta na secura das imagens, na câmera parada, na ausência de trilha sonora e na não-ação para narrar um pequeno conto de outras duas pessoas, desta vez totalmente interligadas. São Ciro (Júlio Andrade) e Marcela (Tainá Müller). Ele, tradutor sem perspectivas, enfurnado num apartamento onde não faz absolutamente nada; ela, modelo, sonhadora e ambiciosa. O encontro dos dois se dá numa noitada, e desse encontro vai nascer um sentimento que transformará Ciro. Beto Brant e Renato Ciasca contam uma história de amor como tantas outras. A diferença está em suas escolhas formais.

O filme se fixa num naturalismo poucas vezes visto no cinema brasileiro. Deixa os atores à vontade, o improviso aflora e o que se tem são conversas, murmuros, gemidos, risadas, cantorias, declarações. Nada de muito substancial acontece em Cão sem dono. O que conta é o sentimento em cena, a vontade dos personagens possuírem um ao outro e irem aprendendo cada um por si. É Ciro o protagonista, mas é Marcela a personagem principal. Ele sofre uma mudança drástica; ela provoca a mudança. No processo, o espectador acompanha lentamente cada passo desse crescendo, da relação que se molda a partir da azaração para se tornar fundamental.

É no naturalismo de suas cenas que Cão sem dono consegue atingir tantos significados: na modelo cantando enquanto é acompanhada pelo violão; no Ciro bêbado ao telefone, desesperado atrás da amada; nas conversas com o porteiro do prédio; no encontro com o casal amigo, durante um jantar; nas brincadeiras ao pé do ouvido entre uma transa e outra. A simplicidade das situações acumula, e acumula junto a intensidade dos sentimentos. O mais impressionante no trabalho de direção é o quanto o filme aparenta ser controlado e, ao mesmo tempo, demonstra uma liberdade total no trato com a câmera e com os atores que estão frente a ela. É difícil um diretor saber para onde levar seu filme sem que isso fique aparente na tela. Mas Brant é um mestre contemporâneo e não deixa dúvidas de que tinha um caminho traçado, seguindo-o sem jamais permitir que tal caminho suplantasse o que de mais importante seu filme possui - a impressão de que não estamos vendo um filme, e sim recortes de um mundo real e verdadeiro.

Veja acima o trailer de Cão sem Dono



Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 10/5/2007

Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
03. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jazz Através dos Tempos / Jazz Through the Ages / Com 3 Cds
João Francisco Franco Junqueira
Via Impressa
(2014)



Paulo Emílio - Legado Crítico
Thiago Almeida e Nayara Xavier
Cinusp
(2017)



Oxford Practice Grammar Intermediate With Answers
John Eastwood
Oxford
(2010)



Crimes Imperceptíveis
Guillermo Martínez
Planeta
(2004)



Contabilidade Pública - Exercícios Práticos
Alcides Menolli
Eduel
(2004)



Um ciclone na paulicéia Oswald de Andrade e os limites da vida intelectual em São Paulo
Rubens de Oliveira Martins
Unbero
(2001)



Molecagem - LIVRO DO MESTRE
Luiz Claudio
Scipione
(1988)



A fantasia desfeita
Celso Furtado
Paz e Terra
(1989)



Ensinar e Aprender no Século 21
Marcia Stein
Senac
(2011)



O sistema solar
Alberto Delerue
Ediouro
(2002)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês